Arquivo diários:03/05/2012

A Bolívia é aqui : Centro Cultural Boliviano será lançado dia 6 de maio em Porto Velho

A Bolívia se constitui num Estado Unitário e Social de Direito Plurinacional Comunitário, livre, independente, soberano, democrático,intercultural, descentralizado e com autonomias. Bolívia funda-se no pluralismo político, econômico, jurídico, cultural e lingüístico, dentro do processo integrador do país.

Em Porto Velho, Estado de Rondônia, desde remotas épocas,que residentes e descendentes bolivianos manifestam fragmentadamente a vontade de organizarem-se juridicamente para dar vazão e divulgação a aspectos ligadosàs tradições, história, cultura e costumes do seu país, bem como: incentivar intercâmbios bi-laterais em diferentes e possíveis áreas. Muitas e diversas foram as tentativas de antigos companheiros na busca da formalização, todas, infrutíferas. É chegada a hora e a boa oportunidade para finalmente alcançar e consagrar a tão esperada organização social, jurídica, fraternal e política da comunidade boliviana que reside e trabalha aqui  na Capital rondoniense.

Assim, após inúmeros formais e informais encontros, eis que surge com toda sua força e motivação o CCB– Centro Cultural Boliviano, Organização da sociedade civil sem fins lucrativos e que tem entre suas principais finalidades: salvaguardar e difusão da cultura boliviana, exercício e promoção de atividades esportivas, culturais, de saúde e de assistência social, assistência jurídica em diversas especialidades, proposição de convênios com outras entidades regionais, nacionais e estrangeiras, públicas e privadas, oferta de cursos diversos para comunidades carentes, interação permanente com pessoas e grupos sociais rondonienses, legalização de situações migratórias de cidadãos que se encontram em situação irregular no Brasil, entre outros serviços à comunidade.

No próximo dia 6 de maio de 2012 (domingo) no Clube Kabana´s, a partir das 11 hs da manhã o CCB – Centro Cultural Boliviano realiza sua primeira atividade em Porto Velho: festa de lançamento, festival de culinária boliviana, registro de novos membros e apresentações artísticas com participação voluntária de artistas do quilate de Juanito da harpa e seus filhos Álisson e Adson, Duo Pirarublue – Sandro e Gioconda, Carlos Guery e Julio Yriarte,Paulinho Rodrigues, Caté Casara e Uru Eu Wau Wau, Cristina Pontes, Chagas Peres, Carlos Campos, Juan Carlos Boado, Caio Marin e Pedro Wanderlei. O acesso é livre e o convite é para todos os cidadãos de Porto Velho, independentemente de raça, cor, credo, gênero ou nacionalidade. O CCB – Centro Cultural Boliviano receberá entre seus membros, residentes, ascendentes e descendentes bolivianos, e, cidadãos brasileiros que tenham afinidade com a cultura do país.

Deu no Tijolaço : no divã da Cantanhêde

Agora que não é mais especialista em aviação de caça, com a saída de Nélson Jobim do Ministério da Defesa, a colunista Eliane Cantanhêde, da Folha, dedida-se a um assunto mais estratosférico: a interpretação telepática da mente humana. Sua coluna de hoje (24/04)  – leia aqui a transcrição feita pelo Paulo Henrique Amorim – traça um diagnóstico psicológico de “alta precisão” sobre o ex-presidente Lula.

“Dilma tem que administrar um dado político fundamental -o ego do padrinho.” “Quanto mais Dilma acerta e cresce, mais ele alimenta a paranoia de que tentam “desconstruir a sua imagem”. “Lula está absolutamente convencido de que foi o melhor presidente da história da humanidade, mas os adversários (entre os quais inclui a imprensa) não reconhecem.” “Ele não suporta ver a sua criatura se tornando mais admirada do que o criador. Sente-se injustiçado, senão perseguido, e reage com mágoa e rancor.”

Impressionante. Isso é que é objetividade jornalística. Não é preciso um fato, uma declaração sequer, nada. Nem mesmo uma horinha de divã foi necessária para D. Cantanhêde traçar um perfil assim profundo da personalidade ególatra e rancorosa de Luiz Inácio Lula da Silva. Sigmund Freud não faria melhor. Não sei como Cantanhêde não falou algo sobre D. Lindu, a mãe de Lula, para tornar mais precisa sua patética incursão pela psicanálise. A colunista da “massa cheirosa” não pode ver em um operário – nem num ex-operário que chegou à Presidência – nada senão mesquinhez e baixeza. Passa batido pelo fato de que Dilma foi candidata e elegeu-se pela força de Lula – e ninguém mais que a presidenta sabe e valoriza isso. E, muito menos, não percebe o óbvio: que Lula é o maior interessado em que Dilma continue acertando, porque – se resolver ser candidato –  terá a seu favor uma presidenta extremamente bem avaliada pela população, como ela o teve em Lula em 2010. Mas Cantanhêde vive num mundo povoado por Serras, Jobins  e FHCs, onde a vaidade e a egolatria são os combustíveis de mentes sem compromissos com a “massa mal-cheirosa”. E acaba julgando a todos pelos mesmos critérios e pelos critérios que lhe ditam seus próprios sentimentos e conceitos.

É realmente um caso de psicanálise, não de jornalismo político.

via Tijolaço