Ministras do Gov. Dilma recebem Fátima Cleide. Em pauta, a transposição dos servidores de Rondônia

Foto: Ricardo Weg - clique para ampliar

Foto: Ricardo Weg – clique para ampliar

Por Michelle Rusche

Em visita de trabalho a Brasília nesta segunda-feira (3) a candidata à prefeita de Porto Velho, Fátima Cleide, se reuniu com as três principais ministras do governo Dilma: Miriam Belchior, do Planejamento; Glecy Hoffman, da Casa Civil e Ideli Salvatti, das Relações Institucionais.

Em pauta a questão da transposição dos servidores de Rondônia. Fátima manifestou seu entendimento, como autora da Emenda Constitucional 60, de que o benefício deva ser até 91 e com os salários da União. Lembrou que a própria presidente Dilma, em visita à Rondônia em 2011, manifestou seu compromisso pessoal com a transposição, como uma questão de justiça com Rondônia.

A ministra do Planejamento informou que, apesar da Advocacia Geral da União (AGU) já ter manifestado uma interpretação sobre o assunto, estará reabrindo nesta semana as negociações com a bancada federal, governo do Estado e sindicalistas de Rondônia, buscando construir conjuntamente uma saída para o atual impasse.

Fátima saiu otimista da reunião, pois acredita na possibilidade de avanços positivos para o funcionalismo e o Estado, que permitam o início da transposição o mais rápido possível; pois, a cada dia que passa Rondônia perde milhões de reais que poderiam estar sendo investidos em educação, saúde, segurança e nas demais necessidades da população.

A candidata a prefeita questionou o uso eleitoral que os adversários políticos vem fazendo do tema da transposição, tentando crucificar as pessoas que mais lutaram pra conquistar esse grande beneficio para Rondônia.

Fátima alertou os servidores para que fiquem atentos e identifiquem aqueles que torcem para que haja atraso no processo de enquadramento dos servidores beneficiados com a transposição, muitas vezes dizendo “eu não falei que não ia dar certo”. Essas “aves de mau agouro” só têm a ganhar com o quanto pior melhor, enquanto os servidores e o Estado acumulam o prejuízo do tempo perdido.

Daí, o que você acha disso ?