Arquivos da categoria: Ao Sul

São Paulo inaugura ciclovia na sua avenida mais famosa

A ciclovia possui 2,7 km de extensão, foi construída no canteiro central da Av Paulista, entre a Praça Oswaldo Cruz e a Avenida Angélica. A ciclovia tem 4 metros de largura e foi elevada, ficando a uma altura de 18 cm em relação às faixas de rolamento em suas laterais.

fotos: Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas

Este slideshow necessita de JavaScript.

Paulistanos aproveitam a manhã ensolarada e vão pedalar na nova ciclovia da Av. Paulista Fotos: André Tambucci / Fotos Públicas

Rádio Ipanema FM : o fim está perto

A se julgar verdade um post publicado no Facebook na manhã desta segunda-feira (11) pelo apresentador de rádio Cagê Lisboa, a  Rádio Ipanema, a 94,9 ,  a rádio rock gaúcha está fechando as portas.. Segundo o post , a Band São Paulo optou por colocar a Rádio Bandeirantes AM na frequência da Ipanema, a 94.9. A rádio seguiria ativa, com equipe reduzida, apenas em formato web.

A notícia fere de morte os “Ipanêmicos”, ouvintes fiéis da rádio gaúcha, que promoveu e deu nova dimensão aos roqueiros do RS. Como diz o site Sul 21,  “havia o programa do Alemão Vitor Hugo, o Hot Club do Mutuca, o Música Mundi e a boa qualidade da própria programação da rádio que, durante uma época, era avessa ao jabá. Porto Alegre trocará a diferença por mais do mesmo.”

Décadas atrás aconteceu coisa parecida com outra rádio mito, a Continental 1120.

Extremamente lamentável. Se isso não for uma “pegadinha”, como já aconteceu outra vez.

Leia também >

A lenta e triste agonia da tradicional Rádio Guaíba

Mauro Kwitko : bem necessário

Selvageria no Paraná

 

Prefeitura atende feridos em manifestação de servidores no Centro Cívico. Curitiba, 29/04/2015 Foto: Maurilio Cheli/SMCS

Foto: Maurilio Cheli/ SMCS

Olhares do Brasil: Curitiba, por Juca Varella

FEIRA DO LARGO DA ORDEM EM CURITIBA

fotos : Juca Varela

Curitiba – PR, Brasil – Feira do Largo da Ordem, em Curitiba — Todos os domingos, das 9h às 14 h, cerca de 15 mil visitantes encontram mais de mil barracas que vendem desde imãs de geladeira até móveis e obras de arte. Em 8 quadras do Centro Histórico de Curitiba, artesãos expõe e vendem objetos de decoração, brinquedos, pinturas, roupas, bolsas e os mais variados artigos. Grupos musicais se apresentam no Largo da Ordem, em frente à igreja do mesmo nome. Na rua ao lado, colecionadores de carros antigos dividem a rua com grupos de motociclistas. Nas barracas de comidas, são destaques os acarajés, os pierogis, as empanadas argentinas, os tacos mexicanos, os docinhos artesanais, entre outros lanches. Em 1974, a Feirinha no Largo da Ordem era uma espécie de Feira de Troca ou venda de artigos usados. Ali, meninos da cidade trocavam seus gibis, figurinhas e outros brinquedos. Hoje a Feira é local obrigatório para quem visita a cidade.

Começou : “Passaralho” no Estadão corta 200

O Grupo Estado, que edita o jornal O Estado de São Paulo está promovendo um relevante corte de pessoal neste início de semana. Rumores dão conta de que será de 200 pessoas em toda a empresa. As demissões estão em curso na tarde desta segunda-feira e na redação já se confirmaram, entre outras, as saídas de Jotabê Medeiros, do Caderno 2, de onde também saíram três repórteres juniores do Guia, e de Fábio Brandt, repórter em Brasília. A empresa, pelo que apurou este Portal, teria montado um posto avançado para o exame médico de dispensa no 5º andar da sede do jornal.

fonte : Jornalistas & Cia

Segundo a mitologia jornalística, passaralho é uma misteriosa ave criada pelos fanfarros jornalistas, os quais costumam definir tal a fato a demissões em massa nas redações. O significado inútil é que a imagem de um urubu com asas de pernilongo e um bico de pênis tem a função de passar zunindo e assobiando nas mesas. A vítima em questão percebe que o calabouço chegou quando o bico do pássaro está enterrado nos gomos da sua bunda. Uh!

Outra fonte insegura nos diz que é uma ave de rapina, e como todo predador prefere atacar quem está mais perto, quem é mais vulnerável, aquele mais fraco. Passaralhus Voadeitor Cuspidor;

via Desciclpédia

Alarme ! Catástrofe social, econômica e ambiental ronda São Paulo

Ilustração : GGN

Por Oded Grajew

A cidade de São Paulo está diante de uma catástrofe social, econômica e ambiental sem precedentes. O nível do sistema Cantareira está em cerca de 6% e segue baixando por volta de 0,1% ao dia. O que significa que, em aproximadamente 60 dias, o sistema pode secar COMPLETAMENTE!

O presidente da Sabesp declarou que o sistema pode ZERAR em março ou, na melhor das hipóteses, em junho deste ano. E NÃO HÁ UM PLANO B em curto prazo. Isto significa que seis milhões de pessoas ficarão praticamente SEM UMA GOTA DE ÁGUA ou com enorme escassez. Não é que haverá apenas racionamento ou restrição. Poderá haver ZERO de água, NEM UMA GOTA.

Você já se deu conta do que isto significa em termos sociais, econômicos (milhares de estabelecimentos inviabilizados e enorme desemprego) e ambientais? Você já se deu conta de que no primeiro momento a catástrofe atingirá os mais vulneráveis (pobres, crianças e idosos) e depois todos nós?

O que nos espanta é a passividade da sociedade e das autoridades diante da iminência desta monumental catástrofe. Todas as medidas tomadas pelas autoridades e o comportamento da sociedade são absolutamente insuficientes para enfrentar este verdadeiro cataclismo.

Parece que estamos todos anestesiados e impotentes para agir, para reagir, para pressionar, para alertar, para se mobilizar em torno de propostas e, principalmente, em ações e planos de emergência de curto prazo e políticas e comportamentos que levem a uma drástica transformação da nossa relação com o meio ambiente e os recursos hídricos.

Há uma unanimidade de que esta é uma crise de LONGUÍSSIMA DURAÇÃO por termos deixado, permitido, que se chegasse a esta dramática situação. Agora, o que mais parece é que estamos acomodados e tranquilos num Titanic sem nos dar conta do iceberg que está se aproximando.

Nosso intuito, nosso apelo, nosso objetivo com este alarme é conclamar as autoridades, os formadores de opinião, as lideranças e os cidadãos a se conscientizarem urgentemente da gravíssima situação que vive a cidade, da dimensão da catástrofe que se aproxima a passos largos.

Precisamos parar de nos enganar. É fundamental que haja uma grande mobilização de todos para que se tomem ações e medidas à altura da dramática situação que vivemos. Deixar de lado rivalidades e interesses políticos, eleitorais, desavenças ideológicas. Não faltam conhecimentos, não faltam ideias, não faltam propostas (o Conselho da Cidade de São Paulo aprovou um grande conjunto delas). Mas faltam mobilização e liderança para enfrentar este imenso desafio.

Todos precisamos assumir nossa responsabilidade à altura do nosso poder, de nossa competência e de nossa consciência. O tempo está se esgotando a cada dia.

via Rede Nossa São Paulo e GGN

Túnel do Tempo : Carros da época em cena de Porto Alegre

Nesta fantástica foto de Porto Alegre dos anos 70, se vê um instantâneo dos carros e ônibus que rodavam na época: da esquerda para a direita, ônibus Bi-Campeão Urbano, da Carrocerias Elisiário montado com  motor Mercedes Benz OM-361. Na sequência, ainda em primeiro plano, uma Rural Willys, uma Kombi e um Opala Diplomata. Um pouco mais atrás, um Jeep Willys 6 cilindros com capota de lona, um Fusca e outra Rural…

Reprodução/Facebook

Veja nos mapas da Sabesp quais zonas podem ficar sem água em São Paulo

mapa-SP

O Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor), conquistou uma vitória para os consumidores em relação à informação sobre a falta de água. A Sabesp enviou o mapa das chamadas “zonas de coroa” (grifadas em vermelho nos mapas), que traz as regiões com curva de nível crítica onde pode ocorrer falta d’água por causa da redução de pressão da rede. Com isso, o Idec começa a fazer valer o direito à informação, tendo como base o Código de Defesa do Consumidor (Lei n° 8.078/90) e a Lei de Acesso à Informação (Lei nº 12.527/2011), que regulamenta o direito de acesso a dados públicos.

Com a liberação do mapa, o consumidor deve verificar se está nas regiões críticas e aprofundar as medidas de economia, se programando com antecedência.

Mapa 1 , que compreende as regiões dos bairros de: Brás (Canindé, Pari, Bom Retiro), Consolação, Paulista, Consolação, Cambuci (Jardim Glória), Ipiranga (Vila São José, Vila Dom Pedro II), Sacomã (Vila Independência, Vila Carioca, Vila Heliópolis, Cidade Nova Heliópolis), Vila Alpina.

Mapa 2 que compreende as regiões dos bairros de: Lapa, Casa Verde, Perdizes, Vila Romana, Sumaré, Pinheiros, Jardim América, Vila Mariana, Jabaquara, Sacomã, Cursino Deriv. Brooklin (Vila Nova Conceição).

Mapa 3 que compreende as regiões dos bairros de: Moóca (Jardim Italia/ Vila Oratório/ Belenzinho/ Jd. Anália Franco), Carrão, Vila Formosa.

Mapa 4 que compreende as regiões dos bairros de: São Matheus, Jardim da Conquista, Jardim São Pedro, Sapopemba

Mapa 5 que compreende as regiões dos bairros de: Penha (parte), Artur Alvim, Ermelino Matarazzo, Guaianazes, Cidade Tiradentes, Santa Etelvina, Itaquera, Deriv Vila Matilde (Jardim Itapema, Jardim Aricanduva, Jardim Marília), Carmo, Savoy, Vila Aricanduva, Vila Matilde

Mapa 6 que compreende as regiões dos bairros de: Penha (parte), Cangaíba, Jardim Popular, Artur Alvim, Ermelino Matarazzo, São Miguel Paulista, Itaim Paulista, Itaquera,Vila Matilde, Penha (Jardim Jaú, Vila São Geraldo e Vila Guarani), Vila Matilde (Jardim Itapema, Jardim Aricanduva, Jardim Marília)

Mapa 7  que compreende as regiões dos bairros de: Mairiporã – Irara Branca, Parque Cantareira, Horto (Tremembé, Vila Amélia, Jardim Itatinga), Vila Nova Cachoeirinha (Vila Basiléia, Cachoerinha, Jardim Centenário, Jardim Aida, Imirim, Limão, Jardim das Graças, Vila Carbone, Vila Palmeiras, Vila Santista), Casa Verde, Vila Brasilândia (Vila Bruna, Vila Cavaton, Chácara Nossa Senhora Aparecida, Jardim Mariliza, Vila Hermínia, Jardim Monte Alegre), Freguesia do Ó ( Jardim São José, Vila Portugal, Jardim São Ricardo, Jardim Iris, Vila Anastácio, Vila Ursulina, Vila Santa Delfina, Moinho Velho, Vila Picinin, Vila Brasilândia, Parque Monteiro Soares, Vila Julio Cesar, Itaeraba, Vila Palmeiras)

Mapa 8 que compreende as regiões dos bairros de: Parque Anhanguera, Perus, Jaragua, Pirituba, Vila Jaragua

Mapa 9 que compreende as regiões dos bairros de: Tremembé, Tucuruvi, Edu Chaves, Santana, Mirante, Vila Medeiros, Vila Maria

Mapa 10 que compreende as regiões dos bairros de: Jardim Angela, Jardim São Luiz, Pirajussara, Morumbi, Taboão da Serra – Jd Record, Raposo Tavares, Butantã, Butantã USP (Jardim Rizzo e Jardim São Remo), Butantã (Jardim Jaqueline e Jardim Peri Peri), Vila Sonia

Mapa 11 que compreende as regiões dos bairros de: Embu – Vista Alegre, Embu – Centro, Embu – Santo Antonio, Embu – Deriv Santo Antonio (Sem ruas como referências), Itapecirica – Campestre, Itapecirica – Centro, Itapecirica – Embu Guaçu (Bairro mais próximo no Google Maps – Parque Santa Bárbara e Chácara Balbina), Embu Guaçu Centro, Jardim Angela, Jardim São Luiz, Santo Amaro (parte)

Mapa 12 que compreende as regiões dos bairros de: Jardim das Fontes, Colonia, Interlagos, Grajaú, Americanopolis (parte),

Mapa 13 que compreende as regiões dos bairros de: Brooklin (Bairro mais próximo no Google Maps – Brooklin Novo), Santo Amaro (Bairro mais próximo no Google Maps – Granja Julieta), Chácara Flora, Americanopolis, Campo Belo, Jabaquara, Vila do Encontro, Americanopolis – Pq Real

Seca de gestão : Alckmin ataca ONU após ser responsabilizado por seca em SP

ALCKMIN-SECA-1

Seca de gestão: para Alckmin, a culpa é de todo mundo, menos dele

Nem a Organização das Nações Unidas escapou dos ataques do governador Geraldo Alckmin, por críticas feitas à falta de água em São Paulo.

O tucano ficou profundamente incomodado quando a relatora especial para água e saneamento da ONU, Catarina de Albuquerque, atribuiu a responsabilidade da crise hídrica ao governo estadual. A técnica constatou ter havido falta de investimentos em obras para captação de água, após visita ao estado, realizada em agosto. Em resposta, Alckmin enviou um oficio ao secretário-geral da entidade, Ban Ki-moon, e exigiu correção nas conclusões fossem corrigidas.

Alckmin também acusou a ONU de ter violado código de conduta. A reclamação decorre das entrevistas concedidas pela relatora sobre o assunto, depois da vistoria. Para o governador, Catarina teria cometido erros factuais e proporcionado uso político do tema, por ter ocorrido às vésperas da eleição estadual.

Irritado, Alckmin deixou de lado o protocolo diplomático e colocou também em dúvida a competência da organização para realizar a Cúpula do Clima. Inclusive, chegou a ameaçar não participar do evento, realizado em 23 de setembro, em Nova York, caso a organização não divulgasse uma errata sobre as conclusões de Catarina. A profissional é professora da Universidade de Coimbra e, apesar de sua vinculação à área de Direitos Humanos da ONU, atua de forma independente.

O relatório da ONU engrossa os alertas emitidos pela Agência Nacional de Águas (ANA), pelo Ministério Público, pelo extinto comitê anticrise e pela presidenta da Companhia de Saneamento e Água do estado, a Sabesp, Dilma Pena. Em depoimento à CPI da Sabesp da Câmara Municipal de São Paulo, Pena afirmou que vai acabar a água no estado, no próximo mês.

Enquanto isso,  Alckmin continua negando a existência de racionamento e do risco eminente de desabastecimento completo de água em São Paulo e chegou a dizer que houve uma deturpação da fala da dirigente.

Dilma Pena chegou a solicitar exoneração da Sabesp, entretanto Alckmin pediu a ela para permanecer até dezembro. De acordo com informação divulgada pelo Painel, da “Folha de S. Paulo”, “o Palácio dos Bandeirantes considerou catastrófico o depoimento de Pena, mas acha que seria ruim que ela saísse no auge da crise e antes da eleição”.

O medo de respingar a crise hídrica na candidatura de Aécio Neves fez com que a campanha do presidenciável adotasse a estratégia de procurar culpados fora habitat tucano.

Durante ato de campanha, em Minas Gerais, Aécio Neves procurou repassar a responsabilidade pela crise hídrica ao governo federal. Insinuou que “talvez tenha faltado” maior atuação federal e que a ANA poderia ter sido uma parceira maior de Geraldo Alckmin. Sob comando dos tucanos, nos últimos 10 anos, a Sabesp não realizou nenhuma das obras listadas na outorga de concessão do Cantareira. Em igual período, a estatal contabilizou lucros na ordem de R$ 13 bilhões.

Além disso, qualquer tentativa da ANA de interferência foi negligenciada. O plano de restrições elaborado em conjunto com o DAEE, departamento estadual que regula os recursos hídricos, foi ignorado. Isso levou à dissolução do comitê anticrise, conhecido como Gtag, criado especialmente para dar pareceres sobre a crise hídrica. Além disso, a Sabesp, sem autorização da ANA, e contra uma decisão judicial, avançou sobre a segunda cota do volume morto do Cantareira.

O presidente da ANA, Vicente Andreu, rebateu Aécio e criticou a falta de diálogo do governo estadual paulista por, segundo ele, tomar decisões de forma unilateral. “Parece que nessa discussão o governo do estado não quer sugestão. Ele quer adesão”, argumentou.

Enquanto os tucanos tentam se livrar do peso da crise, os níveis das represas que abastecem o Cantareira caem em nível alarmante.Hoje, o maior reservatório de São Paulo atingiu a marca de 3,3% de volume armazenado.

Samba e alegria: a rima perfeita da folia!

Texto e fotos de Valéria del Cueto

A segunda noite de desfiles do Grupo Especial do Rio de Janeiro é adrenalina pura aberta com a Mocidade Independente. O enredo “Pernambucópolis” de Paulo Meneses, junta a folia de Pernambuco com a estética do irreverente carnavalesco Fernando Pinto, que subiu prematuramente para o andar de cima. A comunidade de Padre Miguel vem embalada por um dos melhores sambas do ano composto pelo cantor Dudu Nobre,  Jefinho Rodrigues,  Marquinho Índio,  Jorginho Medeiros, Gabriel Teixeira e Diego Nicolau.

Não é brinquedo não… reconhece um dos melhores intérpretes da Sapucaí, Ito Melodia, da União da Ilha, no enredo “É brinquedo, é brincadeira; a Ilha vai levantar poeira!” desenvolvido pelo  carnavalesco Alex Souza. Carnaval é feito para brincar, ainda mais com um apelo desses.

Campeã de 2013, a Vila Isabel, mostra na avenida “Retratos de um Brasil Plural”. O passeio pelos biomas do país é uma ode a conservação ambiental. Sabrina Sato, rainha de bateria, a porta bandeira Giovanna e o mestre salas Marquinho aliam seus atributos ao trabalho de Cid Carvalho para tentar o bi campeonato.

“Arthur X – O reino do Galinho de Ouro na
corte da Imperatriz” traz a história de Zico, o craque flamenguista do futebol na versão da Imperatriz Leopoldinense. Nesse caso, mais um cantor está entre os criadores do samba enredo. É Elymar Santos, parceiro de Guga,  Tião Pinheiro, Gil Branco e Me Leva.

Depois de  Ramos é a hora e a vez de Osvaldo Cruz e o rio que sempre passa na vida de gente quando a Portela desfila. Vinda de uma reformulação a azul e branco fala da Avenida Rio Branco, artéria vital do centro do Rio, no enredo ”Um Rio de mar a mar: do Valongo à glória de São Sebastião”. Mais uma referência aos 30 anos do sambódromo? Foi na sua inauguração e com a própria Portela que Alexandre Louzada, carnavalesco da agremiação, estreou no Grupo Especial.

Fechando os dois dias de desfile do grupo de elite do carnaval carioca, Unidos da Tijuca, escola do Borel, inventiva: “Acelera, Tijuca!”. Paulo Barros promete invadir a pista com referências como os participantes da famosa Corrida Maluca, uma boa comparação se pensarmos na loucura que é colocar na avenida um carnaval como os das Escolas do Grupo Especial do Rio de Janeiro.

Quem tem mais chances de vencer a corrida e sagrar-se campeã do carnaval? Só os deuses do samba ousariam fazer uma previsão segura. A apuração das notas dos jurados  que definirão o melhor desfile do Grupo Especial será na tarde de quarta-feira. Até lá, sonhar não custa nada…

*Valéria del Cueto é jornalista, fotógrafa e gestora de carnaval. Essa crônica faz parte da série “É Carnaval”,  do SEM FIM… delcueto.cia@gmail.com

Sapucaí: 30 anos de arte e cultura brasileira

Texto e fotos de Valéria del Cueto

A Brizola o que é de Brizola! Na comemoração dos 30 anos da inauguração do Sambódromo Darci Ribeiro é impossível não se curvar ao – então – utópico sonho concretizado com projeto de Oscar Niemeyer. Já pensou nas incríveis experiências vividas por milhões – é isso mesmo – de foliões que pisaram na pista de desfiles da Marques de Sapucaí nesses carnavais cariocas? É muito chão…

Protegido por São Sebastião e ungido pelas baianas de todas as escolas representadas por seus mestre salas e porta bandeiras no final de semana que antecede os desfiles, o povo do samba pede passagem para, mais uma vez, fazer história na maior festa popular do planeta!

O chão vai tremer… Quem abre as comemorações na noite de domingo é o Império da Tijuca. A escola retorna ao Grupo Especial ao som dos atabaques que evoluirão na bateria de Mestre Capoeira. O enredo?  “Batuk”.  Negro, vibrante e musical.

“Verdes olhos sobre o mar, no caminho: Maricá” cantará a Grande Rio de Duque de Caxias. Os olhos gateados são os da cantora Maysa que conduz o enredo desenvolvido sobre município fluminense.

Deixando o barquinho é hora de subir o morro. O público será levado pela irreverente São Clemente para uma viagem que é a cara da escola da Zona Sul: “Favela” traz uma visão positiva do cotidiano das comunidades cariocas.

Depois de cantar Cuiabá, em 2013, a verde e rosa ficou mais rosa. “A festança brasileira cai no samba da Mangueira” é o enredo desenvolvido por Rosa Magalhães (campeã ano passado com a Vila Isabel, lembram?). Em seu – vasto – currículo, entre outras marcas, a de ser  a carnavalesca com mais títulos conquistados no Sambódromo nesses 30 anos. Cuidado que a Mangueira vem aí: renovada e cheia de motivação.

Motivação também é uma característica do Salgueiro e seus carnavalescos, Renato e Márcia Lage. Ele, outro campeão da passarela do samba. Terra, fogo, mar e ar darão a linha do desfile tijucano: “Gaia, a vida em nossas mãos”.

A noite de domingo será encerrada com o plantão da Beija-Flor informando ao mundo quem é “O Astro Iluminado da Comunicação Brasileira”. Trata-se de Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, ex todo poderoso da Rede Globo. Com direito a aplicativo de celular para acompanhar o desfile nilopolitano (para baixar procure no Google).

Amanhã, graças a Deus, tem mais…

*se preferir trocar o áudio do seu desfile experimente na internet a Rádio Arquibancada, O Carnavalesco ou as tradicionais Tupi e  Manchete.

*Valéria del Cueto é jornalista, fotógrafa e gestora de carnaval. Essa crônica faz parte da série “É Carnaval”,  do SEM FIM… delcueto.cia@gmail.com

DOMINGO

Ínicio 21:00 Império da Tijuca
Entre 22:05 e 22:22 Grande Rio
Entre 23:10 e 23:44 São Clemente
Entre 00:15 e 01:06 Mangueira
Entre 01:20 e 02:28 Salgueiro
Entre 02:25 e 03:50 Beija-Flor

A lenta e triste agonia da tradicional Rádio Guaíba

Por Beto Bertagna

Esta simpática cinquentona, a ZYU 58, nasceu quase junto comigo e entrou no ar em 30 de abril de 1957 operando em 720 khz Amplitude Modulada (AM) ou ondas médias e também com transmissores de ondas curtas (49 metros) que atingiam todo o Rio Grande do Sul, Uruguai e Argentina.

Foi a única emissora gaúcha a transmitir a Copa de 58.

A Guaíba foi a rádio, que comandou a “Cadeia da Legalidade” de Leonel Brizola,  após a renúncia de Jânio Quadros e o fechamento das rádios Gaúcha e Farroupilha.

Vendida na década de 80 pelo seu criador, Breno Caldas para a família Ribeiro, de produtores de soja,  manteve as suas características originais.

Em 2007 foi negociada com o Grupo Record, do bispo Edir Macedo.

A partir daí, tentaram tirar o Correspondente Guaíba, tradicional programa noticioso, herdeiro do Correspondente Renner que ficou muitos anos no ar, mas devido à reação do público a decisão foi revertida.

No esporte, tradicional carro-chefe da emissora, quando  a dupla Grenal joga fora de casa a partida é narrada em cabine de Porto Alegre , não direto do estádio, como antes. Para o local, só vai um repórter. Salvo casos especiais. Sinal dos tempos…

Os spots comerciais e jingles são gravados, quando antes só iam ao ar lidos pelo locutor, ao vivo.

A Guaíba se modernizou e tem aplicativos para acesso por tablets e smartphones.

Mas o golpe final na velha Guaíba, cheia de características ímpares que a colocaram no coração dos gaúchos, para os seus amantes pode ter sido dado nas madrugadas.

No espaço do  “Noturno Guaíba” , programa comandado por Fernando Veronezzi (falecido em 2010) durante muitos anos e que embalava as noites e os rincões gaúchos com uma seleção musical de qualidade vem aí…..

da meia-noite às 4 da manhã um programa evangélico da Igreja Universal…

Só então , às 4 da manhã entra o “Quadrantes do Sul”, apresentado por Maria Luiza Benitez.

É claro que comercialmente a rádio não vai morrer, pelo contrário, talvez esteja numa de suas fases mais prósperas quando se fala em dinheiro, amparada pela sua milionária controladora.

Mas começa assim, devagarinho… Triste.

Como diria outro gaúcho fanático pela rádio ( a antiga) : bah, tchê, me preteou as banana…

Leia Também: Rádio Ipanema FM, o fim está perto

Atualização em 10/10/2015 : A emissora parece que está reagindo, pelo menos em alguns aspectos. Está havendo movimentação de profissionais esportivos da RBS para a Guaiba.

Um dia quero abrir o jornal e ler:

Por Artur José Pinto,o Tuti via Facebook

Um dia quero abrir o jornal e ler:

O povo gaúcho lutou e conquistou o melhor e mais bem valorizado ensino do Brasil;
O povo de Porto Alegre conquistou o melhor IDH do país;
O povo gaúcho conquistou saúde acessível e de qualidade em todos os rincões;
O povo gaúcho reduziu para quase zero, o número de mortes, nas estradas gaúchas;
O povo de Porto Alegre conquistou a melhor mobilidade urbana, entre todas as capitais, com transporte coletivo de qualidade e farto, para todos.
O povo gaúcho, mobilizado sempre, conquistou o menor índice de violência urbana, com polícia valorizada, eficiente e respeito às instituições.
O povo gaúcho atraiu grandes indústrias para o RS;
O povo gaúcho se tornou referência nacional em produção de cultura…
O povo gaúcho é o que demonstra o maior respeito às diferenças, no Brasil.

Aí, então, eu vou comprar um cavalo, uma pilcha e vou desfilar com a nossa bandeira exaltando as nossas façanhas, para que sirvam de modelo a toda a terra.

Enquanto isso, uma prece pelas mães, pais, filhos e viúvas de uma ímpia e injusta guerra (como todas o são). Especialmente pelos Lanceiros Negros, traídos, que morreram em vão, lutando pela liberdade, numa guerra que não era deles.

Veterano

Está findando meu tempo,
A tarde encerra mais cedo,
Meu mundo ficou pequeno
E eu sou menor do que penso.
O bagual tá mais ligeiro,
O braço fraqueja as vezes
Demoro mais do que quero
Mas alço a perna sem medo.

Encilho o cavalo manso,
mas boto o laço nos tentos,
Se força falta no braço,
Na coragem me sustento.
(Se lembra o tempo de quebra
A vida volta prá traz
Sou bagual que não se entrega,
Assim no mais.)

Nas manhãs de primavera
Quando vou para rodeio,
Sou menino de alma leve
Voando sobre o pelego.
Cavalo do meu potreiro
Mete a cabeça no freio.
Encilho no parapeito,
Mas não ato nem maneio.

Se desencilha o pelego
Cai o banco onde me sento,
Água quente de erva buena,
para matear em silêncio.
Neste fogo onde me aquento,
Remôo as coisas que penso,
Repasso o que tenho feito,
Para ver o que mereço.

Quando chegar meu inverno,
Que me vem branqueando o cerro,
Vai me encontrar venta-aberta
De coração estreleiro. Mui carregado dos sonhos,
Que habitam o meu peito
E que irão morar comigo
No meu novo paradeiro.

O que destoa neste vídeo de 82 do programa Galpão Crioulo da  TV Gaúcha ( acho que neste tempo ainda não era RBS) é a “platéia arranjada” no fundo, que o diretor de tv não percebeu e deixou passar. Tem uma mulher que masca chiclete com um ar enfadonho nunca dantes visto na tv brasileira.

Mas esquecendo deste deslize, o clip tem um bumbo legüeiro que só faltava ser tocado com uma colher, acompanhando os grandes “Os Serrranos”. As quatro primeiras frases “Está findando meu tempo, a tarde encerra mais cedo, meu mundo ficou pequeno e eu sou menor do que penso” são de uma melancolia poética do caralho .

A música é de Antônio Augusto e Ewerton Ferreira . Minha interpretação favorita é na voz fantástica do nativista pelotense Leopoldo Rassier, de trabuco na cintura e vincha na testa, sua marca registrada. Rassier, como diria o Lauro Quadros, “conhecia o rengo sentado e o cego dormindo”.  Vencedor na 10ª Califórnia da Canção Nativa do RS, Rassier faleceu em 2000, aos 63 anos vítima de câncer.

Em homenagem à Semana Farroupilha, que encerra hoje, dia 20 de setembro. ( Incluindo o dia 15,  o aniversário do Grêmio Football Portoalegrense). Aliás, na minha opinião, Rassier, que peitou a ditadura cantando Tema de Marcação, na Califórnia de 75,  é um injustiçado na cultura gaúcha. Companheiro de uma geração que também teve César Passarinho e … mas aí já é outra história.

A propósito.

Além da bandeira, do hino e do brasão de armas, os símbolos oficiais ecológicos e culturais do RS são: a árvore é a erva-mate (Lei 7.439, de 1980) ; a planta medicinal é a marcela (Lei 11.858, de 2002) ; a flor é o brinco-de-princesa (Lei 38.400, de 1998) ; o animal é o cavalo crioulo (Lei 11.826, de 2002) ;o prato típico é o churrasco e a bebida o chimarrão (Lei  11.929, de 2003) ; a ave é o quero-quero (Lei 7.418, de 1980) ; o instrumento musical é a gaita (Lei 13.513, de 2010) ; a escultura é a Estátua do Laçador ( Lei 12.992, de 2008)

……..

re-postado à pedidos