Cariocas são modernos

Por Norma de Andrade Cardoso

Eu desconhecia essa operação de guerra mineira de ir à Praia (meus amigos mineiros já se aclimataram – rs) e também pensava que os mineiros preferiam as praias do Espírito Santo. Enfim, se ajudar um ‘protocolo’, que os minhocas da terra (eu, inclusive, que sou da ‘gema’), meio que rola: 1) Só carioca toma mate com limão sem se preocupar de onde vem a água, inclusive as crianças; 2) Depois do mergulho: é de lei ficar em pé na beira da água para secar. Como se estivesse num coquetel; 3) Bater palmas para o por-do-sol virou coisa de gringo. (agora que todos fazem…perdeu o charme); 4) Cariocas não sacodem areia no meio das pessoas, não pisam na areia de chinelo e sempre levam a “bike” no ombro para tê-la por perto; 5) Carioca não dá bola para famoso. Finge que não vê; 6) Carioca não usa sunga fininha. Só turista européu; 7) Carioca amarra canga nas cadeiras alugadas. Não se senta no suor alheio. Por falar nisso, cangas são para deitar e vão nas sacolas e não enroladas nelas (pessoas). E tiram a roupa de pé antes de sentar. 8) Camarão só nas empadas. Cariocas tem fornecedores certos dos refri e das cervas e… acertam depois. As barracas são pontos de referência para encontros, assim como os quiosques; 9) Cariocas sempre pedem para o “vizinhos” dar uma olhadinha nas suas coisas quando vão mergulhar. 10) Quem surfa vai descalço. Para os demais sandálias de borracha. Saltos nem pensar! E nada de ficar de biquine no calcadão. Biquine só na areia. Ao contrário de quem não é do Rio, a carioca sabe separar o que é balneário e o que é cidade.

NR : Dona Norma, não resisti e tomei a liberdade. Fique bem !

3 ideias sobre “

  1. norma7

    Beto,

    Essa é uma msg OFF-RECORD – para o ADMINISTRADOR do Blog:

    Entrei no BB a 24 quadros para te enviar o abaixo e acabei escrevendo s/os “cariocas”.

    O que eu quero comentar foi um ass. falado hoje, num jantar com amigos:

    A minha amiga (psicóloga, dona de uma personalidade atraente) disse-me que tem um Blog a quase 1 ano e só 2 seguidores (acredito:ela pp. e o marido). Perguntei o por quê ela não deslanchava com ele. “Não sei como!” Então, todos deram suas opiniões, eu inclusive, apesar de rasos conhecimentos e ser cautelosa com redes sociais e já me policiar por frequência sobre o nível de info que estou dando acesso.

    (troquei o meu avatar em função de um comentário, de um anônimo, que eu estaria me escondendo – com o rosto abaixado e querendo passar uma imagem intelectual. Ora, ora – o meu nome é Norma e o meu endereço eletrônico traz o meu sobrenome e o adm. do Blog tem acesso a essa info. Sou péssima em me esconder, então!

    Em tempo: eu não estava lendo e fumando (posando). estava esperando um cafezinho. era uma planilha e uma lapiseira (sim. eu estava trabalhando no meu horário de almoço). O fotógrafo era um “mero” conhecido, Gerente de uma empresa de área de navegação, que resolveu testar s/maq. nova em mim, já que eu estava almoçando sozinha, fato que lhe deve ter soado quase como uma autorização automática…)

    Após ver o qto me ‘desagradou’, mandou enviar as fotos na Cia. onde eu trabalhava. As coisas quase nunca são como se pensa…

    Bom, eu comentei sobre o teu Blog (sigo muitos poucos) e a sua (dele) dinâmica, que me agrada muito e me faz participar de forma frequente. Só lamento que as pessoas tenham tanto receio do que terceiros irão pensar e não expressem suas opiniões.(eu, talvez, esteja agindo de maneira ‘espaçosa’ – Cemijura?).

    E toquei com eles sobre o texto abaixo (tipo: mostrando como a banda toca e a diferença que para mim faz toda a distinção entre os que sigo e uns outros, já que ela desconhecia os aspectos do assédio de certas empresas aos Blogs) e do qual vou omitir qq info adicional, pois ele como o teu – e outros – fazem parte da minha WEB, na qual admiro à qualidade, a competência dos administradores e a suas integridades.

    (Vou tentar ‘participar’ menos para não me tornar a chata de plantão – rs.)

    Abraços, Norma

    Quote:

    “Vou tomar como exemplo o mundo dos blogs.

    Imagine um blog de sucesso. Um blog famoso. Um blog muito visitado, que tem boa receita, seja através de AdSense, seja porque tem um contrato, salário, posts pagos, patrocinador. (Não, não precisa ser o meu, mesmo porque não se encaixa tão bem assim nesses quesitos todos).

    Se o blog é famoso, muito visitado, podemos concluir que o bloqueiro tem mérito por isso. Mesmo que ele não crie nada, não produza material original, ele investe tempo procurando coisas, fazendo curadoria e transformando-se num ~hub~ que distribui coisas.

    Vamos pegar esse exemplo. Um blog que cata coisas na Internet e publica, mostra, comenta, critica, como vídeos engraçados e piadas visuais do 8Gag. O trabalho do blogueiro, seu sucesso, é fazer isso.

    Só que, com o passar do tempo, o sucesso fica tão grande que os leitores do blog querem participar desse sucesso. O que eles fazem? Eles mandam o material, fazendo o ‘serviço’ que o blogueiro faria. O blog fica ainda melhor, ganha mais dinheiro. Alguns blogueiros agradecem e colocam o nome do colaborador. Alguns.

    E o que acontece então? Bem, em muitos casos, o blogueiro nem precisa mais trabalhar. O blog anda sozinho. 90% do material é enviado por email pelos leitores e triado por estagiários. O blogueiro só fica com a fama e a renda. Merecida, afinal ele construiu o blog e sua reputação. Mas depois de um tempo é como viver de renda. Os outros pagam suas contas e ainda fazem seu serviço! É sensacional. Isso não acontece em outros meios como a TV. Na TV o público não faz o programa.

    E por que as pessoas mandam tudo o que encontram para blogs famosos? Porque querem se sentir parte, querem agradar, querem o nome publicado. Ou apenas querem ajudar.

    O mesmo acontece com artistas. O público alavanca as pessoas, enriquece os artistas, seja comprando um CD, indo a um show ou assistindo TV. É o público que enriquece artistas, celebridades, políticos. Pois não é a fama que eleva o cachê dos famosos? E não é o público que faz a fama dessas pessoas?

    Fiquei pensando nisso na hora do almoço.Por menos que eu goste dos clichês, os blogs estão aí pra provar que vale o ‘cria fama e deita na cama’. O curioso não é que tenha tanta gente pra aplaudir e consumir, mas que tenha tanta gente trabalhando no lugar dos blogueiros para pagar as contas e enriquecer os donos do blog. Por que será que ninguém vai fazer o pão pro padeiro? Por que não tem voluntário pra dirigir pro motorista do ônibus?

    No mundo tem gente que pede e gente que dá. Gente que trabalhar e gente que se aproveita. Tem gente que abusa da bondade do outro e gente que parece querer ser abusada. Tem gente pra tudo. É fascinante.

    Vou ficar aqui esperando pra ver se aparece alguém pra pagar minhas contas. Nem precisa escrever meus textos. Taí uma coisa que eu faço questão de fazer. De graça.”

    Comentários: (omitindo os nomes)

    Sabe onde acontece isso, mais ou menos, nas universidades. Certos professores pedem pesquisas aos alunos, visando ernriquecer trabalhos acadêmicos do educador.

    Com o tempo, o blog que anda sozinho vai perdendo a personalidade. O post vai ficando automático, parece que o autor deixa sua marca com um comentário logo após a “dica bacana do fulano” e vai embora. Fica preguiçoso. Aí o leitor sente falta do autor, e vai buscar outro blog bacana, pra ver se encontra a personalidade que foi embora quando a fama e o dinheiro chegaram.

    Unquote.

    P.S.: Há blog da área espiritual (gostava bastante) – que sinto falta do “dedo” do adm. e quase não o visito mais – Que pena! Nac.

    Hub (do Inglês, “transmitir”) ou concentrador é o processo pelo qual se transmite ou difunde determinada informação, tendo como principal característica que a mesma informação está sendo enviada para muitos receptores ao mesmo tempo. Este termo é utilizado em rádio, telecomunicações e em informática. (Wiki – nac.)

    Responder
  2. norma7

    Beto,
    Essas observações pertencem a um certo nº de pessoas. Umas de um amigo após férias no RJ. Algumas ao meu pai que era Petequeiro nos findis, com rede e tudo (após se aposentar – 07 dias na semana da 07:00 às 10:00, um legitimo observador da orla, exceto em dias de ventania) e outras de um e-mail, recebido há muito. Lembrei-me qdo li o post e dei uma organizada no que lembrava. E agora, o título é de tua lavra… :)
    Não há mérito pessoal. É bom saber que vcs acharam divertido, mas é a pura verdade. De qualquer forma, obrigada!
    Quanto ao “Dona” antes do meu nome: Caramba! Plenamente dispensável, Sr. Bertagna! (a menos que esse título pertença ao Sr. ao teu genitor – rs.rs.rs.)
    Boa Sorte!
    ++++++++++

    Responder

Daí, o que você acha disso ?