Arquivo da tag: Porto Alegre

Porto Alegre começa a testar ônibus elétrico

Foto: Alina Souza/CP

Foto: Alina Souza/CP

A partir desta sexta-feira, o primeiro ônibus elétrico da história de Porto Alegre passa a circular pelo Centro Histórico e arredores. Fabricado na China, o coletivo foi integrado à frota da Carris e vai fazer a linha C3, a partir das 6h30min.  A partir desta sexta, o coletivo vai ser testado por 60 dias, de forma gratuita.

Os veículos têm uma tecnologia diferente em relação aos tradicionais a diesel: não têm caixa de câmbio, óleo para se fazer troca, embreagem, catalizador – o que diminui o custo de manutenção. O veículo pode rodar até 250 quilômetros por dia. O período para recarga de baterias é inferior a seis horas. Além de silencioso, o ônibus elétrico não emite gás carbônico. Hoje, 70% da substância vem da frota veicular em Porto Alegre..

Ipanema…

IPANEMA 3

da minha infância e adolescência…

Gremistas, temos que melhorar nossa “plantação de batatas” !

Na legenda do jornal alemão, "O gramado do novo estádio em Porto Alegre é como uma fazenda.  foto: HSV / Twitter"

Na legenda do jornal alemão, “O gramado do novo estádio em Porto Alegre é como uma fazenda. foto: HSV / Twitter”

Por Beto Bertagna

Reclamando muito do gramado, dos vestiários e da briga na Geral do Grêmio (coisa de meia dúzia de manés ,como se na Europa não tivesse isto e tudo fosse somente flores), mas recebendo direitinho os 825.000 € . Esta é a visão do jornal Hamburger Morgen Post  , sobre o fato da  alemoada ter levado mais um 2 X 1 nas costelas. No jornal Bild, o diretor esportivo do HSV Frank Arnesen, comparou os torcedores da Geral do Grêmio a um bando de malucos. Nisso ele acertou ! Malucos,doidos pelo Grêmio ! Mas eles tem razão. Se necessário, que se traga todo o gramado do Olímpico !

Leia também : Junto com o velho Olímpico vai um pedaço de mim

Moto-aventura : Quase 10.000 km pela Patagônia

Por quê viajar ?

Amyr Klink, o ilustre navegante já dizia:

Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar as suas árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver”.

Porto Alegre sempre foi um lugar mágico e estratégico. A proximidade com o Mercosul e com o sudeste faz da cidade um perfeito ponto para saltos maiores. Como uma viagem de moto pelo Uruguai, Argentina e Chile. Não tem lugar melhor para zarpar. E foi assim que fizemos. E é por onde começa o nosso relato destes quase 10.000 km pela Patagônia argentina e chilena , de abril a maio, com a intenção de gastar (em média) menos de 100 dólares por dia entre gasolina, comida, hospedagem, pedágios e cerveja. Uma viagem com poucas fotos e muito chão.

1º dia – Como sempre em POA muitas festas na Cidade Baixa, com chorinho e muita cerveja Polar, contando e ouvindo lorotas com a Lê (a artista plástica e audiovisual Letícia). Deixamos as malas por lá, porque a partir daqui só mochila e alforge, a XT 660 tava esperando em Curitiba. Deu prá tomar mais “umas Polar” porque este trechinho também seria de avião.

2º dia – Cedo no aeroporto, muita neblina, mas deu teto e chegamos em Curitiba de manhã cedo. Fui buscar a moto na garagem, e daí prás lojas da João Negrão, no centro de Curitiba, prá colocar as tralhas, porque a XT tava pelada. Moto preparada, alforges colocados,vacina nos pneus, óleo Yamalube cambiado pelo Motul 5100, bolha, bauleto, etc. À noite, que seria para descanso virou mais uma noite de festa, com muita tequila e chopp , acompanhando o irmão da Z , meu cunhado Zalber. Todos sabem que pegar estrada com ressaca não é nada aconselhável, mas como tinha um trecho pequeno , de uns 250 km no outro dia, deu prá chutar novamente a jaca.

3º dia – Estraaaaaaaada!!! Saída de Curitiba na hora que deu prá acordar, rumo ao litoral paulistano, primeiro povoado do Brasil. 246 km pela Régis Bittencourt, BR 116. Entrando a direita em Jacupiranga, passando por Pariquera-Açu. Uma ressaca lascada, vento batendo no rosto, BR 116. Um almoço deu uma reconfortada no estômago e a velha Coca rebateu de vez. Só 246 km de asfalto bom e sinalizado. O problema é que ao chegar em Cananéia + festa, isca de cação, caranguejo, cerveja gelada. Ô vida infernal…loop, moto contínuo, ou a técnica cinematográfica da narrativa elíptica.

4º dia e 5º dia , foi nesta mesma levada, ostra, caranguejo, cação, cerveja…Fui dormir cedo porque no outro dia tinha estrada.

6º dia – Acordar cedo, tudo escuro, a moto abastecida . Presenciar o amanhecer do dia no Vale do Ribeira é muito legal. O sol nascendo e batendo nos retrovisores. Neste dia , um trecho de Cananéia/SP a Florianópolis/SC  570 km pela Régis Bittencourt e BR 101 . Uma passagem por São Francisco do Sul, o sol ainda firme, onde tava rolando  um Encontro Nacional de Motociclistas, o Moto São Chico.  Na programação bandas de rock, escolha da rainha , festival de bandas de garagem, baile dos anos 70, 80 e 90, troféu para motoclubes, sorteio de brindes e camisetas, exposição e venda de peças, acessórios e equipamentos para motos, além de passeio de motos do centro até as praias.  Não pudemos ficar , porque nosso objetivo estava mais à frente. Almoço (peixe) em Camboriu e chegada à noitinha em Floripa, debaixo de chuva. E daí aquela história de quem viaja de moto e não consegue fazer reserva de hotel porque nem sabe se vai chegar naquele dia. Sexta à noite, hotéis lotados, etc,etc. Comemos um X Salada que era maior que o prato, Nem deu prá provar uma branquinha no Mercado. Fui abaixo de chuva até a Praia Mole prá encontrar meu velho amigo Olintho Jr, mas ele não tava, era feriado, devia estar na praia da Ferrugem tocando os butecos dele.

7º dia –  Florianópolis/SC a Porto Alegre/RS – 466 km Chuva, chuva e chuva. Uma parada naquelas lojas de malha de beira de estrada prá reforçar a bagagem para o frio que viria pela frente e ao entrar na free-way em Osório ligar para Porto Alegre onde o Kiko, a Rosane e o Renan esperavam com um baita de um jantar. Noosssa ! Quase mata a nossa vontade de tomar umas Polar com a Lê lá pela Cidade Baixa. Mas deu tudo certo. Tava junto a amiga nordestina uruguaia Milena e ficamos discutindo cinema até altas horas.

Centro histórico de Pelotas / RS

Centro histórico de Pelotas / RS

8º dia –  Porto Alegre a Pelotas – Depois de uma bela macarronada preparada pela Reny e Suely, estrada. 260 km pela BR 116 cheia de desvios e pontes caídas pois tinha ocorrido um dilúvio dias antes perto de São Lourenço do Sul. O friozinho dá uma apertada. Mas ainda não estamos usando a 2ª pele. Hospedagem no hotel do Léo, que tem garagem para motos, um Xis maior que o prato de Florianópolis no Rei do Frango, umas cervejas e vamos dormir para encarar o Taim no dia seguinte, acabaram as mordomias tipo dormir até mais tarde, bons almoços,etc.

Este é o único posto entre Rio Grande e Santa Vitória do Palmar

Curral Alto : Este é o único posto entre Rio Grande e Santa Vitória do Palmar

9º dia – Pelotas/RS a Rocha/Uru – 393 km pela Tradicional BR 471 até Chui e depois Ruta 9, até Rocha. Põe frio neste trecho, maninho. Deu para manter um “train” em torno dos 110 km por hora, olhando a bela vida selvagem do Taim e tendo muito cuidado com os atropelamentos.

Em Chuí providenciamos a Carta Verde, e passamos o primeiro perrengue em questão de plata : a agência BB de Chui tinha sido inundada um dia antes e as máquinas estavam quase todas quebradas. Na aduana uruguaia muita hospitalidade e desembaraço em poucos minutos. O veículo tem que estar no seu nome, ou se estiver alienado, com uma carta da financeira liberando a saída do Brasil com firma reconhecida em cartório. Em nenhum dos países do Mercosul é necessário a PID (Permissão Internacional para Dirigir) que é um documento meio jurássico e grande. Mas por este mesmo motivo sempre aconselho que leve a PID, ela já me tirou de várias tentativas claras de extorsão. Você faz cara de desentendido pro guarda e mostra a PID. Como ele quase sempre nunca conhece o documento, para não ficar mal na foto, faz uma cara que entendeu e te libera.

Detalhe importante : a PID tem que ser emitida no DETRAN de origem da CNH. Ou seja , se sua CNH é de Goiás, por exemplo, a PID tem que ser emitida em Goiás.

A Fortaleza de Santa Tereza merece ser visitada por quem for pela Ruta 9

A Fortaleza de Santa Tereza merece ser visitada por quem for pela Ruta 9

Neste dia deu prá visitar direito a Fortaleza de Santa Tereza no lusco-fusco da tarde (na minha infância comi muito churrasco aí no seu belo parque, a gente acampava e depois ía tomar banho de mar no frio !) e chegamos congelados em Rocha. Desta vez , nem uma cerveja. Banho quente e cama. Brrrrr

10º dia –  Rocha a Montevideo – São 235 km em trecho light, via San Carlos, Maldonado e Punta del Este com estradas ótimas, bonitas e cercadas por belos gramados emoldurando a paisagem castelhana.

Chegada em Montevideo a tempo de almoçar no Mercado do Porto e curtir um cochilo na Rambla, ao por do sol

Chegada em Montevideo a tempo de almoçar no Mercado do Porto e curtir um cochilo na Rambla, ao por do sol

Iniciamos uma bela amizade com Patrícia, prima-irmã da Norteña. Dia agradável, sol e pouco vento, prá curtir mesmo a paisagem. Chegada em Montevideo entrei pela Rambla e contornei a cidade até o centro, no hotel que tinha reservado pela Net. Barato e confortável. Moto na garagem, muitas caminhadas pela av. 18 de Julho, parrilladas, Mercado do Porto. Nos desencontramos da amiga da Lê, a Milena que tinha ido neste ínterim para Montevideo de ônibus. Uma pena, fica prá outra, Milena !

11º dia  Montevideo/Colônia do Sacramento/ Buenos Aires 184 km pela Ruta 1 até Colônia do Sacramento, uma das cidades mais simpáticas que já conheci e que merecia mais uns dois dias de exploração.

No Buquebus, com todo o espaço do mundo, a única moto

No Buquebus, com todo o espaço do mundo, a única moto

Mas a vida de viajero é assim mesmo , vai ficar para outra oportunidade. Pegamos o BuqueBus rápido” das 16:30 . Paguei 237 pesos pela moto,mais 580 pesos de passagem: Total = 817 pesos ou seja, aproximadamente US$ 180 . Entrei em Buenos Aires às 18 hs, na hora do rush, um verdadeiro inferno, sem GPS. Entrar numa cidade desconhecida já é complicado. Do tamanho de B. Aires então… Com a colaboração dos taxistas e um mapa impresso do Google Maps achei o hotel também já reservado pela Net, da rede Best Western. Incrível, mais barato que muito muquifo que enfrentei pela frente !

Foi o hotel mais chicoso e mais barato de toda a viagem. Bom , 2 dias para explorar BA, com suas Quilmes, ,tango, etc,etc…

12º dia  Buenos Aires/AR a Azul/AR 305 km pela Ruta 3 , dia de sufoco , do começo dos ventos patagônicos, chuva intensa, caminhões. Quem já andou pelas carreteras da Patagônia sabe do que estou falando. Não é um ventinho qualquer. É uma ventania constante, que te obriga a andar inclinado numa reta com a moto. E que depois da passagem de um caminhão e o seu deslocamento de ar, te obriga a fazer correções de rota que em nenhuma moto-escola do mundo ensinam, tudo isto em frações de segundo. Idem quando vc ultrapassa uma carreta e por breves instantes tem um “alívio” da força do vento. Na saída, você tem que equilibrar o redemoinho empurrado pela frente do caminhão e a volta do vento natural lateral. Uma, duas , dez, vinte vezes até que é divertido. Mas quando vc encara mais de 300 km nesta situação, lhe garanto : não é nada divertido !

Se o vento vem pela esquerda então é um desespero a cada carreta que cruza com você, a moto sai no meio de um espiral de vento e logo a seguir tem que equilibrar com o vento lateral. É um sufoco ! Chega a cansar e doer o braço !

Em Azul, encontramos o Jorge, da Posta del Viajero en Moto, que nos recebeu muito bem. Assinamos o seu livro de presença e fomos em busca de um hotel barato, com “cochera” e banho quente.

Jorge, um figuraço internacionalmente conhecido do "La Posta del Viajero en Moto", recebendo todo mundo de braços abertos

Jorge, um figuraço internacionalmente conhecido do “La Posta del Viajero en Moto”, recebendo todo mundo de braços abertos

Ruta 3 é vento e carreta o tempo inteiro.

Ruta 3 é vento e carreta o tempo inteiro.

Daí, tudo "Azul"?

Daí, tudo “Azul”?

 

Noite fria nas ruas de Azul

Noite fria nas ruas de Azul

A noite, um “vacio” no capricho e algumas Stella Artois encerraram a visita a Azul, que tem uma pracinha legal, etc…

13º dia Azul/AR a Bahia Blanca/AR 334 km pela Ruta 3, EP 51 e RP 76 – chuva, chuva, chuva….Frio, frio, frio….

Pedágios – Na Argentina, em geral moto não paga pedágio, tendo uma saída lateral específica e livre. Mas cuidado ! Algumas destas saídas tem pequenas armadilhas, como cavaletes, correntes e pista muito escorregadia.

Um trecho relativamente curto, mas chegamos exaustos. Improvisamos uma “secadeira” no apartamento : botas , luvas e roupas estratégicamente colocadas nas saídas da estufa, em cima do abajur, perto da lâmpada. Funcionou ! O brabo foi ter que ir ao supermercado na noite fria só com chinelo de dedo ! Compramos pizza, batata frita, cerveja e umas ameixas lindas ! (Perderíamos as ameixas na entrada da Província de  Rio Negro. Na Argentina, assim como na passagem entre fronteiras, na divisa das Províncias não é permitida a entrada de alimentos que não sejam industrializados. Um cachorrinho chato e com jeito de poucos amigos denunciou o alforge que levava as frutas).

Bahia Blanca : totalmente molhados e com muito frio

Bahia Blanca : totalmente molhados e com muito frio

e necessidade de auxílio externo prá aquecer.

e necessidade de auxílio externo prá aquecer.

Natália, nosso anjo salvador no deserto...

Natália, nosso anjo salvador no deserto…

14º dia  Bahia Blanca/AR a Villa Regina , província de Rio Negro/AR 445 km pela RN 22.

Trecho com o frio aumentando, perdemos de cara numa barreira sanitária as lindas ameixas compradas em Bahia Blanca.  E fiquei sem gasolina (pane seca) a aproximadamente 14 km de Choele-Choel, no meio do deserto , após Rio Colorado. Sinceramente, não lembro porque não abasteci em Rio Colorado. E foi aquela velha e conhecida história: com o vento de proa, o consumo da moto aumentou e daí…PQP, uma garrafa pet teria resolvido o problema. Domingo, dia tenso. Por toda a sorte do mundo e dos anjos protetores dos motociclistas a moto parou perto do que parecia uma pedreira abandonada. Já tinha planos de esconder a moto atrás de um arbusto e encarar a pé o trecho quando apareceu um cachorro latindo. Sinal de gente ! Vejo um guarda vindo em minha direção… era “uma” guarda, Natália ! Deixei a moto com a Zane e a guarda Natália,e fui de carona, num caminhão que a Natália conseguiu parar na estrada colocando uns cones,  até Choele-Choel comprar gasolina. Como era domingo o movimento que já é comumente reduzido naquela estrada, estava quase a zero. Pedi ajuda da Polícia Caminera, e depois de uma boa conversa, em ele parou um conservadíssimo Ford Falcon com um casal que aceitou me dar carona.

A gasolina argentina em geral é melhor que a nossa. Mas vai a dica. Não confie nas distâncias. Se vai encarar um trecho meio desértico , leve uma ou duas garrafas Pet de 2 litros nos alforges. Quatro litros na XT equivalem a quase 100 quilômetros e pode representar a diferença entre sufoco e tranquilidade !

15º dia  Villa Regina/AR a San Carlos de Bariloche/  659 km pela RN 237  e RN 22, passando por Neuquén , onde fizemos compras numa loja de alpinismo para reforçar a indumentária pois o frio chegou para matar  !Em Neuquén, com os Andes chegando perto e o frio aumentando, recorri à tática das luvas cirúrgicas por baixo das luvas de couro. Funciona bem , esquenta e não deixa molhar a mão, mesmo que a luva exterior não segure bem a água. Comprei uma dúzia, das mais baratas, e deu para o resto da viagem. Lição do dia : Assim como não se deve fazer compras em supermercado com fome, não se deve comprar roupas para o frio , estando com frio !

Em Bariloche, em plenos Andes paramos na Pousada dos Alpes, vai entender. Mas nada que um “vacio” preparado na hora no “El Bolicho de Alberto” não resolva.

Tombo besta – Alguém haverá de me contestar: todo tombo é besta ! Mas tem uns que são mais bestas que os outros. Foi o meu caso. Ao entrar numa rampinha de um restaurante em Bariloche, por alguma destas falta de atenção quando vc se sente em zona segura, não acelerei o suficiente para dar tração na moto. Resultado : ela apagou, a moto veio com tudo prá trás e daí meu irmão, não tem freio que segure. Não caí, larguei a moto no chão. Nem eu nem minha companheira nos machucamos, e ainda demos boas gargalhadas. Mas tive que trocar a pedaleira, que entortou a ponta e começou a machucar o pé da Zane.

Fomos até o Cerro Catedral, tradicional estação de esqui. mas ainda não estava nevando….

Da janela lateral, do quarto de dormir...

Da janela lateral, do quarto de dormir…

Paradoxo : no meio dos Andes, o nome da pousada é "Los Alpes"

Paradoxo : no meio dos Andes, o nome da pousada é “Los Alpes”

16º dia  Bariloche/AR a Osorno/Ch – 85 km até Villa Angostura, contornando o lago Nahuel Huapi. Mais uns 100 km até o vulcão Puyehue. Saída da Argentina e entrada no Chile pelo Paso Cardenal Samoré (Alfândega Chilena El Pajarito). O Paso Samoré é importante porque é um dos únicos que não fecha durante o inverno. ( Irônicamente, em 2011, a atividade do vulcão Puyehue não somente fechou o Paso como infernizou a vida e o comércio daquela região.) Depois, uns 80 km até Osorno

Osorno/CH

Osorno/CH

Vai aí uma Kunstmann Torobayo Ale ?

Vai aí uma Kunstmann Torobayo Ale ?

Dificuldades de comunicação em Osorno, os telefones publicos não te entendem, você não entende os telefones públicos e nem a garçonete… cachorros atacando a moto, caímos num bar até que bacana que servia umas  Kunstmann Torobayo Ale .

17º dia :Osorno/Ch a Chillán/Ch 542 km pela Ruta 5, Panamericana . No caminho , à direita uma placa indicava o lugar onde “Nada é pior”. Acredite se quiser, mas Peor es Nada existe !!! E escapou de um terremoto !

A Ruta 5, a via Panamericana é uma delícia para se viajar. Mas cuidado ! Os "carabineros" estão atentos e excesso de velocidade no Chile dá cadeia !

A Ruta 5, a via Panamericana é uma delícia para se viajar. Mas cuidado ! Os “carabineros” estão atentos e excesso de velocidade no Chile dá cadeia !

Em todo o Chile, a rede Copec de 50 em 50 km com postos e café quente

Em todo o Chile, a rede Copec de 50 em 50 km com postos e café quente

Na subida de "Los Caracoles" estava tão tenso que esqueci de colocar a luva da mão direita. Cheguei lá em cima com a mão quase congelada.

Na subida de “Los Caracoles” estava tão tenso que esqueci de colocar a luva da mão direita. Cheguei lá em cima com a mão quase congelada.

18º dia : Chillán/Ch a Mendoza/AR 784 km pela Ruta 5 e Ruta 7 – Trecho deslumbrante mas cansativo com a passagem de Los Caracoles, ao lado do Aconcágua.

Cruzando o Centro de esqui Los Penitentes, Puente Del Inca, Parque do Aconcagua, Túnel internacional Cristo Redentor e Los Caracoles você chega na aduana, um galpão enorme, estranho e sombrio, mas abrigado do vento, da chuva e da neve. Lá dentro ficam as aduanas chilena e argentina. É também um refúgio nas borrascas, comuns na região no inverno.

Depois de rodarmos muito após o Paso  Fronterizo Los Libertadores chegamos em Uspallata, cidade com um Cassino na sua rua principal. Café no YPF, e decidimos seguir viagem pela RN-7, depois Ruta 40 (uma espécie de BR 101 argentina),

Mendoza estava a pouco mais de 100 kms.  A estrada por ali é traiçoeira, muitos túneis em curva, o que à noite representa perigo redobrado.  No meio do caminho resolvemos parar no primeiro povoado que oferecesse hospedagem, mas estava tudo lotado, a estrada estava em obras, e os hotéis e pousadas de beira de estrada estavam  integralmente ocupados pelos engenheiros e funcionários da empreiteira. Novamente na estrada, já ficando tarde, o cansaço batendo, começamos a ver miragens. Qualquer conjunto de luzes ao horizonte era motivo prá imaginar um pequeno povoado com uma pousada simples e aconchegante. E daí, eu e Zane enxergamos um edifício de vidro, vários andares, ao longe. Uma cidade ! Luzes feéricas iluminando a nossa imaginária cidade ! Rodei mais uns quilômetros , as luzes aumentando de intensidade, vi que teria que sair do eixo da rodovia, pois a “cidade” ficava à esquerda. Achei a entrada, num pequeno trevo, fui me aproximando, me aproximando…. e o nosso hotel 5 estrelas representado pelo prédio de mais de 6 andares, todo de vidro e iluminado, nada mais era que a refinaria de petróleo da YPF, em Luján de Cuyo.

Volto prá estrada abatido, desencantado da vida, hotel, no sonho alegria me dá e nele você está !

Mico : Vi um posto YPF todo chicoso, a luz de advertência da XT já ligada há bastante tempo, preciso abastecer. Paro a moto, a garupa desce, coloco o pezinho, desço , abro o tanque e fico esperando. Todas as pessoas no posto, nos carros me olhando, com espanto. Até que o frentista , simpaticamente ( mas certamente “gargalhando por dentro” ) perguntou ;

– Maestro, su moto es a gás natural ?

Percebi rapidamente a mancada, dei uma risada , fechei o tanque e caí fora. Só na saída, ao olhar a placa, ele deve ter reparado que eu sou brasileiro. Ah, Pelé e Maradona, esta rivalidade de vocês está passando dos limites !

Para compensar os micos da refinaria e do posto de GNv, Mendoza nos proporcionou ótimos bares e uma vida noturna boêmia e agitada. Valeu ! ( Também merecia mais uns 3 dias de exploração, fica prá outra )

Nos postos de gasolina sempre as pegadas dos aventureiros

Nos postos de gasolina sempre as pegadas dos aventureiros

19º dia :  Mendoza/AR a Rio Cuarto/AR 513 km, ruta 7, passando por San Luis e Villa Mercedes.  

Rio Cuarto – Paramos numa hospedaria esquisita na praça, não recordo o nome. Largamos a moto numa garagem, e fomos bater perna atrás de uma carne suculenta. Com 100 % de indicações, venceu o “Siga la Vaca !!!” , um templo ao consumo de carne argentina. O lugar é ótimo, mas vive lotado. E tem razões para isso . Você paga uma taxa fixa e come e bebe à vontade, vinho ou cerveja. É  uma espécie de buffet, com saladas e sobremesas, e uma chapa e uma grelha com diversas espécies de carne que você pede ao churrasqueiro. Cara , é muito barato e bom ! A cerveja é de primeira, o vinho idem, e a carne nem se fala ! Noite de fartura em Rio Cuarto, para compensar os dias franciscanos nas estradas e cidadelas argentinas !

Bandos de BMW, matilhas de XT660, enxames de V-Stroms : é a vida selvagem

Bandos de BMW, matilhas de XT660, enxames de V-Stroms : é a vida selvagem

20º dia :  Rio Cuarto/AR a San Francisco/Ar,  300 km passando por Villa Maria , RN 158  

Na Argentina, muitos trechos com asfalto ruim que provocam desconforto no motociclista

Na Argentina, muitos trechos com asfalto ruim que provocam desconforto no motociclista

San Jaime de La Frontera/AR : fazendo amigos

San Jaime de La Frontera/AR : fazendo amigos

21º dia San Francisco/Ar  a Paraná/AR o Google Maps perde a referência , porque se passa por um túnel sobre o rio. 160 km + 281 km até San Jaime de la Frontera pela RN 127

22º dia  San Jaime de la Frontera/AR a Porto Alegre/RSTocada muito forte, no outro dia vôo marcado de volta a Porto Velho. Primeiro Uruguaiana, aduana, café brasileiro, notícias do Gre-Nal, cambio 176 km pela RP 126 + 630 km pela BR 290, passando por Alegrete, Rosário do Sul, São Gabriel, Butiá, Eldorado do Sul.

Já no Brasil, num posto de gasolina em Alegrete/RS "encarando" a BR 290

Já no Brasil, num posto de gasolina em Alegrete/RS “encarando” a BR 290

23º dia  – Tirar bauleto, alforges, lavar a moto, capa, garagem. almoço na Tristeza , pegar as coisas na Lê e Aeroporto, prá encarar o vôo da madrugada para P.Velho. Só sei que foi assim. E quem quiser que conte outra… cumbeira da beira do rio Madeiiira….

…………………………………..

Por quê viajar ? Por quê ficar longe de pessoas importantes durante vários dias ?

Encerro com dois poemas de Leminski :

Inverno

É tudo o que sinto

Viver

É sucinto

……………

pelos caminhos que ando
um dia vai ser
só não sei quando…

……………………………………………………………………………………………………………….

Próxima Estación : Atacama !!!!

Leia também :

Viagem pela Interoceânica até Machu Picchu. De moto, até de carro eu vou !

Moto-aventura : Do Atlântico ao Oceano Pacífico, as lições do Atacama e Machu Picchu

Sabe aquela expressão do “Oiapoque ao Chuí” ? esqueça 

Alagamentos em Porto Alegre

cenas de Adriano de Castro Silveira.

Em 2012 inicia a revitalização da orla do Guaíba, em POA

A revitalização da Orla do Guaíba terá início até maio de 2012., no trecho de 6.000 metros entre a Usina do Gasômetro e o Arroio Cavalhada, na altura do Iate Clube Guaíba. O escritório de arquitetura curitibano Jaime Lerner desenvolverá o plano conceitual para o Parque Urbano da Orla do Guaíba e  os projetos executivos de arquitetura e paisagismo da primeira etapa de execução, que compreende o trecho entre a Usina do Gasômetro e a primeira curva da avenida Beira Rio, sentido Centro-bairro.

A proposta da prefeitura para os 56,7 hectares de área inclui terminal turístico para barcos de passeio, calçadão, ciclovia, banheiros, quadras esportivas, instalação de bancos e quiosques. Lerner disse que “a revitalização da orla, integrada ao projeto do Cais Mauá, dará nova concepção ao Guaíba e à relação dos moradores com o espaço pois  promoverá a integração da área do Guaíba com o Centro da cidade, com o cotidiano do porto-alegrense”. O arquiteto afirmou ainda que a sua equipe atuará de forma integrada com os técnicos do município, no trabalho pautado pelo respeito as normais patrimoniais e  ambientais.

Teixeirinha signo : Peixes (via Memórias do Chico)

No início, duas semanas atrás, eram poucos os misteriosos outdoors amarelos com a enigmática “TEIXEIRINHA SIGNO: PEIXES”. Dias depois, eles multiplicaram-se e, ao mesmo tempo, disseminaram interrogações pelas redes sociais e conversas de bar. Afinal, qual o significado da mensagem? Quando soube da história fiquei curioso e pensativo. Iniciativa “oficial”, fruto da família Teixeirinha, não haveria de ser. Ouvi opiniões várias, uns falando em “jogada de marketing” … Read More via Memórias do Chico

Grêmio em sexto e Inter em décimo com maior torcida no Brasil (via @ NILNEWS)

Pesquisa Ibope divulgada nesta quarta-feira aponta que o Grêmio, de Porto Alegre, ocupa a sexta posição entre os clubes brasileiros de maiores torcidas no País. A maior torcida é a do Flamengo, com 17,2% das preferências na pesquisa, o que representaria uma torcida de 33,2 milhões de pessoas. Em segundo lugar fica o Corintians, de São Paulo, com 13,4% das preferências, o que dá um contingente de 25,8 milhões de corintianos no País. A terceira maior torcida também é de um clube paulista, o São Paulo, com 8,7% das preferências na pesquisa do Ibope, o que representa uma massa de 16,8 milhões de sãopaulinos no Brasil.  … Read More

via @ N I L N E W S

Livros imprescindíveis para entender Rondônia – 2

Livro do Ten.Cel Amilcar Botelho de Magalhães foi publicado pela Livraria do Globo, de Porto Alegre em 1930 e reúne artigos escritos para o Diário de Notícias (hoje extinto) e o Correio do Povo, comprado pelo Grupo Record, empresa de comunicação controlada pela Igreja Universal do Reino de Deus