Eurico Miller, quando o homem se confunde com a ciência

Por Danilo Curado

Hoje a ciência no Brasil perde um grande homem, mas a Arqueologia perde um dos maiores pesquisadores. Eurico Miller, o patrono da Arqueologia Rondoniense seguiu sua trajetória, mas seu legado para a Memória Nacional é algo imensurável.

Sem sombra de dúvidas, o professor Eurico Miller foi um dos maiores arqueólogos no Brasil. Não quero aqui usar da régua de quem é melhor ou pior, qual o cientista que alcançou maior profundidade ou notoriedade, não é isso.

Quando digo que Miller foi um colosso dentre os arqueólogos é porque Miller – conforme palavras dele mesmo sobre a sua vida – se casou com a Arqueologia. Era um abnegado e o que mais alimentava sua alma era, sem sombra de dúvidas, a própria Arqueologia.

Como certa vez um colega disse, o professor Miller era o “Cowboy da Arqueologia”, ou seja, era aquele que conseguia sozinho entrar no meio da Floresta Amazônica e ficar escavando, solitariamente, meses afinco, sob chuva e sol, num calor ululante, metido num buraco de metros de profundidade, para, no máximo do isolamento de um ermitão – envolto às cobras, onças e animais não muito amistosos – entender o passado humano, o passado do povo brasileiro.

Este mesmo Cowboy, que suportou nada menos que 31 malárias ao longo de décadas de pesquisa, foi o mesmo que, quase como num filme de John Wayne, Ferroni ou Eastwood, resgatado no interior de Rondônia debruçado sobre um cavalo, que mansamente carregava aquele moribundo vitimado pela malária.

Mas mais que um roteiro de Velho Oeste ou Indiana Jones, a vida do pesquisador Miller fazia a qualquer um vibrar com tamanha eloquência professoral, e com um conhecimento abissal conseguia relacionar facilmente fatos geológicos decorridos no Brasil com correntes marítimas no Japão, o cultivo do milho no Peru e a entrada do homem nas Américas.

Sem contar o bom humor provocativo, que ao ver-nos em nossos expedientes, enclausurados na burocracia reinante das normas, sempre nos alertava sobre a necessidade de ir para o campo, de pesquisar, de embrenhar no mato, enfim, de fazer Arqueologia.

Num ano de vitórias para os arqueólogos – uma vez que tivemos nossa profissão regulamentada – temos por obrigação rememorar a trajetória dos nossos colegas, que de forma seminal começaram do zero, daqueles que antes de tudo faziam Arqueologia com Paixão.

É indiscutível que Miller está entre os pioneiros e é um dos responsáveis pelo entendimento sobre a gênese do homem no território nacional, por isso, seu nome perpetuará de maneira imortal na memória da arqueologia brasileira.

Ao querido amigo Miller, como de costume do grito de guerra que ecoa na Amazônia: Selva!!

Daí, o que você acha disso ?