Arquivos da categoria: Coisas do Além Mar

KLM expande sua frota com jatos comerciais brasileiros

Nesta quinta-feira, 22 de fevereiro, a KLM Cityhopper (KLC), subsidiária regional do Grupo KLM na Europa, recebeu duas aeronaves da geração atual de jatos Embraer, o modelo E175+, com registro PH-EXU, e o modelo E190, com registro PH-EXV. A KLC opera na Europa exclusivamente com as aeronaves da fabricante brasileira, tendo 45 aviões em sua frota.

A entrega da 14º Embraer E175+ e 31º Embraer E190 marca um passo importante no processo inovador e contínuo de renovação da frota da KLM. Depois de eliminar o Fokker, e com base nas suas características tecnológicas avançadas dos jatos da Embraer, a KLM Cityhopper opera de maneira mais sustentável, utilizando menos combustível e, assim, reduzindo as emissões de CO2. Em comparação com o Fokker 70, a aeronave E175+ mais recente usa até 22% menos combustível.

10 anos de relacionamento entre KLM Cityhopper e Embraer

A primeira entrega de uma aeronave Embraer à KLM ocorreu em 2008 e desde então outras 44 já estão na frota da companhia. A aeronave Embraer também sustenta o objetivo da KLM, de sempre focar em seus clientes. As novas aeronaves oferecem mais conforto e espaço, contribuindo para que seus passageiros tenham experiências memoráveis.

A KLM Cityhopper atualmente opera a maior frota da Embraer na Europa. Em meados de 2018, a frota completa da KLC consistirá em 49 aeronaves produzidas pelo fabricante brasileiro de aeronaves. A entrega do 46º Embraer é esperada em abril.

Pela Democracia – Filme Aquarius em Paris

Por MD18.org

Na véspera da entrega da Palma de Ouro no Festival de Cannes, os filmes que concorrem ao prêmio foram projetados em avant-première em Paris. Na projeção do filme brasileiro Aquarius, indicado ao prêmio, a platéia seguiu o exemplo do diretor brasileiro Kléber Mendonça Filho e dos atores do filme que se manifestaram essa semana em Cannes contra o golpe de Estado no Brasil. Após os créditos finais, a platéia se colocou diante da tela com cartazes contrários ao afastamento da presidenta Dilma Rousseff, assim como contra a supressão do Ministério da Cultura pelo governo interino, e entoaram gritos de Fora Temer.

md18.org/
facebook.com/movimentodemocratico18demarco/?fref=ts

Enquanto isso, na Espanha…

alemanha-campea20140713_0001

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

A Procuradoria Geral da Espanha pediu a prisão do atacante Lionel Messi nesta quinta-feira, segundo a imprensa espanhola, como o jornal El Pais e Sport. O argentino é acusado de fraude fiscal e se for condenado, ele será preso. O jornal El País diz que teve acesso ao processo que diz que Messi recebe parte de sua renda a partir da exploração de direitos de imagem veio de empresas localizadas em paraísos fiscais, como Uruguai, Suíça e Belize. De acordo com a publicação, o órgão pediu que Messi fosse a prisão de 22 meses para o jogador do Barcelona. Ele é acusado de ser co-autor de delitos contra a Fazenda entre os anos de 2007 e 2009,que somam 4,1 milhões de euros. Em sua defesa, Messi havia alegado que desconhecia como era feita a gestão de seu patrimônio. A procuradoria disse que “não se deve considerar impune a quem usa terceiros para situações fraudulentas”. Nesta semana, o Ministério Público da Espanha já havia pedido a prisão de Jorge Messi, pai do jogador, por sonegação fiscal.

Grécia: o que o NÃO significa. Discurso de Alexis Tsipras à nação grega

Greek citizens,

We are at a critical juncture regarding the future of this country.

Sunday’s referendum is not about whether our country will stay in the Eurozone. This is a given and no one should question this.

On Sunday we will choose whether to accept the institutions’ agreement or whether, with the strength of the people’s verdict, we will seek a viable solution.

In any case, I want to reassure the Greek people of government’s firm intention to reach an agreement with its partners, with conditions that are sustainable and will provide for the long-term.

Since we announced our decision to hold a referendum, better proposals have been offered concerning the debt and its necessary restructuring than those that were on the table on Friday.

We did not ignore them. We immediately submitted our counterproposals asking for a viable solution, and for this reason an extraordinary Eurogroup meeting was convened yesterday, which will continue this afternoon.

Should there be a positive outcome, we will respond immediately. In any case, the Greek government remains willing to negotiate and will do so until an agreement is reached. The government will be at the negotiating table on Monday as well, immediately after the referendum, seeking better terms for the Greek people.

A popular verdict is always so much stronger than the will of a government alone. And I would like to reiterate that democratic choice is a core European tradition. During very important moments in European history, the people have made important decisions through referenda.

This happened in France, and in many other countries, concerning the referendum on the European constitution. This happened in Ireland, where the referendum temporarily voided the Treaty of Lisbon and led to a renegotiation, that resulted in better terms for Ireland. Unfortunately, in Greece’s case, we’ve been subjected to different standards.

Personally, I would have never expected that democratic Europe would not understand the need to give some space and time to a people to sovereignly make a choice about their future.

The prevalence of extreme conservative forces led to the decision to asphyxiate our country’s banks–with the obvious aim of blackmailing not just the government, but each citizen individually.

It is unacceptable in a Europe of solidarity and mutual respect to have these disgraceful images: For the banks to be closed, exactly because the government decided to give the people the opportunity to express their will; And for thousands of elderly people to be deeply inconvenienced.

However, the Greek government, despite the financial asphyxiation, took the appropriate measures and made sure that pensions were paid and deposited into the accounts.

We owe an explanation to these people who have been so inconvenienced: We have been fighting all these months in order to protect your pensions. To protect your right to a decent pension and not a miserly “tip”.

The proposals that they tried to blackmail us in order to accept demanded huge pension reductions. And we refused to go along with this.

And this is why they are retaliating today.

The Greek government was given an ultimatum to implement exactly the same austerity measures, and all the outstanding aspects of the memorandum that had not been implemented. And, in fact, without any provisions on the debt and financing.

This ultimatum was not accepted.

The self-evident alternative was to reach out to the people.

And this is what we have done.

I am well aware that during this period the sirens of destruction have been blaring.

They are trying to blackmail you as well, and ask that you vote YES on all the measures requested by the institutions, without any prospect of exiting the crisis.

They want you to side with those in Parliament who have repeatedly said YES to all the measures that have burdened the country.

To become one with them.

Complicit in perpetuating the memoranda.

It is important to understand, NO is not just a slogan.

NO is a decisive step towards a better deal that we aim to be signed immediately after Sunday’s result.

It constitutes the clear choice of the people concerning how their lives will be going forward.

NO does not mean breaking with Europe, but rather, returning to a Europe of values.

NO means: strong pressure for an economically viable agreement that will solve the debt issue, that will not increase the debt so that it continuously undermines our efforts to rebuild the Greek economy and society.

A socially just agreement that will allocate the burdens to those that can shoulder them, and not the workers and the pensioners.

An agreement that will allow the country, in a short period of time, to access the international financial markets, and thus end the supervision and guardianship.

An agreement containing reforms that will punish, once and for all, those who enable corruption and that have been fueling the political system all these years.

And at the same time, it will address the humanitarian crisis, create a comprehensive safety net for those who are marginalized–precisely because of the policies that have been implemented in our country for so many years.

Greek citizens,

I am fully aware of the difficulties.

I personally pledge that I will do everything possible so that these difficulties are temporary.

Some insist on linking the referendum’s result to the country staying in the euro.

They claim that I have a hidden agenda, if the NO vote prevails, to remove the country from the EU.

They are knowingly lying.

These are same people who used to say the very same thing in the past.

And they do a great disservice to the people and to Europe.

As you are aware, a year ago during the European elections, I was a candidate for the Presidency of the European Commission.

I stood before the Europeans then, just as now, and I argued that austerity policies must stop, that the memoranda will not lead to an end to the crisis.

That the program implemented in Greece failed.

That Europe must stop behaving in an undemocratic manner.

A few months later, in January 2015, the Greek people confirmed these sentiments.

Unfortunately, certain people in Europe refuse to understand this, refuse to admit this.

Those who want a Europe of authoritarianism that fails to respect democracy, those who wish for Europe to be a superficial union with the IMF being the “glue” that binds, are not visionaries for Europe.

They are timid politicians, unable to think as Europeans.

They stand side by side with those in our domestic political system, who are responsible for leading our country to bankruptcy, and that now have the gall to attempt to dump the burden on us–even as we’ve been trying to put an end to the country’s course of destruction.

They dream, indeed, of being restored to power.

This is what they’ve been hoping for—and still hope for, irrespective of whether we accepted the ultimatum–as they have blatantly sought an unelected Prime Minister who would implement it– or whether we gave our people the opportunity to express their will.

They talk of a coup. But democracy is not a coup. Unelected governments intent on manipulating circumstances—that is a coup.

Greek citizens,

I want to wholeheartedly thank you for the calmness and composure you’ve shown during every hour of this difficult week.

I want to assure you that this situation will not drag on. It will be temporary.

Salaries and pensions will not be lost.

The deposits of citizens who did not withdraw their money or place it abroad will not be sacrificed on the altar of expediency and extortion.

I personally assume responsibility for reaching a solution immediately after the democratic process.

I urge you to strengthen this negotiating effort with your support, I invite you to say NO to the memorandum measures that are destroying Europe.

I invite you to respond positively to the prospect of a viable solution.

To turn a page, that calls for upholding democracy.

With the certain hope that we will reach a better deal.

We owe this to our parents, our children, ourselves.

It is our duty. We owe this to history.

Thank you.

via Referendo Grego

Japão decide parar com a captura de Golfinhos

JAPAO DECIDE PARAR COM A CAPTURA DE GOLFINHOS NAGOYA, ESTADO DE AICHI - JAPÃO - 21/05/2015 Após uma forte pressão da Associação Mundial de Zoológicos e Aquários (WAZA) suspendendo a adesão do Japão no dia 22 de  abril com a alegação de violação do Código de Ética e Bem Estar do Animal, a Associação Japonesa de Zoológicos e Aquários (JAZA) realizou uma votação no dia 20 de maio, quarta feira entre os 89zoológicos e 63 aquários de todo o Japão e decidiram parar com a captura de golfinhos em Toji( uma pequena vila de pescadores) no estado de Wakayama famosa pela caça a baleia e aos golfinhos. Em Toji os animais eram capturados e de la enviados para os aquários de todo o Japão e exterior. Com a proibição da captura de golfinhos o único método dos aquários conseguirem golfinhos é a reprodução em cativeiro. Nos Estados Unidos a captura de golfinhos é proibida desde a década de 90 e hoje a maioria dos golfinhos dos aquários foram reproduzidos em cativeiro. Na foto golfinhos do aquario de Nagoya onde ja nasceram varios golfinhos. Fonte emissora NHK. Foto Marcelo Hide/Fotos Públicas.

fotos: Marcelo Hide / Fotos Públicas

Nagoya, Estado de Aichi – Após uma forte pressão da Associação Mundial de Zoológicos e Aquários (WAZA) suspendendo a adesão do Japão no dia 22 de abril com a alegação de violação do Código de Ética e Bem Estar do Animal, a Associação Japonesa de Zoológicos e Aquários (JAZA) realizou uma votação no dia 20 de maio, quarta feira entre os 89 zoológicos e 63 aquários de todo o Japão e decidiram parar com a captura de golfinhos em Toji ( uma pequena vila de pescadores) no estado de Wakayama famosa pela caça a baleia e aos golfinhos.
Em Toji os animais eram capturados e de lá enviados para os aquários de todo o Japão e exterior.
Com a proibição da captura de golfinhos o único método dos aquários conseguirem golfinhos é a reprodução em cativeiro.
Nos Estados Unidos a captura de golfinhos é proibida desde a década de 90 e hoje a maioria dos golfinhos dos aquários foram reproduzidos em cativeiro.
Nas fotos golfinhos do aquario de Nagoya onde ja nasceram varios golfinhos.

“A Internet pode tomar o lugar do mau jornalismo” (entrevista com Umberto Eco)

Do El País

Umberto Eco tem na entrada de sua casa em Milão, antes de sua montanha de livros, o jornal de seu povoado (Alessandria, no Piemonte), que recebe diariamente. Quando pedimos fotos de sua juventude foi a um computador, que é o centro borgiano de seu Aleph particular, seu escritório, e encontrou as fotos que o levam ao princípio de sua vida, quando era um bebê de fraldas. Faz tudo com eficiência e bom humor, e rapidamente; tem na boca, quase sempre, um charuto apagado com o qual, com certeza, foge do charuto. Tem uma inteligência direta, não foge de nada, nem dá voltas. Acostumado a escolher as palavras, as diz como se viessem de um exercício intelectual que tem seu reflexo nos corredores superlotados dessa casa que se parece com o paraíso dos livros.
Está com 83 anos; emagreceu, pois faz uma dieta que o afastou do uísque (com o qual almoçava algumas vezes) e de outros excessos, de forma que mostra a barriga achatada como uma glória conquistada em uma batalha sem sangue. É um dos grandes filólogos do mundo; desde muito jovem ganhou notoriedade como tal, mas um dia quis demonstrar que o movimento narrativo se demonstra andando e publicou, com um sucesso planetário, o romance O Nome da Rosa(1980), cujo mistério, cultura e ironia impressionaram o mundo.
Passeamos junto com o escritor. Física e metaforicamente. Percorremos juntos a imponente biblioteca de sua casa em Milão, onde também repousam alguns de seus livros de maior sucesso, como O Pêndulo de Foucault e Apocalípticos e Integrados. Nas mesmas prateleiras também está seu novo romance, Número Zero, uma ficção sobre jornalismo inspirada na realidade. Um olhar sobre a informação no século XXI e a Internet, campo de batalha das ideias, das notícias e das mentiras. Controlar a verdade do que aparece na rede é, para Eco, imprescindível. Uma tarefa à qual deveriam se dedicar os jornais tradicionais, para que esses continuem sendo, no futuro, garantidores da democracia, da liberdade e da pluralidade.
Com esse sucesso que teria envaidecido qualquer um, não parou de trabalhar, como filósofo e romancista, e desde então o professor Eco é também o romancista Eco; agora aparece (em vários países do mundo) com um novo romance que nasce do centro de seus próprios interesses como cidadão: ele se sente um jornalista cujo compromisso civil o levou durante décadas a fazer autocrítica do ofício; seu romance Número Zero (cujos direitos no Brasil foram comprados pela Record, que deve lançá-lo neste ano) retrata um editor que monta um jornal que não sairá às ruas, mas cuja existência serve ao magnata para intimidar e chantagear seus adversários. Pode se pensar legitimamente que nesse editor está a metáfora de Berlusconi, o grande magnata dos meios de comunicação na Itália?, perguntei a Eco. O professor disse: “Se quiser ver em Vimecarte um Berlusconi, vá em frente, mas há muitos Vimecarte na Itália”.
Alessandria, 1932. Nasceu no Piemonte, na Itália, onde foi educado pelos salesianos. Em 1954 se formou doutor em Filosofia e Letras na Universidade de Turim, onde também foi professor, além de lecionar nas Universidades de Florença, Milão e Bologna. Beirando os 50 anos, Umberto Eco obteve um de seus maiores sucessos literários com seu romance O Nome da Rosa, traduzido para vários idiomas e levado ao cinema. Ao longo de sua trajetória, conquistou inúmeras premiações, como o Prêmio Príncipe de Astúrias de Comunicação e Humanidades no ano 2000. Também é cavaleiro da Grande Cruz da Ordem ao Mérito da República Italiana e cavaleiro da Legião de Honra francesa.

Pergunta. Um romance sobre o jornalismo. Por quê?
Resposta. Escrevo críticas do ofício desde os anos 1960, além de ter na carteira o registro de jornalista. Tive um bom debate polêmico com Piero Ottone sobre a diferença entre notícia e comentário. Escrever sobre certo tipo de jornalismo era uma ideia que me passava pela cabeça desde sempre. Há leitores que encontraram em Número Zero o eco de muitos artigos meus, cuja substância utilizei porque já se sabe que as pessoas esquecem amanhã o que leram hoje. De fato, alguns me elogiaram. Por exemplo, há quem aplaudiu o que escrevo sobre o desmentido na imprensa, e já escrevi o mesmo sobre isso há 15 anos! De forma que abordei o tema porque o carrego comigo. Até o princípio do livro é muito meu, porque esse episódio em que a água não sai da torneira era também o princípio deO Pêndulo de Foucault. Para aquele alguém me disse que não era uma boa metáfora, e tirei; mas, paraNúmero Zero, gostei dessa ideia, a água que fica presa na torneira e não sai, e você espera que saia pelo menos uma gota. Gostei dessa ideia, fui ao porão, encontrei aquele primeiro manuscrito e voltei a usar. Tudo é assim: na discussão que há com Bragadoccio [um jornalista fundamental na trama de Número Zero] sobre qual carro comprar, o que escrevo é uma lista que fiz nos anos 1990 quando eu mesmo não sabia qual automóvel queria…

P. O romance está cheio de referências ao cinismo do editor que cria um jornal para extorquir…
R. Tinha em mente um personagem da história da Itália, Pecorelli, um senhor que fazia uma espécie de boletim de agência de notícias que jamais chegava às bancas. Mas suas notícias acabavam na mesa de um ministro, e se transformavam, em seguida, em chantagem. Até que um dia foi assassinado. Disseram que foi por ordem de Andreotti, ou de outros… Era um jornalista que fazia chantagens e não precisava chegar às bancas: bastava que ameaçasse difundir uma notícia que poderia ser grave para os interesses de outro… Ao escrever o livro pensava nesse jornalismo que sempre existiu, e que na Itália recebeu recentemente o nome de “máquina de lama”.

P. No que consiste?
R. Em que para deslegitimar o adversário não é necessário acusá-lo de matar sua avó ou de ser um pedófilo: é suficiente difundir uma suspeita sobre suas atitudes cotidianas. No romance aparece um magistrado (que existiu de verdade) sobre quem se lança suspeitas, mas não se desqualifica diretamente, se diz simplesmente que é extravagante, que usa meias coloridas… É um fato verdadeiro, consequência da máquina de lama.

P. O editor, o diretor do jornal que não chega a sair, diz por meio de seu testa-de-ferro: “É que a notícia não existe, o jornalista é que cria”.
R. Sim, naturalmente. Meu romance não é apenas um ato de pessimismo sobre o jornalismo da lama; acaba com um programa da BBC, que é um exemplo de fazer bem feito. Porque existe jornalismoe jornalismo. O impressionante é que quando se fala do mau, todos os jornais tratam de fazer acreditar que se está falando de outros… Muitos jornais se reconheceram em Número Zero, mas agiram como se estivessem falando de outro.

P. O jornalista, em particular, está retratado também como um paranoico em busca de histórias custe o que custar, e fica babando quando acha ter encontrado…
R. Acontece quando Bragadoccio encontra a autópsia de Mussolini… Sempre disse, também quando escrevia romances históricos, que a realidade é mais fantástica que a ficção. Em A Ilha do Dia Anteriordescrevo um personagem fazendo um estranho experimento para descobrir as longitudes; é muito engraçado, e as pessoas disseram: “Olha que bonita a invenção do Eco”. Pois era de Galileu, que também tinha ideias loucas de vez em quando e havia inventado essa máquina para vender aos holandeses. Se mergulhar na história pode encontrar episódios mais dramáticos, mais cômicos, e também mais verdadeiros do que os que qualquer romancista pode inventar. Por exemplo, enquanto buscava material para Número Zero, encontrei a autópsia inteira de Mussolini. Nenhum narrador de pesadelos e horrores jamais conseguiu imaginar uma história como essa, e é verdadeira. E a passei para o personagem Bragadoccio, jornalista investigativo, que babava enquanto a utilizava para sua crônica sobre conspiração que inventou.

P. E o senhor não a inventou, claro.
R. Está na Internet, é assim. Então é muito fácil imaginar que um personagem tão paranoico e tão obsessivo como esse jornalista comece a desfrutar tanto da autópsia como das caveiras que encontra na igreja de Milão por onde passa sua história. Também nesse caso da igreja tudo é verdadeiro: tentei desenhar uma Milão secreta, com essas ruas, essas igrejas, que abrigam realidades que pareceriam fantasias…

P. Agora a realidade e a fantasia têm um terceiro aliado, a Internet, que mudou por completo o jornalismo.
R. A Internet pode ter tomado o lugar do mau jornalismo… Se você sabe que está lendo um jornal como EL PAÍS, La Repubblica, Il Corriere della Sera…, pode pensar que existe um certo controle da notícia e confia. Por outro lado, se você lê um jornal como aqueles vespertinos ingleses, sensacionalistas, não confia. Com a Internet acontece o contrário: confia em tudo porque não sabe diferenciar a fonte credenciada da disparatada. Basta pensar no sucesso que faz na Internet qualquer página web que fale de complôs ou que invente histórias absurdas: tem um acompanhamento incrível, de internautas e de pessoas importantes que as levam a sério.

P. Atualmente é difícil pensar no mundo do jornalismo que era protagonizado, aqui na Itália, por pessoas como Piero Ottone e Indro Montanelli…
R. Mas a crise do jornalismo no mundo começou nos anos 1950 e 1960, bem quando chegou a televisão, antes que eles desaparecessem! Até então o jornal te contava o que acontecia na tarde anterior, por isso muitos eram chamados jornais da tarde: Corriere della Sera, Le Soir, La Tarde,Evening Standard… Desde a invenção da televisão, o jornal te diz pela manhã o que você já sabe. E agora é a mesma coisa. O que um jornal deve fazer?

P. Diga o senhor.
R. Tem que se transformar em um semanário. Porque um semanário tem tempo, são sete dias para construir suas reportagens. Se você lê a Time ou a Newsweek vê que várias pessoas contribuíram para uma história concreta, que trabalharam nela semanas ou meses, enquanto que em um jornal tudo é feito da noite para o dia. Um jornal que em 1944 tinha quatro páginas hoje tem 64, então tem que preencher obsessivamente com notícias repetidas, cai na fofoca, não consegue evitar… A crise do jornalismo, então, começou há quase cinquenta anos e é um problema muito grave e importante.

P. Por que é tão grave?
R. Porque é verdade que, como dizia Hegel, a leitura dos jornais é a oração matinal do homem moderno. E eu não consigo tomar meu café da manhã se não folheio o jornal; mas é um ritual quase afetivo e religioso, porque folheio olhando os títulos, e por eles me dou conta de que quase tudo já sabia na noite anterior. No máximo, leio um editorial ou um artigo de opinião. Essa é a crise do jornalismo contemporâneo. E disso não sai!

P. Acredita de verdade que não?
R. O jornalismo poderia ter outra função. Estou pensando em alguém que faça uma crítica cotidiana da Internet, e é algo que acontece pouquíssimo. Um jornalismo que me diga: “Olha o que tem na Internet, olha que coisas falsas estão dizendo, reaja a isso, eu te mostro”. E isso pode ser feito tranquilamente. No entanto, ainda pensam que o jornal é feito para que seja lido por alguns velhos senhores –já que os jovens não leem— que ainda não usam a Internet. Teria que se fazer um jornal que não se torne apenas a crítica da realidade cotidiana, mas também a crítica da realidade virtual. Esse é um futuro possível para um bom jornalismo.

P. Em seu romance, um editor concebe um jornal que não vai sair às ruas, para dar medo. É uma metáfora do que acontece?
R. E não só isso. Em Número Zero aprofundo a técnica do dossiê. A chantagem consiste em anunciar uma documentação, um informe. A pasta pode estar vazia, mas a ameaça de que existe basta: cada um de nós tem um cadáver no armário ou pelo menos recebeu uma multa por excesso de velocidade há 30 anos. A ameaça da existência de um dossiê é fundamental. A técnica da documentação é como a técnica do segredo. Filósofos ilustres, como Simmel e outros, disseram que o segredo mais poderoso é o segredo vazio. É uma técnica infantil: o menino diz (enganando): “Eu sei uma coisa que você não sabe!”. Dizer que sabe uma coisa que o outro não sabe é uma ameaça. Muitos segredos são vazios, e por isso são muito mais poderosos. Depois você vê os verdadeiros documentos, e são apenas recortes de imprensa. São vendidos a um Governo e aos serviços secretos, ou para a polícia, e são dossiês vazios, cheios de coisas que todos sabiam, menos os serviços secretos.

P. Número Zero é um romance de ficção, mas tudo pode ser visto na realidade…
R. É do jornalismo real que eu falo. Os jornais especializados na máquina de lama existem. Nem todos os jornais usam essa máquina, mas existem os que a utilizam, e por uma modesta soma de dinheiro eu poderia te dar os nomes…

P. E como sair da lama?
R. Dando notícias credenciadas. O que é maquina de lama? Normalmente é utilizada para deslegitimar o adversário e desacreditá-lo sobre questões particulares. Quero dizer que, na época áurea, se você não gostava de um presidente dos Estados Unidos, já aconteceu com Lincoln e Kennedy, o matava; era, por assim dizer, um procedimento honesto, como se faz na guerra… Por outro lado, com Nixon e Clinton se produziu uma deslegitimação com base em questões particulares. Um incitava a roubar papéis, o outro fazia coisas com uma estagiária… Essa é a maquina de lama. Poderiam ter dito, algo que não aconteceu nos Estados Unidos, que Kennedy dormia com Marilyn Monroe; a máquina de lama teria feito isso… Aquele juiz de Rimini do meu livro (que existiu realmente, em outra cidade) foi colocado na máquina de lama: usava meias extravagantes, fumava demais. Na verdade, havia emitido uma sentença que naquele momento não tinha agradado Berlusconi. E o que o maquinário do ex-primeiro-ministro fez foi buscar desacreditar sua reputação por meio de episódios menores. Pode se deslegitimar Netanyahu pelo que faz com a Palestina. Mas acusá-lo, por exemplo, de pedófilo, então já não estará trabalhando com fatos, mas estará colocando em funcionamento a máquina de lama.

P. Contra a máquina de lama…
R. As provas, as notícias rebatidas. Para a máquina de lama é suficiente difundir uma sombra de suspeita ou trabalhar sobre uma fofoca menor. No fim, na Itália, Berlusconi foi colocado contra as cordas contando o que ele fazia à noite em sua casa. Podiam dizer dele, e disseram, coisas muito mais graves, sobre seus conflitos de interesse, por exemplo. Mas isso deixava o público indiferente. E quando se provou que ele estava com uma menor de idade, então se viu em dificuldades. Como você pode ver, até defendo o Berlusconi! Ele foi vencido a partir de revelações sobre sua vida pessoal mais do que por notícias sobre fatos verdadeiros e outras coisas pelas quais é responsável.

P. O senhor cita em seu livro a Operação Gládio em relação a fatos que ocorreram após a Segunda Guerra Mundial… Entram aí até as suspeitas sobre a autoria da matança dos advogados de Atocha… Aquela sombra da extrema direita agora volta ao mundo com os atentados islâmicos. Um mundo sombrio outra vez. Qual a sua opinião desse momento outra vez sangrento, protagonizado dessa vez pelos terroristas jihadistas.
R. É como o nazismo: pensava em restabelecer a dignidade do povo alemão matando todos os judeus. De onde nasce o nazismo? De uma profunda frustração. Tinham perdido uma guerra, e é nos momentos de grandes crises que o cacique de um povo pode congregar a opinião pública em torno do ódio contra um inimigo. Acontece agora com o mundo muçulmano: três séculos de frustração, após o império otomano, após o imperialismo, surge essa frustração em forma de ódio e fanatismo…

P. E como se luta contra isso?
R. Não sei. Estava muito claro como se podia lutar contra o fanatismo nazista, porque os nacional-socialistas estavam em um território identificável. Aqui a coisa é mais complexa.

P. Tem medo?
R. Não por mim, por meus netos.

P. O senhor escreveu um livro em que um jornal da lama faz batalhas sujas sem sair às ruas… Cogita que um dia não haja jornais?
R. É um risco muito grave, porque, depois de tudo que disse de mau sobre o jornalismo, a existência da imprensa ainda é uma garantia de democracia, de liberdade, porque especialmente a pluralidade dos jornais exerce uma função de controle. Mas, para não morrer, o jornal tem que saber mudar e se adaptar. Não pode se limitar apenas a falar do mundo, uma vez que disso a televisão já fala. Já disse: tem que opinar muito mais sobre o mundo virtual. Um jornal que soubesse analisar e criticar o que aparece na Internet hoje teria uma função, e até um rapaz ou uma moça jovem leriam para entender se o que encontraram online é verdadeiro ou falso. Por outro lado, acho que o jornal ainda funciona como se a Internet não existisse. Se olhar o jornal de hoje, no máximo encontrará uma ou duas notícias que falam da Internet. É como se as rotativas nunca se ocupassem de sua maior adversária!

P. É adversária?
R. Sim. Porque pode matá-la.

Com Sul 21

Mali: A Filosofia Dogon e a origem da vida nas escarpas de Bandiagara

As Escarpas de Bandiagara carregam em seu ventre um pedaço de paraíso. O cenário contrasta o marrom avermelhado das rochas, o verde incisivo de árvores esparsas e das plantações familiares e o azul forte do céu sempre aberto. Ali, encaixados no cenário cru, espalham-se dezenas de vilarejos que dividem harmoniosamente o espaço com a natureza formando o País Dogon. Lembrando a origem do mundo, a região parece ter a resposta do equilíbrio entre homem e natureza que o futuro pede. Nos 150 quilômetros de falésia, antigas habitações encrustadas nas rochas, como cidades camaleões, se escondem na paisagem e dão um toque mágico à região. Texto via Afreaka

Daily life in the Dogon Region

Foto: Fotos Públicas/Marco Dormino / UN Photo

 

A Geração do Não Chega Lá (via Aventar)

Por

Nos meus idos vinte anos olhava para os distantes quarentões como aqueles que tinham encontrado o lado estável da vida. Era o achar que nunca vez se teria uma daquelas barriguinhas dos petiscos, que o cabelo seria sempre viçoso e que a juventude era uma característica pessoal. Mas sabendo que inexoravelmente se lá chegaria e que o conforto da democracia burguesa desculparia alguma coisa.

Alguns anos depois seria o tempo da geração rasca, a dos então miúdos que Vicente Jorge Silva diz não ter alcunhado, antes houvera as geração dos sessenta e dos oitentas, e nós, os que brotávamos idealismo pelos anos noventa? Qual era a nossa geração?

Continue Lendo via Aventar

Cabo Verde, na África, recebe o Festcineamazônia Itinerante

FOTO SHOW PRINCEZITO artista africanoNa última edição do Festcineamazônia em Porto Velho, a surpresa do encerramento foi o show de um cantor até então desconhecido na capital rondoniense- e no Brasil-. Princezito. Aos poucos, o jovem cantor conquistou o público que lotava o Teatro Banzeiros. A surpresa da plateia mostrava o quanto a cultura caboverdiana ainda é desconhecida dos brasileiros. Essa distância cultural começa a ser minimizada com mais uma edição do projeto Festcineamazônia Itinerante a Cabo Verde.

É a terceira vez que Cabo Verde recebe o Festival de Artes Integradas – Festcineamazonia Itinerante. A integração cultural com os países de língua portuguesa é o principal objetivo do projeto. “Intercâmbio permanente é uma necessidade para que especialmente os países africanos que falam a mesma língua possam interagir mais, já que ao total mais de 240 milhões de pessoas falam português no mundo”, diz Jurandir Costa, um dos organizadores do Festcineamazônia.

Serão exibidas sete produções brasileiras, abordando a questão ambiental do planeta. A iniciativa é uma parceria com a Câmara Municipal de Tarrafal (a mítica cidade situada no extremo norte da ilha de Santiago , conhecida como um dos bastiões do Batuco e Finason) através do vereador da cultura (cargo equivalente a secretário de Cultura) Inácio Borges, e o presidente da Câmara ( o mesmo que prefeito)José Pedro Nunes Soares. 

Do lado caboverdiano serão apresentadas atrações como o Palhaço Xclumbumba e a participação especial do cantor Princezito e o Grupo Batuku Delta Cultura. O Batuco é uma manifestação cultural, com raízes africana que teria chegado á Cabo Verde na época da escravatura. É sobretudo praticada por mulheres. Uma cantora descreve acontecimentos quotidianos, mas também se refere à política e à cultura em geral de uma forma divertida ou crítica.O coro imita os versos, e a canção vai-se tornando progressivamente mais intensa, culminando com o Tornu, uma dança muito espetacular que se resume praticamente aos movimentos do quadril, realizada normalmente por uma ou duas dançarinas.

Já o cantor Princezito, participou da ultima edição do Festival, num show com Eliakin Rufino, numa conexão Amazônia – África. Um DVD está em processo de finalização sobre esse encontro musical.

A programação será toda com entrada livre, iniciando na próxima quinta-feira, 20 de junho, no Mercado de Artesanato e Cultura do Tarrafal, em Cabo Verde.

Deu na RTP > Nova fraude alimentar em Portugal : peixe-caracol é vendido como legítimo bacalhau

Há um novo caso de fraude alimentar em Portugal. O peixe-caracol, uma espécie não autorizada no país, está a ser vendido como bacalhau. O Diário de Notícias pediu uma análise laboratorial a um preparado de bacalhau com natas à venda num supermercado do grupo Auchan e encontrou peixe-caracol. O produto já foi retirado das lojas.

Veja matéria completa na Radio e Televisão Portuguesa

[Especial] Festival de Cannes 2013 (via Sobre Cinema)

Festival de Cannes, foi presidido por Louis Lumière e no dia 20/Setembro de 1946 ocorreu sua primeira edição.
O mesmo foi criado por iniciativa de Jean Zay, ministro da República e das Belas Artes que desejava implantar na França um evento cultural internacional para competir com as amostras Venezianas.

Na edição desse ano, o evento ocorreu entre os dias 15 e 26 de maio.
De acordo com o site oficial, a premiação tem como objetivo promover, valorizar obras que possam servir como referência de evolução para a indústria.

Vencedores 2013

Palma de Ouro
“La vie d’Adele”, de Abdellatif Kechiche.

Grand Prix
“Inside Llewyn Davis”, dos irmãos Coen.

Melhor diretor
“Heli”, de Amat Escalante.

Câmera de Ouro (Para diretores estreantes)
“Ilo Ilo”, de Anthony Chen.

Melhor ator
Bruce Dern, de “Nebraska”.

Melhor atriz:
Bérénice Bejo, de ‘Le passé”.

Melhor roteiro
Jia Zhangke, de “A touch of sin”.

Prêmio do júri
“Like father, like son”, de Hirokazu Kore-Eda.

Melhor curta-metragem
‘Safe’, de Moon Byoung-Gon.

Veja Mais Sobre Cinema

Português para espanhóis: foda-se e vai-te foder (via Aventar)

Depois de ter falhado a conversão de uma grande penalidade (expressão futebolesa carregada de ressonâncias religiosas), Cristiano Ronaldo acabou por marcar um golo, na marcação de um livre indirecto. A complementar a descompressão, soltou um sonoro e evidente “foda-se!”, essa interjeição tão portuguesa e tão reveladora de alívio, revolta, raiva, frustração ou qualquer outro sentimento à escolha.

Sendo o português e o castelhano línguas de tão próximo parentesco e estando o balneário do Real Madrid em estado de sítio, a comunicação social espanhola, pouco conhecedora da língua portuguesa, deixou-se enganar pela aparência e julgou que Cristiano Ronaldo estaria a insultar alguém, escolhendo Mourinho como hipotético alvo de um insulto inexistente.

Não é que Cristiano Ronaldo seja um primor de elevação ou de desportivismo, como será inegável que a relação com Mourinho esteja muito desgastada, mas, neste caso, é evidente que foi a ignorância a ditar uma conclusão.

Assim, seria importante que alguém ensinasse aos espanhóis a diferença entre uma interjeição e um insulto. Quero, assim, deixar o meu contributo para uma didáctica do “foder”.

Num primeiro momento, poderá ser feita uma comparação entre Passos Coelho e Mariano Rajoy. Depois, poderá explicar-se que o português, farto de ser roubado pelo triste barítono português, soltará um “foda-se!” de revolta sempre que tiver o azar de ver na televisão o ocupante do cargo de primeiro-ministro, usando um tom similar ao de alguém que, estando descalço, mandou um pontapé numa mesa que já lá estava e não devia estar. Depois de ouvir Passos Coelho, esse Rajoy lusitano, anunciar, pela milésima vez, mais um corte, o português vitimado recorrerá, como solução imediata, a um “Vai-te foder!”, dirigido a um assaltante engravatado que tem a sorte de estar longe. Acrescentar a essa expressão “filhadaputa” ou “filhadagandaputa” é opcional, mas habitual. Há, até, quem diga que é inevitável.

Via Aventar

Angola proíbe operação de igrejas evangélicas do Brasil. Medida pode criar um “monopólio” evangélico (via Frates is Unum.com)

angola proibe evang.

O governo de Angola baniu a maioria das igrejas evangélicas brasileiras do país.

Segundo o governo, elas praticam “propaganda enganosa” e “se aproveitam das fragilidades do povo angolano”, além de não terem reconhecimento do Estado.

“O que mais existe aqui em Angola são igrejas de origem brasileira, e isso é um problema, elas brincam com as fragilidades do povo angolano e fazem propaganda enganosa”, disse à Folha Rui Falcão, secretário do birô político do MPLA (Movimento Popular de Libertação de Angola) e porta-voz do partido, que está no poder desde a independência de Angola, em 1975.

Cerca de 15% da população angolana é evangélica, fatia que tem crescido, segundo o governo.

Em 31 de dezembro do ano passado, morreram 16 pessoas por asfixia e esmagamento durante um culto da Igreja Universal do Reino de Deus em Luanda. O culto reuniu 150 mil pessoas, muito acima da lotação permitida no estádio da Cidadela.

O mote do culto era “O Dia do Fim”, e a igreja conclamava os fiéis a dar “um fim a todos os problemas que estão na sua vida: doença, miséria, desemprego, feitiçaria, inveja, problemas na família, separação, dívidas.”

O governo abriu uma investigação. Em fevereiro, a Universal e outras igrejas evangélicas brasileiras no país — Mundial do Poder de Deus, Mundial Renovada e Igreja Evangélica Pentecostal Nova Jerusalém– foram fechadas.

Segundo o site Midia@Mais , o buraco é mais embaixo :  a Cristofobia que cega: ateus comemoram vitória da Universal . Ou seja: na prática, o que o governo do MPLA está fazendo é entregar o monopólio evangélico em Angola a Edir Macedo.

Leia Mais via Frates in Unum.com

 

Experiência do Festcineamazônia ganha destaque em Festival Português

foto-3Cinco anos atrás, ao ser criada, a etapa itinerante do Festcineamazônia- Festival Latino Americano de Cinema e Vídeo Ambiental – tinha a intenção de ser apenas mais um canal de divulgação das ideias de compartilhamento de experiências e sensações cinematográficas e cidadãs dos organizadores do festival. Depois de passar por quase todos os municípios rondonienses e se aventurar por outros países da América do Sul, da África e chegar a Portugal, o festival tem recebido o reconhecimento de experiências similares.

É o caso do Festin, o Festival Itinerante de Língua Portuguesa, realizado em Lisboa. Dedicado a cinematografia dos países de Língua Portuguesa, o festival já está na quarta edição e o Festcine Amazônia foi um dos destaques. Além da exibição de filmes, o Festin foi palco de importantes debates, recebeu organizadores de Festivais de Cinema como o Festival de Gramado, Cine Eco e Festival Internacional de Angola, além da presença de realizadores de Cabo Verde e de membros da CPLP Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.

Jurandir Costa e Fernanda Kopanakis, coordenadores do Festicineamazônia relataram a experiência exitosa do festival, como o único de cinema ambiental da Amazônia, com itinerância em todo o município de Porto Velho, todo o Vale do Guaporé, Bolívia, Peru, Portugal e Africa Caboverdiana. Uma das características da itinerância é, além da exibição de filmes, sempre ser acompanhado por uma equipe de documentaristas e fotógrafos que mapeiam as comunidades, transformando as ações em documentários e livros.

Entre as discussões feitas no evento a possibilidade de uma agenda para compartilhamento de conteúdo e plataformas de manutenção e preservação de acervos foi pauta do encontro, já que os festivais absorvem produções que fazem parte da memória de cada país.

“A sensação que temos é que o Brasil é um país isolado tanto dos países de língua portuguesa, como dos países vizinhos latinos e é importante uma política cultural mais agressiva”, disse um dos participantes do encontro.

O Festcineamazônia  faz parte da Rede de Cines Itinerantes da América Latina e Caribe, que tem como missão contribuir para a diversidade cultural e o fortalecimento da identidade nacional a partir da difusão de audiovisual em locais que não contam com salas de cinema. Tem como objetivo criar e fomentar uma cultura voltada para o cinema auxiliando na formação de plateia.

O mundo celebra os mais de 80 anos de Miriam Makeba…(via enfoquemania)

O “doodle” de hoje homenageia a cantora africana

Hoje, 4 de março, Zenzile Miriam Makeba, completa o 81° aniversário. Nascida em Joanesburgo, em 4 de março de 1932, a cantora Sul Africana faleceu em Castel Volturno, em 10 de novembro de 2008.  Conhecida como “Mama África” e grande ativista pelos direitos humanos e contra o apartheid na sua terra natal tornou-se um ícone mundial.

Makeba começou a carreira em grupos vocais nos anos 50, interpretando uma mistura de blues americanos e ritmos tradicionais da África do Sul. No fim da década, apesar de vender bastantes discos no país, recebia muito pouco pelas gravações e nem um cêntimo de royalties, o que lhe despertou a vontade de emigrar para os Estados Unidos a fim de poder viver profissionalmente como cantora.

O seu momento decisivo aconteceu em 1960, quando participou no documentário antiapartheid Come Back, África, a cuja apresentação compareceu, no Festival de Veneza daquele ano. A recepção que teve na Europa e as condições que enfrentava na África do Sul fizeram com que Miriam resolvesse não regressar ao país, o que causou a anulação do seu passaporte sul-africano.

Foi então para Londres, onde se encontrou com o cantor e ator negro norte-americano Harry Belafonte, no auge do sucesso e prestígio e que seria o responsável pela entrada de Miriam no mercado americano. Através de Belafonte, também um grande ativista pelos direitos civis nos Estados Unidos, Miriam gravou vários discos de grande popularidade naquele país. A sua canção Pata Pata tornou-se um enorme sucesso mundial. Em 1966, os dois ganharam o Prêmio Grammy na categoria de música folk, pelo disco An Evening with Belafonte/Makeba.[1]

Em 1963, depois de um testemunho veemente sobre as condições dos negros na África do Sul, perante o Comitê das Nações Unidas contra o Apartheid, os seus discos foram banidos do país pelo governo racista; o seu direito de regresso ao lar e a sua nacionalidade sul-africana foram cassados, tornando-se apátrida.

Continue Lendo via Enfoquemania

Santo Antonio de los Baños para brasileiros : Inscrições abertas até 9 de março

CURSO REGULAR 2013 / 2016 – ESCUELA INTERNACIONAL DE CINE E TV DE CUBA

EICTV é uma das principais escolas de cinema do mundo, tendo graduado mais de 1000 profissionais, desde sua fundação, em 1986. O curso tem duração de três anos, começando em setembro de 2013. No Brasil, as provas serão aplicadas nos dias 15 e 16 de março, em cinco cidades: Belo Horizonte / MG, Recife / PE, Florianópolis / SC, Goiânia / GO Belém / PA.  Os candidatos devem ter entre 22 e 29 anos (nascidos entre 1983 e 1991) e preencher e enviar por e-mail a ficha de inscrição para eictvbrasil@gmail.comindicando o local onde fará os exames.Cada candidato fará uma prova de conhecimentos gerais e uma específica da especialização que pretende cursar. São oferecidas oito especializações – DireçãoProduçãoRoteiroFotografiaSomDocumentárioEdição e TV e Novas MídiasNão é necessário saber espanhol. As provas e entrevistas são em português, e a Comissão de Seleção é formada por brasileiros. O Ministério da Cultura, por meio da Secretaria do Audiovisual subsidia parte do valor da matrícula dos alunos brasileiros sendo o restante pago pelo aluno. Este subsídio costuma cobrir integralmente a matrícula do segundo e terceiro anos e parte do primeiro ano do curso. Mais informações aqui .

Tá a fim de se inscrever fala com o Guigo , no celular (31) 9635 1026.

Boa Sorte !

O decano e o camerlengo: as duas Igrejas de Sodano e Bertone.(via Fratres in Unum.com)

 Nos primeiros meses como secretário de Estado, o cardeal Tarcisio Bertone (Romano Canavese, 1934) se assomava de vez em quando ao apartamento a ele reservado ao lado dos seus escritórios, no primeiro andar, sob os afrescos de Rafael. Todas as vezes, fumaça preta: o apartamento ainda estava ocupado. O antecessor, cardeal Angelo Sodano (Isola D’Asti, 1927), ainda não havia ido embora. Assim, Bertone se resignava a subir ao seu alojamento provisório, na torre de São João.

A reportagem é de Aldo Cazzullo, publicada no jornal Corriere della Sera, 13-02-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Hoje, dois homens que não se amam se encontram regendo a Igreja em uma transição muito delicada, sem precedentes no mundo moderno, com um papa a ser eleito e outro ainda em vida, e com o conclave mais numeroso da história – 117 cardeais –, mas sem uma figura hegemônica. Não são homens do futuro. Sodano regeu o governo vaticano na segunda parte da era de João Paulo II; Bertone exerceu a mesma função no atribulado pontificado de Bento XVI. Agora são chamados à última missão: um como decano do Sacro Colégio; outro, como camerlengo.

Continue Lendo via  Fratres in Unum

“Liberdade” de Delacroix vandalizado

Na quinta-feira, pouco antes deste museu no norte de França fechar as portas, uma mulher de 28 anos escreveu a preto “AE911” no canto inferior do quadro, noticiou a Agência France Presse (AFP). A misteriosa inscrição com 30 centímetros de comprimento e seis de altura foi feita a marcador e em segundos, já que, segundo fontes do Louvre-Lens, a mulher foi imediatamente interrompida por um vigilante e um visitante.

A responsável por este acto de vandalismo, cuja identidade não foi divulgada, não quis comentar o significado da inscrição, nem a hipótese avançada de que estaria ligada a uma teoria conspirativa sobre os atentados de 11 de Setembro de 2001 nos Estados Unidos.

Continue Lendo via Público