AcreditArte : um projeto da artista Samira Lemes

Samira Lemes artista circense, massoterapeuta, fotógrafa , produtora , viajante caroneira livre , amante das artes , tem o dom da comunicação , fazendo a todos que os cerca sentirem felizes ,resgata a magia das pessoas que as rodeiam como no público em geral.  Viaja de  carona percorrendo convenções e festivais de circo e palhaçaria do Brasil e América latina, retratando os artistas e o movimento atual desse universo do circo.  E batizou essa aventura como projeto AcreditArte. Um pouquinho de seu projeto:

O combustível para meu jeito de fotografar é a curiosidade sobre os artistas circenses que se arriscam em fazer esta arte no Brasil ocupando espaços públicos. Um projeto itinerante que registra artistas viajantes de toda a América Latina que fazem da rua seu picadeiro e da sua vida arte, encontrando assim suas raízes. A realidade, porém, não é muito fácil para quem se arrisca a fazer arte de rua no Brasil onde o artista  se encontra numa condição marginalizada.
Este projeto quer mostrar um mundo que talvez passe despercebido aos olhos de muitos, que na correria de suas vidas não reconhecem os artistas de rua como seus semelhantes, ou seja, trabalhadores. Ocupando os espaços públicos, pois é uma arte democrática sem preconceitos não escolhendo platéia e trazendo questões relevantes à sociedade.
O intercambio e a intimidade que existem entre o artista e eu revelam minha experiência de vida. São reflexões particulares, muitas vezes vividas no limite da sociedade onde diversos tipos de preconceitos são comuns, tais como: machismo, homofobia, racismo, xenofobia, dentre outros. Por outro lado é esse tipo de condição que faz florescer a união coletiva dos artistas circenses, que se ajudam e se apóiam mutuamente onde quer que estejam. É essa união que dá a força e a motivação necessárias para que esses artistas sigam em frente expressando sua arte, muitas vezes em forma de protesto.
Como não posso descrever essa realidade, capturo imagens que parecem ser válidas da maneira como as vejo: intensas e quentes. Há muita ternura, dedicação e também certo nervosismo e medo, expressando um misto de verdadeiros sentimentos.
Minhas fotos têm a intenção de fazer pensar, de olhar esse mundo de uma maneira diferente para que possamos nos expressar e ver que todos têm problemas.
Quero mobilizar as reações dos expectadores e envolvê-los com questões levantadas pela imagem. Fazer perguntas sobre nós mesmos, estas por vezes desconfortáveis, em retratos com olhos arregalados, olhares tortos, equilibristas, verdades nuas, singularidades, muitas dessas perguntas sem resposta. É um fazer se questionar, encorajar. Pois somos mais fortes, quando empoderamos o outro.
Portanto é um encontro consigo mesmo, revelando nosso interior, que por si só, são o núcleo, a essência. A fotografia é apenas a maneira de registrar isso e não menos importante eu mesma. É onde me encontro

Daí, o que você acha disso ?