Arquivos da categoria: Livros para entender RO

Livros para entender Rondônia – Forte Príncipe da Beira, de Lourismar da Silva Barroso

IMG_7515

Livros para entender Rondônia – Viagem ao Redor do Brasil, de João Severiano da Fonseca

ao-redor-do-brasil

Livros para entender Rondônia : Um folclore de luta, de Marcel Jules Thiéblot

MARCEL-JULES

Livros para entender Rondônia : O Poder do Santo Daime, de Arneide Bandeira Cemin

livro

Atualmente podemos observar um aumento na produção acadêmica e não acadêmica sobre o cipó dos mortos, ou ayahuasca. Este psicoativo de uso milenar e de origem amazônica é composto, basicamente, por talos de cipós do gênero Banisteriopsis (Malpighiaceae), ricos em β-carbolinas (harmina, tetrahidroharmina e harmalina) (Grob et al., 1996) fervidos por várias horas ou mesmo dias  e adicionados com dezenas de possíveis misturas vegetais, cada qual com seus significados medicinais, espirituais e rituais (Ott, 1994). Dentre estas várias de plantas, Psychotria viridis (Rubiaceae) e Diplopteris cabrerana (Malpighiaceae), ambas ricas em dimetiltriptamina, ou simplesmente DMT, são as principais, tanto por seus efeitos psicoativos e potenciais terapêuticos quanto por seu valor simbólico (Schultes & Hofmann, 1992).

Embora presente em grande parte da Amazônia Ocidental, aonde vem sendo utilizada há milênios por dezenas de grupos indígenas (Luna, 1986), a ayahuasca é hoje contextualizada – em grande parte dos casos – em relação às grandes religiões ayahuasqueiras brasileiras (Santo Daime, Barquinha e União do Vegetal) que a consomem como um sacramento, e possuem um alto grau de organização institucional.

O presente texto tem como objeto de reflexão o livro da antropóloga Arneide Bandeira Cemin, “Ordem, xamanismo e dádiva – O poder do Santo Daime”, versão reduzida de sua tese de doutorado em Antropologia Social (USP) que disserta sobre aspectos variados de uma das maiores religiões ayahuasqueiras. Com trabalhos de campo realizados nos grupos mais antigos do culto do Santo Daime (Alto Santo Rio Branco/AC e Porto Velho/RO), o trabalho da autora discorre sobre as influências, cosmovisões e aspectos socioculturais que formaram os grupos em questão, além de conectar o uso da ayahuasca com os aspectos mais amplos da sociedade brasileira tanto da época da criação do culto como da atualidade.

Editora: Terceira Margem.
Ano de publicação: 2001.
Número de páginas: 269.

Livros para entender Rondônia > Seringueiros da Amazônia : Sobreviventes da fartura, de Nilson Santos

NILSON SANTOS - seringueiros da amaz+¦nia - sobreviventes da fartura - capa frente

“A experiência essencial que Nilson Santos nos convida a empreen­der neste livro não é mais um momento acadêmico, mas uma “expe­riência interior”. Isso quer dizer que não saímos iguais depois dessa experiência. Os seringueiros de Nilson latejam da mais pura vida. Eles sentem e lutam e reivindicam não como con­ceitos ou fragmentos de discursos montados pelo pesquisador, mas enquanto plenitudes essenciais. Livro raro não apenas para quem quer conhecer de perto a vida nos seringais da Amazônia, mas um acontecimento para todos que desejam enfrentar o outro na dimensão do outro, sem a perigosa fantasia que produz um outro escalpelado e domado.”

Alberto Lins Caldas

Livros para entender Rondônia – Do jeito que vi, de Montezuma Cruz

livro-MonteA terra dos contrastes, clássico do sociólogo francês Roger Bastide, se materializa em ” Do jeito que vi “, anotações do grande repórter que é Montezuma Cruz, sobre o que ele construiu em 44 anos de jornalismo. São 144 páginas de histórias recolhidas numa peregrinação de milhares de quilômetros quase sempre onde o asfalto é raridade, em territórios pelos quais o ser humano escasseia, o tempo é mais lento e as distâncias , imensas.  Carlos Gilberto Alves

Livros para entender RO : Memórias de Rondônia, de Marcelo Moutinho e Erika Robrahn-González

livro-erika

Livros para entender Rondônia : Etnodicéia Uruéu-Au-Au, de Mauro Leonel

etnodiceía

Segundo Carmem Junqueira, este livro, como outros pioneiros, inaugura uma nova vertente de antropologia: de um lado, ao tratar a questão indígena como inseparável da ambiental : do outro, ao demonstrar que o problema do índio não é marginal da sociedade brasileira, mas é exemplar dos nossos grandes dramas econômicos e sociais. A defesa dos direitos indígenas, embora os índios sejam minoria, ameaça grandes interesses econômicos, como os das mineradoras, das empresas de construção ou dos grandes proprietários de terras e entra em confronto com mal formulados programas públicos de colonização e de construção de estradas ou usinas hidrelétricas.

Edição de 1995 / IAMA / Edusp

Livros para entender Rondônia : As Minas de Urucumacuã, de Lioberto Ubirajara C. de Souza

lIOBERTOSegundo o autor, “As Minas de Urucumacuã – O mapa do tesouro inca na Amazônia” vai revelar nas entrelinhas da história, a real localização do tesouro mais cobiçado do mundo, o mapa da mina do ouro mais puro que existe.

Como se divertiam nosso(a)s bisavós (via Sin Embargo)

Uma coleção de fotos eróticas resgata o final do século XIX e início do século XX. O tema é sexo livre: mulheres com mulheres, homens e mulheres. Como nossos avós estavam se divertindo ! E nossos bisavós também.

Quer ver a coleção completa entra no site mexicano >  Sin Embargo

Livros para entender Rondônia : Caminhos da Ilusão, de Renato Ignácio da Silva

livro-martirios

Livros para entender Rondônia – Revista Lettre d´Amazonie

Livros para entender Rondônia : As botas do diabo, de Kurt Falkenburger

botas“A história verdadeiramente cinematográfica da construção da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré… Seria de estranhar-se que o assunto não se prestasse igualmente à ficção. Não uma história romanceada, daquelas que nos habituamos a ver em torno das “sagas do Oeste” na história dos Estados Unidos. Mas um romance mesmo, no sentido mais amplo do termo e que pudesse transportar a nossa epopéia sertaneja até para a tela do cinema.  Pois é este romance , que se estranhava não tivesse ainda aparecido que intitula-se As Botas do Diabo…

Livros para entender Rondônia – The sea and the jungle, de H.M. Tomlinson

livro-the-sea

Livros para entender Rondônia : À sombra de Rondon e Juarez, de Enio Pinheiro

livro

O autor, Enio Pinheiro foi diretor da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré e por duas vezes, Governador do Território Federal de Rondônia. O título do livro é sugestivo. Ambos soldados excepcionais, ambos engenheiros militares.

Rondon sintetiza a energia , a determinação , a força do homem brasileiro, no desbravamento de nossos sertões, no alargamento de nossas fronteiras econômicas, consolidando o que nos foi legado pelos nossos antepassados.

Juarez é o soldado idealista, pronto a dar sua vida na luta contra a tirania dos governantes, em defesa do povo.  É o político que , no final da sua vida pública, como Ministro da Viação, ainda lutou sem descanso pelo desenvolvimento do Brasil.

Esses dois grandes brasileiros, exemplos para toda uma geração de militares, representam este contraditório país, pois embora em campos opostos, por vezes, tiveram atuações convergentes no interesse da independencia, da conquista e do desenvolvimento do país.

Livros para entender Rondônia : A criação do Território do Guaporé, fator de Integração Nacional, de Emanuel Pontes Pinto

rondonia

Livros para entender Rondônia : Trem Fantasma, de Francisco Foot Hardman

trem-fantasma

Livros para entender Rondônia : Coronel de Barranco, de Cláudio de Araujo Lima

cel-barranco

O “Coronel de Barranco” é o romance do apogeu e do colapso da borracha na Amazônia, nele se reconstituindo a existência nababesca e imprevidente dos seringalistas  e a vida sofrida e miserável do seringueiro.

O livro do amazonense Cláudio de Araújo Lima é um roteiro de um longa-metragem perfeito (isto na minha cabeça, claro !), um livro de um tempo em que as pessoas que se atrevessem a escrever tinham que ler muito antes. Uma leitura de denúncias e advertências, sobre este pedaço do Brasil tão cobiçado pelos estrangeiros. Edição de 1970 da Civilização Brasileira.

Em termos de ficção, o escritor revive os anos 1876 a 1926, períodos extremos desse centro abastecedor de borracha para o mundo.  Descreve a evasão da hevea brasiliensis , surrupiada pelos ingleses com a nossa complacência e mesmo cumplicidade, o apogeu do se chamou a civilização da borracha, e, em seguida, o seu declínio, provocado pelo cultivo racional da maravilhosa planta em terras orientais, enquanto nós, descuidados e imprevidentes, a tínhamos como pródigo e inextinguível dom da natureza, como privilégio ecológico da nossa flora.

Em “O Coronel de Barranco” estão vivos e bem caracterizados, os seringalistas, milionários a esbanjar fortunas nas pensões alegres de Manaus, a beber champanhe e finos licores franceses, ou a comer caviar e latarias europeias em plena selva e no desconforto dos barracões miseráveis. Estão também, e principalmente, os desvalidos e tantas vezes beribéricos seringueiros, mansos ou brabos, impedidos de organizar família, proibidos de plantar e pescar, forçados a efetuar todos os seus suprimentos – inclusive as ferramentas de trabalho, que lhes eram debitadas a preços escorchantes – no armazém do patrão, que lhes impingia as mais esdrúxulas e inúteis mercadorias – os seringueiros duplamente explorados: como força de trabalho e como simples consumidores. Seringueiros que até hoje no limiar da vida são explorados por malandros de olho em suas aposentadorias e políticos sem escrúpulo.

Está ainda o regatão – o turco contrabandista que trocava quinquilharias -e até mulheres – pela borracha furtada aos grandes proprietários pelos seus alugados, criaturas desesperadas para fugir, a qualquer custo, da servidão a que foram reduzidas.

O “Coronel de Barranco” não deriva de nenhum outro livro que tenha abordado o mesmo assunto. Nasceu, isso sim, das reminiscências do romancista e das evocações ouvidas de seu pai, J. F. Araújo Lima, médico e administrador para quem a região não tinha segredos.

É um romance que disseca meio século do passado amazônico, detendo-se , em particular, na tragédia  que desabou  sobre humildes e poderosos, quase os irmanando na mesma desgraça.

É meu livro preferido sobre o tema e , acredito , leitura obrigatória para quem gosta de navegar em águas profundas nos assuntos amazônicos.

…..

Na fila para ler o meu exemplar, Z e L. Brito, portanto nenhum risco de vê-lo queimado.

Livros para entender Rondônia : Amazônia Porto Velho, de Amizael Gomes da Silva

amizael-2

Livros para entender Rondônia – No rastro dos pioneiros, de Amizael Gomes da Silva

amizael

Livros para entender Rondônia – Inventário das locomotivas a vapor no Brasil, de Regina Perez

Inventario-locomotivas-capa

TEXTO

Livros para entender Rondônia – Território Federal do Guaporé, Fator de Integração da Fronteira Ocidental do Brasil, de Emanuel Pontes Pinto

TERRITÓRIO FEDERAL DO GUAPORÉ - EMANUEL PONTES PINTO CAPA

Livros para entender Rondônia – Mad Maria, de Márcio Souza

MAD MARIA - INSPIROU MINISSÉRIE DA TV GLOBO - MÁRCIO SOUZA CAPA

‘Mad Maria é um romance sem complacência, uma llíada proletária onde os deuses são substituídos por políticos corrompidos. Norte-americanos rapinantes. Chefes sem piedade. E seria errôneo acusar Márcio Souza de maniqueísmo: nenhum de seus personagens redime o outro. Finnegan, o mais confiante, o mais idealista, o mais fraternal, acabará na pele de um assassino.

Assim são as coisas em uma Amazônia que deveria inspirar coesão, solidariedade, mas que exacerba egoísmos, multiplica suscetibilidades e conflitos, sacrifica o melhor pelo pior…
Há algo de Zola e de jack London em Mad Maria. O importante não é este ou aquele personagem, mas a vitória do sistema. Ninguém sai ileso. Aqueles que tentam escapar terminam em bordéis ou, mais radicalmente, acabam decapitados.
Com Mad Maria, Márcio Souza assinou um romance amargo e vingador, sarcástico às vezes. Porém, para dizê-lo cinicamente, o que pode uma flecha de curare contra um exército de bulldozers?”

Jacques Meunier
Le Monde,2l de agosto de 1986 

Márcio Souza nasceu em Manaus em 1946. Formado em Ciências Sociais pela USP começou a vida profissional no cinema, como crítico, roterista e diretor Tem uma sólida carreira como dramaturgo, autor de péças como Ação entre amigos e Tem piranha na Pirarucu, Galvez Imperador do Acre marca a estréia literária em 1976. Sua carreira como escritor já conta com mais de vinte títulos, entre eles O fim do terceiro mundo, Lealdade, Desordem e Entre Moisés e Mocunaíma. 

Livros para entender Rondônia – Selva ! Amazônia Confidencial, de Toledo Hungaro

capaSelva_frente-baixa

Livros para entender Rondônia – “O alferes e o coronel”, de Paulo Cordeiro Saldanha

o alferesO livro “O alferes e o coronel” é um romance, baseado em fatos. Na realidade, o ‘herói’ tem para a história das regiões nomeadas como Roraima e Rondônia a mesma importância política que um Galvez e um Plácido de Castro tiveram para a história acreana. Na narrativa, produto do conhecimento real do terreno por onde trilharam o alferes e o coronel, buscou-se transportar para a imaginação do leitor, a visão dos cenários que a natureza de Roraima oferece.

Livros para entender Rondônia – “Esperança, 50 anos depois”, de Paulo Cordeiro Saldanha

esperança 50 anos depois“Esperança : 50 anos depois” é uma ficção, inspirada nas pesquisas do Professor Abnael Machado de Lima sobre um seringal que é implantado e dá inicio a um feudo liderado por uma família visionária. Nesse ínterim parte da história da EFMM é contada, nos passos em que a humanidade vai concretizando diversas conquistas, assim como perdas, como as guerras mundiais. É narrada uma história de amor.

Livros para entender Rondônia – Porto Velho para crianças, de Floriza Santos

PORTO VELHO PARA CRIANÇAS - FLORIZA SANTOS - CAPAProfessora Primária, Registro n. 1079/MEC, Contadora, formada pela Universidade Federal Rondônia UNIR/1984.

Livros para entender Rondônia – A mulher em Rondônia, de Lúcio Albuquerque

A MULHER EM RONDÔNIA - LÚCIO ALBUQUERQUE CAPA

José Lúcio Cavalcanti de Albuquerque  é jornalista profissional. Trabalhou nos seguintes veículos: Jornal A Notícia (Manaus); O Estado de São Paulo, Agência Estado e Correio Braziliense (correspondente); Alto Madeira, A Tribuna e Estadão do Norte (Porto Velho)

Livros imprescindíveis para entender Rondônia – O Outro Braço da Cruz, de Paulo Nunes Leal

” O livro do Coronel Paulo Nunes Leal, ex-governador de Rondônia retrata o nascimento, nos idos dos anos 60, da rodovia BR-29, hoje BR-364. O que representou a estrada para a região pode ser bem avaliado pelo progresso atual de Rondônia, que passou de um inexpressivo Território Federal, com escassos 100.000 habitantes, ao atual Estado pujante.”(palavras do então governador de Rondônia, Jorge Teixeira de Oliveira,o “Teixeirão” no lançamento do livro que “coincidiu” com a inauguração do asfaltamento da BR-364.

Na contra-capa o autor reproduz um trecho de conversa com o então Presidente Juscelino Kubitschek.

– “Sr. Presidente, o sr. já ligou Brasília a Belém e a Porto Alegre e a está ligando à Fortaleza. Por que não completa o outro braço da cruz, construindo a Rodovia Brasília-Acre?

-Uai, Paulo. E pode?

-Pode, Presidente, mas é negócio para homem.

-então vai sair. ”

Anúncio do Ministério dos Transportes veiculado em jornais e revistas da época

Livros para entender Rondônia – Novo descobrimento do grande rio das Amazonas, de Cristóbal de Acuña

Novo-descobrimento-do-grande-rio-das-amazonas

Livros para entender Rondônia – Madeira-Mamoré, o vagão dos esquecidos

Capa do Livro Madeira-Mamor+® O Vag+úo dos Esquecidos 001

Livros para entender Rondônia – Viver Amazônico

INSTITUTO DR. ARY PINHEIRO - IPARY - VIVER AMAZÔNICO - AMAZON CHRONICLES - CAPA

Livros imprescindíveis para entender Rondônia – Rondônia, de Edgard Roquette-Pinto

RONDONIA - ANTHROPOLIGIA - ATHNOGRAPHIA - EDGARD ROQUETTE - PINTO - CAPA

Edgard Roquette-Pinto: médico, sonhador, antropólogo, educador, radialista, escritor, cineasta bissexto, brasiliano. Num homem só, dos trópicos tórridos, único de sua época, raro em qualquer tempo. Criador do rádio educativo no Brasil. Grande impulsionador do cinema educativo. Médico e indigenista. Buscou mostrar o Brasil profundo para os de seu tempo. Talvez não seja exagero afirmar que Rondonia, possivelmente seu livro mais importante, foi um dos pontos de partida dessa linda, comovente e produtiva mistura!
Paulo Marchiori Buss
Presidente da Fundação Oswaldo Cruz

Leia Também : CD “Rondônia 1912” com Gravações Históricas de Roquette Pinto está disponível para download

Livros para entender Rondônia – Terras dos Karipunas

Terra dos Karipunas é uma obra que focaliza a trajetória histórica de diversos povos indígenas da Amazônia, principalmente dos que ocuparam e ainda ocupam terras de Rondônia, considerando suas lutas e formas de exploração, a que foram submetidos.
Na elaboração tomamos como ponto inicial dos confrontos, o Forte do Presépio, a sua fundação em 1616, quando as tribos que encontravam-se ao longo dos grandes rios passaram a serem exploradas e escravizadas.
Durante o primeiro ciclo econômico, o índio fora o principal agente coletor- produtor proporcionador do desenvolvimento econômico, e participante na formação sócio- cultural da sociedade Amazônia.
Na Segunda metade do séc. XIX, iniciava-se uma nova ordem econômica que proporcionaria grandes mudanças e enfrentamentos entre índios e civilizados. Ao iniciar-se o séc. XX, surgia a figura do Cândido Mariano Rondon, e a criação do S.P.I. que contribuira decisivamente para uma nova ordem de relação, entre civilizados e índios.

Livros para entender Rondônia – Amazônia, de Gustavo Malheiros

2 AMAZONIA

Livros para entender Rondônia – Pelos sertões do Brasil, de Amilcar Botelho de Magalhães

PELOS SERTOES DO BRASIL - AMILCAR A BOTELHO DE MAGALHAES CAPA

Livros para entender Rondônia – Brevíssima História da Madeira Mamoré

livros

Livros para entender Rondônia – Rondônia, de pedaço em pedaço uma história, de José Valdir Pereira

RONDÔNIA - DE PEDAÇO EM PEDAÇO, UMA HISTÓRIA! - JOSÉ VALDIR PEREIRA - CAPA

O poeta e escritor José Valdir Pereira é autor de três livros de poesia e de dois livros técnocientíficos. Com larga experiência na área de planejamento e finanças da educação, é bastante conhecido no meio cuItural e educacional dos Estados de Rondônia e Ceará. Em Rondônia, exerceu os cargos de Coordenador de Planejamento da Educação, sub-Secretário de Estado da Educação, Diretor do Centro de Ensino Superior de Rondônia CESUR, Presidente do Conselho Estadual de Cultura, Pró-Reitor Acadêmico da Universidade Federal de Rondônia, membro do Conselho Estadual de Educação de Rondônia e Coordenador do Programa Monhangara – V Acordo MEC/Banco Mundial/Governo de Rondônia.
No Ceará, foi Assessor de Planejamento da Delegacia do MEC no Ceará, Coordenador de Planejamento da Secretaria de Educação do Estado e Coordenador do II Projeto de Educação Básica para o Nordeste, Acordo MEC/Banco Mundial e Governo do Ceará. Atualmente, além de se dedicar à literatura, José Valdir Pereira é Consultor Técnico em Planejamento e em Financiamento da Educação e membro titular do Conselho Fiscal da Associação nacional de Política e Administração da Educação. É membro, também, da Academia de Letras de Rondônia e da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra/ADESG-RO.
Obras do autor:
Nascente- Livro de poesia
Momentos -Livro de poesia
Em Fragmentos – Livro de poesia
Educação: Análise e Perspectivas – Livro técnico-cientifico
Do Financiamento da Educação no Brasil . Livro técnico-científico

Livros para entender Rondônia – Do século XVI ao Século XXI, de Francisco Matias

Formação-histórica-e-econômica-de-rondônia-do-´seculo-XVI-ao-século-XXI---Mathias

Livros para entender Rondônia – Vocabulário Popular de Porto Velho

VOCABULÁRIO POPULAR DE PORTO VELHO - BETO BERTAGNA CAPA

Beto Bertagna, cineasta premiado, mostra com seu Vocabulário Popular de Porto Velho que não é somente com as câmeras que sabe captar o colorido das ruas de uma cidade cosmopolita como a Capital do Rondônia.
Este Vocabulário oferece ao leitor a riqueza de imagens e sons de uma linguagem que tem todos os sotaques do Brasil. E possivel que algum acadêmico mais empombado fique amuado por não encontrar aqui o formalismo dos dicionários tradicionais ou o pedantismo com que certos abestados tentam mostrar erudição.
O melhor deste vocabulário é exatamente a simplicidade, o estilo de crônica jornalística com que foi escrito. Isso lhe dá clareza, precisão, honestidade e autenticidade.
É evidente o carinho e o encanto de Bertagna diante de cada palavra. Ele conversou até mesmo com crianças.
Ouviu-as falando sobre papagaios que queidam, abatidos pelo cerol nas batalhas aéreas das melhores tardes desta cidade do sol.
Este pequeno livro é um arregaço, negócio pai d´égua para quem pesquisa ou quer escrever com colorido regional. E quem não gostar só pode ser alesado. 

Nelson Townes de Castro 

Jornalista 

Livros para entender Rondônia – Hidrovia do Grão Pará a Mato Grosso, de Emanuel Pontes Pinto

Hidrovia-do-Grão-Pará-a-Mato-Grosso

Livros para entender Rondônia – The sea and the jungle, de H.M.Tomlinson

The-sea-and-the-jungle

Livros para entender Rondônia – Arqueologia da Amazônia, de Eduardo Góes Neves

Arqueologia-da-Amazonia-Eduardo-Góes

Livros para entender Rondônia – Território Federal do Guaporé, de Emanuel Pontes Pinto

TERRITÓRIO FEDERAL DO GUAPORÉ - EMANUEL PONTES PINTO CAPA

Livros para entender Rondônia – O Candiru do Madeira

Livro 001Candiru do Madeira 2 e 1/2 -tapando buraco- é o trabalho diário do publicitário,jornalista,jornaleiro e guerreiro Sued Pinheiro e de toda a equipe que faz das tripas o  próprio coração do Alto Madeira. Um carioca de Porto Velho, com a eterna preocupação do homem de imprensa – informar. É no seu caso, com humor, o que torna tudo muito mais difícil. É o trabalho de um louco a serviço da comunidade. Léo Ladeia.

Livros para entender Rondônia – TV Cultura de Porto Velho, Crônicas de uma época

capa livro TV Cultura 001

Livros imprescindíveis para entender Rondônia – Nas Selvas Amazônicas

selvas

selvas-2

“ Nas Selvas Amazônicas” é o relato vivo e colorido de uma viagem que Manoel Rodrigues Ferreira realizou ao Território de Rondônia (ex-Guaporé). Percorrendo os Rios Madeira, Mamoré e Guaporé, a Estrada de Ferro Madeira-Mamoré e os seringais da floresta amazônica, o autor descreve a natureza e o homem que nela vive. É também a história fascinante da conquista, povoamento e civilização daquela distante região do Centro-Oeste do Brasil. Este livro é, pois, a impressionante narrativa de uma viagem e é também Geografia física, humana, econômica e História. Na parte final o autor dedica um capítulo especial aos trabalhos da Comissão Rondon e á BR-29, Rodovia Brasília-Rondônia-Acre, que acabava de ser inaugurada. Pela primeira vez é descrita amplamente uma região amazônica que ao ser ligada diretamente a São Paulo pela moderna rodovia BR-29, oferece imensas possibilidades de desenvolvimento econômico e progresso social.”

NR : Mais um livro fantástico do saudoso e querido amigo MRF.

Livros para entender Rondônia : The sea and the jungle, de H.M.Tomlinson

Livros que ajudam a entender Rondônia – 14 – Inferno Verde

Alberto Rangel foi amigo de Euclides da Cunha desde o tempo de estudantes na Escola Militar da Praia Vermelha, onde, em novembro de 1888, assistiu, em formação, o ato de rebeldia de Euclides no famoso episódio do sabre. Quando em dezembro de 1904, o autor de “Os Sertões” chegou a Manaus chefiando a comissão de Reconhecimento do Alto Purus, foi recebido no cais por Rangel que lhe ofereceu para morada sua casa, a Vila Glicínia, a bucólica “Tebalda” com alpendre para a borda da mata amazônica.

Dos estudos dos dois escritores, surgiu o livro “Inferno Verde” de Alberto Rangel, publicado em 1908 com um longo e primoroso prefácio escrito por Euclides da Cunha; embora distantes, os dois amigos correspondiam-se regularmente; em 15 de agosto de 1909 quando Euclides foi assassinado, Alberto Rangel encontrava-se na França e só voltou ao Brasil em dezembro desse ano. Livro que se encontra ainda em sebos de Rio e São Paulo.

Livros que ajudam a entender Rondônia – 16 – Viver Amazônico