Arquivo da tag: coordenador da Defesa Civil em Rio Branco

Rio Branco e Brasiléia em estado de alerta : Rio Acre pode transbordar nas próximas horas

foto: Sérgio Vale/SECOM

O Rio Acre começou a dar sinais de que pode transbordar nas últimas 48 horas. Na segunda-feira (11), o rio que banha Rio Branco atingiu a marca de 14,12 metros, o que levou a Defesa Civil da capital acriana a executar o plano de contingência para os casos de cheias e a retirar famílias de bairros ribeirinhos como o Airton Sena, Baixada Habitasa e o da Base.

Em situação de alerta, a Defesa Civil retirou seis famílias – 27 pessoas – desses bairros e as abrigou no Parque de Exposição da cidade.

Como a época das águas na região vai até abril, a Defesa Civil manterá a situação de alerta, em parceria com diversos órgãos, para acionar as medidas de segurança caso o Rio Acre torne a elevar seu nível a ponto de colocar a população em risco. Hoje, foi suspensa a retirada de famílias dos bairros potencialmente arriscados.

“De ontem (12) para hoje o rio baixou 34 centímetros. Nós estamos preparados para receber, até o momento, 102 famílias no Parque de Exposição caso seja necessário”, disse o coordenador da Defesa Civil em Rio Branco, George Luiz Santos

Municípios do Alto Acre onde os riscos de enchentes são maiores, como Assis Brasil, Brasileia e Xapuri apresentam situação de normalidade para esta época do ano.

Em 2012, ano da maior cheia da história do Acre, Brasileia foi a cidade mais afetada de todo estado. O município de 22 mil habitantes teve cerca de 6 mil pessoas afetadas. Toda parte baixa da cidade foi alagada. Em alguns pontos próximos ao rio, lojas e casas de Brasileia foram totalmente cobertas.

O comandante-geral da Defesa Civil,Carlos Gundim alerta que “os adultos devem evitar que as crianças tomem banho nas águas de áreas alagadas e principalmente no rio onde há descida de muitos balseiros e isso pode causar afogamentos. Também é importante que evitem contato com equipamentos condutores de energia e fios da rede elétrica em áreas atingidas pela água. Os moradores precisam evitar o contato com a água que se contamina com esgotos e principalmente, que pode trazer animais peçonhentos para as casas” , finalizou Gundim.

foto: Gleilson Miranda/SECOM

Com ABr e SECOM/AC