Arquivo da tag: Sem categoria

Tentativa de assalto em Cuiabá, termina com dois bandidos e dois seguranças mortos (via sgt carlos policial do povo Weblog)

Tentativa de assalto a um carro-forte em frente ao Shopping Três Américas, acabou em tiroteio com três mortos e dois feridos levados pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para o Pronto-Socorro de Cuiabá. A informação foi confirmada pela Oficial de Área do 9º Batalhão e também pelo sargento Edinaldo do 1ºBPM que atenderam a ocorrência. Entre os mortos, estão dois bandidos e um dos seguranças da empresa de valores Prosegur que revidaram com tiros à tentativa de assalto contra o veículo que abastecia caixas eletrônicos na Galeria Itália, no bairro Jardim das Américas, de classe média alta. … Read More via sgt carlos policial do povo Weblog

Estou saindo do armário (via A Ruiva)

Calma gente, não é o que vocês estão pensando! Não virei shimbalaiê! A questão é que estou saindo do armário em outro sentido: estou começando a assumir para mim mesma e para a sociedade o fato de que eu não tenho religião. E digo mais, assumir que não acredito em deus. Desde pequena eu não conseguia aceitar a ideia de que um livro poderia regrar toda a minha vida, e que um ‘cara lá de cima’, que dizia que me amava, me mandaria para o inferno se eu mentisse para a minha mãe sobre ter arrumado o meu quarto. Sentia-me incomodada quando eu ameaçava fazer alguma peraltice de criança e minha avó me desafiava com um sonoro ‘deus castiga, menina’. … Read More via A Ruiva

D.R. com a churrasqueira

Ela andava triste comigo. Disse que eu só dava valor para nossa relação quando estava bêbado, rodeado de amigos. Reclamou que a gente nunca mais tinha feito nada sozinhos, só nós dois. Que eu nunca mais tinha tocado violão pra ela. Que a gente nunca mais tinha passado um final de semana despretensioso, jogando papo fora, sem compromisso com festa, algazarra. Concordei. Há muito tempo que já não sou mais aquele companheiro aplicado, que passava horas juntos, fazendo planos para o nosso futuro. Me senti mal por isso. Resolvi me redimir. Tirei a tarde de domingo para ficarmos juntinhos. Conversamos futilidades, comemos juntos e fizemos as pazes. Pedi desculpas por ter deixado que a rotina maluca de trabalho atrapalhasse meu empenho como parceiro. Ela ficou feliz, disse que amou o domingo e que já posso voltar a chamar meus amigos pra fazer farra. Ufa. … Veja Mais em Raspa Raspa