Arquivo da tag: AH-2 Sabre

Geopolítica:depois do Esquadrão Poti agora é a vez do Esquadrão Pacau vir para a Amazônia

Por Beto Bertagna

Depois da transferência do Esquadrão Poti de Recife para Porto Velho, Rondônia constituindo o 1º Esquadrão de Helicópteros de Ataque , com a compra da Rússia de 12 AH-2 Sabre (MI 35) agora é a vez do  1°/4° Gav. Esquadrão Pacau, de Natal/RN estar de  mudança marcada para Manaus até dezembro de 2010. A operação do esquadrão será com os jatos mais modernos e letais da FAB, o Tigre F-5M, modernizado. Com  a entrada em serviço da aeronave E-99 (radar)  e do COPM4 (4º Centro de Operações Aéreas Militares)  e a conseqüente extensão da cobertura radar na aérea na Norte finalmente a ultima lacuna seria preenchida, um esquadrão de defesa aérea de 1ª linha com as F-5M, caça  supersônico com recursos aviônicos, armamentos e performance adequada ao desempenho da missão de controle do espaço aéreo.  No entanto, especialistas ouvidos pela redação deste blog  www.betobertagna.com apontam que a aeronave, apesar do seu poder não é páreo para os modernos aviões Sukhoy SU-35 Flanker , que integram a Força Aérea da Venezuela, que ainda assim manteriam superioridade estratégica sobre a nova base em Manaus. Outros problemas também terão que ser solucionados, pois a operação deste jato em Ponta Pelada ainda é complicada pelo comprimento da pista. Os jatos que irão para Manaus são os mesmos comprados da Jordânia em 2006 e modernizados na Embraer. Enquanto isto, se espera a definição do governo brasileiro por jatos de última geração que poderão cumprir sua missão de defender com segurança a soberania nacional. E daí ? Vamos de Grippen, Rafale ou com os F-18 Hornet ?

Leia também :>

O Esquadrão Poti agora é aqui
> China vai comprar caças Su 35 Flanker da Russia. E o Brasil vai de quê ?

Militarização na Amazônia : Peru também vai de MI-35 russo

Agora já são 3 países da América do Sul a possuir a máquina mortírfera russa: Brasil, Venezuela e Peru foto: B. Bertagna

O Ministério da Defesa do Peru confirmou a compra de  6  Mi-171Sh (helicópteros utilizados para transporte) e dois Mi-35P( de ataque, semelhantes aos AH-2 Sabre, da Base Aérea de Porto Velho) . o valor da transação chega perto dos  US$250 mi e os aparelhos deverão ser entregues até 2011. O uso, segundo o Ministério é para ” combater o narcotráfico e o terrorismo na Amazônia peruana” . Desde 2007 o Peru vem modernizando a sua frota de 15 helicópteros MI-17, com a empresa russa Rosoboronexport, numa escalada sem precedentes de militarização da Amazônia.

O caminhão-baú roubado e o FEBEAPÁ à la Rondônia

Por Beto Bertagna

O Stanislaw Ponte Preta deve estar, no mínimo, revirando os restos dos ossos. A mídia rondoniense deu destaque nesta semana a um roubo envolvendo um caminhão tipo baú , que acabou sendo encontrado atolado, já em território boliviano. É um crime , coitados dos donos do caminhão que devem estar amargando um baita prejuízo se não houver seguro. Mas , o que já é costumeiro, a tal mídia lançou no ventilador , não foi mais atrás, usou matéria produzida por outro veículo de comunicação( uma reportagem da TV Guajará, com imagens do Rildo)  e ninguém , pelo menos por enquanto , teve mais notícia do desfecho do caso. Minha opinião, é que o jeito de reaver o caminhão é  traze-lo  de volta ao Brasil na marra.  Mas, afora o caso policial em si, espanta o festival de besteira que assolou Rondônia e os pobres leitores. Senão vejamos :

Se caiu de pau no fato de que nós vamos comprar quinquilharias na Bolívia, e por isto, sustentamos a economia deles. Putz, meu ! Economia de fronteira sempre houve, vale para os dois lados, e quase sempre quem vai comprar também vai prá fazer um turismozinho extra, beber uma Paceña gelada , sentir novos ares. A invasão de produtos contrabandeados, de má qualidade, pirateados está na nossa cara. Está no camelódromo, está nas ruas e acaba sustentando um monte de famílias com a economia informal. E junto, o crime. Vai escrever besteira assim no….

Um outro, evoca o uso dos helicópteros AH-2 Sabre para resolver a questão. A miopia ideológica não deve ter permitido a reflexão que o uso deste equipamento altamente mortífero e destruidor, que custa a bagatela de US$ 30 milhões de dólares a unidade, é para defender outros interesses bem mais republicanos  e não a questão de um caminhão baú atolado , que não deve custar R$ 50 mil reais, e que não conseguiu chegar ao seu destino desviado.  Na época, disse o Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro-do-Ar Juniti Saito, comemorando a incorporação do novo equipamento ao seu arsenal. “É uma plataforma guerreira, com capacidade furtiva, armamento de alta precisão e letalidade”. Segundo Saito, as aeronaves estão preparadas para missões de superioridade aérea (domínio aéreo da área de conflito) e de interdição, tanto diurnas quanto noturnas.” Não lembro de ter citado os crimes fronteiriços na sua encomenda. Aliás, parafraseando o Garrincha, prá usar os AH-2 de verdade, por enquanto, tem que combinar primeiro com os russos. E tome-lhe asneira.

Vamos parar também com a desinformação que os bolivianos vem roubar nossos carros. Quem rouba aqui são criminosos brasileiros, que em concluio com os criminosos bolivianos fecham a cadeia do crime. Duvido que um boliviano tenha ido até a tal auto-elétrica e surrupiado o caminhão. (Aliás, sou cliente da auto-elétrica há muitos anos e continuarei a sê-lo, pela seriedade, honestidade e profissionalismo do seu proprietário.)  Dizer que boliviano rouba os nossos carros , as nossas motos, aviões  e agora, os nossos caminhõs-baú é de uma infantilidade atroz.  E este caminhão todo colorido teve que passar pelo posto da PRF na antiga Operação Candiru, pelo centro de Jacy-Paraná, por Mutum, pelo Castelinho e por Nova Mamoré (mais ou menos uns 300 quilômetros) até ser levado para o outro lado. Daí…

Até quando vamos ser vítimas destes roubos ? Ora, primeiro que a Bolívia não é o principal país que recepta os veículos brasileiros, é o Paraguai. O nosso problema, o de Rondônia, é que fazemos fronteira com a Bolívia.  ( Assim como a Bolívia não é  o maior produtor de Coca, mas sim de pasta-base. O pais maior produtor de coca é a Colômbia). Até se fazer um Tratado Internacional que regularize a repatriação de veículos roubados . Só que como este crime vem de priscas eras, já se passaram os governos militares, depois Sarney, depois Collor, depois Itamar Franco, depois FHC e agora Lula e o problema continua.  É um entrave diplomático que tem que ser resolvido, sem simplismos intolerantes.

Quanto ao crack , ele vem sim da Bolívia, porém em forma de “pasta-base”, o seu insumo. Ele  passa por Rondônia (uma parte do crack deve ser produzido por aqui mesmo) e vai para o maior mercado produtor e consumidor do produto NO MUNDO ! Sabem qual cidade ? Pois bem , Sao Paulo. O maior produtor de crack é São Paulo, que por acaso, fica no Brasil.  Poderíamos também ser inconsequentes e dizer que o governo do PSDB que está no poder em São Paulo há 16 anos ( 4 mandatos) é conivente com o crack ? Ou embaixo deste angu tem outros caroços ?

O meu comentário original foi escrito  domingo (30) de maio. Estou atualizando a matéria  nesta  segunda-feira, dia 31, e até agora nada do caminhão na mídia “em tempo real” .  Afundou ? Foi resgatado ? Enfim levaram para dentro da Bolívia? A pessoa que foi na auto-elétrica pegar a chave não era a mesma que entregou o caminhão para conserto?  Procuro nos jornais e sites alguma novidade sobre o tal caminhão bau . Não encontro nada.

Ô pobreza de jornalismo caripuna que não tem grana prá mandar um carro com um repórter e um fotógrafo por lá. ( Aliás, ainda existe esta dupla nas redações ou estou assim tão desinformado ?) Mas vejo o Serra no G1: ” Em Cuiabá, Serra volta a atacar Bolívia”. Juntando-se às críticas à Serra, que não percebeu ainda a ficha cair, a pré-candidata Marina Silva diz no próprio G1 : “Não é assim que se trata um país irmão”, diz pré-candidata do PV.

UMOPAR, na Bolivia, fazendo fiscalização de rotina e repressão anti-drogas. foto: Diego Gurgel

Serra parece  desconhecer que a Bolívia possui a UMOPAR (Unidad Móvil Policial para Áreas Rurales), uma subsidiária da FELCN ( Fuerza Especial de Lucha contra el Narcotráfico), criado em 1987 e equipado, financiado e controlado virtualmente pelo DEA ( Drug Enforcement Agency)  americano. A UMOPAR é a força mais armada e melhor treinada existente na Bolívia. Seus pilotos são ex-combatentes do Vietnã e do Camboja, por um motivo mais do que simples. Os Estados Unidos doaram à Bolívia 12 helicópteros UH-1, produzidos pela Bell e que foram testados na Guerra do Vietnã. (Havia pelo menos 7.000 deles por lá. Além disso, participaram de conflitos e nas armas da Austrália, El Salvador, Líbano, Rodésia e Israel. A UMOPAR é comandada a partir da Embaixada Americana em La Paz.) Aliás, se você for a Costa Marques , verá no outro lado do rio, em Buena Vista, uma cidadela criada em cima de palafitas,um contingente da UMOPAR com mais de 12 homens armados, com gasolina à vontade, e voadeiras bem mais possantes do que as das forças brasileiras. Que tal Serra, Dilma, Marina darem uma força para equipar a nossa PF com coisas semelhantes ? No Guaporé, o maior defensor da nossa fronteira é o ribeirinho…

12 destes Bell UH-1 usados na Guerra do Vietnã pertencem hoje à UMOPAR

Estes 12 helicópteros aparentemente não cercaram o caminhão-bau, que deu início à esta reflexão, para defendê-lo com seu poder de fogo, para permitir que os meliantes bolivianos o desatolassem da tabatinga dos barrancos do Madeira.

Voltemos um pouco na história e veremos que , há não muito tempo,   não se falava em cocaína ( e muito menos crack, que nem existia) no Brasil. Que tal a teoria de que foi o DEA ( Drug Enforcement Administration) , site http://www.justice.gov/dea que , usando a simples lei do mercado, desviou a produção que ía quase toda para os EUA e Europa, para abrir um novo nicho no Brasil, um novo mercado consumidor.? E não a ascenção de Evo Morales ao poder, nem a venda de traquitanas no comércio de Guayara-Merin e outras bobagens afins. Mas pensar cansa. E como diria o Barão de Itararé :  O tambor faz muito barulho mas é vazio por dentro.

NR: Aos jornalistas mais novos, que não tiveram a oportunidade de conhecer o Sérgio Porto nem em suas faculdades toscas  que proliferam Brasil afora, vale o recurso da Internet. Até prá ler as pérolas como “O mal do Brasil é ter sido descoberto por estrangeiros” (Deputado Índio do Brasil, em discurso na Assembléia do Rio de Janeiro).” Ah, saudade da Tia Zulmira.