Arquivo da tag: gestão cultural

Arqueologia brasileira e rondoniense perde Maria Lúcia Pardi

Maria Lúcia Pardi, sentada de lado, junto à arqueologa Francilene Rocha, no sítio Rainha da Paz, em Riachuelo/Ro. 2008

Faleceu neste domingo (24), às 7:50 hs, em Brasília / DF a arqueóloga Maria Lucia Pardi, três dias após ter comemorado o seu aniversário.  Pardi em seus momentos finais estava cercada pelo carinho de seus filhos, Yuri e Mayara,  familiares e entes queridos.

Mestre em Gestão de Patrimônio Cultural com concentração em arqueologia pela UCG/GO, Bacharel em Arqueologia pela Universidade Estácio de Sá (1984).trabalhou 23 anos no Iphan – Instituto do Patrimonio Histórico e Artístico Nacional. Atualmente trabalhava do Ministério da Cultura. Membro da SAB – Sociedade de Arqueologia Brasileira na gestão 2009-2011 e do grupo de estudosrqueologia Brasilia. Atuava principalmente na area de politicas publicas, gestão de bens arqueológico, projetos de pesquisa cientifica para preservação do patrimônio, sistemas de informação informatizados e turismo cultural em areas com arte rupestre.

Segundo o ex-Superintendente do IPHAN em Rondônia, Beto Bertagna é uma enorme perda para a arqueologia e a ciência e pesquisa brasileira.

Em Rondônia, Pardi implantou a gestão do patrimônio arqueológico no Estado , rico em sítios milenares.  ” A região central de Rondônia possui uma alta densidade de sítios arqueológicos de grafismos rupestres diversificados. Acreditamos que a área foi densamente ocupada e utilizada como refúgio e trânsito entre diferentes ambientes, como indicam as teorias que apontam a região como o centro de dispersão dos povos tupi que circulavam por todo o território nacional. ” Pardi colaborou na identificação deste rico patrimônio na elaboração de parceiras com associações de moradores, comunidades e trouxe uma nova luz para a arqueologia no Estado

A arqueóloga Maria Lúcia Pardi, do IPHAN dizia que ” este é um pedacinho do Brasil que foi descoberto e que precisa ser preservado, pois representa um tesouro cultural de valor inestimável. ”

Pardi esteve à frente do projeto desde sua implantação e viu com alegria a organização da comunidade, se articulando  para receber recursos federais, estaduais e municipais para a preservação do patrimônio , explorando-o de forma controlada e responsável.

Segundo familiares, o velório está sendo feito no MEMORIAL CAMPOS ELÍSEOS, Rua Fernão Sales,1287 Ribeirão Preto, com término às 20h00  e retorno amanhã no Crematório Ecológico Prever às 10h00, Rodovia Cândido Portinari, Km 321, onde o corpo será cremado.

Maria Lúcia Franco Pardi deixa dois filhos, Yuri e Mayara.

Adeus, Pardi. E obrigado por tudo o que fez pelo patrimônio cultural brasileiro, em especial o arqueológico de Rondônia.