Arquivo do autor:bertagna

EUA registram propriedade medicinal do jambu e impedem pesquisa da Universidade Federal do Amazonas

Pesquisadores da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) abandonaram três meses de estudos sobre as propriedades anestésicas do jambu porque uma patente registrada nos Estados Unidos os impedia de lançar no mercado uma pomada bucal de uso odontológico. As pesquisas realizadas eram com a substância spilantol, presente no jambu, vegetal usado na culinária amazônica como ingrediente do tacacá e pato no tucupi, por exemplo.

Segundo informações obtidas no departamento de Fisiologia Humana da Ufam, o jambu – planta típica de regiões de trópico úmido – não existe nos Estados Unidos (EUA). Mesmo assim, nos sites de patentes encontraram 15 delas registradas nos Estados Unidos e 34 na Europa.

A substância spilantol é descrita nessas patentes como apropriadas para uso anestésico, antisséptico e ginecológico e vendida no mercado até mesmo como cosméticos. Ou seja, os estudos que descreviam a tecnologia e destinação dos pesquisadores da Ufam  já estavam descritos pelos americanos desde setembro de 2007

Com a perda da patente do jambu, o departamento de fisiologia admite que novas pesquisas agora são realizadas com pelo menos três outras plantas apresentam, também, alcalóides com propriedades semelhantes ao spilantol. O objetivo é lançar no mercado um anestésico local, de uso tópico, que elimine a necessidade da seringa no consultório odontológico. O nome das plantas são mantidas em segredo para garantir o sigilo do conhecimento até que tenha sido devidamente patenteada.

O episódio com o jambu, segundo o departamento, demonstra que o conhecimento ancestral dos povos da Amazônia precisa ser melhor para que não cai nas mãos de pesquisadores estrangeiros.

As  propriedades anestésicas do jambu são conhecidas da população local. Suas folhas e flores são usadas sobre o dente comprometido para aliviar a dor. Esses conhecimentos estão na internet e deixaram de ser tradicional para ser universal antes mesmo dos pesquisadores brasileiros estudarem suas propriedades e patenteá-las.

Spilantol

O alcalóide spilantol presente no jambu recebeu várias patentes nos Estados Unidos e Europa para usos diversos, como remédios e cosméticos. Entre os estudos realizados no exterior com a substância está o que pretende criar um botox menos tóxico que o produzido pela bactéria botulínica, e causa risco de morte para as pessoas.

O spilantol é descrito como um cosmético antirrugas por inibir as contrações dos músculos subcutâneos, em especial os do rosto, assim como o botox usado no tratamento de rejuvenescimento.

Outras patentes registaram o spilantol como substância eficaz no tratamento da queda de cabelo e no amaciamento da pele, além de possuir propriedades desodorantes. Uma patente descreve um produto destinado ao banho, que deve ser feito com bolhas para tratamento de pele e inibindo o surgimento de sardas e manchas.

Outra propriedade do alcalóide não passou despercebidas pelos pesquisadores estrangeiros, tanto que uma patente registra que o spilantol produziu o fim de arritmia quando injetado no coração de um coelho.

Fonte: Portal do Holanda

Pensa que é PIS?

Texto e foto de Valéria del Cueto

Sabe aquele ditado popular que diz que “quando a esmola é demais o santo desconfia”? Essa sou eu. Mais uma vez ancorada numa agência bancária. Nessa, vou mudar o tom da prosa e dar nome aos dois: Temer e a Caixa Econômica Federal. Exatamente nessa ordem. O vampirão começou liberando o PIS/PASEP para “aliviar” a pressão da falta de dindin circulando no mercado. Fui no site da CEF por mera curiosidade e, depois de verificar que tinha um saldo, segui as instruções.

Elas diziam que deveria comparecer a uma agência levando um documento e o Cartão Cidadão. Lá me fui, prevenida que sou, levando identidade, comprovante de residência… Obediente e crente pedi uma senha para o caixa. Nada que um bom livro não resolvesse. Um ou dois capítulos e lá estava eu.

Coisa boa, não é? Se fosse só isso. A atendente informou que seria necessário “atualizar o cadastro”. Outra senha, um único atendente e gente, muita gente. Estava bom? Claro que não. Além da falta de lugares para sentar, o sistema estava sistema da Caixa. Quer dizer, instável. Daquele jeito. A tarde passava entre uma conversa e outra enquanto a senha do painel permanecia estática.

Horas esperando para sair de lá sabendo que precisaria retornar com cópias das páginas com foto e contra folha da Carteira de Trabalho, Identidade, CIC, comprovante de residência e… título de eleitor(!).

Na espera paciente e comunicante as histórias começaram a se encaixar. A notícia saiu na sexta, de surpresa. Na segunda, dia 18, quando o banco abriu, as pessoas esperavam atendimento e os funcionários tentavam entender as especificações e o procedimento padrão. É claro que isso rendou várias interpretações que apenas dificultaram a vida dos cidadãos.

Isso foi segunda. Voltei à penitência dia 21. Com todos os documentos. A fila, maior ainda. Havia um sistema de triagem do lado de fora da agência, na parte dos caixas eletrônicos, mas o atendimento seguia lento. Cheguei lá por volta das 13h, contando com o fim do horário do almoço. Peguei a senha 59. Estava na 29… Fazer o quê? Esperar e ouvir. Histórias. De pessoas que, como eu, chegavam com as meias informações. Esperavam horas para receberem as mesmas solicitações de documentos, concluí depois de assuntar geral o que havia sido necessário apresentar. Mais fácil seria dar a lista para que a papelada fosse providenciada sem fazer cada um passar pelo atendente, para entrar no sistema e checar se era isso mesmo!

Sim, falamos daquele sistema intermitente e carregado por milhares de consultas feitas ao mesmo tempo em todas as agências da Caixa Econômica Federal do dia 18 ao dia 28 de junho, para começar. Depois, em agosto, vai piorar! O saque será liberado.

Só que não terminou. Outros empecilhos seriam capazes de fazer o serviço andar ainda mais devagar. Incluindo aquela servidora padrão que nunca pode ajudar e ainda atrapalha o serviço do atendente alheio. Foi assim que, durante a espera (que terminou depois do horário de fechamento bancário quando parece que as coisas andam mais rápido), desperdicei o presente de um porteiro gente boa da Rua Souza Lima que, como não poderia mais aguardar, já que ia pegar no batente às 14h, me deu sua senha, a número 40.

Morri na praia. Acontece que levei as xerox, mas não os originais! E não adiantou mostrar a lista com a solicitação das cópias. Mexe daqui, mexe dali, fui encontrando os documentos. Menos o título de eleitor! Voltei em casa para pegar o danado e retornei à espera do número 59. Esse, o que foi atendido depois do horário de encerramento bancário. A papelada estava pronta. Porém, o sistema de transferência não funcionava mais naquele horário!

Fui parar novamente na Caixa. Era sexta, jogo do Brasil, para fazer um TED. Feita transferência, avisei ao gerente no BB. Nessa segunda soube que o TED não havia entrado. Já rezando muitas ave-marias me dirigi a agência da Caixa. Onde, acreditem, não pude entrar! Uma infiltração inundou o espaço, o sistema teve que ser desligado. Havia água inundando o piso. As portas nem abriram para o público, aquele que tem mais dois dias para sacar o benefício. É pouco? Não. Quando acharam que o problema havia sido sanado abriram os registros e não foi só água que caiu. Parte do teto da agência veio junto!

Você já conseguiu receber seu benefício? Nem eu. Pensa que é PIS? É PASEP aguentar tanta bateção de cabeça…

*Valéria del Cueto é jornalista, fotógrafa e gestora de carnaval. Da série “Fábulas Fabulosas”, do SEM FIM…delcueto.wordpress.com

Na dúvida…

Texto e foto de Valéria del Cueto

Essa Ponta do Arpoador é sempre uma surpresa! Quem avalia, analisa, registra e cataloga é Pluct, Plact, o extraterrestre, enquanto espera a chegada da escrevinhadora de caderninhos.

Precisa dela para tentar clarear as ideias antes de cruzar novamente com sua cronista de fé sabiamente isolada dessas e outras mazelas, recolhida que está numa cela do outro lado do túnel.

É domingo, faz sol depois de uns dias de vento cortante, céu mal-humorado e muitas promessas de ressacas espetaculares. “Como não falo do que não vi, nada posso relatar”, esclarece o alienígena um pouco desconcentrado pelo som que vem do evento da vez. Ele toma o Largo do Millôr e promete um “sonset” (isso mesmo, com sílaba tônica no O) em ritmo de bate-estacas. Sabe a tal de democracia? Para quem…

Fazer o que? Duas opções. Se isso te incomodar, o que não faz parte do menu de opções disponível para um ser de outro mundo que se preze, se mude. Ou… siga o magnânimo conselho da escrevinhadora do caderninho: ceda o espaço de domingo para quem só pode usufruí-lo nos finais de semana e deixe para vagabundear durante os dias de batente coletivo.

Enquanto oscila entre partir ou ficar Pluct Plact começa a tabular outras informações que podem auxiliá-lo na tomada de decisão. A mais gritante, por assim dizer, é que a qualidade musical está se deteriorando rapidamente após uma largada até que promissora.

No mar as tão esperadas ondas, que motivaram o encontro com a escrevinhadora, simplesmente sumiram. O que se vê são marolinhas de aprendiz numa água certamente gelada, se deduz pela indumentária dos surfistas. Se a virada do tempo não rendeu as ondulações aguardas pelos feras do esporte, serviu para virar barcos, provocar mortes e colocar de prontidão os serviços marítimos locais à procura dos desaparecidos na região de Sepetiba. Por esse ângulo, foi bom o mar baixar rapidamente para não tumultuar ainda mais as buscas.

A chegada da dona do caderninho acabou adiando um pouco a última boa razão para uma retirada oportuna.

Atraída pela bandeira, sua sombra, o contorno das lambidas das ondas que quase batem na murada do Arpoador (deixando pouco espaço para os banhistas lagartearem), ela estacionou na murada. Os elementos chamaram a atenção da escrevinhadora e testaram minha paciência interplanetária durante o tempo de espera para a tentativa da foto perfeita.

Bandeira esticada, sombra alinhada e definida, a marola lambendo a areia perto do pé do mastro do alerta vermelho dos salva-vidas. O resto é lucro…

Dali, só nos moveríamos ao derradeiro sinal que era hora de partir. Que, por incrível que pareça, já previa ser dado somente ao final do show anunciado entre músicas e tremedeiras das carrapetas.

Afinal, está pensando o que? Aqui é o Rio de Janeiro, uma cidade que te permite mudar de ideia com uma rapidez inacreditável…

“Já curtiu a nossa página no feicebuque, seguiu no insta? Vai lá enquanto aguarda o show”, intima o animador do evento de um plano de saúde. “Daqui a pouco o cantor Jorge Israel e o cantor Marcelinho da Lua…”, anuncia animadão o antenado locutor.

“Marcelinho da Lua cantor?” pergunta a escrevinhadora se levantando, “vamos embora.” Nos dirigimos a Ipanema enquanto escutamos o locutor descolado corrigindo seu reclame.

“Já curtiu a nossa página no feicebuque, seguiu no insta? Marcelinho da Lua não é cantor, é DJ. É que escreveram errado aqui”, explica. Jogando a culpa, como sempre, na produção….

Hora de partir, alguma dúvida?

*Valéria del Cueto é jornalista, fotógrafa e gestora de carnaval. Da série “Fábulas Fabulosas”, do SEM FIM…delcueto.wordpress.com

A arte de “realizar”

Texto e foto de Valéria del Cueto

Se alguém me dissesse que estaria olimpicamente escrevinhando no caderninho numa segunda-feira chuvosa, em plena agência bancária esperando as quinze pessoas que estão na frente para ser atendida em um dos caixas? Diria que, sem dúvida, isso é um delírio. Igual aos da cronista encarcerada, amiga do fiel e absolutamente (como se nós também não estivéssemos) estarrecido, Plact, Pluct, o extraterreste.

Perto daqui, dizem que o mar é um espetáculo com ondas que chegarão aos 2,5 metros para inalcançável deleite dos meus olhos e das lentes das minhas câmeras. No momento me dedico a procurar entender os caminhos que me levaram ao único lugar engarrafado da agência.

Nem o magico aplicativo do banco  pode resolver minha demanda(me recuso a instala-lo, a não ser que a instituição me forneça um aparelho para “trabalhar” para ela. O meu celular não tem espaço, nem me transformarei voluntariamente em operária padrão não remunerada de empresas e corporações).  A ordem de pagamento também não pode ser sacada e depositada nos caixas eletrônicos. A impossibilidade é a mesma com a atuação do gerente personalizado.

A posição na “tabela” tinha que ser galgada paulatinamente. Então não tem solução, além de multiplicar por quinze a (im)paciência e usar a imensa imaginação que Deus me deu para transformar as paredes forradas de madeira fake (cor de burro tomando fôlego para quase fugir) e o mobiliário de linhas sóbrias e modernas, no espaço aberto recheado de sensações e informações imagéticas da Ponta do Arpoador.

A concentração necessária para o pulo do gato imaginário é quebrada para registrar que destoam do ambiente do banco VIP os banners pendurados em pedestais de alumínio com propagandas de produtos oferecidos à clientela que aguarda atendimento.

Não é fácil! Para começar, falta o estímulo auditivo. O que se ouve por aqui é uma sequência de nomes sendo chamados e encaminhados de acordo com as respectivas necessidades. “Dona Fulana sala 4”. Fico com a sensação de que aquela cantada de pedra não combina com o ambiente e e volto pro caderninho. Minutos depois… “Senhor Beltrano, sala 2”! Vejo o correntista se encaminhar para o lado de dentro do estabelecimento e tento recomeçar. “Sicrano, vá ao caixa”. Aí já estava realmente desligada da viagem que pretendia fazer lá para fora e prestando atenção no entorno.

Me perguntava onde já se viu anunciar em voz alta na recepção de uma agência quem ia ao caixa. Estranho, não? Até o caro Watson acharia elementar a dedução de que parte de quem é chamado para o caixa pode sair com dinheiro do banco. No Rio de Janeiro, cidade perigosa. Alardeia, moçada, alardeia…

Funcionárias na recepção recolhem os dados, analisam a demanda e cantam o chamado tão aguardado, um segurança (claro), e mais o atendimento para encaminhar o paciente, quer dizer, o cliente, compõe o “time”.  Com o banco já fechado, passava das 16h, a pedras começaram a serem cantadas mais rápido. O expediente, a segunda-feira, a chuva que armava.

Também há uma campainha para quebrar a concentração e anular completamente qualquer possibilidade de um exercício de troca de cenário imaginário, assim como uma miragem. É ele, o sinal sonoro, acionado cada vez que um cliente entra ou sai. E são tantas.

Além da praia estava ficando para trás o primeiro dia de ginástica da semana. Exercício, só da paciência. E como cansa. Saio na chuva, disposta a não desistir. Entro na academia na ânsia de tomar as rédeas da minha vida!

Nem que fosse correndo na esteira ouvindo pelos fones do celular o barulho do mar na seleção praiana que em construção no meu canal do youtube. Pelo menos, o som e a imagem da praia do Arpoador estão garantidos, ainda que em vídeo dando o ritmo do treino.

Em tempo: no banco é proibido o uso de celular. O que foi bom. Senão não tinha crônica para você, nem ginástica para desopilar a quase Polianna escrevinhadora.

*Valéria del Cueto é jornalista, fotógrafa e gestora de carnaval. Da série “Fábulas Fabulosas”, do SEM FIM…delcueto.wordpress.com

Gente que encontrei por aí… Frans Krajcberg (in memorian)

Ao fundo a Cachoeira de Sto Antônio / Porto Velho

Frans Krajcberg      (Kozienice, 12 de abril de 1921 – Rio de Janeiro, 15 de novembro de 2017) foi um pintor, escultor, gravador, fotógrafo e artista plástico nascido na Polônia e naturalizado brasileiro

Momento efêmero, já a amizade…

Texto e foto de Valéria del Cueto

Pode parecer brincadeira, mas quem sabe, talvez, não por acaso, essa pode ser uma chance única de pirulitar desse mundo doido! “Alô, alô, aqui quem fala é da terra…” brada em seu sistema de comunicação intergaláctico Pluct, Plact, o extraterrestre, ancorado involuntariamente no planeta em tela.

A voz, clara e límpida, como há tempos não se ouvia, reverbera pelas ondas da Via Láctea e daí para outras galáxias. Um fenômeno cada vez mais raro de acontecer.

Pode ser chamado de greve, lockout ou sacolejo, mas o fato é que a ausência do ir e vir reduziu de forma perceptível a quantidade de gases poluentes lançados à camada de ozônio. Foi isso que abriu a fenda que, caso o movimento persista, poderá permitir a passagem da nave do ser alienígena mais carioca que existe no universo.

É isso aí, brou. Ele absorveu (por algum tipo osmose interplanetária) características particulares do modo de ver e levar a vida dos habitantes do Rio de Janeiro.

Só eles para, no oitavo dia da greve dos caminhoneiros que paralisa o transporte e altera a rotina da vida dos brasileiros, exercitarem o direito inalienável ao forfait à convocação para manifestações de apoio formais, por assim dizer. Mostram sua aderência ao movimento fazendo o mesmo que, em qualquer domingo de sol e céu de brigadeiro, seria parte essencial de seu roteiro. A praia é o caminho, o mar, o destino.

No canto da Praça, colado a Pedra do Arpoador, a família faz um animado piquenique comemorando o aniversário de uma das crianças. Sofia, inclusive, aprendendo a andar em sua bicicleta de rodinhas, pede socorro à tia. Embicou e estacionou, sem conseguir mover seu “veículo”, num banco da praça.

O encalacre infantil é para variar a narrativa costumeira de que os surfistas se acabam no mar do Arpoador, o que significa que as ondas da Praia do Diabo não estão boas para os especialistas, que lá não é point de amador. Nas areias da pequena praia o frescobol come solto.

Falta, é verdade, a presença maciça de forças de segurança. Polícia, militar e guarda municipal. Uma única viatura e poucos gatos pingados fazem a proteção da área. Tudo na mais santa paz na Ponta do Arpoador, sempre sob o olhar atento dos salva-vidas posicionados nos postos de salvamento.

Portanto, o desespero e o desequilíbrio geral propostos pelos meios de comunicação não correspondem aos fatos na domingueira de greve. Está tudo muito leve e esse status quo pode ser breve.

Daí a espera paciente de Pluct Plact. A persistir as condições ideais há uma chance remota, mas real, de partir em direção a outros mundos.

O problema todo mundo sabe qual é. Deixar no meio dessa bagunça institucionalizada a cronista enclausurada. O céu limpo de poluição, tão positivo para Pluct, Plact, é um sinal de que as coisas não estão exatamente do jeito que a reclusa voluntária deixou ao de se isolar na cela do outro lado do túnel.

Se bobear, tão fora desse mundo ela anda, não deve nem ter notado a drástica redução da variedade de alimentos fornecidos. No máximo poderá ter reparado na diminuição do barulho vindo da rua nos últimos dias devido a redução de veículos circulando graças a falta de combustível. Também ficou livre de ter que aturar a narrativa fajuta da imprensa em geral, da Rede Globo em especial e de testemunhar a bateção de cabeças federais, estaduais e municipais.

Certamente se tivesse consciência do momento estaria torcendo pelo sucesso da tentativa do confidente extraterrestre. Afinal, amigos são aqueles que desejam e torcem pelo melhor para o outro. Mesmo sabendo que para os que ficam não há solução visível no horizonte…

*Valéria del Cueto é jornalista, fotógrafa e gestora de carnaval. Da série “Fábulas Fabulosas”, do SEM FIM…delcueto.wordpress.com

Falando nela

Texto e foto de Valéria del Cueto

Saí pensando nela, uma crônica da janela. Porque só dela (e nem sempre) é possível olhar a vida passar em relativa, mas não absoluta segurança.

Para quem se distrai desenhando letras, imaginando sóis, reflexos e silhuetas, desligada do entorno pulando de ideias sem prestar atenção no entorno da vida real, está perigoso empunhar o caderninho e se deixar levar.

Outro dia, levei um pito por me dedicar a um dos esportes mais nobres nas antigamente lânguidas tardes ensolaradas. Dormir na praia, lagartear ao sol.

Não dá mais para se deixar embalar e adormecer ao som dos resmungos do mar, do assobiar da brisa e dos pregões dos ambulantes anunciando seus produtos.

O mais distante das barracas com caixas de som funk/sertanejo. Era possível até sonhar aquecida pelos raios do sol temperados pela maresia.

Há que estar atento, forte e não ter medo de temer o tudo que pode acontecer nos dias que vivemos.

Nos rendemos a falta de poesia, trocamos o voo criativo pela simples fuga desabalada da realidade crua e nua, despida de fantasia. Sobreviver é o bastante. Como se o sofrimento não bastasse.

Não desisto da praia, como não largo de mão a ginástica. O exercício é essencial para manter a espinha ereta. Já o coração tranquilo anda bem mais difícil.

Nada que não empalideça diante do escandaloso visual de outono no Arpoador. As cores gritam quando céu está limpo e de bom humor.

Em dia de ressaca, como é o caso, a gente acaba envolvida, quase abduzida pela força do lugar.

E aí, voltando ao início do texto, a janela deixa de ser uma opção. A segurança? Entrega a Deus!

Na verdade, deixa nas mãos dos deuses e não tão deuses que circulam pelos caminhos que levam ao relevo acidentado, vasto e amplo das pedras da Ponta do Arpoador. São eles e todos os tipos de forças de segurança que permitem imaginar uma garantia da paz local.

Sensação distribuída entre moradores, locais e turistas que nunca desistem de tentar a sorte de um por do sol tranquilo e cinematográfico.

Com a ressaca fica um espetáculo magistral. A impressão do cantinho e do violão provocada por um mar calmo e poucas ondas para acompanharem o passeio de Tom Jobim e seu violão na entrada do Arpoador ficam tímidas e desafinam perto do sacode provocado pela fúria do mar revolto.

Daquelas tão mexidas que nem os surfistas se arriscam no lado de Ipanema. Só na Praia do Diabo as ondas estão formando de forma organizada o suficiente para quem é fera e tem uma boa roupa de neoprene. Além da força do sacode a água está gelada. Vai encarar?

Eu só do lado de fora, descrevendo o espetáculo que avança até quase o paredão, deixando sem faixa de areia o Arpoador e desarrumando as escadas feitas de sacos de contenção pelos barraqueiros para facilitar o acesso da clientela.

Nada que os frequentadores costumeiros já não tenham visto. Nada que já não tenha sido reconstruído depois da fúria marítima ser aplacada a cada temporada.

Até lá as marolas se espraiam e fazem brilhar as areias encharcadas de acordo com os humores do céu, do sol e das nuvens que se mesclam em luminosidade derramando luzes e cores por toda a orla.

Pensando bem, se for da janela, essa ou aquela, que cada um tenha a sua. A que merece ou escolhe. Da minha, avisto a vida, mesmo quando ela foge para se esconder de tanta desumanidade…

*Valéria del Cueto é jornalista, fotógrafa e gestora de carnaval. Da série “Arpoador”, do SEM FIM… delcueto.wordpress.com

Da quintessência de Z

‘Aviso da Lua que Menstrua’, de Elisa Lucinda, lido por Z. Santos

…………………………………………………………..

Quintessência (quinta essência) é uma alusão à Aristóteles, que considerava que o universo era composto de quatro elementos principais – terra, água, ar e fogo-, mais um quinto elemento, uma substância etérea que permeava tudo e impedia os corpos celestes de caírem sobre a Terra.  A dinamicidade é a propriedade mais atraente da quintessência. O maior desafio de qualquer teoria de energia escura é explicar o fato de ela existir na medida exata: numa quantidade não tão grande para impedir a formação das galáxias no universo primordial, e nem tão pequena que não pudesse ser detectada agora. A energia do vácuo (a constante cosmológica de Einstein), é totalmente inerte, mantém a mesma densidade o tempo todo. Portanto, para explicar a quantidade de energia escura hoje, os valores da constante cosmológica deveriam ter sido muito bem sintonizados na criação do universo para ter o valor adequado com as observações de hoje. Em contraste, a quintessência interage com a matéria e evolui com o tempo, de forma que se ajusta naturalmente aos valores observados na época atual.

Guitarrista e fundador da banda gaúcha Cachorro Grande, Marcelo Gross é demitido

A banda gaúcha Cachorro Grande demitiu o seu membro fundador guitarrista Marcelo Gross, O músico é o autor de sucessos como  “ Sinceramente”, “ Hey Amigo” e “ Lunático”. Para Beto Bruno, vocalista e também fundador da banda que completa 19 anos este ano, o processo de separação já estava visível, a relação estava por um fio, devido ao afastamento de Gross do processo criativo das músicas e por conta de sua carreira-solo.

Em entrevista para o jornal Folha de São Paulo o vocalista disse que para o lugar do músico, a banda convocou o guitarrista Gustavo X, que trabalha como roadie de guitarras no circuito de rock e é próximo do grupo. ” Neste primeiro momento, o Gustavo será o substituto do Gross. Ele foi a primeira opção por já ter uma certa ligação conosco. Nos conhecemos há anos”, disse Bruno.

Procurado pela reportagem, o guitarrista Marcelo Gross disse lamentar a situação, mas enxerga o momento com cautela. “Pode ser um período ruim, mas quem sabe um dia possamos voltar a tocar juntos. A Cachorro Grande sempre foi minha vida”, diz.

A banda gaúcha segue em turnê nacional com a divulgação do seu primeiro disco ao vivo, intitulado “Clássicos”.

Não me falaram…

 Na escola não me falaram.
Da Lua e das suas fases,
Da Terra e dos seus ciclos,
Não me falaram sobre a morte.
Como Nascimento,
Não me falaram sobre a sexualidade.
Como Sagrada,
Não me falaram do corpo.
Como um templo emocional.

Falaram-me em adaptar-me.
De se encaixar,
Falaram-me de sentar.
Sempre no mesmo banco.
E ver repetidamente um só
Ângulo das coisas.

Me qualificaram com números,
Fizeram-me sentir às vezes mais.
Mas quase sempre menos do que outro.

Às vezes merecia,
Outras vezes não.

Disseram-me que era distraída.
Rebelde desrespeitosa
Disseram-me para me calar.
Que estude até o que eu não goste
E que tire uma folha
Como uma ameaça.

Me quiseram dar medo
Me quiseram submissa
Me quiseram sistêmica
Quiseram-me sem questionar.
Me quiseram obediente
Queriam-me bem.

Mas nunca ninguém quis.
Que me descobrisse.

Ninguém me esperou.
Ninguém me perguntou
Ninguém parou para olhar para mim.

Quando vai existir uma escola
Que olhe para nós.
A cada um.
Pausada
Mente?

Quando vamos deixar
De querer ser
Todos iguais?

Até aqui chegamos.
Com este método.

Somos lobos batizados de cães.

Quero uivar para a lua.
Sem que me digam louca,
Quero viver ao meu ritmo.
Sem agendar metas.

Quero sentir-me sem medo.

Dou-te a minha estrutura.
Dou-te a minha produtividade.

A mim deixa-me
Livre,
Criativa,
E mesmo que não gostes,
E mesmo que te incomode,
Deixa-me também.
Selvagem

por Samira Lemes

Guaraná

Guaraná = mé= = abre-bondade = abre-coração = abrideira = abridora= aca= aço= acuicu= a-do-ó= água= água-benta= água-bórica= água-branca= água-bruta= água-de-briga= água-de-cana= água-de-setembro= água-lisa= água-pé= água-pra-tudo= água-que-gato-não-bebe= água-que-passarinho-não-bebe= aguardente= aguarrás= agundu= alicate= alpista= alpiste= amarelinha= amorosa= anacuíta= angico= aninha= apaga-tristeza= aquelazinha= a-que-incha= aquela-que-matou-o-guarda= a-que-matou-o-guarda= aquiqui= arapari= ardosa= ardose= ariranha= arrebenta-peito= assina-ponto= assovio-de-cobra= azeite= azougue= azulada= azuladinha= azulina= azulzinha=bafo-de-tigre=baga= bagaceira= baronesa= bataclã= bicarbonato-de-soda= bichinha= bicho= bico= birinaite= birinata= birita= birrada= bitruca= boa= boa-pra-tudo= bom-pra-tudo= borbulhante= boresca= braba= branca= brande= branquinha= brasa= braseira= braseiro= brasileira= brasileirinha= brava= briba=cachorro-de-engenheiro= caeba= café-branco= caiana= caianarana= caianinha, calibrina, camarada, cambraia, cambrainha, camulaia, cana, cana-capim, cândida, canguara, canha, canicilina, caninha, caninha-verde, canjebrina, canjica, capote-de-pobre, cascabulho, cascarobil, cascavel, catinguenta, catrau, catrau-campeche, catuta, cauim, caúna, caxaramba, caxiri, caxirim, caxixi, cem-virtudes, chá-de-cana, chambirra, champanha-da-terra, chatô, chica, chica-boa, chora-menina, chorinho, choro, chuchu, cidrão, cipinhinha, cipó, cobertor-de-pobre, cobreia, cobreira, coco, concentrada, congonha, conguruti, corta-bainha, cotréia, crislotique, crua, cruaca, cumbe, cumbeca, cumbica, cumulaia, cura-tudo,danada, danadinha, danadona, danguá, delas-frias, delegado-de-laranjeiras, dengosa, desmanchada, desmanchadeira, desmancha-samba, dindinha, doidinha, dona-branca, dormideira,ela, elixir, engenhoca, engasga-gato, espanta-moleque, espiridina, espridina, espírito, esquenta-aqui-dentro, esquenta-corpo, esquenta-dentro, esquenta-por-dentro, estricnina, extrato-hepático, faz-xodó, ferro, filha-de-senhor-de-engenho, filha-do-engenho, filha-do-senhor-do-engenho, fogo, fogosa, forra-peito, fragadô, frinha, fruta, garapa-doida, gás, gasolina, gaspa, gengibirra, girgolina, girumba, glostora, goró, gororoba, gororobinha, gramática, granzosa, gravanji, grogue, guampa, guarupada, homeopatia, iaiá-me-sacode, igarapé-mirim, imaculada, imbiriba, incha, insquento, isbelique, isca, já-começa, jamaica, januária, jeriba, jeribita, jinjibirra, juçara, junça, jura, jurubita, jurupinga, lágrima-de-virgem, lamparina, lanterneta, lapinga, laprinja, lebrea, lebréia, legume, levanta-velho, limpa, limpa-goela, limpa-olho, limpinha, linda, lindinha, linha-branca, lisa, lisinha, maçangana, maçaranduba, maciça, malafa, malafo, malavo, malunga, malvada, mamadeira, mamãe-de-aluana, mamãe-sacode, manduraba, mandureba, mangaba, mangabinha, marafa, marafo, maria-branca, maria-meu-bem, maria-teimosa, mariquinhas, martelo, marumbis, marvada, marvadinha, mata-bicho, mata-paixão, mateus, mé, melé, meleira, meropéia, meu-consolo, miana, mijo-de-cão, mindorra, minduba, mindubinha, miscorete, mistria, moça-branca, moça-loura, molhadura, monjopina, montuava, morrão, morretiana, muamba, mulata, mulatinha, muncadinho, mundureba, mungango, não-sei-quê, negrita, nó-cego, nordígena, número-um, óleo, óleo-de-cana, omim-fum-fum, oranganje, oroganje, orontanje, oti, otim, otim-fifum, otim-fim-fim, panete, parati, parda, parnaíba, patrícia, pau-de-urubu, pau-no-burro, pau-selado, pé-de-briga, péla-goela, pelecopá, penicilina, perigosa, petróleo, pevide, pílcia, pilóia, pilora, pindaíba, pindaíva, pindonga, pinga, pingada, pinga-mansa, pinguinha, piraçununga, piribita, pirita, pitianga, pitula, porco, porongo, preciosa, prego, presepe, pringoméia, pura, purinha, purona, quebra-goela, quebra-jejum, quebra-munheca, quindim, rama, remédio, restilo, retrós, rija, ripa, roxo-forte, saideira, salsaparrilha-de-brístol, samba, santa-branca, santamarense, santa-maria, santinha, santo-onofre-de-bodega, semente-de-arrenga, sete-virtudes, sinhaninha, sinhazinha, sipia, siúba, sorna, sumo-da-cana, sumo-de-cana-torta, suor-de-alambique, suor-de-cana-torta, supupara, suruca, tafiá, talagada, tanguara, teimosa, teimosinha, tempero, terebintina, tiguara, tindola, tíner, tinguaciba, tiguara, tiquara, tira-calor, tira-juízo, tira-teima, tira-vergonha, titara, tiúba, tome-juízo, três-martelos, três-tombos, uca, uma-aí, unganjo, upa, urina-de-santo, vela, veneno, venenosa, virge, virgem, xarope-de-grindélia, xarope-dos-bebos, xarope-galeno, ximbica, ximbira, xinabre, xinapre, zuninga

fonte: Confraria Goiana da Cachaça, da qual pretendo ser Cônsul Honorário em São Paulo (ainda em análise pelo Conselho) kkkkkkkkk

Marca, mas segue , mergulha e volta

Marca profunda
que sai no instante como lâmina
Corta à força/ vida, que exige domínio.
Segue em frente, agora que já sabe
que a integridade é para poucos.
Agora que sabe como ser
e arrasta o que não serve pra ser carregado.
Não carrega, joga fora!
Descarta aquilo que não tem peso
E vai pra frente, inteiro e firme!

Permanece, fica.
Sente a linha do silêncio, ouve o escuro.
Mergulha no absoluto,
nada, voa, corre e volta pra ser (de) novo.
Agora inteira, com a consciência do profundo mergulho.

Solta o riso e expande.
Vai pra cima,
Pega o astro que passa ao seu lado,
engole e vira cosmos.
Frequência de onda/ultrapassa o compreensível
Intenso limite, rompe
e integra o infinito,
onde as barreiras não atingem o que já se conheceu
e a energia se sente em casa,
como se soubesse que nunca mais voltaria a por os pés no chão!

por Fernanda Castanho

Médico especialista em sono dá cinco dicas para dormir bem

foto: Alessandro Zangrilli/Wikipédia

As pessoas dormem em média 8 horas por dia, o que resulta em cerca de um terço da vida em cima de um colchão. Esse tempo deve ser de qualidade, recuperar as energias e promover a manutenção da saúde corporal e mental. Privado do sono, o corpo tende a apresentar sinais de cansaço, falta de atenção, estresse, desmotivação e até mesmo doenças virais e bacterianas.

“Há importantes acontecimentos durante o sono: aumento da capacidade cerebral, retenção de aprendizados, fortalecimento da memória, regeneração muscular e produção de hormônios essenciais como a leptina, capaz de controlar a sensação de saciedade; o GH, responsável pelo crescimento; e a serotonina, ligado ao prazer”, explica Salomão Carui, médico Otorrinolaringologista especialista em Medicina do Sono, que acaba de inaugurar uma clínica multidisciplinar com um conceito inovador em São Paulo em parceria com o clínico geral Roberto Zeballos, a Clinical Care.

De acordo com o especialista, há diversos problemas ligados ao sono, mas um deles causa mais preocupação. “Quem sofre com apneia tem uma diminuição da oxigenação no sangue e no cérebro nos momentos em que não respira. Com isso, não chega a todos os estágios do sono nem descansa bem, já que a produção dos seus hormônios fica desregulada. Essas pessoas ainda têm maior chance de ter hipertensão, diabetes, colesterol alto, AVC ou enfartar”, aponta o médico.

E para detectar se o paciente sofre com esse ou outros distúrbios ligados ao sono, um dos exames realizado pela sua clínica é a polissonografia domiciliar. O exame monitora uma noite de sono em casa e é feito com um aparelho que se assemelha a um relógio de pulso, com um microcomputador, três sensores que captam frequência respiratória, roncos e posições do corpo e um dedal com sensor de tonometria, que mede tonicidade do dedo, oxigenação tecidual e cerebral, frequência cardíaca, arquitetura e fases do sono.

“O resultado do nosso exame é muito fiel, já que mantém a rotina do paciente de alimentação, horários e hábitos e não requer acompanhamento profissional para ser realizado. O paciente se conecta sozinho ao aparelho, o retira no dia seguinte e nos devolve para analisarmos os dados”, explica Dr. Salomão, que é membro do corpo clínico-cirúrgico do Hospital Israelita Albert Einstein e do Hospital Sírio-Libanês.

Dicas para dormir bem

Para ajudar na missão de melhorar a qualidade de sua noite, o Médico Otorrinolaringologista especialista em Medicina do Sono, Salomão Carui, lista cinco atitudes da chamada Higiene do Sono – que deve ser praticada diariamente, assim como as higienes orais e do corpo:

  1. Só se deite com sono, mesmo que costume ir para cama sempre na mesma hora. Se estiver deitado sem dormir há mais de 20 minutos, levante e relaxe. Caso esteja com preocupações, anote-as para deixar para o outro dia;
  2. Se precisar de um cochilo durante o dia, que seja por uns 20 minutos e nunca até tarde da noite. Procure acordar durante a luz do sol, os ritmos circadianos vão te agradecer;
  3. Acostume o cérebro a relacionar cama com sono. Estabeleça um conjunto de comportamentos que apontam o ato de dormir – como escovar os dentes, ler ou ver algo fora do quarto e preparar a roupa do dia seguinte – e deixe o local arrumado, com temperatura agradável e sem demasiada luz e barulho;
  4. Não tome substâncias estimulantes antes de dormir, como café, refrigerantes a base de Cola, chá e álcool, nem use tabaco. Se estiver com fome, tome um pouco de leite ou uma infusão relaxante, mas nada de chocolate;
  5. Não leia em tablets ou celulares, já que a luz brilhante dificulta o sono, nem se exercite à noite. Como a prática ativa o organismo, a atividade física ajuda a dormir se for feita no mínimo 2 a 3 horas antes de deitar.

 

Especialista fala da importância da atividade física para envelhecer de maneira saudável e em plena capacidade funcional

  Eduardo Netto, diretor técnico da Bodytech Company, dá dicas de saúde e bem-estar

Com as taxas de natalidade caindo no Brasil desde 1970 é natural que a população idosa cresça. De acordo com o Instituto de Geografia e Estatística (IBGE), o país terá 73 idosos para cada 100 crianças até 2050. Isso significa aproximadamente 215 milhões de habitantes idosos no Brasil.

Também em 2015, a expectativa de vida dos brasileiros deve superar os 81 anos, mesmo nível apresentado por países com elevado Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) como a Islândia e o Japão. Atualmente, os brasileiros vivem entre 72 e 78 anos. De fato, a população brasileira está envelhecendo mais rápido do que se imagina. Enquanto a previsão é de que a quantidade de idosos duplique no mundo até 2050; no Brasil, o número de pessoas com mais de 60 anos triplicará, segundo o Relatório Mundial da Saúde e Envelhecimento da Organização Mundial de Saúde (OMS).

“A muito penso em escrever algo que pudesse ser realmente efetivo para os mais jovens e também para aqueles que, como eu, buscam envelhecer com saúde e em plena capacidade funcional. Minha experiência está apoiada em inúmeras modalidades desportivas, incluindo lutas, musculação e até mesmo o CrossFit. Embasado nessas experiências e, principalmente, na procura constante pelo conhecimento científico, compartilho dicas de como manter a forma e, acima de tudo, a plenitude e a disposição para assumir qualquer desafio que a vida possa lançar”, relata Eduardo Netto.

Abaixo, seguem recomendações importantes que permitirão melhorar ou preservar a condição física, e evitar as temidas lesões.

DICAS DO QUE DEVE SER REALIZADO:

Priorize os exercícios INTEGRADOS: preferencialmente as atividades multiarticulares que envolvem simultaneamente os membros inferiores e superiores. São exercícios que requerem mais de uma articulação, potencializam a participação dos músculos e é um excelente estímulo para o aumento nos níveis de força e coordenação. A partir de gestos funcionais são realizados movimentos que reproduzem as atividades cotidianas como a marcha, a corrida e as ações de sentar e levantar.
Foque nos exercícios de MOBILIDADE: sem dúvida alguma, uma das razões mais comuns para as pessoas se sentirem fora de forma é a incapacidade de realizar determinados movimentos durante as tarefas do cotidiano, especialmente pela redução da mobilidade articular. Infelizmente, os jovens não conseguem perceber o quão importante é ter qualidade física. “Temos que ter em mente que é muito mais fácil preservar a mobilidade do que ter que trabalhar para recuperá-la. Com o surgimento dos rolos de espuma (Foam Roller), em 5 a 10 minutos de trabalho de mobilidade por dia, você poderá acrescentar um bom condicionamento atlético por anos. Nesse contexto, cabe ressaltar que estudos cientificos permitem afirmar o benefício da prática da autoliberação miofascial para se preservar a mobilidade, sem comprometer o desempenho”, ressalta Netto.
Variação: divirta-se e JOGUE: variedade é uma questão primordial no treinamento. Portanto não tenha medo de se divertir. Ao longo do tempo de treinamento, você perceberá que seus programas devem ser versáteis o suficiente para preservar o condicionamento físico e a capacidade funcional. Sempre que possível, pratique e experimente suas modalidades esportivas favoritas.
Acrescente exercícios básicos do CORE: devemos dar ênfase a parte central do corpo, praticando o que denominamos core training, momento em que ocorrem as transferências dos membros superiores para os inferiores e vice-versa. Para que essa transferência ocorra, o trabalho deve ser focado em resistir à extensão e a rotação do tronco.
Acrescente SALTOS na sua rotina de treinamento: a pliometria pode ser considerada um dos mais famosos treinamentos utilizados para o desenvolvimento e o aperfeiçoamento da potência muscular dos membros inferiores e da melhora do desempenho atlético. A pliometria também é conhecida como ciclo alongamento-encurtamento (CAE). Esse ciclo somente ocorre quando existe uma ação muscular excêntrica seguida imediatamente por uma explosiva ação muscular concêntrica. É de extrema importância preservar a nossa capacidade de utilizar efetivamente o CAE. “Isso não implica na necessidade de realizar saltos nas caixas, mas acrescentar pequenos saltos, incluindo essas sugestões no vídeo”, enfatiza Eduardo Netto.
Não fique CANSADO: para um envelhecimento saudável é fundamental à prática regular de treinamento cardiorrespiratório, como caminhada, corrida, natação, ciclismo, elíptico ou transport. Esse treinamento contribui para melhorar e preservar o consumo de oxigênio adequado e para manter os níveis de açúcar, de colesterol e de triglicerídeos normais. A escolha da atividade física deve seguir uma lógica como, por exemplo, pessoas obesas ou com lesão nos membros inferiores não podem correr. Já os lesionados na coluna não podem correr e nem praticar ciclismo. Nesse caso, as melhores opções são a natação, o transport ou o elíptico.
Alongue-se sempre: os exercícios de alongamento somados aos exercícios de mobilidade permitem preservar a realização dos movimentos diários e evitam o encurtamento dos músculos, preservando a postura. Exercícios de alongamento são submáximos, de curta duração e não causam dor ou desconforto. São fáceis e podem ser realizados diariamente.
Fique ÁGIL: o treinamento de agilidade é essencial para a autonomia funcional, considerando que o homem tenha que realizar tarefas rápidas e, por muitas vezes, inesperadas em seu dia a dia.
Ser COORDENADO faz bem: a coordenação é um elemento importante para o ser humano. Os movimentos coordenados garantem um maior desempenho e um menor gasto calórico, além de auxiliar na execução de atividades mais complexas.
Não posso cair e ter mais EQUILÍBRIO: em idosos a perda do equilíbrio potencializa quedas e fraturas. Por isso, o treinamento de equilíbrio não deve ser negligenciado e sim realizado por todos, inclusive por atletas. A perda do equilíbrio causa distúrbios osteomioarticulares que, por sua vez, ocasionam maiores cargas nas articulações e nos ossos.
DICAS DO QUE NÃO SE DEVE FAZER:

Entenda que lesão não é DOR. Existe lesão sem DOR, ou seja, você pode estar machucado por realizar movimentos inadequados sem saber. Por isso:
Nunca realize em treinamento, no trabalho ou em casa o movimento de pegar e descarregar objetos no chão com flexão tronco lombar, flexão e rotação com os joelhos em extensão;
Iniciantes: devem começar com pouca sobrecarga e poucas repetições;
Não faça o alongamento sentado com um dos membros inferiores à frente e nem com o joelho em extensão ou abdução com joelho flexionado. Esse movimento cria sobrecarga no joelho flexionado;
Deitado dorsalmente, não faça rolamento para traz jogando todo o peso do corpo sobre a cervical;
Não faça ponte com apoio sobre a cabeça;
Evite a circundução da cervical. Rodar a cabeça não é uma boa ideia;
Não se exercite com dor, caso ela não passe durante o pós-aquecimento;
Evite excesso de treinamentos;
Fale com o seu médico para saber se existe a necessidade de fazer densitometria óssea. A osteoporose é um problema de saúde pública principalmente para mulheres na menopausa, sedentárias e, também, para usuários de medicamentos com cortisona;
Caminhadas devem ser moderadas e realizadas com tênis apropriado;
Não passe muito tempo sentando – está posição aumenta a compressão nos discos lombares;
Pense na sua postura durante todo o dia e faça exercícios posturais diariamente;
Não deixe de se hidratar e beber bastante água;
Mantenha uma boa alimentação e não acredite em dietas milagrosas.