Rondônia : Documentarista e fotógrafo Luiz Brito detona no Facebook “associação” local que o acusou de “pirataria”

Abaixo está a cópia da denúncia feita pela dita associação que envolveu o documentarista Luiz Brito e o economista e historiador Anisio Gorayeb Filho, duas pessoas respeitadas na sociedade rondoniense.

Tudo porque ambos realizaram no início do ano uma exposição fotográfica sem fins lucrativos na Estrada de Ferro Madeira-Mamoré para alunos das escolas públicas de Porto Velho-Rondônia,  comemorando o centenário da ferrovia, onde foram exibidas fotos do fotógrafo americano Dana Merril e O.F. Souza.

Outras autoridades da área cultural de Rondônia como o Secretário de Estado da Cultura e Esportes – SECEL, Francisco Leilson Celestino de Souza Filho e o Presidente da Fundação Cultural Iaripuna, Altair dos Santos também foram tratadas de forma grosseira e chula, como se pode ver no documento abaixo.

Clique na imagem para ampliar

Clique na imagem para ampliar

E esta é a resposta da USP , negando que a dita associação possua qualquer direito autoral  sobre as fotos citadas da Exposição Trilhos e Sonhos, que em pleno ano do centenário da EFMM ninguém ainda viu . 

Luiz Brito publicou no seu perfil :

“Em anexo, apresentamos a solicitação via oficio do titular da Secel ao Museu Paulista da USP solicitando os esclarecimentos dos fatos, pois essa associação local que se intitula dona dos impressos cedidos para exposição pública em Rondônia, fez de uma certa forma precipitada uma ampla divulgação na imprensa rondoniense e apresentou denúncia formal no MP contra o fotógrafo Luiz Brito e autoridades da área cultural de Porto Velho, cobrando e denunciando como se ela fosse dona dos direitos autorais e patrimoniais.”

Veja mais em http://www.facebook.com/luiz.b.portovelho

Luiz Brito, um artista rondoniense respeitado no Brasil e no exterior

Luiz Brito, um artista rondoniense respeitado no Brasil e no exterior, já realizou diversas exposições fotográficas na Europa

Para entender a história

O fotógrafo e documentarista rondoniense Luiz Brito, autor de livros antológicos como “Revelando Porto Velho” e dos filmes “Taba , Querida Taba” e “Povo Amondawa” publicou nas redes sociais um desabafo com provas documentais contra um massacre moral a que foi submetido alguns meses atrás, juntamente com o economista e historiador Anisio Gorayeb Filho.

Brito, um ativista cultural conhecido e respeitado no Brasil e exterior foi denunciado no Ministério Público Estadual e na Polícia Federal por crime de pirataria por uma auto-intitulada associação de amigos , fato imediatamente divulgado por uns indigitados “trombadinhas” de um site sensacionalista local, pautados pela dita associação, e acostumados a chafurdar na lama.

Esta divulgação aumentou em proporção geométrica o dano do ataque à honra do fotógrafo, pela ampla expansão da notícia, causando um dano irreparável e de dificil dimensão à imagem de profissional correto que Luiz Brito goza no meio artístico e cultural de Rondônia e do Brasil . Idem em relação à Anisio Gorayeb, que já ocupou importantes cargos no Estado sempre com uma conduta ilibada.

Felizmente, a mentira tem perna curta. E agora Brito pretende devolver na mesma moeda os ataques e as denúncias feitas contra sua pessoa à Polícia Federal e ao MP. Uma ação por denunciação caluniosa, injúria, danos morais  e difamação vem pesada por aí contra quem assinou o famigerado documento da associação, contumaz autora de acusações vazias ,  e quem o divulgou de má-fé.

7 ideias sobre “Rondônia : Documentarista e fotógrafo Luiz Brito detona no Facebook “associação” local que o acusou de “pirataria”

  1. Igor Fotopoulos

    Dispersem menos energia com essa gente que não vale a pena e invistam o seu tempo e empenho na produção artística-cultural no estado de Rondônia… Vida que segue!!!

    Responder
  2. Aldenira de Azevedo Rodrigues

    Vejam só, uma história linda de contar e ninguém pode contar. Isso sim é muito triste, pois fazemos parte da construção desse país e diante do aniversário de 100 anos de inicio de construção, devemos ficar de boca e olhos fechados por causa de direitos autorais. Isso sim, que chamo de egoísmo. Parabéns a Luiz Brito pela iniciativa. Meu forte abraço. E não desista.

    Responder
  3. Calil

    Na moral, essa notícia é estranha. Parece tomar a perspectiva do senhor chamado Brito, mas Brito, pelo que o texto sugere através das duas documentações (sim, o da USP também) cometeu um engano ao divulgar fotos sem autorização dos detentores desse direito. A associação pode expor CÓPIAS, não os originais, e podem por que obtiveram autorização do Museu Paulista da USP, que é quem detém os originais das fotos expostas.

    Sendo assim, a associação está autorizada a fazer exposições, isso porque, pelo que os documentos denotam, não fere o direito de propriedade intelectual em posse da USP, que é de se supor ser legal. Se o Museu Paulista detém direitos de exposição das fotos originais e autoriza exposição de cópias delas à quem quer que seja o interessado AUTORIZADO pelo Museu (AMMA), autorização esta que pode ser obtida entrando em contato com o Museu, então pode-se entender que o senhor Brito cometeu sim um erro.

    Brito, segundo o próprio texto, obteve fotos da internet, e ela, como o documento da AMMA expôs não é detentora de direitos de reprodução, ela é meio por onde se comunica e o computador o suporte.

    Responder
  4. BENJAMIN MOURÃO

    LUIZ BRITO , ANISIO GORAIEB, FRANCISCO LEILSON CHICÃO E ALTAIR DOS SANTOS TATÁ, ESSAS PESSOAS ESTÃO COM INVEJA DE VCS, PELO FATO DE VCS ESTAREM FAZENDO UM EXCELENTE TRABALHO DE DIVULGAÇÃO E PRESERVAÇÃO DOS NOSSOS PATRIMONIOS, JUNTOS A JUVENTUDE ESTUDANTIL, PARABENS, PORQUE OS LOUROS DA VITORIA, E O DIVINO RECONHECIMENTO VIRÃO EM BENÇÃO A VCS E SEUS FAMILIARES.

    Responder
  5. norma7

    Lamentável!
    Saindo dos grandes centros urbanos já é difícil – muitos – se dedicarem à cultura. (é quase um trabalho de ‘mecenas’)
    De qq forma, torna-se uma dor de cabeça à medida que as indenizações e os respectivos pedidos de desculpas sempre vêm em caixa baixa ou junto ao obituário. Torço por solução à contento e que a exposição faça parte do festejo dos 100 anos.
    Norma

    Responder

Daí, o que você acha disso ?