Opinião – Adeus, Roberto Freire (via Blog do Olímpio Cruz Neto)

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr

Foto: Fabio R. Pozzebom/ABr

Por Olímpio Cruz Neto

Em 1989, militava no Partido Comunista Brasileiro (PCB), a mais completa escola de formação política brasileira. Uma tradição de inteligência e perspicácia para compreender a política que rompeu pelo menos duas ditaduras e fez milhares de jovens acordarem para a realidade nacional.

Eu era um militante animado. Ainda estudante de jornalismo, tinha dois empregos – assessor de imprensa em um órgão do governo e repórter de cidades num jornal brasiliense criado por Oliveira Bastos. Trabalhava como um condenado. E encontrava tempo para namorar, ler e militar no movimento sindical e estudantil. Era um idiota. Tinha 23 anos.

Continue Lendo via Olímpio Cruz Neto

Daí, o que você acha disso ?