Rio 2016: saudade olímpica que veio para ficar

Tocha 160821 049 Tocha Candelária crianças no colo Tocha 160821 096 Museu do Amanhã Mauá do Mar noite abertaTexto e foto de Valéria del Cueto

Nas redes sociais há um evento pela prorrogação dos Jogos Olímpicos até o dia 31 de dezembro, quando o bastão das festanças cariocas passa para o réveillon de Copacabana e emenda com o carnaval. Está tudo dito e resumido.

Agora, resta o espanto de do amigo que, passeando na Orla Conde em busca da Tocha Olímpica, diz no meio da muvuca que “Nunca tinha vindo nessa Praça XV”, ao que o parceiro responde que “sempre trocava os nomes. Aquele lugar não era estranho, mas estava diferente”. Cariocas, sim senhor. De uns 20 anos, no mínimo. O morador da Cidade Maravilhosa saiu de sua tribo geográfica e social. Misturou-se pelas atrações e atrativos da cidade. Ponto Olímpico. Dele, os Jogos que terminam de forma espetacular com ouro inédito no futebol, mais um no vôlei e várias medalhas inesperadas, pra compensar as não alcançadas, apesar dos esforços dos atletas.

A tarde de domingo no Boulevard Olímpico era de tempo fechado e, pra começar, uma chuvinha fina. Acontece que, assim como eu, muita gente se deu conta que era naquela hora, ou nunca. Lá se ia a chama, até os Jogos Paraolímpicos. Lugar lotado de olhares e sorrisos de muitos lugares do mundo. Registros e selfies com a Tocha Olímpica. Ao fundo.

Era tanta gente que, dias antes, foi determinado um caminho para ir e outro para voltar. Da Praça XV, via Orla Conde, até a Praça Mauá. Sentido oposto pela Avenida Rio Branco, fechada para os carros. Novos cenários se descortinam pelo centro da cidade e o entorno da Baia de Guanabara. Lindos.

Também nublados com nuvens dramáticas se espalhando pelo céu. O tempo vira. O vento corta. Derruba uma árvore. Dentro da área de um patrocinador. Não acontece nada com ninguém. Sorte, uma das muitas, olímpicas. Triscamos por várias crises que não se concretizaram. Mas as rajadas se intensificam. São elas que trazem as chuvas que caem durante a cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos. O tempo para. Todos ligados no Maracanã.

Tempo, tempo, tempo. Tão essencial que é medido pela mesma empresa, a Omega, nos Jogos Olímpicos de Verão e de Inverno desde 1932. De um cronometrista e 30 cronógrafos, daquele ano em Los Angeles, para 450 toneladas de equipamentos, 200km de cabos e 480 cronometristas no Rio de Janeiro. Foi um longo aperfeiçoamento em busca da precisão que registrou aqui 27 recordes mundiais e 91 olímpicos. Mas não o suficiente para conter a impressão que temos de que o tempo andou rápido demais nos últimos 17 dias. Parece que foi ontem que dissemos olá para os visitantes.

Na hora da despedida, a intenção era apagar a tocha com as águas das chuvas cantada. Esqueceram de avisar para o cara lá de cima. Depois de um Hino Nacional Brasileiro ao som de atabaques, o que já lavou a alma (sem querer fazer trocadilho) do pessoal das religiões afro-brasileiras, para os cantos indígenas dos cafundós ameaçados do Brasil. Só com a ajuda dos santos – todos – pra tudo ter dado tão certo!

DJ Dolores com a batida pernambucana valorizou e deu o ritmo na entrada dos atletas e delegações já com a chuva caindo. Podia prejudicar, mas não era nada que atrapalhasse a concepção de Rosa Magalhães, carnavalesca campeoníssima e sabedora do que é um desfile embaixo de chuva. E ela veio mesmo. Passado os pronunciamentos de praxe, apertou na festança com um set de sambas de enredo irretocável, só de clássicos. Partindo de “O Amanhã”, passando por Macunaíma e caindo na esbórnia com A Menina dos Olhos de Oýa mangueirense, depois de antigas marchinhas.

Não, não haverá outros Jogos Olímpicos na Cidade Maravilhosa tão cedo. Mas esses serão lembrados por muito tempo. Enquanto a nós, cariocas, procuraremos outras festas para fazer. Porque essa é, cá entre nós, uma das nossas especialidades.

Valéria del Cueto é jornalista, fotógrafa e gestora de carnaval. Crônica da série “Arpoador” do Sem Fim…

NR: Não vi e pelo jeito não verei em nenhum veículo de comunicação qualquer menção ao fato de que foi uma decisão corajosa do governo Lula, com seu prestígio internacional,  trazer a Olimpíada para o Brasil. Porém , se algo desse errado….Nesses tempos sombrios, a campanha midiática para desconstruir a sua imagem é mais forte que a verdade. Fica o registro.

Daí, o que você acha disso ?