Arquivos da categoria: Ao Norte

Pelas ruas de Rio Branco…

gameleira

Gameleira – Centro de Rio Branco foto: Michel Wirlle

Pelas ruas de Belém…

bairro-comercio

Bairro do Comércio – foto: Fernando Leitão

Gente que encontrei por aí…Madrinha Peregrina

beto-bertagna-e-madrinha-peregrina-gomes-serra-no-alto-santo

Porto Velho, por aqui sempre umas poucas e boas (I)

tataPor Altair Santos (Tatá)

Um certo João Alves, apelidado de João Canarinho, por gostar muito de assoviar, era um fagueiro, enxerido, falante, bebedor de cachaça e até mesmo álcool 97º ou Leite de Rosas, afinal tudo valia e servia na falta da carraspana. Certa noite embarcou num “motô” na Boca do Rio Maici, abaixo de Calama, rumo a Porto Velho. Na manhã seguinte, bem cedo, antes de atracar no Cai N´água, confidenciara a uma senhorita, também passageira daquela nau de agosto de 1970, ser ele um homem de negócios, um bem sucedido que trabalhava com vendas.
Quando o barco exibiu a sua proa lá na ponta d´água, já quase na altura do complexo da EFMM ele, mais do que apressado se arrumou todo e, desconfiado, tirou de dentro de um enorme saco de pano uma enorme pasta tipo presidente, de couro, a qual abriu em segredo e, dentro dela, alojou um conteúdo esquisito, suspeito até. Depois, em galanteio, aproximou-se e detidamente fitou a jovem dama, fundo nos olhos, fez um riso com o canto da boca e, conquistador, piscou praquela tímida e visivelmente receptiva. A senha fora dada, se ela topasse o canarinho, malandro como ele só, assoviaria em gorjeios aos seus ouvidos, alma, coração e corpo inteiro. Mas atento, o pai da moça imediatamente chegou e desfez o flerte, o trololó.

Mal o barco encostou, o João canarinho de pasta em punho saltou em terra e olhou pra trás pra ver se, pela destreza, a encantadora moçoila o assistira admirada. Em seguida o representante de vendas ganhou a cidade barranco cima. Já no plano urbano andava de um lado pro outro, montado em alta boçalidade, a ponto de ser visto a uns duzentos metros, anunciado pela ultra-reluzente camisa amarela que usava e pelo escandaloso balançar dos braços e, claro, ornado pela enorme pasta que empunhava e sacudia em descompasso ao movimento cadenciado dos tradicionais homens de negócios da capital como o seu José Oceano Alves, José Saleh Moheb, Hortêncio Simplício, Boanerges Lima, João Vitaliano Neto (o João Maranhense) e outros.

Quando aquela tarde de calor infernal exigia do povo refrescar-se de alguma maneira, ele chegou à calçada do Bar e Sorveteria Café Santos onde alguns senhores também portavam pastas tipo presidente. Pronto, ali a coisa era alta patente, era no padrão de como queria, afinal a maioria era como ele, executivos alinhados. Pra melhorar avistou a moça do barco com seu pai numa das mesas se empanturrando de sorvete de graviola e guaraná. Nisso, todo na pose, tratou de ir ao balcão e, sobrando em panca acotovelou-se, pediu uma cerveja, soltou umas duas piadas para ser notado, serviu seu copo e bebeu numa só golada e fitou a jovem que, ao menor descuido do pai, lhe dispensava intercalados olhares de soslaio, enviesados e coloridos com certo ar de riso. Ela estava gamada, seduzida!

Um dos assíduos freqüentadores da casa, minucioso, prestava atenção naquele cidadão novato ao meio e cheio de curvas, gingas e balançados. Aproximou-se e com ele teve assim: boa tarde meu bom rapaz, como vai, seja bem-vindo, pelo visto você é recém chegado na cidade, não me lembro de tê-lo visto por aqui outras vezes, de onde vens, trabalhas com quê, veio pra morar, trouxe a família, ou estais de passagem? Era a vez do João Alves debulha, ao conhecimento daquela platéia, o seu currículo e aptidões e se fazer ouvir pela jovem presente no afamado point, o Café Santos.

Sem perder tempo agasalhou a pasta sobre quina do balcão, dobrou a manga da camisa até o plano três quartos, sacou do bolso um cigarro continental com filtro que ficou entre seus dedos e com voz empostada tascou: veja bem meu amigo, muito prazer, eu sou o João Alves seu criado, solteiro, sou paraense de Santarém, mas estou vindo do Amazonas, trabalho com venda de peças nacionais e importadas para motocicleta, carro e motor marítimo, caso o senhor precise posso lhe visitar em sua loja ou escritório, eu nem vim a passeio e nem pra ficar, estou aqui para conhecer a praça.
A informação soou útil por demais ao interlocutor que trabalhava numa loja de baterias automotivas e seria levada como boa nova ao seu chefe que na época, cremos, teria sido o senhor Henrique Pullig. No balcão após cumprimentos e alguns goles, o curioso voltou a perguntar: e o que tens aí na pasta, alguma novidade pra nos mostrar? A resposta: não, aqui só alguns tipos de rolamentos pra carro e moto, mas são pra uns modelos que aqui e Porto Velho não tem, são encomendas que vou mandar pra amigos em Manaus. Ah entendi disse outro!

Adiante, já rodeados por alguns interessados na prosa, o João Alves, pra desconversar, tascou: vamos beber umas e outras meus amigos hoje é por minha conta. Pediu mais duas e disse podem deixar que lhes sirvo os copos. Foi aí quando pegou a garrafa e, na desatenção, esbarrou-a na pasta que, em após queda alta, espatifou no chão e abriu-se toda, fazendo esparramar e rolar pelo salão e por entre as mesas, cadeiras e pés dos clientes e transeuntes na calçada, o farto conteúdo de três ouriços de castanha macetas, dois cacaus que se partiram em bandas e umas quatro ou cinco dúzias de tucumãs madurinhos.

Assustado e intrigado o seu amigo de conversa gritou: eeeiiita porraaaa hein, esses carros e motos de Manaus são muito modernos, usam até rolamentos de frutas! Nisso sem ter como se explicar, o João Canarinho empreendeu fuga saindo em disparada pela direita na Prudente de Moraes, outra vez dobrou a direita já na Natanael de Albuquerque e quase fora atropelado pelo Jipe do Sebastião Resky, atravessou a Praça Marechal Rondon e sumiu pra nunca mais voltar. No bar, a pasta, os ouriços e alguns tucumãs, ficaram como penhora em quitação à conta não paga.

tatadeportovelho@gmail.com

Pelas ruas de Belém…

bengui

Bengui foto: Fernando Leitão

Pelas ruas de Belém… Auto do Círio

auto

foto: Fernando Leitão

Luiz Brito apresenta a exposição “Queimadas” em Porto Velho/RO

A exposição Queimadas pendura nas paredes do palácio do governo estadual de Rondônia imagens de 20 anos do trabalho do fotógrafo Luiz Brito. Lá estava ele: filho de uma mulher de 90 anos, que cresceu num seringal pra dentro desse rebolado de mato todo, na beira do Guaporé, rio que teima em se insinuar como uma sucuri enrolada em frondosas castanheiras, samaúmas, e terrenos alagados, que mais parecem cultivados por ciumentos jardineiros. Luiz sabe disso. A gente não falou de eleições, a gente não falou de poder, nem de esquerda e nem de direita. A gente falou de suas fotos, não de todas. A gente falou daquelas fotos. Contou-me ter chegado por centenas de vezes no dia seguinte às queimadas. A sola do pé estrondava de calor, a fumaça invadia as ventas, as vísceras ardiam. “É o horror!” ele me disse. “Parece um cemitério”. A imagem feito um radiofone. Dava pra escutar os gritos dos pássaros desesperados, voando, em chamas, deixando para trás seu ninho e a prole. Uma preguiça, que não morreu queimada, mas tentando atravessar um deserto sem água e sem alimento. Os rastros de pequenos animais, que já não existiam. As formas geométricas dos troncos abatidos pelo fogo e pela motoserra, se equilibrando uns sobre os outros. Isso tudo ele me contou. “É o horror”, ele repetiu. “São corpos. Estão incinerados”. Não duvidei. Lembrei do relato autobiográfico de Primo Levi, um homem que foi oprimido até o fundo num campo de concentração durante a segunda Guerra Mundial. Ali, a lógica rigorosa de humilhação, tortura e aniquilação se revela com tanta força, que já não é possível terminar a leitura sem ter sentido vergonha, e uma centena de náuseas. “Estão incinerados”, dizia-me Luiz. E a fumaça me invadiu.

Nicole Soares

queimadas

Clique na imagem para ampliar 

A exposição acontece a partir do dia 3 de outubro, na Galeria do Edifício Pakaas Novas (térreo) , Palácio Rio Madeira em Porto Velho, capital de Rondônia. Queimadas em Rondônia. Uma realidade protagonizada pela ignorância e ganância de alguns que lucram com esta tragédia que mata sem piedade a vida. Uma das fotos da exposição, abaixo, em p & b processo analógico (filme) . Local do registro , municipio de Porto Velho

Pelas ruas de Belém…

Bairro do Telégrafo foto: Fernando Leitão

Bairro do Telégrafo foto: Fernando Leitão

Túnel do Tempo : Madeira-Mamoré em 2011

mmm

Estação da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré em Porto Velho/RO

Clique na imagem para ampliar

Túnel do Tempo : Madeira-Mamoré em 2011

mm-2011

Pelas ruas de Belém…

Bairro de Fátima foto; Fernando Leitão

 foto; Fernando Leitão

Rondônia terá primeiro longa de ficção

Uma trama que mistura corrupção política, suspense sobrenatural e ‘road-movie’, tendo a Amazônia como cenário principal. Esses são os ingredientes que formam aquele que pode vir a ser o primeiro longa-metragem de ficção realizado por uma produtora rondoniense. A Espaço Vídeo, coordenada pelos documentaristas Jurandir Costa e Fernanda Kopanakis, foi a única vencedora nortista do edital de produção de cinema Prodecine 1. O resultado, divulgado no dia 31 de agosto, contemplou 34 novas produções cinematográficas de todas as regiões do Brasil.

O filme rondoniense se chama ‘Perdidos’, um roteiro original escrito pelo jornalista e roteirista Ismael Machado. Ex-editor do jornal ‘O Alto Madeira’ nos anos 1990, o roteirista criou uma história onde uma caçadora de recompensas com poderes sobrenaturais sai em perseguição a um casal para recuperar uma alta quantia de dinheiro roubado de um deputado. Mas como na história ninguém é totalmente inocente, o dinheiro roubado é fruto de uma falcatrua do político. O confronto final se dá numa comunidade de remanescentes quilombolas cercada por uma floresta conhecida por sinistros acontecimentos sobrenaturais.

‘Perdidos’ é o primeiro roteiro de ficção de Ismael Machado a ir para uma produção efetiva de cinema. Morando há um ano e meio no Rio de Janeiro, o jornalista, vencedor de 11 prêmios jornalísticos na carreira, está envolvido no roteiro e co-direção de mais quatro produções, todas no terreno dos documentários. ‘Soldados do Araguaia’ um longa-documentário que aborda a guerrilha do Araguaia sob o ponto de vista dos soldados que combateram nas matas paraenses nos anos 1970, tem filmagens previstas para o primeiro semestre de 2017, assim como ‘Marcadas para Morrer’, série documental que conta a história de mulheres que lutam pelos direitos à posse da terra na região e que vivem sob ameaça de morte.

Além dessas produções, o roteirista também assina como roteirista a produção amapaense ‘Mad Scientists-Cientistas que ninguém quis ouvir’, do diretor Gavin Andrews, recentemente vencedora do Prodav 8, com produções direcionadas às TVs públicas.

“Perdidos” também será a primeira produção longa-metragem de ficção de Jurandir Costa. Um dos mais conhecidos documentaristas de Rondônia, Jurandir Costa produz curtas e médias metragens desde o início dos anos 90, em Porto Velho, com diversas premiações ao longo da carreira. Ao lado de Fernanda Kopanakis, Jurandir também é o coordenador do Cineamazônia, o festival de cinema ambiental que há mais de uma década já faz parte do calendário cultural da capital rondoniense.

“Não podemos errar”. Essa tem sido a frase mais comum repetida por Jurandir em relação à produção do filme em questão. ‘Perdidos’ terá a direção de Leopoldo Nunes, que tem no currículo seis curtas-metragens e um longa documentário.

(Re)conhecendo a Amazônia Negra : fotografias evidenciam participação dos negros na formação de Rondônia

A exposição “(Re)conhecendo a Amazônia Negra: povos, costumes e influências negras na floresta”, da fotógrafa Marcela Bonfim, já foi vista por milhares de pessoas na galeria Palácio, localizada no Palácio Rio Madeira, em Porto Velho, onde permanece até 31 de agosto, e no Espaço Cultural Cujuba, onde esteve de maio a julho. Para a fotógrafa: “a mostra vem cumprindo seu maior objetivo, que é dar visibilidade à participação dos negros na formação populacional, cultural e religiosa no hoje Estado de Rondônia”. “A exposição faz parte de um projeto sobre a influência dos negros na Amazônia e tem motivado uma reflexão a este respeito entre os visitantes e também nas redes sociais”, comemora a artista.

Confira o site marcelabonfim.com

Monitora da exposição no Cujuba, Vera Johnson relata que os visitantes se mostraram surpresos com o tema da mostra “A maioria das pessoas dizia não ter conhecimento sobre a influência dos negros na formação da população de Rondônia e muito menos que existem quilombos no Estado”.

Ativista da causa negra em Rondônia, Orlando Souza acredita que a exposição “é um dos eventos mais importantes, dentro deste recorte de gênero e de raça, que atualmente ocorre em Rondônia, até porque é uma iniciativa pessoal da artista e, contra todas as barreiras e dificuldades que a gente entende que existe, ela consegue dar visibilidade a um tema que por muitos anos ficou esquecido”. O superintendente estadual de Cultura do Estado, Ilmar Esteves, também elogia a mostra. “É a nossa gente. São as nossas raízes retratadas”, ressalta.

Um dos criadores do Projeto de Criação Cabeça de Negro (movimento de defesa da cidadania do negro iniciado na década de 1980 em Porto Velho), Jesuá Johnson – ou Bubu, como é mais conhecido, considera que a “exposição vem dar continuidade ao trabalho já realizado pelo movimento negro em Rondônia. Marcela faz da fotografia um instrumento de militância. A exposição veio chamar a atenção do poder público para a importância deste segmento populacional na nossa sociedade. É a luta da nova geração.”, afirma ele.
Descendente dos caribenhos, conhecidos por barbadianos, que trabalharam na construção da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, Robinson Holder ressalta que a exposição “Amazônia Negra” chamou a atenção para a participação do negro nas raízes da população de Rondônia, com as imagens das populações dos quilombos do Vale do Guaporé, nos primórdios da história do Estado. “Surpreendente, ela faz um apanhado com imagens e relata a origem negra do nosso Estado, retratando barbadianos, negros do quilombo do Guaporé, e também do norte, com imagens de quilombo do Maranhão”.

A exposição (Re)conhecendo a Amazônia Negra vai permanecer na Galeria Palácio até 31 de agosto e depois será montada nas regionais do Sesc no interior do Estado. O Sesc é patrocinador da mostra e o coordenador de Cultura do órgão, Fabiano Barros, informa que o trabalho também será levado pela curadoria da entidade, com a finalidade de participar do projeto “Sesc Amazônia das Artes”, com itinerância nos estados da região Norte. Para Fabiano, “[a exposição] tem que ser vista por toda a comunidade, porque trata de um assunto muito importante, que é esta questão da presença negra na Amazônia, para a qual a Marcela lançou o seu olhar e extraiu este trabalho tão significativo”.  

A mostra é composta de 33 imagens impressas em madeira, que retratam representantes de diversos segmentos negros que povoam o Estado. Na galeria Palácio, outras 33 imagens foram agregadas em intervenções nos corredores do palácio Rio Madeira. A exposição conta com o apoio do Sesc e deverá permanecer no local até 31 de agosto.
Serviço

Exposição fotográfica “(Re)conhecendo a Amazônia Negra: povos, costumes e influências negras na floresta”. Fotografias inéditas e outras já publicadas de Marcela Bonfim
Período de visitação: Até 31 de agosto de 2016, das 7h30 às 13h
Local: ‘Galeria Palácio’ – Prédio Pacaas Novo do Palácio Rio Madeira, avenida Farqhuar, bairro Pedrinhas, Porto Velho.

via  Amazônia da Gente

Dounia Bouchabki : a beleza e a força da mulher rondoniense brilha em Manaus

dounia3

fotos : reprodução Facebook

dounia2

fotos: reprodução/Facebook

dounia A rondoniense Dounia Bouchabki se classificou para o Campeonato Brasileiro de Fisiculturismo que irá acontecer em São Paulo, nas dependências do Ginásio Anhembi nos dias 29,30 e 31 de julho. Dounia concorreu no Campeonato Amazonense de Fisiculturismo, na categoria por altura até 1,63  garantindo a classificação para o brasileiro.

Na rede social Facebook Dounia postou :

Aconteceu em Manaus nos dias 25,26 de junho
Campeonato amazonense de fisiculturismo
Estou em êxtase neste momento. Para quem não sabe eu,desde dezembro, estava me preparando para ir ao campeonato amazonense de fisiculturismo. Amei e amo este esporte às vezes tão descriminado por muitos, amo este esporte onde fazemos sacrifícios às vezes desumanos para podermos entrar nos padrões determinados pela IFBB e claro, subir no palco no melhor shape! Dei o meu coração, dei minha raça, minha determinação. Abdiquei de muitas coisas para subir neste palco, bem sei que falta muita maturidade muscular ainda, sei que não estou totalmente pronta mas obtive minha classificação para estar no campeonato brasileiro! Agora o momento é de foco e de mais garra para estar dentro do meu sonho !
Quero agradecer de coração primeiro ao meu marido Ronaldo Teixeira Ramires, minha filhinha Laura ambos tiveram toda a paciência do mundo para me aturar nesses meses onde os nervos estão à flor da pele, agradecer ao meu coach Rodrigo Junqueira que me deu vários puxões de orelha, aquele que sendo duro comigo e que me fez chorar várias vezes, pois achei que não fosse conseguir obrigada mesmo!! Obrigada ao meu grande amigo Marcos Silva por ele ter me mostrado este esporte tão lindo que me apaixonei, meus amigos que acreditaram em mim sempre! Meu campeonato começou aos 41 anos de idade! Vamos lá ainda dá tempo!!!

Agora é hora de aparecer patrocinadores para impulsionar a carreira da atleta que representa o Estado neste esporte por vezes relegado a um segundo plano.

Em frente, Dounia !

Começa em julho a 2ª etapa do Cineamazônia Itinerante 2016

Já saiu o  calendário com o trajeto da segunda etapa do Cineamazônia Itinerante 2016!
Novamente Brasil, Bolívia e Peru estarão interligados com cinema, circo, poesia e fotografia. Dessa vez, porém, a viagem é pelo rio Guaporé! Olhem aí por onde passará o Cineamazônia.cineamazonia

Com atraso, Rússia entrega em Porto Velho o simulador do helicóptero de ataque MI-35m

sabreNesta última quarta-feira (23) um avião cargueiro Ilyushen 76 pousou na Base Aérea de Porto Velho, capital de Rondônia, no noroeste do Brasil transportando o simulador de vôo dos helicópteros de ataque MI35-m (chamados pela FAB de AH2-Sabre) , uma das máquinas de guerra mais poderosas e eficientes do mundo na sua categoria e que equipam o Esquadrão Poti, ( 2º/8º GAV ) sediado em Porto Velho.sabre 2

O Esquadrão Poti opera 12 helicópteros MI-35, recebidos a partir de 2009.  Além de comandantes de esquadrilha, que envolve 4 helicópteros, os pilotos sediados em Porto Velho realizaram em 2015 treinamentos para elevar o nível operacional para comandantes de esquadrão, envolvendo de 8 a 16 helicópteros, em ações de ataque, defesa, escolta, supressão da defesa aérea inimiga, varredura e apoio aéreo.

Cada AH-2 conta com um canhão de 23 mm capaz de disparar até três mil tiros em um minuto. Para se ter uma ideia, cada tiro de 23mm causa o mesmo impacto de quase 100 tiros de uma arma calibre 7,62mm, como os fuzis utilizados por tropas no solo.

Os mísseis embarcados são capazes de perfurar até 80 cm de aço de um sítio radar ou uma estrutura de comando e controle, por exemplo.

Com peso de 12 toneladas, os helicópteros têm blindagens em partes essenciais, como no tanque de combustível. A cabine dos pilotos, além de blindada, também é vedada para o caso de contaminação química ou biológica.

SABRE 3

Leia também : Geopolítica – O Esquadrão Poti agora é aqui

sabre 4

fotos : 

A compra, formalizada em outubro de 2008, envolve um pacote formado por 12 helicópteros, mais armamentos e suprimentos para manutenção por cinco anos, ao custo de US$ 363,9 milhões.

Como compensação comercial, os russos investirão metade do valor da compra na instalação de ferramentas, bancadas e treinamentos parta manutenção, que será feita majoritariamente no Brasil, e treinamento de pilotos e mecânicos, além de um simulador de vôo.

O valor da compensação, quando multiplicado por pesos aplicados de acordo com a relevância de cada tecnologia transferida, sobe para mais de 100% do valor da compra, devendo chegar a 160%, segundo parâmetros da FAB.

Seguindo as diretrizes da Estratégia Nacional de Defesa, de 2008, outro Esquadrão, o Zagal (5º/1º GCC), responsável por operar um radar de aproximação que atua na vigilância do espaço aéreo brasileiro, está em fase de conclusão da mudança de Fortaleza (CE) para a Base Aérea de Porto Velho (BAPV), em Rondônia. Definitivamente, a região amazônica é prioridade das Forças Armadas.sabre 6

Toca Raul !

_MG_4312

Em Cacoal, Rondônia.

Planeta Beradelia, o som sem fronteiras

contracapa cd beradeliaEste é o CD Planeta Beradelia, da banda Beradelia, de Porto Velho, um grupo que surgiu da dissolução de algumas bandas da capital rondoniense (Bicho du Lodo, Quilomboclada e Recato). Alguns integrantes dessas bandas se encontraram pra fazer um som e daí surgiu a Beradelia, que vem com uma bandeira em punhos: levar a ideia beradera para o mundo, mostrando o folclore, a floresta e principalmente a urbanidade amazônica, falando sempre do cotidiano amazônida.
O CD foi gravado no home studio Line Rec. A produção foi viabilizada através de uma parceria, resultando numa gravação colaborativa. A Beradelia integra o Coletivo C.A.O.S ( Cultura e Arte Organizando o Social), ponto de articulação do Fora do Eixo em Rondônia.
O que os integrantes falam sobre o nome escolhido para a banda?

– Em Rondônia temos o costume de dizer que somos BERADEIROS, da beira do rio, o que achamos que reflete bem a cultura do Norte, já que o rio é nossa fonte de riqueza, transporte, diversão, vivência… “estrada de caboco é o rio“. BERADELIA é a junção de BERA (beirada) + DELIA (manifestação), ou seja: BERADELIA (Manifestação da Bera).

E por que o nome Planeta Beradelia para o CD?

– Batizamos o disco com este nome, porque ele mostra mais ou menos o que a banda pode abraçar em termos de sonoridade e idéias, ou seja, ele é uma mostra do que pode vir pela frente. Mostra um planeta e sua musicodiversidade, e as mutações que podem ir surgindo. A banda tem influências do metal ao samba, do carimbó ao reggae. Absorvemos tudo e traduzimos em uma sonoridade própria.

Beradelia é:

Rafael Altomar – guitarra e voz
Rodolfo Bártolo – bateria
Giovani Viecili – sopros, efeitos e voz
Cleyton Lira – percussão
Dennis Oliveira – baixo
B.O.C.A (Beradero Organizado Com Atitude) – voz

Clique AQUI para fazer download

O pacote de download inclui as 11 músicas, capa, contra-capa e o Manifestejo (Manifesto Beradero), que você pode ler no Som do Norte.

capa cd beradelia

“O Número”, um curta de Beto Bertagna neste domingo na TV Cultura do Pará

Neste domingo,11, de Círio de Nazaré, a TV Cultura do Pará apresenta o programa Cultura.Doc. às 21h com a exibição de dois filmes  que foram apresentados durante a Mostra de Cinema da Amazônia. Um dos filmes é “O Numero”, de Beto Bertagna, produzido em Porto Velho em 16 mm e transformado em digital.

Um homem troca de nome até conquistar um, definitivo… Baseado em conto do livro Babel, de Alberto Lins Caldas. Um curta-metragem brasileiro com Othon Bastos, premiado em Festivais de Cinema. Direção de Beto Bertagna. Filmado em 16 mm numa sala em construção da Faculdade Uniron, na cidade de Porto Velho/RO. Diretor de Fotografia, “Ruda”Rodolfo Ancona Lopez  Negativo, Fuji Câmera, Eclair

A TV Cultura do Pará integra a Televisão América Latina (TAL) e a Associação Brasileira de Emissoras Educativas e Culturais (ABEPEC), que mantém a Rede Pública de TVs no Brasil (RPTV). É a única TV do Brasil que produz um programa infantil com temática amazônica, o “Catalendas”, exibido em rede nacional. É a maior produtora de clipes musicais na Amazônia e a que mais transmite ao vivo ou exibe gravações de shows de música brasileira na região. O atual diretor da TV Cultura é o jornalista Tim Penner.

Leia mais : O Número”, de Beto Bertagna, entra em cartaz no Curta Petrobras

Se alguém perguntar por mim, fui montar um barracão por aí…

beto seringal

Túnel do Tempo – Parabéns Porto Velho !

EFMM 01 (79) EFMM 01 (75)

Vistas de Santo Antônio do Madeira e da nascente Porto Velho .

Túnel do Tempo – EFMM em 1977

efmm-e-beto---Projeto-rondon

Clique na imagem para ampliar

Doenças Tropicais : Rio Madeira recebe as cinzas do pesquisador Luiz Hildebrando

Por Alexandre Almeida

O Ipepatro (Instituto de Pesquisas em Patologias Tropicais de Rondônia) realizou na tarde do último domingo (16) a solenidade de entrega das cinzas do professor Luiz Hildebrando Pereira da Silva, que faleceu em setembro do ano passado. O evento ocorreu na sede da Fiocruz Rondônia, em Porto Velho.

A solenidade foi conduzida pelo diretor do Cepem (Centro de Pesquisa em Medicina Tropical), Mauro Tada, juntamente com os filhos do homenageado: Luiz Awazu e Sônia, os quais relembraram a trajetória do pesquisador Luiz Hildebrando no período em que desenvolveu seu trabalho no Estado de Rondônia. Ainda na oportunidade, Luiz Awazu doou à Fiocruz Rondônia a placa em homenagem ao pai, que foi entregue durante a realização da 67ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) em São Carlos (SP).

Para Mauro Tada, o professor Luiz Hildebrando sempre exerceu seu trabalho com metas. “Ele foi e hoje ele retorna, pois temos que seguir aquilo que ele plantou”, destacou. Já Luiz Awazu Pereira da Silva agradeceu a atenção de todos. “Vou sentir falta do amigo, não só da relação de pai para filho, mas também de amizade e isso é o que faz falta. Temos que olhar para frente e fazer com que a vida avance”, acrescentou.

O vice-diretor de Serviços de Saúde e Pesquisa Clínica da Fiocruz Rondônia, Juan Miguel Villalobos Salcedo, declarou se sentir honrado por ser um herdeiro do professor. “Vamos em frente, vamos fazer juntos e encamparmos isso com coragem, com vontade de continuarmos. Ele nos deixou aquela semente e aquela honestidade da forma como ele sempre se expressava”, frisou.

“Ele transmitiu a oportunidade de dar espaço a outras pessoas”, destacou a pesquisadora Najla Benevides Matos. “Foi um exemplo de seriedade, honestidade e caráter. Uma pessoa que dizia o que estava pensando”, relembrou a vice-diretora de Ensino, Informação e Comunicação da Fiocruz Rondônia, Carla Freira Celedonio Fernandes.

“Foi um dos maiores articuladores para esta fundação de pesquisa (FAPERO). Sabemos que ele vai estar nos apoiando espiritualmente. Deixou uma herança científica importantíssima”, finalizou o diretor científico da Fapero (Fundação de Amparo ao Desenvolvimento das Ações Científicas e Tecnológicas e à Pesquisa do Estado de Rondônia).

No final da tarde, parte das cinzas foram despejadas por seus filhos no Rio Madeira durante um passeio de lancha.

Geólogos classificam túneis de animais extintos na região amazônica como paleotocas

A paleotoca existe há pelo menos 10 mil anos e tem, no mínimo, 100 metros de extensão

A primeira toca de preguiças gigantes da região amazônica, extintas há milhares de anos na América do Sul, foi classificada no último mês por pesquisadores do Serviço Geológico do Brasil.

A caverna já era conhecida por moradores da região de Ponta do Abunã, em Rondônia, mas não havia sido classificada como paleotoca, ou seja, cavada por animais extintos.

A paleotoca existe há pelo menos 10 mil anos e tem, no mínimo, 100 metros de extensão. A toca tem marcas de garra que indicam que foi escavada por espécies de grande porte.

Serão feitos estudos complementares na região para buscar novas tocas, além de detalhar a paleotoca descoberta e determinar sua extensão total. Também serão feitas escavações de pequeno porte em busca de evidencias fósseis dos antigos moradores do local.

via Agência Brasil

Empresa que construiu barragem de PCH que rompeu em Rondônia acusa Eduardo Cunha de corrupção

Milton Toufic Schahin na Câmara dos Deputados foto: Zeca Ribeiro

Milton Toufic Schahin na Câmara dos Deputados foto: Zeca Ribeiro

A construtora Schahin foi contratada para construir a pequena central hidrelétrica (PCH) de Apertadinho, em Rondônia. Formou um consórcio com a EIT. Quando entregou a obra, a barragem rompeu, causando danos ambientais e obrigando cerca de 200 famílias a deixarem suas casas de forma preventiva.

Veja Matéria Completa no O Globo

Da Coluna do Nelson

Nelson Townes de Castro, jornalista premiado, falecido em 2011,  escrevia com a ajuda de um colaborador anônimo a “Coluna do Nelson”no jornal Estadão do Norte, de Porto Velho (RO) . Veja um trechinho de uma destas:

Pérolas comerciais
Mais algumas “pérolas” de comerciais de TV veiculados em Porto Velho. Num deles lê-se que determinado produto tem “autíssima qualidade”. Com “u”. Outra divulga o endereço de uma “funeilaria”. Faz sentido. Deve ser cruzamento de funerária com funilaria. Conserta o carro acidentado e enterra a vítima.

Barbaridades
Um carro anuncia “Mestiço Brasil brevimente”. Com “i”. Pior mesmo é ver aqueles monótonos, sem criatividade, sempre iguais, péssimos comerciais de supermercados anunciando que está em promoção o “leite condençado”. Com “ç”. E a gente na sala pedindo desculpas às visitas e mudando de canal. Com o risco de ver barbaridades maiores ainda.

Colorido
Mas, quem disser que a publicidade na TV não melhorou em Porto Velho nos últimos 20 anos esquece-se do tempo em que a televisão mostrava anúncios que só aqui poderiam aparecer nos intervalos da novela das 8. Bem na hora do jantar, você à mesa com a família, comendo e vendo o comercial de uma firma limpa-fossas mostrando cocô a cores.

Pitoresco
A história da publicidade em Rondônia tem histórias pitorescas. No início da década de 70, a Funerária Raposo, que ficava na av. Presidente Dutra, centro, contratou o então Padre Vitor Hugo, fundador e diretor da rádio Caiari, para participar de um comercial pela emissora. O anúncio transformou Vitor Hugo no primeiro garoto propaganda daqui.

Eficaz
O anúncio começava com uma música sinistra e a voz rouca do Padre Vitor Hugo falando num tom cavernoso autoritário: “Da morte ninguém escapa!” Em seguida ouvia-se um locutor (salvo engano o Osmar Vilhena) num tom jovial, alegre, falando da qualidade e dos ótimos preços dos caixões da Funerária Raposo, “bem ao lado da Panificadora Raposo”.

Sem papas na língua
Nelson também era conhecido por ser um gentleman, apesar de não ter papas na língua. Certa ocasião, mandou um repórter e editor de um site da cidade às favas . ” Os seus grunhidos parecerem vindos de um porco branco “, pois o aludido repórter vocifera “com o focinho enterrado enterrado na lama” – escreveu Nelson. E o porcalhão balançou seu rabinho torto e se enfiou de vez no lama e no pó.  Onde parece continuar até hoje.

Leia Também : Abecedário delas : atualizado até a letra O, de aqui prá você , Ó

Deu no G1: Sucuri de 5 metros é encontrada em RO

Uma cobra sucuri de aproximadamente cinco metros de comprimento foi encontrada em um igarapé no bairro Nova Esperança, na Zona Norte de Porto Velho, na última terça-feira (19). Trabalhadores faziam a limpeza do canal com retroescavadeiras, ao lado de um campo de futebol, quando encontraram o animal, pesando cerca de 80 quilos. O réptil foi capturado por moradores e depois devolvido à natureza pela Polícia Ambiental.

Veja a matéria completa aqui

“Rondon foi o homem certo, no local certo”, afirma professor de história sobre o patrono de Rondônia

Selo será lançado no dia 5, no Porto Velho Shopping

Selo será lançado no dia 5, no Porto Velho Shopping

Por Montezuma Cruz

Único estado que homenageia um personagem da história nacional, Rondônia lembrará, neste dia 5, os 150 anos de nascimento do marechal Cândido Mariano Rondon e o centenário da conclusão dos trabalhos da comissão por ele chefiada, rumo à Amazônia Ocidental Brasileira.

“Rondon foi o homem certo, no local certo. O modernizador na transição entre o Império e a República”, disse o professor de história da Universidade Federal de Rondônia, Edinaldo Bezerra de Freitas.

Além de Roquette Pinto, autor de “Rondônia, a Terra de Rondon”, o professor Freitas menciona a escritora Laura Maciel, autora de “A Nação Pelo Fio”, pelo qual, segundo ele, é possível avaliar a fortuna crítica e fundamentos do marechal.

Freitas também elogiou o governo de Rondônia pelo apoio à recuperação do legado do marechal. “O estado vai dar mais importância à história a partir da criação do Memorial, na Vila de Santo Antonio, que espero seja um local onde todos possam acessar documentos e material de pesquisa a respeito de Rondon”, afirmou.

No dia 5 de maio, o governo de Rondônia promoverá diversos eventos, entre os quais uma mostra de painéis, no Porto Velho Shopping. Na ocasião, ainda será lançado pelos Correios o selo comemorativo.

A autoria do nome do ex-Território Federal, antes conhecido por Guaporé, foi do etnólogo, antropólogo, médico e ensaísta, Edgar Roquette-Pinto (1884-1954), durante conferência no Museu Nacional do Rio de Janeiro, em 1915, três anos depois de percorrer a floresta rondoniense. Aqui ele estudou o comportamento e colheu a fala dos índios Nambiquaras e Parecis.

O nome dado por Roquette Pinto designa a região compreendida entre os rios Juruena e Madeira. “Um território cortado pela estrada de Rondon”, argumentava ele na época, reforçando que “sendo esse território riquíssimo em elementos geológicos, botânicos, zoológicos, etnográficos, entre outras características, isso permitia já considerá-lo uma província autônoma.

Em 2008, visitando uma aldeia Nambikwara, na região do Alto Guaporé, o professor Freitas emocionou-se ao ouvir de um indígena idoso respeitosa referência ao personagem. “Aquele homem que se vestia de ferro”.

Rondon foi duas vezes indicado para o Prêmio Nobel da Paz,  em uma delas pelo físico Einstein. foto: Ascom/RO

Rondon foi duas vezes indicado para o Prêmio Nobel da Paz, em uma delas pelo físico Einstein. foto: Ascom/RO

Estréia “Jaci – Sete Pecados de Uma Obra Amazônica” : a conferir.

Assista ao trailler :

 

Paixões, revolta, mortes, ambição. O novo documentário da Repórter Brasil: Jaci – Sete Pecados de Uma Obra Amazônica revela as entranhas da construção de uma das maiores usinas do Brasil .O filme está na seleção oficial do festival “É Tudo Verdade”, um dos mais prestigiados do gênero e também deverá estar presente no Curta Amazônia e no Fest Cineamazônia, em Porto Velho.

Ao longo de quatro anos, os produtores seguiram as aventuras de trabalhadores que saíram de diversos estados para erguer a hidrelétrica de Jirau. Depoimentos de autoridades e especialistas, além das diversas pessoas que tiveram suas vidas transformadas pela obra, ajudam a pintar um retrato em cores vivas dos impactos sociais, ambientais e trabalhistas da construção da usina que tem o terceiro maior potencial hidrelétrico do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC). Mais de 30 tipos de câmeras foram usadas no documentário, que conta com imagens internas que só os operários poderiam captar.

A direção é de Caio Cavechini e Carlos Juliano Barros. A duração é 102 minutos.

Cerimônia marca enterro de sangue Yanomami em aldeia

17066984352_81885d04c6_o

Fotos: Leonardo Prado/ PGR

Roraima- RR,  Em uma cerimônia que durou pouco mais de três horas, 2.693 frascos de sangue foram pacientemente derramados em um buraco cavado em um dos pilares da Yanoa (maloca na língua yanomae). Os Yanomami honraram os seus antepassados que, entre as décadas de 1960 e 1970, tiveram o sangue coletado por pesquisadores estrangeiros sem a autorização das lideranças do povo.

Navio Hidroceanográfico “Rio Branco” vai apoiar a criação de hidrovia de 1.076 km no Rio Madeira

foto: Inace

O Navio Hidroceanográfico “Rio Branco” foi entregue em Manaus. foto: Inace

A embarcação entregue hoje (2) foi desenvolvida pela Indústria Naval do Ceará (Inace), e irá aumentar a segurança da trafegabilidade dos rios amazônicos.  Com investimentos de R$ 48 milhões em equipamentos – financiados pelo Ministério da Defesa por meio do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam) -, o “Rio Branco” irá realizar o levantamento cartográfico e mapear o leito dos rios para detectar bancos de areia que causam acidentes náuticos, desobstruindo as estradas fluviais.

A entrada em operação do “Rio Branco” deverá baratear os custos de transporte na região. Atualmente, para navegar de  Manaus a Tabatinga, é necessário a contratação de uma lancha ao custo de R$ 60 mil para detectar os bancos de areia e evitar acidente com a embarcação.

O projeto do Navio Hidroceanográfico “Rio Branco” foi concebido pelo Centro de Projetos de Navios da Marinha e desenvolvido pelo estaleiro construtor, a Indústria Naval do Ceará (INACE). Com 70% de conteúdo nacional, o projeto do navio gerou um incremento na capacidade tecnológica em construção de navios militares e de pesquisa.

O navio Rio Branco se incorporá à frota do 9º Distrito Naval, onde outras duas embarcações menores que já trabalham na cartografia da maior bacia hidrográfica do mundo – que é a do Rio Amazonas.

Navio-Hidroceanogrfico-Fluvial-NHoFlu1

Surf noturno na Pororoca ilumina a noite no rio Capim, no Pará

São Domingos do Capim- PA, Brasil- As pranchas estavam cobertas de LEDs e o Mirante do Barriga – de onde o fenômeno pode ser visto – iluminado para a espera da onda. fotos: Sidney Oliveira/ AG Pará

[r]Existo!

rexrexisto3rexisto

Amazônia conectada

 

Foto: Divulgação/Amazônia Conectada/Exército Brasileiro

Foto: Divulgação/Amazônia Conectada/Exército Brasileiro

O plano é construir infovias de 7,8 mil km pelos rios Negro, Solimões, Purus e Juruá. O custo estimado é de R$ 1 bilhão e a previsão de conclusão é 2017. O objetivo é levar conexão para o interior do Amazonas. Hoje, a solução é o acesso via satélite – instável e caro. A tecnologia de fibra ótica permitirá conexões de até 100 Gigabit por segundo: capacidade usada para atender também o governo do Amazonas e órgãos como Receita Federal e Ibama.

O custo estimado é de R$ 1 bilhão e a previsão de conclusão é 2017. O objetivo é levar conexão para o interior do Amazonas. Hoje, a solução é o acesso via satélite – instável e caro. A tecnologia de fibra ótica permitirá conexões de até 100 Gigabit por segundo: capacidade usada para atender também o governo do Amazonas e órgãos como Receita Federal e Ibama.

Segundo a RNP, 94% das 7,5 milhões de pessoas que poderão ser atendidas pelo projeto são ribeirinhas.

Ao Norte : um show de imagens de Luciana Macêdo !

rn_brasil43

Depois da enchente, família volta prá casa e encontra cobra de 3 metros

foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros do AC

foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros do AC

Uma família que abandonou a casa com a enchente provocada pela cheia do Rio Acre , na capital Rio Branco foi surpreendida ao voltar prá casa, no bairro Aeroporto Velhoe encontrar uma cobra de 3 metros  no quintal da residência. Segundo o dono da casa Raimundo Almeida da Silva, de 64 anos, a cobra já tinha comido um galo quando ele a encontrou. O Corpo de Bombeiros foi acionado para fazer a captura do animal, que foi levado para o 4º Bis.

União reconhece estado de calamidade pública sumária no Acre

DCIM117GOPRO

fotos: Pedro Devani/Sérgio Vale/Gleilson Miranda/Secom

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Bainha, o homem que comeu cera

ataPor  Altair Santos (Tatá)
Para: Luciana Oliveira, agradecido pela deixa

Já vem de certo tempo a nossa amizade com o compositor, intérprete, carnavalesco e ritmista Waldemir Pinheiro da Silva, o popular e querido Bainha, por quem nutrimos alargada admiração, respeito e carinho. Sem exageros o temos como um dos maiorais, dentre os maiorais do samba local e do nosso carnaval.
Durante esse mal engendrado carnaval de 2015 pudemos privar da companhia honrosa do Bainha em alguns eventos: tocamos e cantamos no Samba Autoral junto ao povo alegre do Asfaltão, madrugamos no Mocambo com o Bloco Até Que Noite Vire Dia, fomos ao Bar do Pernambuco no Concentra Mas Não Sai, brincamos no Calixto & Cia com o amigo Toninho Tavernard e tantos outros e saímos na Banda do Vai Quem Quer. A nossa agenda findou por aí. Já o irrequieto Bainha, por seu turno fez a via sacra completa!
Um dia desses, ao calor da organização do Bloco Pirarucu do Madeira, momentos antes do desfile, houvemos de relatar pra amiga Luciana Oliveira, algumas proezas desse jovem com quase 76 anos nos costados, fazendo ressalte para o que mais chama a atenção nele, a cintilante alegria e a energia em altíssima voltagem que o rapaz carrega consigo, além, é claro, da sua inegável e espraiada competência poético-melódica.
Pois bem, dentre tantas sobre o Bainha, uma passagem sempre se aviva em nossa lembrança, como vejamos: certa vez, quando por aqui ainda rolavam os carnavais fora de época, com os trios e bandas da Bahia fazendo aquelas apresentações grandiosas, lá Avenida Jorge Teixeira, estávamos na beira da calçada, sentados bebericando algo e apreciando o movimento, até que a efervescente apresentação do grupo Chiclete com Banana se aproximasse.
Quando o grande e festivo cortejo chegou onde estávamos nos pusemos olhar tudo. Após passarem os brincantes vestidos com os abadás, eis que na divisa fronteiriça entre a corda e a pipoca, na primeira fila, nossas vistas bateram em cima de um certo baixinho, cambota e serelepe, trajando bermuda branca sandália de couro, camiseta no ombro e uma bandana a lhe cobrir a careca. Na mão como providencial adereço, uma inseparável lata de cerveja. Era o Bainha!
Naquele montueiro de gente ele vinha bem na frente, dando as cartas e ditando o ritmo, parecia Zé Pereira, o Rei da Folia, tirando uma de mestre sala ou comissão de frente daquela numerosa e frenética pipoca. Na segunda volta do trio no circuito, a cena se repete com o incansável Bainha liderando o fuzuê dos foliões pipoqueiros, pulando e sacudindo os braços em movimentos coreograficamente ordenados. Ao seu redor os jovens brincavam e parecia serem abastecidos pelos volts intermináveis da sua bateria.
Mais tarde, por volta de duas da madrugada, lá pros rumos do Bairro Nossa Senhora da Graças, paramos num certo botequim pros goles derradeiros antes de ir pra casa. Numa das mesas, rodeado de amigos bem mais jovens lá estava o energizado, o turbinado e eletrizado Bainha, fagueiramente a prosear.
Cremos que o moço é um ungido a esbanjar essa vitalidade toda, por haver herdado receitas miraculosas de ancestrais mui distantes como antigas e remotas tribos da cordilheira do Himalaia. Se não de tão distante, talvez a sua receita seja daqui mesmo da Amazônia, preparada com os óleos, folhas, raízes e desconhecidas seivas extraídas por velhos Pajés.
Após ouvir atentamente o que discorremos, a Luciana deu um trago no cigarro, soprou a fumaça, lançou um olhar pro espaço e disse, em tom moderado: Parece que ele comeu cera!
tatádeportovelho@gmail.com

Tragédia das águas do rio Acre atinge Xapuri

Este slideshow necessita de JavaScript.

Às 13 horas desta quinta-feira, 26, o nível do Rio Acre em Xapuri alcançou a marca de 18,16 metros, quase cinco metros acima da cota de transbordamento. O número de famílias que precisam deixar as casas cresce a cada hora. 138 famílias estavam em quinze abrigos públicos e 508 em casas de parentes e amigos.

Com a vazante do Rio Acre apresentada em Brasileia, a estimativa da Defesa Civil é de que nos próximos dias o nível das águas em Xapuri se eleve ainda mais. Em 2012, o rio alcançou a marca histórica de 15,57 metros, que até o presente momento já foi ultrapassada. A casa onde Chico Mendes morou e a igreja São Sebastião, edificações históricas da cidade, foram alcançadas pela cheia.

P1320311

fotos : Deyvesson Gusmão

Em Brasiléia/AC , cheia do Rio Acre bate novo recorde

Este slideshow necessita de JavaScript.

Segundo medição da Defesa Civil, o nível do Rio Acre em Brasileia atingiu a cota de 14,85 metros às 16 horas desta segunda-feira, 23, ultrapassando a marca da enchente histórica de 2012, com medição de 14,72 metros. Parte da telefonia móvel no município está comprometida.

O prédio da operadora Oi!, localizado no Centro da cidade, foi atingido pela enchente, interditando o serviço de internet na região. Nesta manhã, a prefeitura decretou estado de calamidade pública. A informação é de que 577 famílias já foram desalojadas e desabrigadas, atingindo cerca de 1.880 pessoas. Ao todo, 13 bairros foram atingidos diretamente pela enchente.

Em Epitaciolândia, a prefeitura viabilizou quatro abrigos públicos. A enchente desabrigou e desalojou 198 famílias. Uma sala de situação foi montada em Brasileia, na semana passada, para monitorar o nível das águas e coordenar as ações de assistência aos atingidos pela enchente.

A operação conta com o apoio de mais de 100 homens do Corpo de Bombeiros, 130 soldados do Exército, 92 policiais militares, 250 funcionários da prefeitura, voluntários e servidores públicos do governo do Estado.

fotos: Gleilson Miranda via Agência de Notícias do Acre

O homem do peixe

PEIXES-CM

Carroça carregada com peixes de várias espécies no Vale do Guaporé em Costa Marques/RO

 

Imagens de Rondônia : “Jerico”

cena-CM (2)Um “jerico” parrudo, levando algumas toras de madeira na BR 429, perto de Costa Marques/RO

 

Pirarucu do Madeira: Bloco desfila de graça e sem cordas no domingo, em Porto Velho/RO

O novo estandarte confeccionado pela artista plástica Lu Silva já está pronto para o desfile do bloco mais democrático do carnaval de Porto Velho.

O Pirarucu do Madeira quer manter a tradição de arrastar seus foliões de graça, sem cordas separatistas e com marchinhas e frevos que integram o acervo cultural brasileiro.

Será dia 08, excepcionalmente, domingo, a partir das 16 hs, na Pinheiro Machado com Presidente Dutra.

O bloco fundado em 1993 pelo advogado Ernande Segismundo (na foto) é mantido sem fins lucrativos, prega o carnaval de paz e a exaltação à cultura popular.

Esse ano, elege como homenageado o compositor regional Zezinho Maranhão que emprestou sua voz pra primeira marchinha do bloco.

O artista plástico Pedro Furtado é o responsável pela confecção de adereços de mão que darão um colorido especial ao desfile em meio aos bonecos gigantes.

Os dirigentes convidam os parceiros da imprensa, os representantes dos demais blocos e agremiações carnavalescas e a comunidade em geral a prestigiarem esse movimento festivo que simboliza a resistência da cultura.

via Amazônia da Gente

Livro sobre a 2ª tentativa de construção da EFMM em 1878 está disponível para leitura on-line

Deu no blog da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré EFMM100anos.wordpress.com :

Clique na imagem para ir ao livro on-line

Escrito pelo americano Neville B. Craig, a “Estrada de Ferro Madeira-Mamoré: história trágica de uma expedição”, publicada originalmente em Filadélfia em 1907,  encerra detalhado relato da tentativa de uma empresa dos Estados Unidos de construir, em 1878, uma ferrovia na fronteira Brasil-Bolívia. O projeto envolveu quase mil operários e técnicos norte-americanos, mais de 200 dos quais morreram em consequência da malária e de naufrágios, enfrentou toda ordem de dificuldades na floresta amazônica e foi paralisado por conflitos com o governo boliviano e entre os próprios acionistas. A iniciativa pode ser considerada a pré-história da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, afinal construída entre 1907 e 1912.

LIVRO NA ÍNTEGRA >

http://www.brasiliana.com.br/brasiliana/colecao/obras/137/estrada-de-ferro-madeira-mamore-historia-tragica-de-uma-expedicao

Preservação cresce, mas contrabando ameaça tartarugas na fronteira de Rondônia com a Bolívia

Este slideshow necessita de JavaScript.

Com cuidados e técnicas de manejo, o projeto “Quelônios do Guaporé” começa a alcançar metas. Ambientalistas da Ecovale estimam que a taxa de sobrevivência subiu de menos de 1% para 12 e 15% em média. Esse resultado é animador, observa o ambientalista José Soares Neto, Zeca Lula.

Em 15 anos, apoiada por brasileiros e bolivianos. a Ecovale devolveu à natureza aproximadamente dez milhões de filhotes de tartarugas e tracajás. “Dependemos de maior estrutura para fiscalizar”, ele se queixa. Contrabandistas conhecem cada entrada e saída no Vale do Guaporé e capturam espécies adultas para vender a R$ 300,00 cada.

A estudante do quinto período de Biologia da Faculdade São Lucas em Porto Velho, Queitiane Johns Santiago não conhecia o projeto, mas participou de todas as etapas da soltura, a partir da remoção dos filhotes dos tanques de incubação para a voadeira, reidratação e soltura na rampa de areia. “Uma experiência única e que vale pelo aprendizado de todo o curso”, disse.

Segundo Zeca Lula  o aumento do percentual conservacionista é o maior indicativo do êxito do, embora ainda não seja possível afirmar que os rios da região estejam repovoados.

Ao primeiro barulho de motor da voadeira fogem pelas trilhas dos alagados. O ambientalista lamenta a ausência do poder público nas ações de controle ao desmatamento ilegal e abate de espécies, entre as quais, a tartaruga.

Empreendimentos fixados na região vendem a R$ 40, para turistas, a refeição preparada com carne de tartaruga.  O único órgão público que atua na região com estrutura de fiscalização, mas sem poder de polícia, é a Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia (Idaron).

De acordo com Zeca Lula, isso resulta no avanço de pontos de desmatamento dentro da reserva extrativista e a instalação de empreendimentos irregulares, inclusive a construção de casas.

Quelônio chora na desova

O acordo de cooperação com a Bolívia, por meio do Parque Departamental do Departamento (Estado) do Beni, foi assinado em 2003, prevendo a cessão de guardas-parque, agentes comunitários e guarnições militares nas ações de controle e fiscalização dos rios e praias que servem de berçário para postura e eclosão dos ovos de tartarugas e tracajás.

Uma espécie de espetáculo que começa em outubro com o fenômeno da desova, seguido da eclosão dos ovos e nascimento dos filhotes, e devolução à natureza no mês de dezembro.

Até 2 mil tartarugas chegam a desovam numa só praia do Rio Guaporé e seus afluentes. A falta de espaço é por causa da ameaça dos contrabandistas. As espécies escolhem as praias com maior segurança para desovar. Chegam a “botar” entre 160 e 180 ovos, cada.

Grandes bancos de areia atraem visitantes e turistas. “As tartarugas permitem até ser tocadas; chegam a escorrer lágrimas do olhos de tanta dor durante o ato da desova”, explica Zeca Lula.

Em 15 anos foram soltos nos rios da região cerca de dez milhões de filhotes de tartarugas e tracajás. O projeto nasceu da necessidade de conscientizar a população local para não consumir carne e ovos de espécies ameaçadas de extinção, nem praticar caça predatória.

Ribeirinhos, maiores parceiros

O projeto “Quelônios do Guaporé” conquistou a confiança da população ribeirinha, integrada atualmente às coordenações locais de fiscalização e preservação das espécies. “Tudo indica que estamos apenas no caminho certo, pois outra meta é a geração de emprego e renda para os nativos”, diz o ambientalista.

Jorge Félix Calazans, 57 anos, é um dos 12 ribeirinhos contratados pela Ecovale para atuar como piloto de voadeira na fiscalização das praias. Por falta de recursos, a entidade foi obrigada a reduzir a folha de pagamento de 36 para os 12 atuais empregados.

Calazans garante que acompanha o trabalho da Ecovale desde 2003, quando a entidade assumiu a coordenação do projeto “Quelônios do Guaporé”, e diz gostar  muito do trabalho que realiza. Quando a reportagem perguntou o que é um dia triste para ele, a resposta foi objetiva: “quando se perde covas de ovos com a cheia do rio”.

Crocodilos atendem pelo nome

O jacaré-açu chamado Negão mora há 14 anos próximo ao tapete de algas aquáticas que circundam a pequena ilha onde foi construída a sede da Ecovale. Em poucos minutos, ele atende aos chamados de Zeca Lula.abdo

Outros dois crocodilos, Chicão e Felipão desfilam nas imediações do porto, num espetáculo diferente dos protagonistas ferozes de filmes que se tornaram recordes de bilheteria no mundo.

Chamam tanto a atenção dos visitantes que raramente alguém sai da Ecovale sem uma foto ou um vídeo dos três. Felipão, o menos dócil, fica agressivo com Negão e Chicão, quando algum visitante joga n’água iscas de carne.

Entregues por órgãos ambientais à Ecovale, as antas (tapir) Bernadão e Liza vêm se readaptando  à região e também se tornaram atrações. Saem pela manhã para a mata próxima e retornam no final do dia para dormir.abdo7

Bernardão, com três anos de idade chega a passear pela varanda da sede da entidade, e há pouco tempo ganhou a companhia de Liza, de um ano e seis meses de idade.

A Distribuidora Coimbra anunciou no dia 28 de dezembro de 2014 o aumento de 100% da quota de apoio. Segundo Zeca Lula, normalmente quando o empresário ou qualquer outro visitante visita a entidade e conhece mais o projeto, também adere à causa.

A Ecovale recebe ainda apoio da Noma do Brasil, fabricante de carrocerias para veículos; da Noma Motors, ambas de Maringá (noroeste do Estado do Paraná); do Centro Universitário Unicesumar e da Concessionária Mitsubishi de Veículos LF, em 2013. O Governo de Rondônia doou uma lancha voadeira para às atividades de fiscalização.

Por Abdoral Cardoso com fotos de Rosinaldo Machado e José Soares Neto / Decom-RO

Leia também > Soltura de filhotes de tartarugas, um “aulão” ecológico no Rio Guaporé, em Rondônia

Soltura de filhotes de tartarugas, um “aulão” ecológico no Rio Guaporé, em Rondônia

tartaTransformou-se num “aulão” de educação ambiental e consciência ecológica para crianças e adultos a devolução à natureza de mais um lote de 100 mil filhotes de tartarugas da Amazônia, domingo (28), no vilarejo boliviano Versalles, margem esquerda do Rio Guaporé na fronteira brasileira com a Bolívia.

Eram 9 h, quando os últimos dos 2,2 milhões de filhotes salvos da cheia do Rio Guaporé, ainda nos ninhos da praia da Tartaruguinha, dia 9 de dezembro de 2014, começaram a ser transportados das voadeiras para uma rampa de areia de onde mais tarde foram soltos e correrem em direção à água.

No barranco próximo à rampa já os aguardavam mais de dez crianças bem penteadas e vestidas ansiosas por manusearem e posarem para fotografias com exemplares das tartaruguinhas, ora para os aparelhos celulares dos pais, ora para as câmeras fotográficas semiprofissionais dos familiares.

Pareciam aprender ali a dura lição de que se nada mais for feito para ajudar entidades como a Associação Comunitária Quilombola e Ecológica Vale do Guaporé (Ecovale) elas poderão chegar à idade adulta com o registro de um quelônio apenas na memória. Filhos das 35 famílias que moram no vilarejo, as crianças permaneceram três  horas na rampa de soltura dos filhotes numa brincadeira de adultos para ajudar a proteger as tartaruguinhas do sol e reidratar.

A professora Lola Salvatierra coordena o projeto na localidade e se emocionou ao discursar antes da soltura. Disse da necessidade de os dois países darem maior atenção aos projetos e programas de preservação dos ecossistemas da Amazônia.

Apontou como uma das prioridades o projeto de manejo de quelônios, pois são espécies que não têm nacionalidade. “É dever de brasileiros e bolivianos protegê-los, pois são indispensáveis ao equilíbrio da cadeia alimentar e sobrevivência também das aves, répteis e peixes que habitam o chamado Santuário Ecológico Vale do Guaporé”, disse.

Segundo o presidente Ecovale, José Soares Neto, “Zeca Lula”, a praia da Tartaruguinha foi a única das oito onde eram monitoradas 38 mil covas de ovos de tartaruga na qual se alcançou algum êxito em 2014. A cheia atípica dos rios nessa época do ano inundou as praias e destruiu filhotes que haviam nascido, mas ainda estavam dentro dos ninhos.

O ambientalista conta que equipes da entidade formadas por brasileiros e bolivianos, e voluntários, inclusive empregados de fazendas liberados pelos proprietários para ajudar, promoveram um mutirão e conseguiram salvar 5 mil recém-nascidos numa das praias onde a expectativa de resgate era de 12 mil tartaruguinhas.

Fazendeiro “empresta” empregados

Paulo Carvalho foi o primeiro fazendeiro da região de São Francisco do Guaporé a dispensar os empregados da Estância Benagouro para participar do mutirão. Ele apoia o projeto desde o início. “Liberei os empregados pelos simples prazer de ajudar a salvar as ‘bichinhas’ que pertencem tanto aos brasileiros quanto aos bolivianos”, afirmou.

Após o resgate, as tartaruguinhas passam entre 30 e 40 dias em incubação nos tanques da (Ecovale). Na incubadora, os filhotes se fortalecem para fugir de predadores que dependem da mesma cadeia alimentar para sobrevivência, entre eles o jacaré, garça, gaivota, mergulhão, tuiuiú, piranha, tambaqui, pirapitinga, pirarara, surubim, traíra e outras espécies que se alimentam dos filhotes de tartarugas e tracajás.

Transformou num “aulão” de educação ambiental e consciência ecológica para crianças e também adultos a devolução à natureza de mais um lote de 100 mil filhotes de tartarugas da Amazônia, domingo (28), no vilarejo boliviano Versalles, margem esquerda do Rio Guaporé na fronteira brasileira com a Bolívia.

Eram 9 h, quando os últimos dos 2,2 milhões de filhotes salvos da cheia do Rio Guaporé, ainda nos ninhos da praia da Tartaruguinha, dia 9 de dezembro de 2014, começaram a ser transportados das voadeiras para uma rampa de areia de onde mais tarde foram soltos e correrem em direção à água.

No barranco próximo à rampa já os aguardavam mais de dez crianças bem penteadas e vestidas ansiosas por manusearem e posarem para fotografias com exemplares das tartaruguinhas, ora para os aparelhos celulares dos pais, ora para as câmeras fotográficas semiprofissionais dos familiares.

Pareciam aprender ali a dura lição de que se nada mais for feito para ajudar entidades como a Associação Comunitária Quilombola e Ecológica Vale do Guaporé (Ecovale) elas poderão chegar à idade adulta com o registro de um quelônio apenas na memória. Filhos das 35 famílias que moram no vilarejo, as crianças permaneceram três  horas na rampa de soltura dos filhotes numa brincadeira de adultos para ajudar a proteger as tartaruguinhas do sol e reidratar.

A professora Lola Salvatierra coordena o projeto na localidade e se emocionou ao discursar antes da soltura. Disse da necessidade de os dois países darem maior atenção aos projetos e programas de preservação dos ecossistemas da Amazônia.

Apontou como uma das prioridades o projeto de manejo de quelônios, pois são espécies que não têm nacionalidade. “É dever de brasileiros e bolivianos protegê-los, pois são indispensáveis ao equilíbrio da cadeia alimentar e sobrevivência também das aves, répteis e peixes que habitam o chamado Santuário Ecológico Vale do Guaporé”, disse.

Segundo o presidente Ecovale, José Soares Neto, “Zeca Lula”, a praia da Tartaruguinha foi a única das oito onde eram monitoradas 38 mil covas de ovos de tartaruga na qual se alcançou algum êxito em 2014. A cheia atípica dos rios nessa época do ano inundou as praias e destruiu filhotes que haviam nascido, mas ainda estavam dentro dos ninhos.

O ambientalista conta que equipes da entidade formadas por brasileiros e bolivianos, e voluntários, inclusive empregados de fazendas liberados pelos proprietários para ajudar, promoveram um mutirão e conseguiram salvar 5 mil recém-nascidos numa das praias onde a expectativa de resgate era de 12 mil tartaruguinhas.

tarta3

Por Abdoral Cardoso com fotos de Rosinaldo Machado e José Soares Neto / Decom /RO

Leia Também > Preservação cresce, mas contrabando ameaça tartarugas na fronteira de Rondônia com a Bolívia

Ramón de Baños , o verdadeiro pioneiro do cinema na Amazônia

Ramón de BanosRamon de Baños. Um dos pioneiros do cinema na Amazônia e um dos personagens principais deste filme. Ramon viveu em Belém entre 1911 e 1913 e foi o primeiro cineasta a produzir, filmar, montar e exibir filmes em Belém. Junto com Joaquin Llopis, o primeiro empresário de cinema de Belém, dono do Cine Ódeon no Largo de Nazaré, fundou a primeira produtora da cidade chamada Pará Films, e juntos produziram importantes filmes da história do cinema regional, como “Desembarque do Eminente Dr. Lauro Sodré”, “Os Sucessos de Agosto”, “Dia de Finados em Santa Isabel”, “O Círio de 1911”, entre muitos outros. A produção foi  até Barcelona, sua terra natal, para desvendar os caminhos que o trouxeram a Belém e saber um pouco mais de sua história.

Mais de 10 anos de pesquisa, inúmeras viagens e visitas a museus, filmotecas, bibliotecas e acervos públicos e privados, e um incansável trabalho de filmagens e entrevistas, Olhos d´Água  é um filme que conta a história do pré-cinema no Brasil, em especial na Amazônia, e tendo a cidade de Belém como protagonista dessa história. O filme “Olhos d´Água – Da Lanterna Mágica ao Cinematographo” busca as origens do pré-cinema brasileiro através dos ambulantes que “fizeram as américas”, e aqui chegaram por um dos portos mais importantes do mundo à época, fazendo história na efervescente e agitada capital paraense. O filme faz um panorama sobre a Belém do século XIX e início do século XX, e seu papel de vanguarda no cenário cultural mundial.  A conferir no filme de Eduardo Souza , que proclama ser Ramon de Baños o verdadeiro pioneiro do cinema na Amazônia.

Túnel do Tempo : EFMM, em 2012

000-efmm

Tunel do Tempo : Monumento aos Migrantes, em Porto Velho 1992

MONUMENTO AO MIGRANTE - TREVO DO ROQUE1 MONUMENTO AO MIGRANTE-DETALHE MONUMENTO AO MIGRANTE - TREVO DO ROQUE2

Este slideshow necessita de JavaScript.

Nilson Santos lança Seringueiros da Amazônia : Sobreviventes da Fartura, no próximo dia 11 de dezembro

Convite Nilson

Clique na imagem para ampliar

“A experiência essencial que Nilson Santos nos convida a empreen­der neste livro não é mais um momento acadêmico, mas uma “expe­riência interior”. Isso quer dizer que não saímos iguais depois dessa experiência. Os seringueiros de Nilson latejam da mais pura vida. Eles sentem e lutam e reivindicam não como con­ceitos ou fragmentos de discursos montados pelo pesquisador, mas enquanto plenitudes essenciais. Livro raro não apenas para quem quer conhecer de perto a vida nos seringais da Amazônia, mas um acontecimento para todos que desejam enfrentar o outro na dimensão do outro, sem a perigosa fantasia que produz um outro escalpelado e domado.”
Alberto Lins Caldas (prefácio)

“O seringal é o cerne – mas Nilson insiste em que não se trata de uma imagem abstrata, simplificada. Seu conjunto forma a vida no seringal, com traços em comum, porém com múltiplos atores e facetas; cada destino per­faz um sentido único, alarga a compreensão de um Brasil ignoto.”
Betty Mindlin (apresentação)

“O livro que se tem a mão é forte por retraçar his­tórias pessoais, narrativas de grupo no encalço do respeito, tudo sem desmentir os fundamentos de uma necessária história pública, expressão em um tipo de narrativa eficiente e moderna que, a um tempo alarga o conhecimento e o põe a mostra como formuladora de políticas cidadãs.”
José Carlos Sebe Bom Meihy (introdução)