Arquivo da tag: São Paulo

Ônibus movidos a hidrogênio passam a circular em São Paulo

Foto de página inteiraPassageiros que utilizam transporte público no Corredor São Mateus-Jabaquara (ABD), entre as regiões de Santo André e Diadema, na Grande São Paulo, têm contribuído diretamente para a redução da emissão de gases causadores do efeito estufa na atmosfera. Isso porque entraram em circulação dois novos ônibus movidos a hidrogênio na rota.

Os veículos, desenvolvidos com tecnologia brasileira, são resultado de um projeto financiado pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep/MCTI) e pelo Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF), em uma parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), o Ministério de Minas e Energia (MME), a Agência Brasileira de Cooperação (ABC) e a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo S.A (EMTU/SP).

Em junho de 2015, três unidades foram entregues ao estado de São Paulo e ativados para testes. No começo deste mês, dois deles foram integrados à frota dos ônibus intermunicipais gerenciadas pela EMTU/SP. Os trabalhos começaram na linha 287P Piraporinha a Santo André, um trajeto bastante demandado pelos usuários.

A tecnologia de propulsão utilizada é totalmente livre de emissões de poluentes. No lugar de dióxido de carbono e outras emissões dos veículos terrestres comuns, somente vapor d’água é eliminado pelo escapamento.

Os dois ônibus reforçam a preocupação com a natureza. Eles são decorados com pássaros representativos da fauna brasileira e recebem nomes de aves. Um deles é o Arajuba, ave da região amazônica que representará as regiões Norte e Nordeste. O outro é o Sabiá Laranjeira, considerado, por Decreto Presidencial, como um dos quatro símbolos nacionais.

Olhares do Brasil: São Paulo, por André Tambucci

Fundada em 1554 por padres jesuítas, a cidade é mundialmente conhecida e exerce significativa influência nacional e internacional, seja do ponto de vista cultural, econômico ou político. Conta com importantes monumentos, parques e museus, como o Memorial da América Latina, o Museu da Língua Portuguesa, o Museu do Ipiranga, o MASP, o Parque Ibirapuera, o Jardim Botânico de São Paulo e a avenida Paulista, e eventos de grande repercussão, como a Bienal Internacional de Arte, o Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1, a São Paulo Fashion Week e a Parada do orgulho LGBT. A diversidade econômica do estado e as múltiplas origens étnicas de sua população geram uma mistura de jeitos, gostos e prazeres. Os reflexos da diversidade étnica e cultural que caracteriza a população paulistana pode ser notado ao andar pelas ruas da cidade.

Lua cheia em Sampa

LUA/SAO PAULO/AVIAO

foto : Ricardo Stckert / Fotos Públicas Clique na imagem para ampliar

Na foto de Ricardo Stuckert, um avião passa pela lua cheia em São Paulo, na noite desta quarta-feira, 29 de julho.

Vídeo – São Paulo em 1943

Um filme patrocinado pelo Escritório do Coordenador de Assuntos Interamericanos para promover relações amistosas com os países da América do Sul e que mostra detalhes interessantíssimos da Paulicéia Desvairada nos anos 40.

São Paulo inaugura ciclovia na sua avenida mais famosa

A ciclovia possui 2,7 km de extensão, foi construída no canteiro central da Av Paulista, entre a Praça Oswaldo Cruz e a Avenida Angélica. A ciclovia tem 4 metros de largura e foi elevada, ficando a uma altura de 18 cm em relação às faixas de rolamento em suas laterais.

fotos: Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas

Este slideshow necessita de JavaScript.

Paulistanos aproveitam a manhã ensolarada e vão pedalar na nova ciclovia da Av. Paulista Fotos: André Tambucci / Fotos Públicas

Ostentação em São Paulo

Por Macka Botecoterapia ( via Facebook)

– “miga” to muito “filiz”
– “quibon” ” miga”. Whats?
– tô saindo com um carinha da hora
– sério? ‘Quilegaus”, mas o cara é rico do jeito que tu “quirias”?
– que nada, é pobrinho.
– eu não entendi, você nunca quis pobre…
– mas esse tem um poço na casa dele kkkkkkkkkkk
– ai “miga” ele não tem um brother não? Hahahaähahaha

Prefeito turcomunista inferniza a vida dos Homens Bons paulistanos (via Prof. Hariovaldo Almeida Prado)

Se depender do PT, esta deprimente cena será corriqueira

By 

Nobres confrades

É do conhecimento geral que um petralha ocupa indevidamente o cargo de alcaíde no feudo por direito divino pertencente a Dom Jozê dos Alagões e afluentes chiriko Çerra. A contagem regressiva para a defenestração deste turcomunista já está em curso nos bastidores da campanha Çerra-16. Caso ele vença em 2014, em 2016 ele poderá acumular os cargos e ser ao mesmo tempo governador e prefeito já que o estado e a capital possuem o mesmo nome e lá os tucanos mandam!

O problema é que salvo um democrático golpe a lá Paraguai, o turcomunista ficará até 2016 infernizando os homens bons paulistanos. O petralhaddad já está usando o IPTU, Imposto PTralhista Unificado, para se vingar dos bons e nobres por não votarem nele. Outra medida foi acabar com a mamat… ops, cancelar o contrato com a CONTROLAR, empresa responsável pela inspeção veicular causando terríveis transtornos aos acionista.

A última deste Poste usurpador foi a insana decisão de atacar os infelizes cidadãos proprietários de veículos automotores proibindo estes de utilizarem certos trechos das avenidas reservados para a choldra circular em veículos superlotados e fétidos conhecidos como “ônibus”.

Continue lendo via Prof. Hariovaldo

Documentos da ditadura na net, nesta segunda, 1º de abril

O trabalho é resultado da parceria entre a Associação dos Amigos do Arquivo Público de São Paulo e o projeto Marcas da Memória da Comissão de Anistia, do Ministério da Justiça, com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

Os arquivos e prontuários do extinto Departamento Estadual de Ordem Política e Social de São Paulo, (Deops), órgão de

repressão do país no período da ditadura, poderão ser acessados na internet a partir da próxima segunda-feira (1º). Ao todo, cerca de 1 milhão de páginas de documentação foram digitalizadas.


A digitalização dos documentos foi feita em dois anos e deve continuar até 2014. Para a realização do trabalho, a Comissão de Anistia transferiu mais de R$ 400 mil à Associação de Amigos do Arquivo. Em dezembro de 2012, o Ministério da Justiça autorizou novo repasse, de mais R$ 370 mil, para digitalização de outros acervos.
De acordo com o Ministério da Justiça, as informações, além de serem um importante registro histórico, poderão facilitar o trabalho de reparação feito pela Comissão de Anistia, uma vez que poderão ser usadas como ferramenta para que perseguidos políticos consigam comprovar parte das agressões sofridas.

Marco inFeliciano não me representa! (via Questão de Mau Gosto)

Todo mundo está a par do tumulto que é a permanência do pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão dos Direitos Humanos e Minorias. O deputado federal pelo PSC-SP é assumidamente racista, machista e homofóbico, assim como exibicionista de sua intolerância religiosa.

Compareci ao Ato II contra essa criatura, que aconteceu em São Paulo no fim-de-semana do dia 16 de março. O primeiro manifesto paulistano aconteceu no dia 09.

O que devo dizer à respeito disso como comunicador é que este não é um assunto que “já deu o que tinha que dar”. Estamos falando de direitos comuns a todos os cidadãos. Não é um modismo, não é uma piada de vida efêmera, não é um crime chocante que toma posse da mídia por um mês… É um assunto que define o futuro dos brasileiros em geral. Então, eu e todos os manifestantes vamos continuar batendo na mesma tecla até que os nossos direitos sejam respeitados!

Continue Lendo via Questão de Mau Gosto

A história do piso de caquinhos das casas paulistas (via Biblioteca da FAU-USP))

Pode algo quebrado valer mais que a peça inteira? Aparentemente não. Mas no Brasil já aconteceu isto, talvez pela primeira vez na história da humanidade. Vamos contar esse mistério.
Foi na década de 40 / 50 do século passado. Voltemos a esse tempo. A cidade de São Paulo era servida por duas indústrias cerâmicas principais. Um dos produtos dessas cerâmicas era um tipo de lajota cerâmica quadrada (algo como 20x20cm) composta por quatro quadrados iguais. Essas lajotas eram produzidas nas cores vermelha (a mais comum e mais barata), amarela e preta. Era usada para piso de residências de classe média ou comércio.

Foto: Mika Lins

No processo industrial da época, sem maiores preocupações com qualidade, aconteciam muitas quebras e esse material quebrado sem interesse econômico era juntado e enterrado em grandes buracos.

Nessa época os chamados lotes operários na Grande São Paulo eram de 10x30m ou no mínimo 8 x 25m, ou seja, eram lotes com área para jardim e quintal, jardins e quintais revestidos até então com cimentado, com sua monótona cor cinza. Mas os operários não tinham dinheiro para comprar lajotas cerâmicas que eles mesmo produziam e com isso cimentar era a regra.

Certo dia, um dos empregados de uma das cerâmicas e que estava terminando sua casa não tinha dinheiro para comprar o cimento para cimentar todo o seu terreno e lembrou do refugo da fábrica, caminhões e caminhões por dia que levavam esse refugo para ser enterrado num terreno abandonado perto da fábrica. O empregado pediu que ele pudesse recolher parte do refugo e usar na pavimentação do terreno de sua nova casa. Claro que a cerâmica topou na hora e ainda deu o transporte de graça pois com o uso do refugo deixava de gastar dinheiro com a disposição.

Agora a história começa a mudar por uma coisa linda que se chama arte. A maior parte do refugo recebida pelo empregado era de cacos cerâmicos vermelhos mas havia cacos amarelos e pretos também. O operário ao assentar os cacos cerâmicos fez inserir aqui e ali cacos pretos e amarelos quebrando a monotonia do vermelho contínuo. É, a entrada da casa do simples operário ficou bonitinha e gerou comentários dos vizinhos também trabalhadores da fábrica. Ai o assunto pegou fogo e todos começaram a pedir caquinhos o que a cerâmica adorou pois parte, pequena é verdade, do seu refugo começou a ter uso e sua disposição ser menos onerosa.

Mas o belo é contagiante e a solução começou a virar moda em geral e até jornais noticiavam a nova mania paulistana. A classe média adotou a solução do caquinho cerâmico vermelho com inclusões pretas e amarelas. Como a procura começou a crescer a diretoria comercial de uma das cerâmicas descobriu ali uma fonte de renda e passou a vender, a preços módicos é claro pois refugo é refugo, os cacos cerâmicos. O preço do metro quadrado do caquinho cerâmico era da ordem de 30% do caco integro (caco de boa família).

Até aqui esta historieta é racional e lógica pois refugo é refugo e material principal é material principal. Mas não contaram isso para os paulistanos e a onda do caquinho cerâmico cresceu e cresceu e cresceu e , acreditem quem quiser, começou a faltar caquinho cerâmico que começou a ser tão valioso como a peça integra e impoluta. Ah o mercado com suas leis ilógicas mas implacáveis.

Aconteceu o inacreditável. Na falta de caco as peças inteiras começaram a ser quebradas pela própria cerâmica. E é claro que os caquinhos subiram de preço ou seja o metro quadrado do refugo era mais caro que o metro quadrado da peça inteira… A desculpa para o irracional (!) era o custo industrial da operação de quebra, embora ninguém tenha descontado desse custo a perda industrial que gerara o problema ou melhor que gerara a febre do caquinho cerâmico.

De um produto economicamente negativo passou a um produto sem valor comercial a um produto com algum valor comercial até ao refugo valer mais que o produto original de boa família…

A história termina nos anos sessenta com o surgimento dos prédios em condomínio e a classe média que usava esse caquinho foi para esses prédios e a classe mais simples ou passou a ter lotes menores (4 x15m) ou foram morar em favelas.

São histórias da vida que precisam ser contadas para no mínimo se dizer:
– A arte cria o belo, e o marketing tenta explicar o mistério da peça quebrada valer mais que a peça inteira

Continue Lendo via Biblioteca da Fau/USP

459 anos: Celebrando a maior crise urbanística da história da cidade de São Paulo (via Blog da Raquel Rolnik)

O aniversário da cidade é sempre uma oportunidade para balanços: como a cidade é vista e vivida por seus moradores? Temos algo a comemorar? Como se trata de São Paulo, a maior e mais contraditória cidade brasileira, o discurso da pujança, do poder, da diversidade, da energia e da intensa dinâmica (e outros consagrados superlativos) esbarra numa espécie de mal-estar generalizado em relação a sua condição urbanística. Usufruir da cidade é uma espécie de corrida de obstáculos cotidiana na qual é necessário abstrair a poluição, o trânsito, o congestionamento, os buracos, os atropelamentos, a enchente, a feiura e o descaso que atingem – evidentemente com intensidades muito diferentes – o conjunto das pessoas que vivem e circulam na cidade.

A (i)mobilidade parece ser o sinal mais evidente da crise e, de fato, não se trata apenas de uma “percepção”, mas da realidade de um sistema de transporte e circulação totalmente incompatível com os fluxos da cidade. Na verdade, a situação atual da mobilidade nada mais é do que a crise de uma política urbana constituída exatamente para enfrentar a primeira grande crise urbana que São Paulo viveu, na década de 30.

Até os anos 1920, o transporte era coletivo e sobre trilhos – bondes e trens. Em 1933, a cidade tinha uma rede de bondes com 258 km de extensão, três vezes maior do que a extensão atual do metrô, em uma cidade com, então, 888 mil habitantes. Nesse mesmo período, a cidade vivia sua primeira grande crise de moradia, durante a qual o modelo de vilas e cortiços de aluguel foi gradativamente substituído pelo loteamento de bairros distantes. Desde a década de 1920, foi implantado na cidade um projeto de remodelação viária voltado para dar suporte a e aumentar a velocidade de circulação de carros e caminhões, implementado por sucessivas administrações municipais e estaduais.

Continue Lendo via Blog da Raquel Rolnik

Grêmio vence São Paulo e assume o segundo lugar (via Blog do Mario Marcos)

Um distraído que chegasse ao Olímpico no fim da tarde de muito calor deste domingo e visse a festa dos jogadores diante de uma torcida em absoluto êxtase pensaria que o Grêmio acabara de ganhar um título.

Em seguida, ele entenderia que havia um bom motivo para a alegria geral: ao vencer o São Paulo, de virada, por 2 a 1, o Grêmio não apenas chegou ao segundo lugar do Brasileiro, a três rodadas do final, mas também ampliou a distância para seu grande adversário do domingo. De quebra, garantiu matematicamente a vaga na Libertadores.

Já seriam motivos mais do que justificáveis para o entusiasmo de jogadores e torcedores, mas houve muito mais.

Continue Lendo via Blog do Mario Marcos

Lula é o grande derrotado em São Paulo (via Prof. Hariovaldo Almeida Prado)

By 

O apedeuta-mór do PT sai dessas eleições como o grande derrotado, uma vez que sua força já se acabou e a única vitória duvidosa que conseguiu foi uma vitória  de pirro em São Paulo, que na verdade representa uma derrota pois durante todo o processo eleitoral ele não foi páreo para a  sagacidade ética de José Serra e não conseguiu se contrapor às grandes análises coerentes de Dora K., Eliane C. e Merval P.

Serra por sua vez sai desse pleito como o grande vencedor moral e certamente, seguindo o grande momento de lucidez atual dos tribunais maiores com a nova jurisprudência no combate aos usurpadores do poder, será declarado o verdadeiro eleito  pois de acordo com o critério qualitativo a ser adotado pelo Juízo Eleitoral, em detrimento do arcaico quantitativo, os seus votos foram os mais qualificados, superiores, oriundos de gente de bem, enquanto os votos de Haddad foram rotos, ignaros, das classes inferiores e não devem ser contados com o mesmo  peso. Isto posto não há como não declará-lo vencedor e único digno de ser diplomado alcaide da maior cidade do país. Perdemos a batalha mas não o Serra.

Leia Também > A tábua de salvação para nosso grande Almirante!

Dataprado: Haddad é o mais rejeitado em São Paulo (via Prof. Hariovaldo Almeida Prado)

Clique na imagem para ampliar

A nova pesquisa Dataprado confirma a inutilidade da candidatura Haddad, que já nasceu morta. É pura ilusão dos comunistas acharem que poderão usurpar o poder na capital bandeirante, eles não tem a mínima chance, alvíssaras! Leia Mais via Prof. Hariovaldo

Só vendo prá crer : funcionários públicos poderão escolher o banco para receber seus salários em 2012

 

Teóricamente, a partir de janeiro de 2012, todos os funcionários públicos brasileiros poderão escolher o banco em que  vão receber seu salário. A chamada portabilidade de conta chega atrasada. mais precisamente  três anos depois da liberação para os funcionários de empresas privadas. Com a portabilidade, as contas podem ser mudadas sem cobrança de tarifas . A mobilidade faz parte de um amplo pacote elaborado em 2006 pelo Banco Central (BC) para estimular a concorrência entre bancos. Além da conta-salário, as medidas incluem a portabilidade do cadastro dos clientes e  de operações de crédito. Neste caso, a pessoa pode transferir um empréstimo de um banco para outro que oferecer melhores condições de pagamento. Quem quiser receber seus vencimentos em outro banco terá de fazer um único comunicado ao banco a que está vinculado hoje. A partir daí, o este terá de transferir, sem custo e no mesmo dia, o salário do cliente para a conta informada previamente. “Folhas de pagamento são importantes para os bancos”, diz o Ricardo Mollo, professor do Insper . As instituições usam os salários para reter clientes. “Um banco de varejo vive de escala e, com as folhas, pode oferecer pacotes  com redução de tarifas.” Outro ponto que deve garantir clientes é a oferta de crédito consignado juntamente com o pacote da conta corrente. Segundo Mollo, o Banco do Brasil (BB) atuou fortemente nessa área, fazendo ofertas agressivas de exclusividade de folha aliada a consignado. “O BC soltou uma norma proibindo essa prática, mas apenas para os novos contratos.” As cidades que possuem apenas um banco também é  fator de restrição à portabilidade. Os clientes não são organizados e perdem força na hora de pleitear taxas menores. Em tese o BB é a instituição que mais perde com a liberação das contas pois  é responsável  por grande parte do pagamento de salários dos barnabés no país. São cerca de 7 milhões de servidores públicos,  12% da base de clientes pessoas físicas do BB. Atualmente o banco é o agente financeiro em Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato grosso, Bahia, Paraíba, Rio Grande do norte, Piauí, Maranhão, Rondônia, Roraima, Acre, Tocantins e Amapá As capitais são São Paulo (SP), Belo Horizonte (MG), Goiânia (GO), Cuiabá (MT), Palmas (TO), Porto Velho (RO), São Luiz (MA), Teresina (PI), Fortaleza (CE), Natal (RN), João Pessoa (PB), Recife (PE), Maceió (AL), Macapá (AP), Boa Vista (RR) e Rio Branco (AC).

Um avanço importante: A primeira Ciclo-rota de SP será inaugurada semana que vem! (via Pra Quem Pedala)

A primeira Ciclo-Rota da cidade de São Paulo será inaugurada semana que vem. O percurso terá 15km e será no bairro do Brooklin entre a Praça do Cordeiro e a Avenida Roberto Marinho.A ciclo-rota é diferente da ciclo-via e da ciclo-faixa. A ciclo-via é uma via separada, muitas vezes paralela ao caminho por onde passam os carros. A ciclo-faixa é uma parte da via dedicada aos carros que é exclusiva para ciclistas, como uma faixa de ônibus. Já a ciclo-rota é uma rua sem divisões ou separações, na qual o trânsito deve ser compartilhado entre carros e bicicletas, dando preferência SEMPRE às bicicletas. No trecho onde será a ciclo-rota, foram pintadas bicicletas no chão e a velocidade máxima permitida para trânsito de veículos auto-motores foi diminuída para 30km/h. … Read More via Pra Quem Pedala

Grêmio em sexto e Inter em décimo com maior torcida no Brasil (via @ NILNEWS)

Pesquisa Ibope divulgada nesta quarta-feira aponta que o Grêmio, de Porto Alegre, ocupa a sexta posição entre os clubes brasileiros de maiores torcidas no País. A maior torcida é a do Flamengo, com 17,2% das preferências na pesquisa, o que representaria uma torcida de 33,2 milhões de pessoas. Em segundo lugar fica o Corintians, de São Paulo, com 13,4% das preferências, o que dá um contingente de 25,8 milhões de corintianos no País. A terceira maior torcida também é de um clube paulista, o São Paulo, com 8,7% das preferências na pesquisa do Ibope, o que representa uma massa de 16,8 milhões de sãopaulinos no Brasil.  … Read More

via @ N I L N E W S