Pesquisas mostram que floresta amazônica está “engordando”

Por Eduardo Rodrigues

As torres científicas de medição do LBA – Experimento de Grande Escala da Biosfera- Atmosfera da Amazônia têm revelado que a floresta amazônica está absorvendo uma quantidade maior de CO2, se comparado aos antigos índices de retenção. Atualmente, a floresta retêm 0.9 toneladas de carbono por hectare por ano, o que leva o pesquisador em mudanças climáticas Paulo Artaxo, que também é representante da Comunidade Científica no Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) e professor do Instituto de Física da USP, a afirmar que a “floresta está engordando”.

Segundo Artaxo, a questão agora é entender porque isso vem ocorrendo. “Qquando o índice de absorção é positivo, significa que a floresta está crescendo. Se for negativo, está diminuindo. Existem hipóteses para explicar isso. A primeira delas pode ser o aumento da concentração de carbono na atmosfera, também chamado de fertilização por CO2, que nos últimos anos aumentou de 280 pra 490 ppm (partes por milhão). Tendo mais CO2 na atmosfera, em teoria, as plantas fariam mais fotossíntese, absorveriam mais”, explica Artaxo.
Levando em consideração o objetivo de remover níveis excedentes de CO2 da atmosfera, a Amazônia tem feito um serviço ambiental relevante para o ecossistema. Mas o fato é que a floresta não poderá crescer de maneira indefinida, pois isso poderia aumentar a mortalidade das plantas e, consequentemente, a emissão de metano e CO2 – gases nocivos que contribuem para o aquecimento global. Para ter certeza disso, segundo o pesquisador, é preciso realizar experimentos de longa duração.
Artaxo afirma também que a seca, que tanto atingiu a região em 2005 e 2010, produz efeitos severos na absorção de carbono pela floresta. “As secas daqueles anos foram as maiores na Amazônia no último século. Na de 2005, foi observada uma gigantesca queda na absorção de CO2 pela floresta. As plantas sentem a falta de água e fecham os estômatos (responsável pela realização das trocas gasosas), impedindo a água de evaporar. Com isso, elas não podem absorver carbono. Os dados da seca de 2010 ainda não foram publicados”, completa Artaxo.

Foto: Nivaldo Silva Artaxo e os estudantes

Foto: Nivaldo Silva
Artaxo e os estudantes

O LBA é o maior experimento ambiental em execução no planeta. Está em atividade há mais de 20 anos e conta com cerca de 1100 pesquisadores – do Brasil e exterior. Atualmente opera 12 torres científicas, cujo objetivo é medir o fluxo de gases presentes no ar, copas, folhas, tronco, solo e raízes, além das condições meteorológicas da Amazônia.
Cada torre tem o tamanho que varia entre 55 e 85 metros de altura (geralmente a copa das árvores tem entre 25 e 30 metros). Segundo o professor, existem planos para a construção de uma nova torre de medição, com 300 metros de altura.

Leia também > 83% da floresta amazônica ainda está intacta

Funai pode perder monopólio da demarcação de terras indígenas

3 pensou em “Pesquisas mostram que floresta amazônica está “engordando”

  1. Pingback: Funai pode perder monopólio da demarcação de terras indígenas no Brasil | Beto Bertagna a 24 quadros

  2. Pingback: 83% da floresta amazônica ainda está intacta | Beto Bertagna a 24 quadros

  3. norma7

    Ah, que notícia linda. Amei saber de tal ‘gordice’.
    Tratem esse ‘mensageiro’ de alvíssaras à pão de ló e com pompa e circunstância a todos envolvidos! ♥

    Obrigada E.Rodrigues e ‘a 24 quadros’ –
    Bjs Nac.

    Responder

Daí, o que você acha disso ?

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.