Arquivos da categoria: Gente que encontrei por aí

Gente que encontrei por aí… Valéria del Cueto

Fotógrafa,  jornalista e cineastaValéria del Cueto é formada em Gestão de Carnaval pelo Instituto do Carnaval, da Universidade Estácio de Sá.

Repórter, cronista e documentarista é correspondente do Diário de Cuiabá e trabalha como fotógrafa de pista na Sapucaí. Em  2010, convidada pela Mocidade Independente de Padre Miguel,  começou acompanhar a construção dos carnavais no barracão verde e branco.

Estudiosa do processo de realização do carnaval do Rio de Janeiro desenvolve, desde 2011, uma pesquisa fotográfica sobre formato de uso e espacialidade dos barracões da Cidade do Samba.

Atua como fotógrafa da Bateria da Mangueira  e colaboradora do Getty Image.

Gente que encontrei por aí…Fernando Valdívia

Comunicador social e cineasta peruano, Valdívia trabalhou com The Field Museum, Calandria, TV Cultura e audiovisual Chaski em projetos comunitários que promovem a soberania audiovisual na América Latina. Ele foi diretor dos programas ecológicos Te Quiero Verde e National Geographic, o PNUD, a COICA, Deutsche Welle, ARD, Channel 4, DFID, Save the Children, WWF, The Nature Conservancy, Organização Mundial da Saúde, a CARE, Real TV, Ethno Medicina Projeto de Preservação, Jean Michael Cousteau – Ocean Futures Society, Drets dels Pobles Lliga dels.
Desde 1997 é diretor da Teleandes Productions , tendo produzido os documentários “Searching for the blue”, “Crossing chumpi”, “Shipibo, o filme da nossa memória”, “Iskobakebo, um encontro difícil”, “povos da Amazônia e Mudanças Climáticas”.

Gente que encontrei por aí… Riva Pavlawski

Um grande músico de blues e companheiro nas happy hours da vida, Riva Pavlawski fez uma grande apresentação no 1ª Armazém do Porto Blues Festival junto com outras feras como Danny VincentDecio Caetano e  Luke De Held .

Gente que encontrei por aí… Shirley B.B. King

 

shirley

Na foto , da esquerda para a direita, Zalber Santos, Shirley King, Zane Santos e Beto Bertagna

Filha de B.B. King, Shirley recebeu o título natural de “Filha do Blues”,  mas seu talento, carisma, energia e estilo próprio garantiram seu lugar ao sol no mundo da música. Com personalidade e uma voz entre “Etta James e Tina Turner”, como ela mesma descreve, Shirley King encanta com sua voz forte, personalidade, simpatia e aproximação com o público. Nascida e criada em Memphis, Shirley começou a cantar no coro da igreja com nove anos. Aos treze, conheceu outra lenda da música – Etta James.  A jovem Shirley ficou tão impressionada com o desempenho de Etta que a transformou em seu modelo musical. Shirley começou a carreira de cantora profissional aos 41 anos, em Chicago, cidade que é considerada a Meca do blues mundial. Em 1990, tornou-se cantora regular no Kingston Mines, uma das principais casas da cidade. Um ano depois gravou seu primeiro disco, Jump Through My Keyhole. Seu repertório inclui temas de Etta James, Proud Mary, Hoochie Coochie Woman, e canções de seu pai, o homem que popularizou o blues pelo mundo.

Gente que encontrei por aí… Cátia Cernov

b & c

Benvindos ao Kabaré de Rosa Negra
Konheça as meninas metasokráticas
Os filósofos desertores
E os terroristas iluminados

Entre e eskolha um qarto:
A Biblioteka Nômade Alexandrya
A Ilha pirata de Syrakuza
A Cidadela Zionx
Ou os portais para o MultiUniverso!

Literatura & Libertinagem
Filosofia de Kaos
Terrorismo poetiko & Teorias paralelas
Trafiko de informações
Tome uma dose de tekila qantika
E esteja disposto á vadiagem!

Antes de se sentar nalguma mesa
Lembre-se:
Nada está sob controle
Existir é um jogo
Todo vinho tem um propósito
O Universo é só um holograma
Rabiscado por um punhado de eletróns bêbados!

Para entrar aqi é preciso estar bem armado
Entender o amor dos bárbaros
Saber travar o Mental Kombat
E ter olhoskaleidoscópios…

E ao sair
Acenda uma vela pros jagunços santos!

Eu sou Magdalena Volveryne
A kafetina

Gente que encontrei por aí – Rosemberg Cariry

rosemberg

Antônio Rosemberg de Moura , mais conhecido como Rosemberg Cariry  (Farias Brito, 04 de agosto de 1953) é um cineasta e poeta brasileiro. Nos anos 1980, lançou a revista que integrava movimentos artísticos do Crato Nação Cariri, em circulação de 1981 a 1987. Seus trabalhos têm a finalidade de dar voz às minorias, preservar a história e as raízes da cultura popular do Nordeste. É autor de  Caldeirão Da Santa Cruz Do Deserto ,A Saga do Guerreiro Alumioso e Corisco & Dadá , dentre outros filmes.

Gente que encontrei por aí… Fátima Cleide

Fátima foi atuante na Comissão de Educação, acumulou experiência no Senado e  trouxe muitas emendas para os municípios de RO,  principalmente Porto Velho. Hoje ela é  a candidata do PT  para a sucessão do atual prefeito e tem muito prestígio entre as galeras da educação e da cultura.  Autora da PEC da Transposição, amiga pessoal de Lula e da Presidente Dilma, em tempos das mulheres no poder,  Fátima pode ser a mulher que Porto Velho precisa prá ser reorganizada.  Fátima é ficha-limpa e seu nome inspira respeito e admiração, pois tem uma história de lutas e de conquistas.

Gente que encontrei por aí… Eduardo Thielen

 Eduardo Thielen , diretor audiovisual de mão cheia, esteve visitando por estes dias as terras de Rondon. Em pauta, um documentário sobre um rumoroso caso envolvendo um familiar seu,  ocorrido na década de 40 mas ainda lembrado nos dias de hoje : o  desaparecimento do Tenente Fernando. O jovem tenente chegou a Porto Velho para servir na 2ª Companhia Rodoviária Independente, então sob o comando do Capitão Ênio dos Santos Pinheiro e desapareceu , numa tarde de domingo, ao entrar na mata. Eduardo retomou a produção do documentário, juntando documentos do irmão da vítima ,  o na época Capitão Gérson Gomes de Oliveira, recentemente falecido em Curitiba . Não é nenhuma Comissão da Verdade, mas deve vir chumbo grosso por aí . Mentira pode ficar velha, mas continua tendo perna curta. Rondônia, tremei !!!

Gente que encontrei por aí… Renato Pitanga

Ele é um cara da pesada. Um virginiano que faz produção, escreve, é bom câmera e ainda é um puta locutor. Ultimamente dedicado à sua rádio Encanto do Rio FM, em Benjamin Constant, quase fronteira com Peru e Colômbia, pertinho de Tabatinga,  Renato Pitanga briga por suas convicções e opiniões fortes. O conheci em Porto Velho, quando dividimos várias produções, seja editando ou dirigindo algum documentário. Não tive o privilégio, no entanto, de fazer junto alguma campanha política, talvez sua especialidade, num tempo em que eu ainda fazia estas coisas. Pitanga, de dia produzia comerciais nas máquinas JVC de fita magnética da TV Allamanda e depois, com sua voz aveludada, embalava as noites da 94 FM, à base das cartucheiras, afinal não existia mp3 e suas facilidades(e bizarrices) do mundo moderno. Implantou uma nova filosofia na radiodifusão amazônica da época com um senso agudo de ética, que sempre é um artigo raro no jornalismo ensinado nestas faculdades toscas da vida. Nos encontramos vez que outra, coisa de 5 ,6 anos e sempre borbulha papos sobre nossos novos mirabolantes projetos, desfiados entre uma Original e outra junto com  as lembranças de um passado recente (década de 90), uma época feliz em Rondônia, de desafios e conquistas. E nos regozijamos por nunca perdermos de foco nossos ideais.

Gente que encontrei por aí…Luiz Carlos Cobos Cavalheiro

Luiz Carlos foi um dos “pracinhas’ brasileiros que fizeram a força de paz e segurança nos conflitos pelo Canal de Suez. Hoje, tudo em paz no Mini-Mercado e Bar “Oriente Médio”, onde gregos e troianos, israelenses e palestinos, colorados e gremistas convivem em paz jogando sinuca e mamando uma Polar bem gelada! *

* menos em dia de Gre-Nal.