Arquivo da categoria: Delírio Cotidiano

O buraco

osPor Patricia Ravena, artesã e professora

Sabe quando tua vida chega num ponto em que você inventando coisas pra fazer pra não enlouquecer?
Se você não passou por isso ainda, parabéns!
É péssimo. O dia não passa. Tic tac. Tic Tac.
Acorda.
Abre os olhos. Vai ao banheiro. Escova os dentes. Xixi. Banho.

E depois?

Vazio. Nada. Nadinha pra fazer. No máximo encher a cara. E engordar. Isso eu tô fazendo bem. Até fumar perdeu a graça. Acredita?????

Minha vida agora é um enorme vazio. Sou o próprio vácuo. Um buraco sem graça e sem formas definidas.

Já sei, vou pintar uma camiseta!!!!!!
Lá vou eu, toda feliz. Mas dá tudo errado. Rasgo o stencil, borra a tinta. perdí a camiseta. caralho!

Já sei, vou ler. Isso!. Nem isso. Primeira página eu paro. Não consigo. Não entendo nada do que está escrito. Juro! Desespero. Tá na cara. Coisa tá feia feito puta de beira de estrada.

Escrever, vou escrever!!!!
Tenho a seguinte mania: quando penso algo legal pra escrever, anoto em algum lugar e vou guardando. Depois, pimba! Sai alguma coisa legal. Lembro do tempo em que eu fazia poesia, uns poeminhas legais. Agora nem isso. As frases estão soltas aqui por dentro. Juntá-las é dificil como um estudante iniciante.

Minha vida parou.

Não trabalho. Adoeci trabalhando. Não Demais. Os dias passam lentos, lentos, lentos.
Agora deixa eu voltar pra minha caminha.
Dormir.
O sono artificial dos trouxas. Babar no travesseiro e repetir o dia. Um drama que dura meses, dias e horas e eu não sei mais como reagir a isto.
Espero poder acordar melhor. Durmo pensando assim.
Quem sabe???????
Quem sabe não levanto, quem sabe não reajo, quem sabe eu aceite aquilo que eu não consigo aceitar e encontrar em coisas simples a felicidade de ser quem eu sou! E buscar serenidade e paz frente as adversidades enfrentadas por mim e por todos nesta longa travessia que se chama vida e entender que viver é entrega. Se entregue…ame, viva, corra, sofra, mas sofra com dignidade, com olhos no futuro, pois não se deve cultivar o sofrimento.
Sejamos todos resilientes!

Lembrando Lennon

por Ismael Machado

É natural que o passar do tempo nos remova de coisas que muito nos foram importantes ou até mesmo fundamentais na construção do que somos e pensamos. Novos interesses, novas encruzilhadas na vida. Hoje fui levado de volta a um tempo definitivo, a um momento crucial de minha existência. E dada as dificuldades da vida atual, com pandemias, crises econômicas e morais, com a luta pela sobrevivência física, mental, monetária, social sendo uma encarniçada batalha para não sucumbir, vi a foto de Paul McCartney e John Lennon, sentados lado a lado, rindo e debruçando-se sobre a letra de uma canção. Que canção seria? E fui lembrado então que hoje, se vivo estivesse, John Lennon estaria completando 80 anos. E, desculpem a tolice piegas, chorei. Talvez não pela lembrança de Lennon em si, mas pela minha própria. Pelos 13, 14 anos que um dia já tive e que me fizeram entender em plenitude a importância beatle na minha vida.
John Lennon foi assassinado dois dias antes de eu completar 14 anos. Posso dizer, sem sombra de dúvida, que esse dia foi o ponto crucial para mudar minha experiência do viver. Percebi que aquelas canções estavam presentes em minha vida desde a mais tenra idade. Elas faziam parte do repertório de vida de minha única irmã e percorriam sulcos de vinis – compactos principalmente- de dois irmãos vizinhos, João e Jurandir. Ao me embrenhar nas histórias de John Lennon e dos Beatles, descobri um caminho a seguir. Fui abandonando aos poucos o interesse pelas festinhas de aparelhagem em quermesses de fim de semana e me debruçando com mais afinco ao rock. E isso me abriu portas para tanta coisa…mpb, teatro, cinema, amizades.
Minha irmã, que tanto amo, começa a enfrentar agruras de uma idade que começa a cobrar pedágio. Os amigos que conheci que também amavam Beatles e similares, muitos perdi de vista, na poeira do tempo e da distância. Não deixo de amá-los.
Decidi, enquanto as preocupações com a falta de dinheiro, com a ausência de trabalho, com a necessidade de terminar um projeto acadêmico que às vezes me soa sem sentido, ouvir John Lennon. E percebi o quanto há ali, naquelas canções, não tanto respostas, mas perguntas, as perguntas que sempre julguei necessárias. Há confissões e entrega. Uma sinceridade áspera. Do cara que se admite ciumento, possessivo e inseguro em Jealous Guy, ao que se diz cansado de políticos e suas mentiras, da hipocrisia das religiões e da insensibilidade da ganância do capital em Gimme Somme Truth. Há muitas canções que me tocam diretamente, como God, por exemplo, mas foi Working Classe Hero que me fez parar, suspender o momento, paralisar as ações e apenas ouvir a canção folk de protesto que poderia ter sido composta por Dylan, Joan Baez, Pete Seeger. E talvez nada seja mais completa para mim atualmente que essa canção. Nesse dia de hoje. E mais uma vez, agradeço a John Lennon. Feliz aniversário.
Herói da Classe Trabalhadora
Assim que você nasce eles te fazem se sentir pequeno/Não te dando tempo nenhum em vez disso tudo/Até que a dor é tão grande que você não sente mais nada/Um Herói da classe trabalhadora é algo para ser/Eles te machucam em casa e te batem na escola/Eles te odeiam se você é inteligente e desprezam um tolo/Até que você fica tão maluco que não consegue seguir as regras deles/Um Herói da classe trabalhadora é algo para ser/Depois que eles te torturam e te assustam por uns 20 anos estranhos/Então eles esperam que você escolha uma carreira/Quando você não consegue se encaixar você fica tão cheio de medo/Um Herói da classe trabalhadora é algo para ser/Eles te mantêm dopado com religião, sexo e TV/E você pensa que você é tão esperto, elitizado e livre/Mas você ainda é um camponês fodido pelo que eu vejo/Um Herói da classe trabalhadora é algo para ser/Há vaga no alto eles continuam te dizendo/Mas primeiro você precisa aprender a sorrir enquanto mata/Se você quer ser como os caras da montanha/Um Herói da classe trabalhadora é algo para ser/Se você quer ser um herói, bem, basta me seguir.

Reconstruindo a vida. Um TDAH de volta a Ritalina

Quando se soma a insatisfação com a desatenção o resultado é nitroglicerina pura.

Imagine a seguinte situação: Você, TDAH, chega no trabalho em determinado dia e se lembra de um comunicado que enviou por e-mail dias antes e um dos destinatários teve o e-mail devolvido por erro de endereço. Feliz com essa lembrança espontânea você começa a prospectar o endereço de e-mail correto. Até que decide contatar um cliente que lhe informa o número de whatsapp da pessoa. Você salva o número em seus contatos e clica em conversar. O aplicativo de contatos te joga para o whatsapp e você fica perplexo ao descobrir que já havia uma conversa sua com aquele contato. Estupefato, relê aquela troca de mensagens ocorrida dez dias antes em que, você não apenas enviou o tal comunicado à pessoa como corrigiu o endereço de e-mail e acertou o cadastro no sistema da empresa. A primeira reação é de incredulidade; não é possível que eu fiz isso. Mesmo diante da troca de mensagens você não se recorda. A segunda reação é vergonha. Vergonha de que alguém possa ter percebido e vergonha de si próprio, tal a magnitude do erro. Depois vem a revolta, a raiva de si mesmo, do transtorno, de si mesmo, da desatenção, de si mesmo, de si mesmo… Quando me lembro desse episódio a imagem do whatsapp volta nítida em minha mente. O sentimento de incredulidade. Aquele episódio desapareceu da minha cabeça como se jamais houvesse existido.
Um misto de irritação, frustração, vergonha, cansaço, desânimo, vontade de sumir…
Quem não é TDAH pode pensar: mas isso tudo por causa de um erro sem consequências. Que bom que já havia resolvido a questão antes…
Não é o tamanho do erro que incomoda; é sua infindável repetição. Quantos esquecimentos na mesma semana… No mês não dá pra contar…
Naquele dia cheguei em casa disposto a procurar um médico, um bom médico e retomar a Ritalina abandonada há muito tempo. Mais de um ano. Depois, mais calmo, concluí que, pela enésima vez, me auto sabotei ao abandonar o tratamento medicamentoso. E reconheci tardiamente todo o percurso que nós, TDAHs, repetimos à exaustão:
A primeira ‘constatação’ é a de que o remédio não funciona mais. Depois, a dificuldade de conseguir receita; o remédio é até muito barato, mas pagar uma consulta por mês pesa muito. Mais um passo é dado ao começar a economizar no consumo da Ritalina; em lugar de dois comprimidos por dia, concentrei-me em apenas um, na parte da tarde quando sou menos produtivo. Logo passei para dia sim, dia não, e parei…
Com tantos anos de estrada, escrevendo e vivenciando o TDAH, como pude cair nessa?
Simples, o TDAH é incurável e está dentro de nossas mentes. Ele é um componente indissociável de nossa vida e, confesso, é cansativo viver o tempo todo em estado de alerta. Em alguns momentos optamos conscientemente por deixar o TDAH agir. E esse conscientemente, já não sei se foi por nosso próprio livre arbítrio, ou se já era a influência nefasta do TDAH. Creio que foi no excelente livro do Dr. Barkley Russel sobre TDAH em adultos (que a Amazon espertamente está anunciando num blog de TDAH), que ele afirma textualmente que o portador de TDAH tem seu livre arbítrio prejudicado. Nem todas as nossas escolhas são nossas realmente, grande parte delas, ou a sua totalidade, são feitas sob a influência do TDAH.
Sinto-me hoje como Sísifo, a personagem do mito grego, que como punição aos seus erros era obrigado a rolar uma enorme pedra de mármore montanha acima e ao se aproximar do cume, via a pedra rolar montanha abaixo até seu ponto inicial. E Sísifo era obrigado a empurrá-la montanha acima diariamente. Sinto-me no ponto de partida novamente.
A grande vantagem que tenho sobre Sísifo é ter TDAH. Sim, ao esquecer-me da maioria das minhas experiências passadas, apago a maior parte do sofrimento que foi empurrar a pedra morro acima, e volto a empurrá-la alegremente na certeza de que atingirei o cume da montanha com facilidade.
A mesma falta de memória que nos prejudica e envergonha, nos dá o antídoto à depressão e ao desespero do eterno recomeço. Ciclicamente, como fênix, renascemos das cinzas, reerguemo-nos do mais profundo e escuro abismo e atingimos  o brilho do sol, onde passamos a acariciar com estranheza e curiosidade o enorme número de cicatrizes que trazemos na alma. Sim, somos incapazes de aprender com nossos próprios erros, e muito menos aprendemos com os erros alheios. Simplesmente esquecemos aquilo que vivenciamos, e voltamos a cometer os mesmos erros.
Se a mão que afaga é a mesma que apedreja, a mão que apedreja é a mesma que afaga.
Aqui vou eu; ao infinito e além!

Ouça em áudio :

Siga o blog TDAH-Reconstruindo a Vida

Maior petroleiro da Venezuela passa a navegar sob bandeira russa

osO maior petroleiro da Venezuela passará a navegar sob a bandeira russa, segundo o jornal econômico russo RBC. O acontecimento é extraordinário, já que das mais de 800 embarcações que levam a bandeira venezuelana, há raros casos de passagem para outra jurisdição, como a Libéria ou Panamá, de acordo com o banco de dados de embarcações marítimas da “Equasis”.

O petroleiro tem 320,8 mil dwt (a medida de porte das embarcações, “toneladas de porte bruto”), ou seja, pertence à classe VLCC (Very Large Crude Carrier). Antes chamado “Ayacucho”, em homenagem a uma cidade venezuelana chamada Puerto Ayacucho, ele mudou de nome em maio de 2020, passando a se chamar “Máximo Gorki” (Maksím Górki).

Desde junho, ele também está inscrito no registro russo e navega sob a bandeira russa, de acordo com a “Equasis” e com o “Registro Internacional de Navios da Rússia”. O superpetroleiro foi registrado na Rússia em 27 de maio de 2020, segundo a última entidade. O certificado foi emitido em 20 de agosto pelo Russian River Register.

Assim, o “Máximo Gorki” se tornou o maior petroleiro navegando sob a bandeira russa. Antes, os maiores petroleiros de armazenamento (depósitos flutuantes de óleo) na Rússia eram o “Umba” (300.000 dwt) e o “Kola” (309.000 dwt), de acordo com o banco de dados da “Equasis” e publicações de fontes abertas.

Em 2013, a petrolífera estatal “Petróleos de Venezuela” (PDVSA) recebeu solenemente um novo super-petroleiro “Ayacucho” do estaleiro chinês “Bohai Shipbuilding”, que também construiu petroleiros para a “Sovcomflot” navegando sob bandeira estrangeira.

“Ele é um navio que pode transportar 2 milhões de barris de petróleo. É quase tão grande quanto um porta-aviões. É um porta-aviões da nossa pátria, da nossa soberania”, declarou o então ministro do Petróleo da Venezuela, Rafael Ramírez.

O “Ayacucho” e três outros superpetroleiros figuravam no balanço patrimonial da “CV Shipping”, joint venture de Cingapura entre a PDVSA e a estatal chinesa “PetroChina”.

No entanto, depois que os Estados Unidos impuseram sanções contra a PDVSA e as seguradoras internacionais retiraram sua cobertura, o sócio chinês iniciou falência da joint venture em Cingapura.

A “PetroChina” ficou com três petroleiros, mas deixou o quarto, o “Ayacucho”, para os venezuelanos.

Curso OnLine de Marmitas Saudáveis – Versão Business – Home Sale – Ser

Há 80 anos, 2 aviões bateram, ficaram enroscados, mas pousaram em segurança

Um dos acidentes mais estranhos da aviação mundial completa 80 anos na próxima terça-feira. No dia 29 de setembro de 1940, dois aviões bateram em pleno voo, ficaram enroscados um sobre o outro, mas, ainda assim, conseguiram pousar em segurança. Os aviões envolvidos no acidente eram dois bombardeiros britânicos Avro Anson, que realizavam voos de treinamento da Real Força Aérea Australiana para combates na Segunda Guerra Mundial. A colisão ocorreu quando os aviões sobrevoavam a região de Brocklesbt, no estado de Nova Gales do Sul, na Austrália.

Os dois aviões voavam próximos, quando um deles fez uma curva e causou a colisão das aeronaves em pleno voo. O choque deixou os dois Avro Anson enroscados. As hélices do avião que ficou por cima ficaram completamente destruídas, mas o motor do avião debaixo continuou funcionando e fornecendo potência suficiente para permitir o voo dos dois. O piloto e o navegador do avião que ficou por baixo decidiram saltar de paraquedas logo após a colisão. Antes de saltar, no entanto, o piloto Jack Inglis Hewson travou os comandos do avião e colocou o motor em potência máxima. Isso permitiu que, no comando do avião de cima, o piloto Leonard Graham Fuller mantivesse total controle das superfícies de comando de sua aeronave.

Apesar das dificuldades de pilotar dois aviões ao mesmo tempo, Fuller conseguiu pousar os Avro Anson em segurança. Depois de alguns reparos, o avião de Fuller ainda voltaria a voar, enquanto a aeronave que ficou por baixo passou a ser utilizada somente para treinamentos em terra. Mesmo com toda a complexidade da situação, na época, Fuller descreveu com tranquilidade como agiu naquela situação. “Fiz tudo o que nos disseram para fazer em um pouso forçado —aterrissar o mais próximo possível de uma habitação ou casa de fazenda e, se possível, contra o vento. Eu fiz tudo isso”, disse.

O acidente inusitado ganhou grande repercussão na época. Fuller recebeu diversas homenagens por sua habilidade de conseguir salvar os dois equipamentos de uma destruição total. Como recompensa, foi promovido ao posto de sargento da Real Força Aérea Australiana. Depois de se formar no mês seguinte ao acidente, Fuller serviu no Oriente Médio e na Europa. Em 1942, recebeu a “Distinguished Flying Medal” por suas missões em Palermo (Itália). A carreira militar de Fuller estava em ascensão. Ao retornar à Austrália, foi promovido à função de instrutor de voo. A vida de Fuller, no entanto, foi interrompida de forma trágica, mas nada relacionado à aviação. O piloto morreu em março de 1944 , aos 26 anos, ao ser atropelado por um ônibus enquanto andava de bicicleta.

via Encanto do Rio

Homenagem a Salvador Allende em um Chile diferente #AllendeVive

A grande marcha  em homenagem ao ex-presidente Salvador Allende e às vítimas do pinochetismo que ocorre todos os anos não acontecerá em 2020 devido à pandemia.

Que estranho paradoxo sobre Allende, apontou o escritor chileno Antonio Skármeta: “Um homem que teve três funerais e se mantém muito vivo no coração de seu povo”.

Relembrando…

Dois atentados. Dois fatos históricos diferentes. O do Chile foi cometido há 32 anos e anda meio esquecido. Vale relembrá-lo.
Em 11 de setembro de 73, a mais sólida democracia da América do sul sofreu um atentado que deixou uns 30 mil mortos no seu rasto. O Chile foi vítima de um golpe militar, perpetrado pelas três Forças Armadas, com o objetivo de quebrar a esperança de se construir um país socialista pela via eleitoral.
Salvador Allende, após três derrotas, venceu as eleições presidenciais em 1970. O imperialismo americano não podia permitir que a “via chilena para o socialismo” vingasse e fosse um exemplo para a América Latina. Por isso, junto com a burguesia chilena conspirou e chamou os militares para acabar com aquela experiência. Allende foi derrubado. O Palácio de la Moneda, assim como várias fábricas onde estavam trabalhadores dispostos a resistir, foram bombardeados.
Com o golpe, dezenas de milhares de pessoas foram presas, torturadas e exiladas. Se calcula que de 10 a 30 mil foram assassinados ou se tornaram os famosos desaparecidos, vitimas da ditadura do general Pinochet. A esquerda foi quebrada. Com isso os Estados Unidos puderam dirigir tranqüilamente a economia chilena, sem freios. O Chile foi o primeiro país do mundo onde se implantou o projeto neoliberal. Os famosos Chicago Boys, os defensores da doutrina neoliberal, liderados pelo economista Milton Friedman ali testaram os resultados dos planos neoliberais.

Tudo isso exigiu um atentado terrorista contra a esquerda e o povo chileno que custou 30 mil mortos. Dez vezes mais do que o número de mortos no atentado em Nova Iorque em 2001, quando caíram as duas Torres Gêmeas e que, com razão, comoveu o mundo.

Victor Jara, o cantor de Venceremos

Há vários filmes dobre o Golpe do Chile de 1973. O mais recente é Machuca, mas há outros quase clássicos: ‘Chove sobre Santiago’, ‘Missing – O desaparecido’ e ‘A Casa dos Espírito’. Em ‘Chove sobre Santiago’, uma das cenas mais chocantes é a de milhares de presos, no dia 11 de setembro, amontoados no Estádio Nacional de Santiago. Muitos foram mortos sob tortura ou com um tiro na nuca ali mesmo. Outros seguiram para várias prisões ou acabaram sendo jogados vivos ao mar de aviões militares.

No estádio um dos presos era o cantor e poeta Victor Jara. Os torturadores lhe deram um violão e o forçaram a cantar o Hino da Unidade Popular que tantas vezes ele tinha cantado junto com o povo. Victor Jara teve suas mãos cortadas para nunca mais, com seu violão, cantar Venceremos.

Santa Maria de Iquique: um massacre em 1907

A matança da Escola Santa Maria, na cidade de Iquique, no norte do Chile é um dos fatos mais trágicos vividos pelos trabalhadores chilenos. Foi no dia 21 de dezembro de 1907. Foram assassinados mais de 3.000 trabalhadores do salitre, que estavam em greve por melhores salários e para que se mudasse o sistema de pagamento de vales para dinheiro.

Trecho da Cantata Santa María de Iquique, de Luis Advis

“Vamos mujer / Partamos a la ciudad.
Todo será distinto, no hay que dudar.
No hay que dudar, confía, ya vas a ver,
porque en Iquique todos van a entender.
Toma mujer mi manta, te abrigará.
Ponte al niñito en brazos, no llorará.
va a sonreir, disle cantarás un canto,
se va a dormir.
Qué es lo que pasa?, dime, no calles más.
Largo camino tienes que recorrer,
atravesando cerros, vamos mujer.
Vamos mujer, confía, que hay que llegar,
en la ciudad, podremos
ver todo el mar.
Dicen que Iquique es grande como un salar,
que hay muchas casas lindas te gustarán.
Te gustarán, confia como que hay Dios,
allá en el puerto todo va a ser mejor.
Qué es lo que pasa?, dime, no calles más.
Vamos mujer, partamos a la ciudad.
Todo será distinto, no hay que dudar.
No hay que dudar, confía, ya vas a ver,
porque en Iquique todos van a entender.”

via Prensa Latina & Núcleo Piratininga, com os meus sinceros agradecimentos a Heloisa Helena Rousselet de Alencar(Nininha), por ter me apresentado o Quilapayún, nos idos anos 70…

NR: Em estava participando do  Festival Chileno de Curtas-Metragens de Santiago, junto com meu amigo também cineasta Robinson Roberto e assistimos à estréia de um documentário chamado “Fernando está de volta.”, de Silvio Caiozzi. Muitos anos depois, Ricardo Aronovich , (diretor de fotografia de “Missing – O Desaparecido”, de Costa-Gavras ) foi meu professor num Estágio Avançado da FEMIS na UnB e nas rodas de café contou muitas outras histórias sobre o filme e a ditadura chilena.

O documentário “Fernando ha vuelto” mostra como médicas legistas trabalhando no necrotério de Santiago (Oficina de Identificación del Instituto Médico Legal) conseguem identificar os corpos de  desaparecidos prisioneiros da ditadura militar de Augusto Pinochet (1973-1990).

Os médicos demonstram as técnicas utilizadas em um caso recentemente resolvido: os restos de um homem encontrado enterrado, junto com muitos outros, no Pátio 29 do Cemitério Geral de Santiago, em 1991.Os restos mortais são de Fernando Olivares Mori, um chileno de 27 anos de idade que trabalhava para as Nações Unidas . Ele desapareceu em  5 de outubro de 1973. Após quatro anos de trabalho, os médicos com sucesso conseguem estabelecer a identidade de Fernando e, uma vez que já voltaram seus restos mortais para sua viúva, comunicar oficialmente a causa da morte (quase sempre tortura e execução sumária). Imagens do documentário testemunham o impacto que o retorno de Fernando tem em sua família: seu filho, seus irmãos e sua mãe. Seu testemunho ilustra como quão irrelevantes as convicções políticas podem ser quando se trata de sofrimento humano.

Um momento muito tenso, porque no Cine Pedro de Valdivia estava a família de Allende e o filme trata justamente de uma ossada que é identificada e tem , finalmente, um enterro cristão. No Chile, as feridas ainda estão abertas. Quase 40 anos depois…

#AllendeVive 

Projeto do PSL torna obrigatório exame toxicológico anual para professores da rede pública


O Projeto de Lei 3928/20 torna obrigatório o exame toxicológico para professores da rede pública de ensino. Em análise na Câmara dos Deputados, o texto estabelece que os exames para detecção do uso de drogas ilícitas sejam realizados antes da admissão do professor e depois anualmente.

A proposta concede ao professor direito à apresentação de contraprova em caso de resultado positivo. Confirmado o uso de droga pelo docente, ele será, conforme o projeto, encaminhado para tratamento a ser definido em regulamento, sem prejuízo de sanções administrativas.

Autor da proposta, o deputado Marcelo Brum (PSL-RS) entende que os professores “são peça chave na prevenção da dependência a drogas por terem contato prolongado com os alunos”. “Considerando esse fato, não é admissível que os profissionais do ensino possam ser, eles mesmos, dependentes de drogas ilícitas”, pontua Brum.

Nós comentários do site da Câmara onde aparece a notícia, há várias sugestões. ” Militares das três forças da mais baixa à mais alta patente, sem exceções nem para os ocupantes de cargos máximos. Políticos de todos os níveis, de vereadores a senadores.”,escreve um internauta. Outro comenta : ” Ao invés dessa lei, deveria ser criada uma lei que igualasse o salário do professor ao do deputado. E os exames toxicológicos deveriam começar pelos Deputados.”. Outro comentário é pitoresco : ” Em vez de fazer exame para detectar se o professor usa drogas !! Sugiro que crie uma lei que forneça remédio para matar os piolhos que os professores pegam nas escolas seria mais útil.”.

O exame proposto é o mesmo utilizado por caminhoneiros e motoristas de ônibus que possuem a habilitação CNH categoria D. Custa em média R$ 300 reais e demora de 20 a 40 dias para ficar pronto. O número de professores no Brasil passa de 2,5 milhões, segundo censos educacionais do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

Filme sobre Victor Dequech desvenda mitos das lendárias Minas de Urucumacuã

DEQUECHO falecimento do engenheiro de minas Victor Dequech, ocorrido em Belo Horizonte em 2012 poderia também sepultar uma parte importante da história de Rondônia.

Conhecido por ser o fundador da Geosol, a maior empresa de sondagens do país e da Sociedade Brasileira de Espeleologia, Dequech entra para a história de Rondônia a partir da Expedição da década de 40 que visava encontrar as lendárias Minas de Urucumacuã.

A sua versão dos fatos, a fonte primária da história, estaria perdida se não fosse a ação visionária dos documentaristas Luiz Brito e Beto Bertagna(yo), que munidos de uma câmera Digital e microfones profissionais, gravaram muitas  horas de histórias na sua residência em Belo Horizonte, com apoio da TV Minas.

O depoimento de Dequech é uma verdadeira bomba e põe por terra muitos mitos criados na fértil imaginação de cutubas e peles curtas.

O filme tem o título provisório de “Urucumacuã , A Salvação do Brasil” e reedita a parceria dos dois diretores  feita no documentário “Divino, Cem Vezes Divino“.

beto-dequech-luiz2

 

Brasil mais pobre : Cinema e MPB perdem Sérgio Ricardo, aos 88 anos

Morreu na manhã desta quinta-feira (23), aos 88 anos, o cantor e compositor Sérgio Ricardo, que atuou em movimentos que redefiniram a cultura brasileira, como a bossa nova e o cinema novo.  Ele estava internado no Hospital Samaritano, na Zona Sul do Rio, desde abril, quando contraiu Covid-19, e teve uma insuficiência cardíaca nesta quinta. Ele tinha se curado do novo coronavírus, mas precisou permanecer no hospital.

Cara, é o seguinte… Ele era da pesada !

João Lutfi, ou mais simplesmente , Sérgio Ricardo, diretor de cinema, ator, cantor e compositor.

Descendente de família libanesa, em 1940, aos 8 anos, foi matriculado no Conservatório de Música de Marília para estudar piano e teoria musical; mudou-se para São Paulo e foi locutor da rádio Cultura em São Vicente, litoral do estado.

Ao mudar para o Rio de Janeiro em 1952 conseguiu emprego como técnico de som e pianista, substituindo Tom Jobim. Familiarizado com a cidade, que foi o berço da bossa nova, passou a fazer parte do primeiro núcleo de compositores desse movimento musical. Lançou no começo dos anos 60 os LPs Não Gosto Mais de Mim e A Bossa Romântica de Sérgio Ricardo.

Participou do III Festival de Música Popular Brasileira transmitido pela TV Record, quando, num momento antológico, foi vaiado pelo público ao cantar “Beto bom de bola”, e nervoso, quebrou o violão e atirou-o contra a platéia.

Incentivado por Carlos Lyra, passou a inteirar-se de problemas políticos e sociais, o que o levou a compor canções retratando esses temas.

Há 3 anos atrás produziu um  show lindíssimo com seus filhos, Cinema na Música de Sérgio Ricardo, show-visual que comemorava seus 85 anos, e era por dirigido por Marina Lutfi, sua filha – designer e cantora, que também se apresentava no palco -, com as principais criações de Sérgio para o cinema, campo em que recebeu inúmeras premiações por trilhas sonoras inesquecíveis, como a de “Deus e o Diabo na Terra do Sol”, de Glauber Rocha, e de filmes próprios, como “A Noite do Espantalho”, juntamente com João Gurgel (voz e violão), acompanhados do fera da percussão Carlos Cesar.

Suas últimas apresentações eram acompanhadas por projeções de trechos dos filmes – a maioria com fotografia de Dib Lutfi, o “homem-grua” do Cinema Novo, que faleceu em outubro de 2016. Dib era o irmão caçula de Sérgio Ricardo. A cuidadosa seleção das imagens foi feita por Victor Magrath, editor dos últimos filmes de Sérgio, profundo conhecedor de sua filmografia.

Havia uma pedra

Texto e fotos de Valéria del Cueto

Incêndio na Flotropi. E não é pouco fogo não. A bicharada está em pânico e entre uma tossida e outra, uma ajuda a um irmão encurralado e as tentativas de fugir das chamas que engolem a floresta se pergunta: “como chegamos a esse ponto?”

A formigas trabalhadoras já haviam sentido em suas caminhadas no leva e traz de folhas e galhinhos para os formigueiros que algo não estava bem. A começar pela falta de chuvas e o descuido com os preparativos para o período da seca, ao menos para proteger a clareira real. As cigarras estavam mais roucas por causa da fumaça!

O eleito da vez, com mania de dinastia e império, não só deixou de fazer o beabásico, como incentivou a desobediência às regras de queimadas na área florestal. Seu assessor, encarregado das ações preventivas visando proteger o habitat, já dava sinais que estava mais para coração de pedra que coração de leão. E que de protetor e mantenedor do meio ambiente da Flotropi e seus habitantes, animais, vegetais e, por que não, minerais, não tinha nada!

Começou sua obra transferindo o responsável pela proteção dos golfinhos para o lado mais seco do país, alocando-o numa parte semiárida do território.

Nessa época do ano, qualquer animal de boa cepa sabe, em vez de gastar os recursos do tesouro florestal com a medida que, logo depois, foi derrubada no tribunal dos bichos, ele deveria estar estruturando a fiscalização e punindo os infratores que, já no início do inverno e do tempo seco, se preparavam para tocar fogo nas matas. E o que o animal fez? Nada!

Se limita a desqualificar os guardiões e, devidamente motorizado nas redes sociais, agradecer os aplausos dos demais membros do conselho florestal do atual governante, todos interessados em enfraquecer e dizimar os valores primordiais do meio ambientes da Flotropi: o ar, as matas e seus habitantes.

Nem o aparecimento de imagens terríveis de animais carbonizados, da vegetação sendo engolida pelo fogo, nem os gemidos da floresta serviram para sensibilizar os cruéis e gananciosos governantes de Flotropi. Quem imaginaria que as coisas chegariam a esse ponto?

Quando os representantes de outros ecossistemas começaram a se movimentar para impedirem a destruição em massa as hienas e os chacais do conselho continuaram fazendo cara de paisagem (variadas, conforme o setor de atuação) até que o presidente da Flotrofran botou a boca no trombone e levou o caso ao conselho mundial dos mais poderosos sistemas ecológicos do planeta.

E deu no que deu. Ou seja, o eleito (bem feito!) e já não tão amado assim, como bom mico bateu boca com o líder que expôs suas mazelas, partiu para a baixaria pessoal marital, recusou ajuda para conter as queimadas e, vestindo a roupa nova de seus asseclas costureiros, achou que estava tudo dominado.

E não teve manifestação nem passeata da bicharada indignada que amolecesse a moleira e abrisse a “caixola” dos donos da clareira.

Não contaram com a reação que levou o coração de pedra para a lona. A informação de que os produtos da Flotropi estavam fora da pauta de importação de grandes consumidores dos produtos flotropicais.

Deu xabu, deu piti e terminou com uma passagem pela CTI. O que era pedra não furou (ainda), mas começou a propagar, quem nem gota n’água, as consequências de sua inconsequência. O rastilho alcançou vários setores e está fazendo a bicharada ficar de antenas e orelhas em pé.

Rapidamente começaram a operação enxuga gelo para apagar o fogo. Jogando mais lenha em outras “fofogueiras”, baboseiras e besteiras.

Mais ou menos, porque agora a floresta palpitante e o mundo vigilante não vão deixar de cuidar da natureza. Ela não tem dono. É de todos os habitantes. Pelo menos aqui, na Flotropi, onde quem manda sou eu.

*Valéria del Cueto é jornalista, fotógrafa e gestora de carnaval. Da série “Fábulas Fabulosas”, do SEM   FIM…  delcueto.wordpress.com

Filmes : os 10 mais…

Os 10 melhores. Há alguns anos atrás comecei a fazer uma seleção das 100 melhores músicas para colocar num pendrive. Ô coisa difícil, é um tal de insere música , deleta outra….Até hj a lista está incompleta… Bebendo um vinho argentino, degustando os aromas perfumados de Mendoza enquanto vejo o neoliberalismo se desmanchando tal qual castelo de areia, silenciosamente pensei , porque não fazer uma lista dos 10 melhores filmes ? PQP, outra roubada.
 
1) Cidadão Kane
2) Cinema Paradiso
3) Laranja Mecânica
4) O Encouraçado Potemkin
5) Casablanca
6) Bye Bye Brasil
7) Big Fish
8) Era uma vez no Oeste
9) A felicidade não se compra
10) 2001 – Uma Odisseia no Espaço
11) Blade Runner
12).Um homem, uma mulher.
13)………..
 
Então ?

Minha relação com os bancos escolares e universitários

foto:Paulo Fonteles Filho

Por Ismael Machado

Minha relação com universidades é intensa. Tenho duas graduações, além de um mestrado e três especializações. Mas também deixei por concluir pelo menos dois cursos. Mas sempre considero meus anos mais importantes os que envolvem minha primeira passagem universitária, como estudante de Psicologia (esse é um dos cursos inconclusos). Foi o mais marcante. Entrei na Universidade Federal do Pará (UFPA) em 1986. O ano, por si só, já é emblemático. Foi um dos anos mais interessantes daquele efervescente rock nacional da década, com discos fundamentais no período (só para lembrar: Legião Urbana 2, Cabeça Dinossauro, Vivendo e Não Aprendendo, Pânico em SP, Mercenárias, O Concreto já Rachou e muitos etc).

É difícil explicar o que foram os anos 80 para quem não os viveu, mas não é à toa que ele se tornou tão mítico na memória nacional. Entrei na universidade e ali o nome universidade fez sentido. Conheci pessoas que marcaram minha vida, entre professores e colegas. Não demorou e entrei numa chapa de Centro Acadêmico, como diretor cultural. A chapa era a Ensaio Geral e tinha uma moçada da Convergência Socialista na cabeça, gente como o Serginho Darwich e a Miriam, por exemplo. Tinha o Marquinho, o Fernando, a Celina etc. E nós éramos o sanguinho novo, mesmo sem coloração partidária. Éramos eu, Mylena, Adelaide, Fran, Bia, a turma da psicologia.

Mas tinha tanta gente cheia de energia. Roger Paes, Valéria Nascimento, Vânia Torres, Luciana Medeiros, Lula, Tatá Ribeiro, Valter Sampaio, Tereza Lobato, Walcir Cardoso, Bel, Assis Lúcio,  Cris, Ilma, Fran, Valzete Sampaio…de cursos diversos, de origens variadas.

Esse foi o período em que, por exemplo, houve a luta pela meia passagem. Com passeatas e enfrentamentos com a polícia. O ano de 1987 foi marcante nisso. Era o período dos últimos momentos do Projeto Pixinguinha. Vimos shows de Cida Moreira, Vitor Ramil, Zizi Possi, entre tantos outros, ali na UFPA, preço super bacana. Organizamos festas, shows, exposições ao longo desses anos. Nos divertimos, namoramos, crescemos em meio a crises pessoais, geracionais etc. E tendo alguns professores que amávamos e outros que detestávamos (na psicologia quem não foi perseguido por Maiolino Miranda? hahaha- eu fui). Mas havia professores como Alice Moreira que nos levava para fins de semana em sítios onde fazíamos coisas ligadas a biodança, ioga etc. Ou professoras como Marilice, ídola de quase todos nós. Zé Carlos, Cacá, Olavo Galvão. Professores que estavam ali, acessíveis, trocando ideias, discutindo etc.

Em sala de aula lembro de discussões bacanas em aulas de Filosofia, Antropologia Cultural (com a Carmen…que morava em São Braz e abria o apartamento para aqueles meninos e meninas irem ouvir música, conversar, discutir, namorar). Tenho sempre a imagem antiga de Mylena dançando ao som de Bolero, de Ravel, como uma das mais emblemáticas da década para mim.

O pôr do sol na beira do rio se misturava a bater cabeça para tentar compreender os textos em original de Descartes, por exemplo. Ou de Malinovski, ou de Vigotsky.

Quando vejo nos dias atuais esse ataque claro ao que representa a universidade, ao que representa o saber vivido e vívido, tenho nojo e pena. Nojo de quem está produzindo esse desserviço ao futuro do país e pena do país que está sendo comandado por alguém tão perverso, mas que representa milhões de pessoas tão perversas quanto.

Li hoje cedo que, por conta de fanatismos religiosos que são contra a ciência, algumas doenças extintas no país estão voltando com força total. Sangramos por dentro com tanta loucura sendo produzida em tão pouco tempo.

Volto minha lembrança para os anos de 1982 a 1984. Nesses três anos fiz o meu ensino médio em um colégio chamado Avertano Rocha. Foi ali que graças a um professor chamado Everaldo (homossexual, diga-se de passagem), ouvi falar a primeira vez de um dramaturgo e escritor chamado Antônio  Bivar. E foi graças a uma indicação dele que pela primeira vez pus os pés no teatro Waldemar Henrique, para assistir a peça Alzira Power, com Salustiano Vilhena e Henrique da Paz. E olha só, a peça era de Bivar. E minha vida mudou. Fiquei próximo de Salustiano, conhecido como Saluzinho, filho de um representante militar na Vila Sorriso, o Salu, chefe dos escoteiros. E Saluzinho afrotando a tudo isso, com sua verve e postura gay, a nos encher de referências como André Gide e Jean Genet, falando com brilho nos olhos de uma montagem da peça o Balcão, vista por ele lá no auge da ditadura.

Professores e Professoras que trouxeram referências literárias, artísticas, culturais etc que nunca esqueci. Que me indicaram livros para ler, filmes para ver (muito obrigado Everaldo por me falar do filme Blade Runner que estava em cartaz), músicas para ouvir. Que me fizeram perceber que sentar em um banco escolar (seja no ensino médio ou na universidade) é muito mais do que aprender a fazer conta, ler e escrever, como prega esse desvairado que chamam de mito.

Perdi a conta de quantos livros li na vida, de quantos discos ouvi, filmes que assisti, exposições e peças que vi. Volto minhas lembranças para o grupo cultural que criamos na universidade, o Vevecos, Panelas e Canelas, para a banda de rock que montei, para a peça teatral que ajudei a montar (o cego ouvido mudo), para as festas que eu e Roger Paes planejamos juntos, para as viagens feitas (coisas como ir de bicicleta até o Marajó, com Adelaide e Mylena como companheiras de aventura), para as reuniões na casa de Walcyr, com aquela coleção maravilhosa de discos de vinil.

Quando os nossos primeiros filhos começaram a nascer, tentamos, cada um de nós, dar a eles e elas uma possibilidade de mundo diferente. Mais solidário, mais comunitário e mais humano.

Muitos deles estão aí e nos dão orgulho pelas pessoas que se tornaram. Estão espalhados no mundo e atendem por nomes como Lui, Manuela, Ian, Dhavid, Tiê, Aruan, Gabriel, Sofia, Luana, Rafael, tantos…

Há um futuro sendo destruído hoje. Lembro do passado para tentar evitar que isso não ocorra.

Educação não é para aprisionar. É para libertar.

Não está fácil pra ninguém

Texto e foto de Valéria del Cueto

Duas coisas me fazem sacar o caderninho que uso para registrar as crônicas. A primeira é a paz na terra na beira de um mar que não pode ser um qualquer. Essa “saída o corpo”, mesmo no cenário paradisíaco que frequento, ultimamente na ponta do Arpoador, nem sempre acontece e se condiciona a certos fatores. Entre eles está a segurança do entorno.

Foi justamente ela que me impediu de sacar o caderninho na última passagem pela praia. Em plena tarde de um sábado com uma lotação até agradável, sob um sol ameno de outono.

Depois de fazer algumas fotos e vídeos dos ambulantes que circulavam anunciando seus produtos, num pedaço pouco frequentado entre a Pedra do Arpoador e o posto 8, em Ipanema, me preparei para puxar a caneta e abrir o caderno.

Antes de começar a escrevinhar chamaram minha atenção dois ambulantes que confabulavam nas proximidades. Entre uma negociação para a troca de um pouco de gelo para o isopor por produto e a avaliação das vendas do dia, o assunto passou pela ação de ladrões que estavam atuando na areia, prejudicando ainda mais a féria do dia. Que já não estava das melhores.

Ligada no bate papo e sempre prevenida, fechei a bolsa, pedi licença e entrei na conversa querendo entender o movimento local. Argumentei que era estranho e fora de época. As férias e a alta temporada já tinham terminado e, na praia vazia, não havia “clientela”, a não ser os locais, como… eu!

“É que ainda não avisaram ao “bloco” que o carnaval já acabou.” A resposta veio em meio a risadas pela metáfora criada por um dos rapazes. O outro explicou: “Isso aqui está largado, dona, a gente sai de perto para não ser confundido com eles.” “Você devia tomar cuidado”, alertou o mais velho, “por isso vim para esse lado”.

Enquanto conversávamos comecei a me “situar” melhor no entorno. Sempre procuro ficar num local com visibilidade ampla e rotas de fuga. Apesar de estar na parte mais estreita da ligação de Ipanema com o Arpoador, onde o paredão é mais alto e, portanto, impossível de ser escalado, montei meu point próximo a duas barracas que, coladas nos grafites que enfeitam a “muralha”, produziam e distribuíam caipirinhas e outros drinks para diversos vendedores que volta e meia passavam para reabastecer as bandejas.

Aliás, essa foi uma das razões que me atraiu para aquela posição. A possibilidade de ampliar as fotos que estou fazendo sobre os ambulantes que passeiam oferecendo seus produtos. A outra foi a escada que dava acesso rápido ao calçadão. Foi o que expliquei para o vendedor que ficou papeando comigo enquanto o outro seguia para a “zona de confronto”, como chamou a caminhada em direção a Ipanema.

Foi ali que fiquei sabendo que os “blocos” podiam ser da área ou de fora e que, provavelmente, só os primeiros respeitam (um pouco) os locais.

Não fiquei chateada quando o vendedor se aproximou e, puxando seu celular, explicou que trabalhava na construção civil. Me mostrou, cheio de orgulho, várias fotos de trabalhos que havia realizado.

Disse que era da Pavuna e que tinha descido para a Zona Sul para deixar seus cartões de visita com um amigo que havia contado que estavam abrindo vagas por aqui na segunda-feira. Que era regularizado e, inclusive, tinha MEI. O problema era ter “capital” para pagar o contador. Aliás, era isso que ele estava fazendo ali. Tentando melhorar o caixa, que andava no negativo.

A conversa continuou até a volta do amigo que foi mais claro em relação a necessidade financeira do parceiro: “Vamos nessa, ainda dá para fazer mais umas duas voltas e, pelo menos, juntar o troco da pensão alimentícia. Se chegar com algum pode ser que a ex patroa não procure a justiça. Você já sabe onde vai parar…”. Imaginem a rapidez com que meu novo amigo se levantou, se despedindo.

A segunda possibilidade de puxar o caderninho, (lembra? Foi assim que a crônica começou) é quando estou numa espera. No caso foi bancária. Contar essa história me fez viajar para um lugar muito mais agradável do que onde me encontro, aguardando para falar com o gerente do banco. Não está fácil pra ninguém…

*Valéria del Cueto é jornalista, fotógrafa e gestora de carnaval. Da série “Arpoador”, do SEM   FIM…  delcueto.wordpress.com

 

Textim em construção. Aceito reparos e adições, mas mantenham a linha!

Por José Leme Galvão Jr.

Justo na semana após o desastre do interlúdio do “serial coup” tive que me apresentar no banco para a prova de vida anual. Sem ela me matam. Ou pelo menos começam suspendendo meu salário de aposentado federal. Danei-me a pensar: OK, provo que vivo, mas como vivo? Digo, que tipo de vida tenho que me aprove ou reprove?
Para uma boa análise e diagnóstico (báideuêi sou agnóstico noturno também) achei por bem, claro, fazer exames gerais – nem clínicos nem cínicos – começando com o famigerado exame de consciência, na verdade bem complexo e dependente do nosso meio social e natural, inclusive por ações e relações moral e politicamente incorretas, com maior ou menor comprometimento no trato com semelhantes. Também com os dessemelhantes (comer ou não animais e tampouco usar seus nomes em vão, burro e anta por exemplo.). Enfim, exame através de imagens e de coisas que disse ou escrevi nesta minha vida adulta (crianças e adolescentes são cruéis pré-pagos), passando por quitações de dívidas e dúvidas, valores e amores apenas possíveis, mas diáfanos ou encarnadamente perigosos, desaforos de todo tipo etc.
Tomograficamente encontrei placas de desacatos vários, manchas persistentes de desaforos, mossas de desencontros e pancadinhas de amizades e outras relações que foram mal construídas ou sobre bases movediças. Vi também apêndices que poderiam ter sido extirpados, vírus e bactérias exóticas aguardando uma chance de se manifestar… Enfim, coisas normais. Mas nada, nada, de monta ou que possa me embaraçar ou comprometer.
Então porque tanto ódio se nos aplica ou respinga ou separa? Seríamos irmãos, primos e amigos no lugar e na hora errados?
Na radiografia política de uma clínica à rua direita fui (fomos) diagnosticado como petralha esquerdopata, com sinais antigos e riscos de desenvolvimento de contagiosa sociopatia comunista (entendida pela boçalidade descerebrada como maladia. Fico perplexo). Parti para um segundo diagnóstico que indicou inalterada radicalidade xiita a favor da preservação da memória cultural (há outros muito amis xiitas que radicais), mas na verdade foi verificada forte intolerância à determinados bestialidades tais como burrice adquirida (sim, existe), maus caráteres desvelados sob máscaras de gente fina, ladrões de casaca, colarinhos brancos, procuradores que só acham o que querem, promotores que só promovem o caos, juízes de piso à soldo etc. Enfim, corrompidos e corruptores travestidos de cidadãos justos, capazes e merecedores do poder que compraram ou usurparam. Nada foi constatado quanto a manter confiança em políticos, advogados, sacerdotes e outros “profissas” em estrito senso, assim como na sociedade e nas pessoas em geral. Ufa!
Mas – sempre o mas – há ainda substratos sob esses vetores de intolerância. Um primeiro é pleno de grupos opostos e displásicos, que invertem os textos intentando reverter modos e argumentos, senão a própria realidade. Assim os pobres diabos que nada sabem seríamos nós. Seríamos nós os desonestos, os desviados da normalidade, da moral e da ética. Prática bastante comum entre os fundamentalismos de qualquer tipo, inclusive de esquerda. Causam horror e terror.
Abaixo, outro substrato abriga grupos milicianos, formais ou não. Observamos sem reagir e ao longo do tempo seu surgimento, armamento e consolidação, tipo o exército de “gondor”. Descerebrados de todo tipo pululam. Covardes atávicos compactuam-se na violência física e na caça a quaisquer privilégios inter-pares. Boçais abissais.
E chegamos à expressão privilégio. Nenhuma outra resume tão bem as ambições e metas dos caçadores de poder. Nem me refiro ao “bozo”, eleito já tantas vezes. Apesar de obscuro e mentalmente raso ele é de certo modo um conquistador, como Hitler foi, entre outros que a história apresenta. Me refiro à maioria dos malfeitores que vem golpeando o país e a democracia. À soldo ou autônomos agregados, buscam elevar-se pelo tripé dinheiro – poder – privilégios. Não tem ou não pode ter para todos, seria uma contradição. Não há equilíbrio aí. Trata-se de uma superfície sulfurosa, caótica, tóxica, em sucessões mais rápidas do que a própria vida humana.
Por isso a minha intenção inicial não atingiu a graça de mostrar o lado ridículo disso tudo.

Dependência afeta profundamente as mulheres

 

Por Alice Schuch

A psicóloga argentina Clara Coria alerta para a necessidade de compreensão das questões que afetam profundamente as mulheres. De acordo com o filósofo e economista britânico Stuart Mill, já em 1806, o primeiro e indispensável passo para a emancipação das mulheres é a educação de modo a não necessitarem do pai ou do marido para manter-se, posição esta segundo o autor, que em nove entre dez casos as convertem em joguete ou em escravas daquele que as alimenta, e no caso número dez, em sua humilde amiga e nada mais.

“Convém sermos vigilantes porque quanto em nosso interior descobrimos alguém que nos freia, somos nós que o escolhemos e o queremos, pois ao interno de cada uma a decisão é pessoal”, explica a doutora e pesquisadora Alice Schuch.

Como refere a obra O Em Si do homem: “se o sujeito não se desenvolve em crescimento, perde a memória, o traçado e a forma segundo o tipo de privação que sofreu em cada sucessiva interação que o fez regredir”.

Em sentido positivo, ao aperceber-se de uma presença vital, a inteligência feminina deseja e escolhe aquela relação para crescer. “Essa é a lógica da vida: busca um comportamento de permanente adaptação a cada realidade de contato enriquecedor, útil e funcional ao próprio devir”, diz Alice.

Como refere Maslow, todo o ser humano porta dentro de si dois conjuntos de forças. Um deles apega-se a segurança e a defesa e tende a regredir, temeroso de correr riscos, de colocar em perigo aquilo que já possui, receoso da liberdade e da separação. O outro impulsiona para a totalidade, para a individualidade, para a ação plena e para a confiança em relação ao mundo externo.

“O igual não existe no mundo da vida, cada uma de nós é diversa por como se constrói. Nascimentos são constantes para aquelas que crescem e realizam. Por isso, investir no pessoal desenvolvimento me torna mais eu, mais real, mais bela e muitíssimo mais feliz. Calma, ma fare subito ou: Calma, mas faça logo!”, sugere Alice Schuch.

O silêncio do suicídio

por Aline Rodrigues

Você já pensou em pôr fim à sua vida? Pode soar de forma agressiva, mas se trata de uma pergunta que tem rondado os pensamentos dos brasileiros mais do que imaginamos.

Outra questão é: Você conhece alguma pessoa que suicidou? Acredita que essa pessoa efetivamente suicidou ou que foi um acidente ou morte natural?

A sinceridade em assumir esta realidade é extremamente importante. Porque, a negação deste comportamento é um dos grandes fantasmas que potencializam seu aumento.

Como iremos tratar algo que não consideramos existente? E assim, negando sua existência, mais e mais pessoas colocam fim em suas vidas por não conseguirem mais suportar ou lhes dar sentido.

Dados estatísticos revelam que, anualmente, 800 mil pessoas suicidam no mundo. Sua maior incidência acontece na faixa etária de 15 a 29 anos. E, segundo a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), o Brasil apresenta um registro de 12 mil mortes por ano. Um dado assustador.

Diante deste cenário, podemos abrir inúmeras discussões. Atenho-me apenas a uma reflexão: todos que atentam contra a própria vida o fazem por estar vivendo um quadro de doença psíquica? Afinal, este é o discurso que ouvimos a todo instante. De fato, isso precisa ser questionado, visto que a dimensão psicológica não é a única que norteia o ser humano.

É válido ressaltar que somos um ser biológico, psicológico, social e espiritual. Que dentro da dimensão biológica, pode se notar alterações neuroquímicas e hormonais que estão relacionadas diretamente ao quadro de humor da pessoa, um dos fatores que implicam no comportamento suicida.

Outra dimensão é a psicológica. Claro que esta é a que mais atinge esse público, inegavelmente. O aumento de doenças psíquicas como depressão, ansiedade e tantas outras patologias, tem gerado o que chamamos de “adoecimento coletivo”. Atrelado a essas patologias, podemos notar que o ser humano tem ficado perdido quanto à sua identidade.

Muitas vezes, não reconhece o seu lugar, valor e missão no mundo. O que gera confusão e sensação de falta de sentido. Não entro aqui na discussão de casar ou não, ter filhos ou não, trabalhar ou não. Falo das frustrações e decepções vividas, do sentimento de abandono e desamparo sofrido. De olhar para si e não reconhecer nenhum sentido na própria vida.

Uma outra dimensão que potencializa esse sofrimento humano é a social. A sociedade tem violentado o ser humano, pois ele não consegue freá-la, nem dar respostas saudáveis. Vive no automático, respondendo a uma cultura de massa, que tira toda a sua individualidade. Exigindo, muitas vezes, um comportamento e uma forma de pensar muito diferente do que é dele. E uma vez que não consegue encontrar o seu lugar nesta sociedade, perde o sentido da vida. Essa dimensão é como um gatilho no revólver que é a nossa estrutura psíquica.

Essas dimensões humanas são como os pés de uma mesa: se uma está doente, é como se o pé quebrasse. Um pé da mesa quebrado, o que acontece? A mesa fica “manca”. Esteja atento, reconheça essas dimensões nos integrantes de sua casa, olhe para a dor do outro que está perto O suicídio é real, fruto de uma realidade doentia de alguma das dimensões da nossa vida.

Temos uma geração fraca, que não sabe lidar com as frustrações, decepções e os NÃOS que são próprios da vida. Aprenda a dizer não! Auxilie seus filhos a lidarem com as decepções e frustrações. Mostre às pessoas que você ama que é possível achar o equilíbrio, enfrentar e superar o problema que tem gerado essa dor momentânea.

*Aline Rodrigues é psicóloga, especialista em saúde mental, e missionária da Comunidade Canção Nova. Atua com Terapia Cognitiva Comportamental; no campo acadêmico, clínico e empresarial.