Sai Juremir Machado da Silva : a lenta e triste agonia da tradicional Rádio Guaíba

foto: Wikipédia/Rodrigo Canela/CPFL Cultura, 2009

Esta simpática cinquentona, a ZYU 58, nasceu quase junto comigo e entrou no ar em 30 de abril de 1957 operando em 720 khz Amplitude Modulada (AM) ou ondas médias e também com transmissores de ondas curtas (49 metros) que atingiam todo o Rio Grande do Sul, Uruguai e Argentina.

Foi a única emissora gaúcha a transmitir a Copa de 58.

A Guaíba foi a rádio, que comandou a “Cadeia da Legalidade” de Leonel Brizola,  após a renúncia de Jânio Quadros e o fechamento das rádios Gaúcha e Farroupilha.

Vendida na década de 80 pelo seu criador, Breno Caldas para a família Ribeiro, de produtores de soja,  manteve as suas características originais.

Em 2007 foi negociada com o Grupo Record, do bispo Edir Macedo.

A partir daí, tentaram tirar o Correspondente Guaíba, tradicional programa noticioso, herdeiro do Correspondente Renner que ficou muitos anos no ar, mas devido à reação do público a decisão foi revertida.

No esporte, tradicional carro-chefe da emissora, quando  a dupla Grenal joga fora de casa a partida é narrada em cabine de Porto Alegre , não direto do estádio, como antes. Para o local, só vai um repórter. Salvo casos especiais. Sinal dos tempos…

Os spots comerciais e jingles são gravados, quando antes só iam ao ar lidos pelo locutor, ao vivo.

A Guaíba se modernizou e tem aplicativos para acesso por tablets e smartphones.

Mas o golpe final na velha Guaíba, cheia de características ímpares que a colocaram no coração dos gaúchos, para os seus amantes pode ter sido dado nas madrugadas.

No espaço do  “Noturno Guaíba” , programa comandado por Fernando Veronezzi (falecido em 2010) durante muitos anos e que embalava as noites e os rincões gaúchos com uma seleção musical de qualidade vem aí…..

da meia-noite às 4 da manhã um programa evangélico da Igreja Universal…

Só então , às 4 da manhã entra o “Quadrantes do Sul”, apresentado por Maria Luiza Benitez.

É claro que comercialmente a rádio não vai morrer, pelo contrário, talvez esteja numa de suas fases mais prósperas quando se fala em dinheiro, amparada pela sua milionária controladora.

Mas começa assim, devagarinho… desmontando aos poucos.

Como diria outro gaúcho fanático pela rádio ( a antiga) : bah, tchê, me preteou as banana…

A despedida neste fim de semana do mais tradicional e independente articulista da emissora, Juremir Machado da Silva, apresentador do “Esfera Pública” encerra de vez o capítulo “Tradicional Rádio Guaíba”. Professor da PUCRS, Juremir era debatedor no programa de Rogério Mendelski, o Bom Dia. Depois assumiu o Esfera Pública, ao lado de Taline Oppitz.

Agora a guaíba não passa de mais uma das milhares de emissoras evangélicas do Brasil;

Triste fim !

Daí, o que você acha disso ?

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.