Arquivo da tag: Bolívia

Deu no Pravda : Evo Morales relembra tratado de Petrópolis com o Brasil

O presidente Evo Morales, relembrou nesta sexta, 17 , a assinatura do Tratado de Petrópolis em 1903 mediante o qual, Bolívia cedeu uma superfície aproximada de 191 mil quilómetros quadrados ao Brasil.

‘Como hoje, 1903, durante o governo liberal de José Manuel Pando, se assina o Tratado de Petrópolis pelo qual a Bolívia entregou o território do Acre em contrapartida de uma compensação de dois milhões de libras esterlinas e a construção de uma estrada de-ferro nessa zona’, recordou o mandatário em sua conta em Twitter @evoespueblo.

O território dado pela nação andino-amazónica ao Brasil correspondem em sua maior parte ao atual estado brasileiro do Acre, que se somaram aos 164 mil 242 km² já concedidos em 1867 por outro acordo de paz e amizade.

O convênio também permitiria a construção de um caminho-de-ferro entre as cidades de Riberalta e Porto Velho, para a exportação do borracha daquela época (estrada-de-ferro Madeira-Mamoré), o qual funcionou até 1972, quando o desativaram por não constituir um interesse econômico para ambos países.

Também, a Bolívia teve autorização para utilizar os rios brasileiros para o transporte de mercadorias até o Atlántico e manter agentes aduaneiros nas zonas de Belem do Pará, Manem-vos, Curumba e demais postos estabelecidos por Brasil sobre a Madeira-Mamoré ou outras localidades da fronteira comum.

via Prensa Latina

Preservação cresce, mas contrabando ameaça tartarugas na fronteira de Rondônia com a Bolívia

Este slideshow necessita de JavaScript.

Com cuidados e técnicas de manejo, o projeto “Quelônios do Guaporé” começa a alcançar metas. Ambientalistas da Ecovale estimam que a taxa de sobrevivência subiu de menos de 1% para 12 e 15% em média. Esse resultado é animador, observa o ambientalista José Soares Neto, Zeca Lula.

Em 15 anos, apoiada por brasileiros e bolivianos. a Ecovale devolveu à natureza aproximadamente dez milhões de filhotes de tartarugas e tracajás. “Dependemos de maior estrutura para fiscalizar”, ele se queixa. Contrabandistas conhecem cada entrada e saída no Vale do Guaporé e capturam espécies adultas para vender a R$ 300,00 cada.

A estudante do quinto período de Biologia da Faculdade São Lucas em Porto Velho, Queitiane Johns Santiago não conhecia o projeto, mas participou de todas as etapas da soltura, a partir da remoção dos filhotes dos tanques de incubação para a voadeira, reidratação e soltura na rampa de areia. “Uma experiência única e que vale pelo aprendizado de todo o curso”, disse.

Segundo Zeca Lula  o aumento do percentual conservacionista é o maior indicativo do êxito do, embora ainda não seja possível afirmar que os rios da região estejam repovoados.

Ao primeiro barulho de motor da voadeira fogem pelas trilhas dos alagados. O ambientalista lamenta a ausência do poder público nas ações de controle ao desmatamento ilegal e abate de espécies, entre as quais, a tartaruga.

Empreendimentos fixados na região vendem a R$ 40, para turistas, a refeição preparada com carne de tartaruga.  O único órgão público que atua na região com estrutura de fiscalização, mas sem poder de polícia, é a Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia (Idaron).

De acordo com Zeca Lula, isso resulta no avanço de pontos de desmatamento dentro da reserva extrativista e a instalação de empreendimentos irregulares, inclusive a construção de casas.

Quelônio chora na desova

O acordo de cooperação com a Bolívia, por meio do Parque Departamental do Departamento (Estado) do Beni, foi assinado em 2003, prevendo a cessão de guardas-parque, agentes comunitários e guarnições militares nas ações de controle e fiscalização dos rios e praias que servem de berçário para postura e eclosão dos ovos de tartarugas e tracajás.

Uma espécie de espetáculo que começa em outubro com o fenômeno da desova, seguido da eclosão dos ovos e nascimento dos filhotes, e devolução à natureza no mês de dezembro.

Até 2 mil tartarugas chegam a desovam numa só praia do Rio Guaporé e seus afluentes. A falta de espaço é por causa da ameaça dos contrabandistas. As espécies escolhem as praias com maior segurança para desovar. Chegam a “botar” entre 160 e 180 ovos, cada.

Grandes bancos de areia atraem visitantes e turistas. “As tartarugas permitem até ser tocadas; chegam a escorrer lágrimas do olhos de tanta dor durante o ato da desova”, explica Zeca Lula.

Em 15 anos foram soltos nos rios da região cerca de dez milhões de filhotes de tartarugas e tracajás. O projeto nasceu da necessidade de conscientizar a população local para não consumir carne e ovos de espécies ameaçadas de extinção, nem praticar caça predatória.

Ribeirinhos, maiores parceiros

O projeto “Quelônios do Guaporé” conquistou a confiança da população ribeirinha, integrada atualmente às coordenações locais de fiscalização e preservação das espécies. “Tudo indica que estamos apenas no caminho certo, pois outra meta é a geração de emprego e renda para os nativos”, diz o ambientalista.

Jorge Félix Calazans, 57 anos, é um dos 12 ribeirinhos contratados pela Ecovale para atuar como piloto de voadeira na fiscalização das praias. Por falta de recursos, a entidade foi obrigada a reduzir a folha de pagamento de 36 para os 12 atuais empregados.

Calazans garante que acompanha o trabalho da Ecovale desde 2003, quando a entidade assumiu a coordenação do projeto “Quelônios do Guaporé”, e diz gostar  muito do trabalho que realiza. Quando a reportagem perguntou o que é um dia triste para ele, a resposta foi objetiva: “quando se perde covas de ovos com a cheia do rio”.

Crocodilos atendem pelo nome

O jacaré-açu chamado Negão mora há 14 anos próximo ao tapete de algas aquáticas que circundam a pequena ilha onde foi construída a sede da Ecovale. Em poucos minutos, ele atende aos chamados de Zeca Lula.abdo

Outros dois crocodilos, Chicão e Felipão desfilam nas imediações do porto, num espetáculo diferente dos protagonistas ferozes de filmes que se tornaram recordes de bilheteria no mundo.

Chamam tanto a atenção dos visitantes que raramente alguém sai da Ecovale sem uma foto ou um vídeo dos três. Felipão, o menos dócil, fica agressivo com Negão e Chicão, quando algum visitante joga n’água iscas de carne.

Entregues por órgãos ambientais à Ecovale, as antas (tapir) Bernadão e Liza vêm se readaptando  à região e também se tornaram atrações. Saem pela manhã para a mata próxima e retornam no final do dia para dormir.abdo7

Bernardão, com três anos de idade chega a passear pela varanda da sede da entidade, e há pouco tempo ganhou a companhia de Liza, de um ano e seis meses de idade.

A Distribuidora Coimbra anunciou no dia 28 de dezembro de 2014 o aumento de 100% da quota de apoio. Segundo Zeca Lula, normalmente quando o empresário ou qualquer outro visitante visita a entidade e conhece mais o projeto, também adere à causa.

A Ecovale recebe ainda apoio da Noma do Brasil, fabricante de carrocerias para veículos; da Noma Motors, ambas de Maringá (noroeste do Estado do Paraná); do Centro Universitário Unicesumar e da Concessionária Mitsubishi de Veículos LF, em 2013. O Governo de Rondônia doou uma lancha voadeira para às atividades de fiscalização.

Por Abdoral Cardoso com fotos de Rosinaldo Machado e José Soares Neto / Decom-RO

Leia também > Soltura de filhotes de tartarugas, um “aulão” ecológico no Rio Guaporé, em Rondônia

Soltura de filhotes de tartarugas, um “aulão” ecológico no Rio Guaporé, em Rondônia

tartaTransformou-se num “aulão” de educação ambiental e consciência ecológica para crianças e adultos a devolução à natureza de mais um lote de 100 mil filhotes de tartarugas da Amazônia, domingo (28), no vilarejo boliviano Versalles, margem esquerda do Rio Guaporé na fronteira brasileira com a Bolívia.

Eram 9 h, quando os últimos dos 2,2 milhões de filhotes salvos da cheia do Rio Guaporé, ainda nos ninhos da praia da Tartaruguinha, dia 9 de dezembro de 2014, começaram a ser transportados das voadeiras para uma rampa de areia de onde mais tarde foram soltos e correrem em direção à água.

No barranco próximo à rampa já os aguardavam mais de dez crianças bem penteadas e vestidas ansiosas por manusearem e posarem para fotografias com exemplares das tartaruguinhas, ora para os aparelhos celulares dos pais, ora para as câmeras fotográficas semiprofissionais dos familiares.

Pareciam aprender ali a dura lição de que se nada mais for feito para ajudar entidades como a Associação Comunitária Quilombola e Ecológica Vale do Guaporé (Ecovale) elas poderão chegar à idade adulta com o registro de um quelônio apenas na memória. Filhos das 35 famílias que moram no vilarejo, as crianças permaneceram três  horas na rampa de soltura dos filhotes numa brincadeira de adultos para ajudar a proteger as tartaruguinhas do sol e reidratar.

A professora Lola Salvatierra coordena o projeto na localidade e se emocionou ao discursar antes da soltura. Disse da necessidade de os dois países darem maior atenção aos projetos e programas de preservação dos ecossistemas da Amazônia.

Apontou como uma das prioridades o projeto de manejo de quelônios, pois são espécies que não têm nacionalidade. “É dever de brasileiros e bolivianos protegê-los, pois são indispensáveis ao equilíbrio da cadeia alimentar e sobrevivência também das aves, répteis e peixes que habitam o chamado Santuário Ecológico Vale do Guaporé”, disse.

Segundo o presidente Ecovale, José Soares Neto, “Zeca Lula”, a praia da Tartaruguinha foi a única das oito onde eram monitoradas 38 mil covas de ovos de tartaruga na qual se alcançou algum êxito em 2014. A cheia atípica dos rios nessa época do ano inundou as praias e destruiu filhotes que haviam nascido, mas ainda estavam dentro dos ninhos.

O ambientalista conta que equipes da entidade formadas por brasileiros e bolivianos, e voluntários, inclusive empregados de fazendas liberados pelos proprietários para ajudar, promoveram um mutirão e conseguiram salvar 5 mil recém-nascidos numa das praias onde a expectativa de resgate era de 12 mil tartaruguinhas.

Fazendeiro “empresta” empregados

Paulo Carvalho foi o primeiro fazendeiro da região de São Francisco do Guaporé a dispensar os empregados da Estância Benagouro para participar do mutirão. Ele apoia o projeto desde o início. “Liberei os empregados pelos simples prazer de ajudar a salvar as ‘bichinhas’ que pertencem tanto aos brasileiros quanto aos bolivianos”, afirmou.

Após o resgate, as tartaruguinhas passam entre 30 e 40 dias em incubação nos tanques da (Ecovale). Na incubadora, os filhotes se fortalecem para fugir de predadores que dependem da mesma cadeia alimentar para sobrevivência, entre eles o jacaré, garça, gaivota, mergulhão, tuiuiú, piranha, tambaqui, pirapitinga, pirarara, surubim, traíra e outras espécies que se alimentam dos filhotes de tartarugas e tracajás.

Transformou num “aulão” de educação ambiental e consciência ecológica para crianças e também adultos a devolução à natureza de mais um lote de 100 mil filhotes de tartarugas da Amazônia, domingo (28), no vilarejo boliviano Versalles, margem esquerda do Rio Guaporé na fronteira brasileira com a Bolívia.

Eram 9 h, quando os últimos dos 2,2 milhões de filhotes salvos da cheia do Rio Guaporé, ainda nos ninhos da praia da Tartaruguinha, dia 9 de dezembro de 2014, começaram a ser transportados das voadeiras para uma rampa de areia de onde mais tarde foram soltos e correrem em direção à água.

No barranco próximo à rampa já os aguardavam mais de dez crianças bem penteadas e vestidas ansiosas por manusearem e posarem para fotografias com exemplares das tartaruguinhas, ora para os aparelhos celulares dos pais, ora para as câmeras fotográficas semiprofissionais dos familiares.

Pareciam aprender ali a dura lição de que se nada mais for feito para ajudar entidades como a Associação Comunitária Quilombola e Ecológica Vale do Guaporé (Ecovale) elas poderão chegar à idade adulta com o registro de um quelônio apenas na memória. Filhos das 35 famílias que moram no vilarejo, as crianças permaneceram três  horas na rampa de soltura dos filhotes numa brincadeira de adultos para ajudar a proteger as tartaruguinhas do sol e reidratar.

A professora Lola Salvatierra coordena o projeto na localidade e se emocionou ao discursar antes da soltura. Disse da necessidade de os dois países darem maior atenção aos projetos e programas de preservação dos ecossistemas da Amazônia.

Apontou como uma das prioridades o projeto de manejo de quelônios, pois são espécies que não têm nacionalidade. “É dever de brasileiros e bolivianos protegê-los, pois são indispensáveis ao equilíbrio da cadeia alimentar e sobrevivência também das aves, répteis e peixes que habitam o chamado Santuário Ecológico Vale do Guaporé”, disse.

Segundo o presidente Ecovale, José Soares Neto, “Zeca Lula”, a praia da Tartaruguinha foi a única das oito onde eram monitoradas 38 mil covas de ovos de tartaruga na qual se alcançou algum êxito em 2014. A cheia atípica dos rios nessa época do ano inundou as praias e destruiu filhotes que haviam nascido, mas ainda estavam dentro dos ninhos.

O ambientalista conta que equipes da entidade formadas por brasileiros e bolivianos, e voluntários, inclusive empregados de fazendas liberados pelos proprietários para ajudar, promoveram um mutirão e conseguiram salvar 5 mil recém-nascidos numa das praias onde a expectativa de resgate era de 12 mil tartaruguinhas.

tarta3

Por Abdoral Cardoso com fotos de Rosinaldo Machado e José Soares Neto / Decom /RO

Leia Também > Preservação cresce, mas contrabando ameaça tartarugas na fronteira de Rondônia com a Bolívia

Andarilhando pela América com Nandachandra

Coroico, Bolívia

Coroico, Bolívia

Com este post, a gente inicia a colaboração da minha amada amiga Nandachandra para o blog. Uma vez por semana, vamos postar uma foto de Nandachandra em algum lugar da América, andarilhando, livre… é para poucos.

Divino, Cem Vezes Divino

A magnífica manifestação de fé que acontece no Vale do Guaporé, na fronteira de Rondônia com a Bolívia, sob a ótica do cineasta Beto Bertagna. Um vídeo histórico, realizado no centenário da festa,em Pedras Negras, no ano de 1994. Produção em Betacam/SP. Também dirigido por Luiz Brito. Narração de Celso Ferreira. Trilha Sonora, Marcelo Pereira. Roteiro de Nelson Townes. 24 minutos

Deu no G1 – Sucuri gigante é encontrada no Rio Abunã, na fronteira do Acre com a Bolívia

Uma cobra Sucurujuba (a popular sucuri), medindo aproximadamente 10 metros, foi fotografada no último sábado (2) por um caçador no momento em que se movimentava pelo leito do rio Abunã, na fronteira do Brasil com a Bolívia, na região do município de Acrelândia, situado a 111 km de Rio Branco, capital do Acre. (Foto: Samuel Dominguez/Arquivo pessoal) fonte : G1 Acre

Veja também :

Motorista tenta desviar de cobra sucuri na BR 364, em Rondônia. Acidente causa 5 mortes

Deu no tablóide britânico The Sun: anfíbio raro apelidado de cobra-pênis é descoberto no Rio Madeira, em RO

> Guajará-Mirim : na fronteira de Rondônia com a Bolívia, imenso jacaré-açu assusta população

> Ossos do Ofídio

Meu gato Fidel mandou dizer que…

Chavez partiu, anuncia o vice Nicolas Maduro

Em discurso emocionado transmitido em cadeia nacional, o vice-presidente da Venezuela Nicolás Maduro anunciou a morte do presidente Hugo Chávez  às 16h45 (horário local). “A sua mãe, a seu pai, a seus irmãos, a suas filhas e netos e a todo nosso povo transmitimos nossa dor”, disse. Maduro anunciou que a equipe de governo e o comando militar do país assumem a herança deixada pelo presidente. “Nós assumimos sua herança junto ao acompanhamento do povo”.

“A família dessa pátria que  nos deixa como herança livre e suprema. Teremos que crescer por cima dessa dor e dessa dificuldade. Vamos crescer, vamos nos fazer dignos, herdeiros e filhos de um homem gigante, como foi Hugo Chávez”, disse.  Maduro ressaltou que o plano de proteção aos cidadãos venezuelanos será implementado pelas forças armadas do país.

“Vamos crescer, vamos nos fazer dignos, herdeiros e filhos de um homem gigante, como foi o presidente Hugo Chávez. Amor, paz, unidade, batalha e vitória. A vitória de hoje é a união do povo e da paz. Povo e Forças Armadas”.

Maduro afirmou que o governo continuará nas próximas horas informarmando sobre os planos para fazer a homenagem póstuma a  Hugo Chávez e onde será velado seus restos mortais. “Todos esses detalhes que o povo venezuelano quer saber. Chamar a calma e a paz, vamos assumir juntos a herança”, disse.

Suposta carta de despedida de Hugo Chavez

“Um soldado morre com dignidade. Um soldado do país não pode chorar ou suplicar perdão em sua hora final. Um soldado da Pátria Grande, um homem de verdade, toma decisões que são do caso. Que ninguém seja responsável pela minha morte. Até a vitória sempre! ”

NR: O editorial lido pelo ex-jornalista e agora, em tese, apenas leitor de teleprompter William Wack, no Jornal da Globo desta noite (5/3/2013), é de provocar ânsia de vômito em qualquer defensor da boa informação. Com a sua performance, Wack rasgou aquela figura icônica que figurava nos posters do jornal Estado de S. Paulo como refém do Iraque nos idos anos 80.  Deve estar cotado pela direção da Vênus Platinada para apresentar o próximo BBB. Bom, pelo menos ninguém esperava mais do que isso mesmo… A direita braba do país deve estar enriquecendo os fabricantes de fogos de artifício.

Com  ABr , El País , Granma Internacional e Agência Venezolana de Notícias

 

Juiz boliviano manda prá cadeia de Oruro 12 torcedores do Corinthians. Veja o artefato que matou o jovem boliviano

O foto: El Deber/AFKA

O juiz Julio Guarachi ordenou nesta sexta-feira a prisão preventiva em San Pedro, na cidade de Oruro, Bolívia, de 12 membros da torcida organizada do Corinthians , pela suposta participação na ação que causaou a morte do jovem Kevin Douglas Beltrán Espada,  de 14 anos na quarta-feira durante o jogo Corinthians X San José, no Estádio Jesús Bermudez, pela Libertadores da América.

Segundo o jornal boliviano El Deber, de Santa Cruz de La Sierra , os brasileiros detidos são : Leandro Silva de Oliveira (21 años), Tadeu Macedo Andrade (30), Reinaldo Cohelo (35), José Carlos da Silva Júnior (20), Marco Aurélio Mecere (31), Danielo Silva de Oliveira (27), Hugo Nonato (27), Clever Souza Clous (21), Cleuter Barreto Barros (24), Fávio Neves Domingos (32), Rafael Machado Castilho Araújo (18) y Tiago Aurélio dos Santos Ferreira (27).

Para a polícia, dois dos 12 detidos tiveram participação direta no disparo do sinalizador que matou Kevin. A pena para este tipo de crime é reclusão de dois a cinco anos.

Segundo o jornal, Cleuter Barreto Barros, de 24 anos e Leandro Silva de Oliveira (21 años), membros do “Gaviões da Fiel” , em tese, supostamente dispararam o sinalizador, um tubo plástico de 2 cm de diâmetro e 23 de comprimento.

O médico José Maria Vargas disse que o adolescente morreu logo após ser atingido no seu olho esquerdo pelo tubo plástico, que destroçou seu globo ocular e provocou hemorragia interna, com perda de massa encefálica Kevin será enterrado em Cochabamba, cidade onde residia desde os seus sete anos.

Veja aqui a matéria original do jornal El Deber

NR: O animal que fez esta merda toda conseguiu matar um garoto de 14 anos, enlamear o nome da Gaviões da Fiel e prejudicar o seu próprio time , esportivamente e financeiramente, porque o clube terá o maior preju. É muita merda . Como deixam uma arma na mão de um cara destes ??? Certamente, terá que pagar pelo crime que cometeu.

Segundo o inquérito boliviano, foi um artefato deste tipo que atingiu o jovem

Veja aqui em PDF as características e a forma de manuseio do Red Rocket MK8A, para uso náutico

Uma das principais recomendações é “não apontar para as pessoas, pois ejeta um projétil de foguete.”

Leia também > Tome um DRAMIN antes de ler a “opinião” de Neto sobre a barbaridade em Oruro

A Bolívia é aqui : Centro Cultural Boliviano será lançado dia 6 de maio em Porto Velho

Por Júlio Yriarte

A Bolívia se constitui num Estado Unitário e Social de Direito Plurinacional Comunitário, livre, independente, soberano, democrático,intercultural, descentralizado e com autonomias. Bolívia funda-se no pluralismo político, econômico, jurídico, cultural e lingüístico, dentro do processo integrador do país.

Em Porto Velho, Estado de Rondônia, desde remotas épocas,que residentes e descendentes bolivianos manifestam fragmentadamente a vontade de organizarem-se juridicamente para dar vazão e divulgação a aspectos ligadosàs tradições, história, cultura e costumes do seu país, bem como: incentivar intercâmbios bi-laterais em diferentes e possíveis áreas. Muitas e diversas foram as tentativas de antigos companheiros na busca da formalização, todas, infrutíferas. É chegada a hora e a boa oportunidade para finalmente alcançar e consagrar a tão esperada organização social, jurídica, fraternal e política da comunidade boliviana que reside e trabalha aqui  na Capital rondoniense.

Assim, após inúmeros formais e informais encontros, eis que surge com toda sua força e motivação o CCB– Centro Cultural Boliviano, Organização da sociedade civil sem fins lucrativos e que tem entre suas principais finalidades: salvaguardar e difusão da cultura boliviana, exercício e promoção de atividades esportivas, culturais, de saúde e de assistência social, assistência jurídica em diversas especialidades, proposição de convênios com outras entidades regionais, nacionais e estrangeiras, públicas e privadas, oferta de cursos diversos para comunidades carentes, interação permanente com pessoas e grupos sociais rondonienses, legalização de situações migratórias de cidadãos que se encontram em situação irregular no Brasil, entre outros serviços à comunidade.

No próximo dia 6 de maio de 2012 (domingo) no Clube Kabana´s, a partir das 11 hs da manhã o CCB – Centro Cultural Boliviano realiza sua primeira atividade em Porto Velho: festa de lançamento, festival de culinária boliviana, registro de novos membros e apresentações artísticas com participação voluntária de artistas do quilate de Juanito da harpa e seus filhos Álisson e Adson, Duo Pirarublue – Sandro e Gioconda, Carlos Guery e Julio Yriarte,Paulinho Rodrigues, Caté Casara e Uru Eu Wau Wau, Cristina Pontes, Chagas Peres, Carlos Campos, Juan Carlos Boado, Caio Marin e Pedro Wanderlei. O acesso é livre e o convite é para todos os cidadãos de Porto Velho, independentemente de raça, cor, credo, gênero ou nacionalidade. O CCB – Centro Cultural Boliviano receberá entre seus membros, residentes, ascendentes e descendentes bolivianos, e, cidadãos brasileiros que tenham afinidade com a cultura do país.

Brasil e Bolívia estudam parcerias no campo do combate ao tráfico ilícito de bens culturais

Teve início  a realização de missão técnica do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) ao Ministério das Culturas do Estado Plurinacional da Bolívia, dando continuidade às atividades de cooperação no âmbito do Projeto de Cooperação Técnica PCT Brasil-Bolívia. De acordo com o Assessor de Relações Internacionais (ARIN- IPHAN), Marcelo Brito, a Coordenadora Geral de Bens Móveis e Integrados do Departamento de Patrimônio Material e Fiscalização do IPHAN, Vandi Falcão, estará em La Paz, no período de 18 a 20 abril de 2012.

Entre as ações que serão trabalhadas na missão técnica estão a discussão de propostas de estratégia conjunta para combater o tráfico ilícito de bens culturais, prevendo a organização de informações específicas e a definição de procedimentos e diretrizes comuns para a implementação de banco de dados relacionado com o assunto. O objetivo é favorecer uma atuação entre os dois países, facilitando o desenvolvimento de um plano conjunto de intervenções com vistas à prevenção e combate ao tráfico ilícito de bens culturais.

Outro ponto importante será a avaliação da oportunidade de aplicação do Selo MERCOSUL Cultural para o caso de bens culturais protegidos. Essa iniciativa foi tirada em acordo entre os dois países, com apoio da Comissão do Patrimônio Cultural do MERCOSUL (CPC), considerando as decisões do Conselho do Mercado Comum (CMC / MERCOSUL) para a instituição e implementação do Selo. Será também considerada nessa avaliação a legislação e os instrumentos aplicáveis pelos países da região sobre a autorização temporária da saída do país de obras de arte e a gestão do combate ao tráfico ilícito de bens culturais protegidos, tendo como base de referência os casos do Brasil e da Bolívia.

O desenvolvimento dessa missão técnica conta com o apoio da Agência Brasileira de Cooperação (ABC), do Ministério das Relações Exteriores (MRE).

Começou a 118ª Romaria da Irmandade do Senhor Divino Espírito Santo, no Vale do Guaporé – Programação Completa

A 118ª Romaria do Senhor Divino Espírito Santo no Vale do Guaporé, na Amazônia iniciou nesta segunda, dia 9 de abril de 2012, com a chegada do batelão às 4 horas da tarde na localidade de Surpresa, distrito de Guajará-Mirim. É uma festa planejada com um ano de antecedência .
A celebração, que envolve o Brasil e a Bolívia, é um Patrimônio Cultural Imaterial de Rondônia que está em processo de instrução para ser reconhecido como Patrimônio Brasileiro.

O Iphan, numa parceria com a UNESCO,  está enviando uma equipe com antropólogas capacitadas ao Vale do Guaporé, para consolidar a argumentação perante a Câmara do Patrimônio Imaterial, que decide sobre a inclusão dos registros.

O Presidente da Irmandade do Divino, Dionísio Faustino também espera uma atenção maior das autoridades para esta que é a maior celebração religiosa, cultural e folclórica do Vale do Guaporé :
– Aguardamos muita gente na chegada em Piso Firme, povoado da Bolívia, quando o batelão aportará no dia 23 de maio de 2012 às 16 horas.

É ano eleitoral, mas os ribeirinhos já conhecem os políticos que dão atenção ao Vale, por isto vai a dica: Não adianta chegar como penetra distribuindo bonézinho e camiseta, é perda de tempo. Os beiradeiros, quilombolas, devotos e assemelhados são espertos e só dirigem suas preces para quem realmente merece.
E para quem fala mal ou escreve,  quando convém, sobre a cultura rondoniense é uma boa pedida, tirar um pouco a bunda da cadeira e andar algumas centenas de quilômetros em estrada de chão e voadeira, lendo Viagem ao Redor do Brasil, do João Severiano da Fonseca, irmão do ilustre Deodoro da Fonseca, para purificar a alma .

Começa em abril a 118ª Romaria da Irmandade do Senhor Divino Espírito Santo, no Vale do Guaporé

A 118ª Romaria do Senhor Divino Espírito Santo no Vale do Guaporé, na Amazônia terá início daqui a um mês, no dia 9 de abril de 2012, com a chegada do batelão na localidade de Surpresa, distrito de Guajará-Mirim. É uma festa planejada com um ano de antecedência.
A celebração, que envolve o Brasil e a Bolívia, é um Patrimônio Cultural Imaterial de Rondônia que está em processo de instrução para ser reconhecido como Patrimônio Brasileiro.
O Presidente da Irmandade do Divino, Dionísio Faustino espera uma atenção maior das autoridades para esta que é a maior celebração religiosa, cultural e folclórica do Vale do Guaporé :
– Aguardamos muita gente na chegada em Piso Firme, povoado da Bolívia, quando o batelão aportará no dia 23 de maio de 2012 às 16 horas.
Os ribeirinhos já conhecem os políticos que dão atenção ao Vale, por isto vai a dica: Não adianta chegar como penetra distribuindo bonézinho e camiseta, é perda de tempo. Os beiradeiros, quilombolas, devotos e assemelhados são espertos e só dirigem suas preces para quem realmente merece.
E para quem fala, e mal, quando convém, da cultura rondoniense é uma boa pedida, tirar um pouco a bunda da cadeira e andar algumas centenas de quilômetros em estrada de chão e voadeira, lendo Viagem ao Redor do Brasil, do João Severiano da Fonseca, irmão do ilustre Deodoro da Fonseca, para purificar a alma .

Villa Verde : Uma pousada aconchegante no meio do caminho do Pacífico

Quem vai fazer compras em Cobija, na Bolívia , cidade fronteiriça com Brasiléia no Acre, ou então visitar o Peru ( fronteira de Iñapari, com a cidade acreana de Assis Brasil), ou mesmo trafegar pela recém-inaugurada Rodovia Transoceânica em busca de Machu Picchu, Lima, Antofagasta, Nazca e outros encantos do Oceano Pacífico, tem muitos motivos para entrar em Xapuri, a 200 km de Rio Branco pela BR 317. Além do Museu de Xapuri, que conta a história do ciclo da borracha no Acre e da Casa de Chico Mendes, tombada pelo Patrimônio Histórico Nacional, Xapuri apresenta uma excelente opção de repouso para enfrentar muitos mais quilômetros. É a Pousada Villa Verde, um pequeno paraíso comandado pelo Miguel, italiano “buona gente” que além do conforto de seus apartamentos decorados com simplicidade e elegância, oferece um café restaurador para quem vai ainda à frente. De Xapuri se chega no mesmo dia em Cusco, ou vice-versa. Também é ponto de referência para quem vem de Porto Velho, cerca de 700 quilômetros. E para quem gosta de astronomia, a Pousada dispõe de um pequeno observatório astronômico com um telescópio profissional, que em época de chuvas raras, permite vasculhar os céus com precisão, em busca de supernovas e outras galáxias. O telefone para reservas da pousada é (68) 3542 3012 e o e-mail é villaverde-pousada@hotmail.com  .

Leia também :

Viagem pela Interoceânica, até Machu Picchu. De moto, até de carro eu vou ! Incrível !

Primeiros Pés

O fotógrafo inglês Tom Robinson, junto com sua mulher, Verity criou um site muito interessante para quem gosta de fazer aquelas fotinhos prontas para o Facebook. As fotos com os pés dos dois aparece em todos os lugares que o casal visitou (e foram muitos !). Confira aqui ! E depois , com a chegada da filha Matilda, passaram a ser 6 pés. Genial ! São mais de 90 fotos maravilhosas dos pés  de Tom e Verity que cruzaram Portugal, Bélgica, Croácia, Áustria, Romênia, Bulgária, Suíça, França, Tailândia, Camboja, Vietnã, Singapura, Austrália, Nova Zelândia, Índia, Chile, Argentina, Brasil, Bolívia, Peru, Costa Rica, Nicarágua, Honduras, Guatemala, Belize e México.