Arquivo mensais:dezembro 2011

Feliz 2013 na Suíça (via Professor Hariovaldo Almeida Prado )

Com a falência final da economia nacional, ocasionada pela búlgara terrorista para o ano que se inicia, não restará nada que possa motivar os homens bons a permanecerem visitando esta terra falida e devastada pelo comunismo dilmopyongyanguístico, o que demonstra claramente que 2012 nem existirá para nós pois é o ponto final na história dos construtores bem intencionados desta triste Pátria, o ano em que todos sairão do Brasil rumo a um lugar melhor na Suíça, deixando a gentalha naufragar nas mãos das hostes bolchevistas do PT. Então nos veremos novamente em Zurique ou Davos, feliz 2013 para todos!

Via Prof. Hariovaldo Almeida Prado   Leia também    Mais uma fêmea insubmissa calunia os homens de bem      Supremo Tribunal dos Justos livra bom homem da perseguição

Para quem acha que sabe dominar uma moto

12 sintomas do TDAH em adultos (via TDAH – Reconstruindo a vida)

Por Alexandre Schubert

Em uma postagem anterior, comentei que eu deveria escrever um manual de TDAH. Possuo praticamente todos os sintomas presentes em todos os testes. Alguns de forma mais moderada outros de maneira acentuadíssima. Pretendo narrar os principais sintomas que caracterizam ao transtorno e a mim também.
Gostaria de ressaltar que não sou médico ou psicólogo, o que narro aqui são minhas experiências de vida.

1) MEMÓRIA RUIM –  O esquecimento costuma ser a ponta do iceberg, o sintoma mais visível. Costumamos ser taxados de ‘aéreos’, ‘distraídos’… Existem pessoas que esquecem objetos, datas, coisas do dia a dia. Eu não. Fui premiado com uma péssima memória para coisas importantes. Esqueço que marquei com um cliente, esqueço que assumi um compromisso com meu chefe, esqueço de pagar uma conta da empresa em que trabalho. Minha memória ruim ficou folclórica. Passei a assumir publicamente meu esquecimento. Meus funcionários me perguntavam: como você fala na cara do cliente que esqueceu? Mas esqueci mesmo. Mentir é pior, era minha resposta. A maioria das pessoas entendia, muitos clientes eu perdi.

2) PROCRASTINAÇÃO – Sem meias palavras, procrastinar é adiar as responsabilidades. É fugir do importante. O pior da procrastinação é que você adia a tarefa, o compromisso, mas ele te tortura. Você não o esquece mas não reúne forças suficientes para encará-lo. Em geral, trocamos a necessidade por um prazer efêmero, idiota, infantil. Já adiei tarefas importantes para assistir TV, ficar no computador…
A culpa martelando a cabeça, mas não fiz. Muitas vezes, a procrastinação cria situações insolúveis. Tive um funcionário, um senhor, excelente, de confiança absoluta. Mas um cara irascível, se indispunha com todo mundo. Muita gente me alertou: conversa com o seu fulano. Ele te escuta, ele vai melhorar, ele precisa do emprego. Repreender um funcionário é terrível, repreender um que é quinze anos mais velho do que você é muito pior. Resultado: adiei, adiei, adiei. Um dia, ele teve uma briga séria com um cliente. Demiti-o sumariamente. Perdi o funcionário, o cliente e ganhei um inimigo. Ele se achou injustiçado e me detesta até hoje.

3) ISOLAMENTO – Minhas filhas me puseram o apelido de “ZÉ BUSCAPÉ”, o personagem de desenho animado que vivia enfurnado em seu sítio e atirava em quem fosse visitá-lo. A medida que os anos passam, vou ficando cada vez mais isolado, estou tomando antipatia de gente, horror de muita gente. Adoro estar sozinho, no máximo ao lado da minha família. No máximo! Meu comportamento anti social atingiu uma tal gravidade, que faltei a compromissos profissionais e sociais em que eu era protagonista. Minha empresa patrocinou eventos e cursos em que eu não compareci. Dei bolo. Fiquei em casa assistindo TV.

4) DIFICULDADE PARA TERMINAR O QUE COMEÇOU – Sou uma usina de novas idéias. E grande parte delas muito boas. Quando fechei minha empresa, um cliente veio me parabenizar por tudo o que fiz pelo setor em minha cidade. Segundo ele, o ramo mudou depois que abri minha empresa. Implantei idéias inovadoras, valorizei o conforto dos clientes e acima de tudo, valorizei os profissionais do ramo, que historicamente sempre foram relegados a um plano inferior no mercado local. Mal sabia ele que o que fiz, não foi sequer um terço do que havia planejado. Encontrei em fundos de armários uma série de projetos e ações inconclusas que eu sequer me lembrava de haver iniciado. Cursos, palestras, promoções, ações inovadoras que nunca saíram do papel. Muitas delas lindamente escritas, bem fundamentadas. Jamais viraram realidade. Uma dor profunda me atingiu ao rever aquilo. Teria minha empresa sido diferente se tudo aquilo tivesse virado realidade?

5) HUMOR VOLÚVEL – Este tópico é particularmente difícil de explicar. Meu humor varia de uma forma absurda. É tão automático que fica complicado tentar exemplificar. Deve ser muito difícil conviver com alguém assim. Em determinados dias, acordo melancólico, meio deprê. Ou ao longo do dia, um fato pequeno, desimportante, derruba meu ânimo. Fico silencioso, acabrunhado, me dá uma enorme vontade de deitar e ficar quietinho. Mas, da mesma forma que um fato menor arrasa, outro ainda menor é capaz de mudar as cores da minha vida. De um segundo para outro. A simples lembrança de algo, uma música, qualquer coisa que possa, ou não, estar relacionado com o fato gerador da tristeza. Ou pior ainda, posso lidar com situações limite mantendo a calma. Em outro dia, entro em erupção por nada, ou quase nada. E minha ira tem uma característica interessante, explodiu, acabou. Fica apenas a dor da vítima da minha fúria.

6) DESORGANIZAÇÃO – Já melhorei muito, mas muito mesmo. Apenas na superfície. Consigo manter minha casa razoalvelmente organizada, cumpro horários com relativa facilidade (relativa), aparento um grau normal de desorganização. O que não consigo organizar é MINHA VIDA. Essa é um caos. Não consigo estabelecer prioridades e se estabeleço não as cumpro. Não consigo cumprir nada que me exija acompanhamento regular, nada que se repita ao longo do tempo. Não consigo pagar minhas contas em dia. Vivo recebendo ameaças de corte no fornecimento da água, da luz, da tv, da internet…
Em minha falecida empresa, os funcionários aprenderam a conviver comigo. Eu estabelecia uma rotina de trabalho, cobrava durante um certo período, depois esquecia de cobrar. Aquilo caía no esquecimento e ninguém mais cumpria. Um caos.

7) INTOLERÂNCIA AOS LIMITES - Detesto limites, mesmo os legais. Quando me deparo com restrições que não aceito – e são muitas – monto verdadeiros debates em minha cabeça como forma de justificar minha não aceitação àquela regra. Exemplo: outro dia fui à Viçosa, cidade próxima a Juiz de Fora, em determinado ponto da estrada existe um posto de combustível fechado. Situado em uma das poucas retas da estrada, a existência do posto fez com que, naquele ponto, fosse proibida a ultrapassagem. Ultrapassei. Nenhum guarda viu, não fui apanhado. Mas, na minha cabeça comecei a elaborar minha defesa se fosse pego. Imaginei o policial emitindo a multa e eu explicando a ele que aquela faixa contínua não se justificava mais pois o posto estava desativado. E ele argumentando que se a faixa é contínua, não há o que se discutir, é a lei. Isso leva minutos. Quero por que quero, justificar minha transgressão. Isso vale para qualquer tipo de restrição. Ouvir um não é uma dor imensa, uma raiva desgraçada.Quando fui comprar minha primeira caixa de ritalina, havia uma pequena divergência na receita. O funcionário da primeira drogaria que entrei disse que não podia vender duas caixas, somente uma, e que precisava chamar o gerente para decidir. Arranquei a receita de suas mãos, disse alguns impropérios e fui a outra drogaria. Por sorte o funcionário não notou. A receita estava errada, assim como eu.

8) NÃO APRENDER COM ERROS – Isso é muito, muito difícil. Você repete os mesmos erros sempre. E não os reconhece quando os reencontra; somente quando obtém os mesmos desastrosos resultados. Vivemos em círculos, repetindo os erros e as dores por eles provocadas. Afetivamente, eu me comportei da mesma forma com minhas quatro ex-esposas. Isso mesmo, QUATRO. Agi da mesma maneira, magooei a todas elas e não consigo enxergar antecipadamente. Não antevejo a situação. Reconheço o estrago, mas aí já é tarde.

9) GERENCIAMENTO DO TEMPO – É duro, muito duro. Como disse acima, costumo cumprir meus horários. Mas a que custo, meu Deus. Programo mais de uma coisa ao mesmo tempo, ou sempre acho que dá tempo de fazer mais alguma coisa. Isso gera um stress louco, uma correria que já me levou a atropelar pombos em duas ocasiões diferentes. Em ambas eu estava a mais de 100 km por hora em ruas urbanas, comuns. Dentro da cidade. Programei duas atividades com pessoas e em locais diferentes com um intervalo inexequível. Resultado: deixei duas pessoas insatisfeitas. A duras penas estou aprendendo.

10) NECESSIDADE DE NOVIDADE/ MUDANÇA – Preciso do novo. Preciso de mudança. E de preferência de vida. Arrisquei-me mais de uma vez ao mudar de cidade, de emprego de faculdade e de esposa ou namorada na vã ilusão de reduzir minha insatisfação pessoal. Nada me proporciona satisfação ou prazer a longo prazo. Preciso do novo. Da sensação de recomeçar. Da adrenalina da nova conquista. Do prazer do inusitado. E por que não, da perplexidade das pessoas que me cercam; da incredulidade de quem convive comigo. O problema é que são sentimentos vazios ou sustentado em pilares frágeis, incapazes de suportar o peso de tanta insatisfação. Então, vem uma nova mudança. Um novo começo, e o círculo se fecha para recomeçar amanhã.

11) CERTEZAS INCERTAS – Em um post anterior, abordei esta questão. Construo em minha mente cenários reais, situações concretas que jamais existiram ou se existiram aconteceram de forma diversa da que tenho em minha mente. Tenho certeza absoluta de certas afirmativas, brigo por elas. Para depois descobrir que estavam erradas. Em algumas ocasiões cheguei a crer que estava enlouquecendo. Vejo diante de mim situações inteiras, com minúcias, que estão erradas. Naquele post narro minha ida ao médico em que eu tinha a certeza absoluta do prédio e do consultório do médico. Jamais ele ocupou uma sala naquele prédio.
O contrário também acontece. Nego veementemente que disse ou fiz determinada coisa, para ser desmascarado logo depois e passar por mentiroso ou fingido. Aquele momento que nego, jamais existiu em minha vida. Não me lembro de haver passado por aquilo, de ter afirmado aquilo. Tudo se apagou de minha mente. Minha terceira esposa se exasperava com essa característica, mais de uma vez me mandou procurar um médico. Devia tê-la escutado; mas eu deveria estar pensando em outra coisa naquele momento.

12) SENTIMENTO DE INFERIORIDADE – Esse é um sentimento que me acompanha desde a adolescência. Lembro-me de não ter coragem de ‘chegar’ nas meninas mais bonitas por me char feio e acreditar que elas jamais aceitariam sair, ou mesmo dançar comigo. Conformava-me com as mais ou menos, ou as feiosinhas. Graças a Deus, tive mulheres bonitas em minha vida, mas foi por sorte ou por que elas deram muita chance. Jamais pleiteei algo maior em minha vida. Quando tentei, o fiz de maneira inábil e perdi. Isso só reforçou o sentimento de inferioridade. Aos vinte e um anos eu tinha um ótimo curriculum e excelentes perspectivas de vida. Após anos de escolhas erradas, medos infundados, tenho praticamente o mesmo curriculum e quase nenhuma perspectiva em termos materiais. Por medo de errar, medo de me expor, medo de descobrirem que eu não era capaz. Absoluta falta de auto confiança.

Parte deste artigo foi baseado no excelente artigo: POR QUE PERDEMOS O FOCO, no site www.tdah.org

via TDAH – Reconstruindo a Vida Leia mais 12 SINTOMAS DO TDAH EM ADULTOS

Leia também Um TDAH afogado em idéias. O site é muito bem escrito, feito por um portador de TDAH diagnosticado aos 50 anos , veja só !

TV espanhola : zoando com Neymar

O humorístico Crackovia revelou o segredo da equipe de Pep Guardiola contra o campeão da Libertadores na decisão em Yokohama: Neymar foi hipnotizado.

Finalmente, Landell de Moura vira “Herói da Pátria”

Era o ano de 1889. No Colégio das Irmãs de São José, hoje Colégio Santana, no bairro de Santana, em São Paulo, o padre Roberto Landell de Moura instalou um estranho aparelho de madeira com um microfone. Em outro ponto, outro aparelho recolhia as ondas transmitidas pelo primeiro e reproduzia o som. Foi a primeira transmissão de rádio ocorrida em São Paulo, conforme registrou à época o jornal O Estado de S.Paulo. Outras demonstrações do tipo foram feitas por Landell de Moura no Rio Grande do Sul e em outros lugares. Em 1901, ele obteve a patente brasileira do aparelho transmissor de ondas sonoras, do telefone sem fio e do telégrafo sem fio, e em 1904, obteve também as patentes nos Estados Unidos. O italiano Guglielmo Marconi, mais reconhecido como inventor do rádio, só conseguiu fazer uma transmissão de voz em 1914, quinze anos depois de Landell de Moura.

Foi necessário que se passassem 123 anos para que Landell de Moura obtivesse o reconhecimento pela sua invenção, pelo menos no Brasil. Em caráter terminativo, a Comissão de Constituição e Justiça da Câmara (CCJ) aprovou o projeto de lei 7504/2010, que inclui o padre gaúcho no Livro dos Heróis da Pátria.

Na época em que viveu, Landell de Moura foi vítima da incompreensão e da ignorância de seus contemporâneos brasileiros. Empresários e governantes do país não deram à época a menor atenção às invenções do padre. Diante de criações que pareciam contrariar as leis da natureza, Landell era tratado como “herege”, “farsante”, “bruxo”. Em 1905, por exemplo, ao voltar dos Estados Unidos, Landell escreveu uma carta ao então presidente Rodrigues Alves pedindo a cessão de dois navios para fazer uma demonstração da transmissão de rádio de um para outro. O pedido foi negado, “coisa de maluco”. Quando Marconi fez pedido semelhante na Itália, toda a esquadra italiana foi colocada à sua disposição.

O o projeto foi apresentado em 17/6/2010 pelo então senador Sérgio Zambiasi (PTB/RS), por sugestão de seu chefe de Gabinete Dirceu Braz Goulart Neto (hoje exercendo a mesma função junto à senadora Ana Amélia Lemos), e de Marcello Antunes, assessor de imprensa da Liderança do PT e do Bloco de Apoio ao Governo no Senado, todos simpatizantes do Movimento Landell de Moura, o patrono dos radioamadores do Brasil.

Ironia do destino, embora seja um dos maiores gênios dos séculos XIX e XX, por suas invenções e atuação científica, Landell de Moura, gaúcho de Porto Alegre nascido no dia 21 de janeiro de 1861, é ignorado em seu próprio País, onde as crianças continuam aprendendo que o inventor do rádio foi o italiano Guglielmo Marconi.

Com o conhecimento teórico e a inquietude dos que estão à frente de seu tempo, Roberto Landell de Moura transmitiu a voz humana à distância, sem fio, pela primeira vez no mundo. Foi também pioneiro ao projetar aparelhos para a transmissão de imagens (a TV) e textos (o teletipo). Previu que as ondas curtas poderiam aumentar a distância das comunicações e também utilizou-se da luz para enviar mensagens, princípio das fibras ópticas. Tudo está documentado por patentes, manuscritos, noticiário da imprensa no Brasil e no exterior e testemunhos.

As pioneiras transmissões de rádio aconteceram no final do século XIX, ligando o alto de Santana – o Colégio Santana – à emblemática Avenida Paulista, que hoje abriga diversas antenas de emissoras de rádio e de TV.

Ao transmitir a voz, Landell se diferenciou de Marconi. O cientista italiano inventou o telégrafo sem fios, ou seja, a transmissão de sinais em código Morse (conjunto de pontos e traços) e não o rádio tal como o conhecemos.

As experiências do padre Landell não sensibilizaram autoridades e nem patrocinadores. Pior: um grupo de fiéis achou que o padre “falava com o demônio” e destruiu seus aparelhos.

Mesmo tendo patenteado o rádio no Brasil (1901), Landell não obteve reconhecimento. Decidiu, então, viajar para os Estados Unidos, onde conseguiu, em 1904, três cartas patentes. De volta ao Brasil, quis fazer uma demonstração das suas invenções no Rio de Janeiro, mas, por um erro de avaliação, o Governo não lhe deu a oportunidade. Depois, ele seria “forçado” a abandonar as experimentações científicas. Morreu no ostracismo e o Brasil importou tecnologia para entrar na era das radiocomunicações!

Landell de Moura está, agora, já em pleno século XXI, prestes a ver seu nome inscrito no Livro dos Heróis da Pátria, depositado no Panteão Tancredo Neves, graças ao Projeto de Lei do senador Sérgio Zambiasi, que está atualmente em análise na Câmara dos Deputados. Estará, desse modo, ao lado de outros heróis como Tiradentes, Zumbi dos Palmares, Santos Dumont e Oswaldo Cruz.

Também receberá, em fevereiro, o título post-mortem de Cidadão Paulistano (que Marconi recebeu em vida), por iniciativa do vereador Eliseu Gabriel.

Há anos, ele é o patrono dos rádio amadores brasileiros e seu nome está em ruas e praças de várias cidades, em instituições públicas e em livros publicados no Brasil e no Exterior.

O Brasil tem agora a oportunidade de reconhecer a obra científica de Landell e incluir os seus feitos no currículo escolar obrigatório do ensino básico. É por isso que luta o MLM – Movimento Landell de Moura, integrado por voluntários de diferentes áreas, que construiu um site -www.mlm.landelldemoura.qsl.br – para angariar assinaturas em prol desse reconhecimento. Vale registrar que o MLM não tem fins político-partidário, religiosos, financeiros ou de promoção pessoal.

Patentes

Landell de Moura, em 9 de março de 1901 obteve para seus inventos, a patente brasileira número 3.279 Poucos meses depois seguiu para os Estados Unidos, e em 4 de outubro de 1901 deu entrada no The Patent Office of Washington, DC pedindo privilégio para as suas invenções, tendo obtido, em 11 de outubro de 1904 a patente 771.917 , para um transmissor de ondas; a 22 de novembro de 1904, a patente 775.337 para um telefone sem fio e a 775.846 para um telégrafo sem fio.

Os seus trabalhos foram noticiados em 12 de outubro de 1902, no jornal americano “The New York Herald“, em reportagem sobre as experiências desenvolvidas na época, inclusive por cientistas americanos, alemães, ingleses dentre outros, na transmissão de sons sem uso de aparelhos com fio. Ressalta o jornal:

Por entre os cientistas, o brasileiro Padre Landell de Moura é muito pouco conhecido. Poucos deles tem dado atenção aos seus títulos para ser o pioneiro nesse ramo de investigações elétricas. Mas antes de Brigton e Ruhmer, o Padre Landell, após anos de experimentação, conseguiu obter uma patente brasileira para sua invenção, que ele chamou de Gouradphone“.

O jornal publica uma ampla reportagem sobre Landell de Moura, sua vida e obra, completada por uma fotografia do Padre, intitulada

Padre Landell de Moura – inventor do telefone sem fio” (denominação de época para a radiotelefonia ou a transmissão da voz humana à distância sem fio condutor).

Nas cartas-patentes, fica claro que o padre Roberto Landell de Moura recomendou o emprego das ondas curtas para facilitar as transmissões quando essas ondas não eram sequer cogitadas por outros cientistas.

Além disso, Landell deixou manuscritos que provam que, em 1904, quando ainda estava nos EUA, projetou a transmissão de imagens (Televisão) e textos (Teletipo) à distância sem fios. Ele batizou a primitiva TV de “The Telephotorama ou A visão à distância”. Também há documentação de que foi um dos pioneiros no desenvolvimento do controle remoto pelo rádio. Esses projetos não foram adiante porque, como ele próprio disse em uma entrevista à imprensa brasileira, foi “forçado” a abandonar a carreira científica.

Roberto Landell de Moura faleceu de tuberculose, aos 67 anos, no anonimato científico, no Hospital da Beneficência Portuguesa, em Porto Alegre. Nos últimos momentos de sua vida, quando alguém indagou sobre os progressos da radiodifusão, ele simplesmente respondeu: “São águas passadas.”

Quem foi

O padre Landell de Moura nasceu no centro da cidade de Porto Alegre (RS), em 1861. Realizou os seus primeiros estudos em Porto Alegre e São Leopoldo, antes de seguir para a Escola Politécnica do Rio de Janeiro. Em companhia do irmão Guilherme, seguiu para Roma, matriculando-se a 22 de março de 1878 no Colégio Pio Americano e na Universidade Gregoriana, onde estudou física e química. Completou sua formação eclesiástica em Roma, formando-se em Teologia, e foi ordenado sacerdote em 1886.[1]

Quando voltou ao Brasil, substituiu algumas vezes o coadjutor do capelão do Paço Imperial, no Rio de Janeiro, e manteve longos diálogos científicos com D. Pedro II. Depois disso, serviu em uma série de cidades dos Estados do Rio Grande do Sul e de São Paulo: Porto Alegre, Uruguaiana, Santos, Campinas, São Paulo.

Em Roma, iniciou os estudos de física e eletricidade. No Brasil, como autodidata continuou seus estudos, e realizou as suas primeiras experiências públicas na cidade de São Paulo, no final do século XIX.

O Exército Brasileiro em homenagem ao insigne cientista gaúcho, concedeu em 2005 a denominação histórica de “Centro de Telemática Landell de Moura” ao 1° Centro de Telemática de Área, organização militar de telecomunicações situada na cidade de Porto Alegre.

Transmissão da voz

Foi pioneiro na transmissão da voz, utilizando equipamentos de rádio de sua construção patenteados no Brasil em 1901, e, posteriormente, nos Estados Unidos em 1904. Landell transmitiu a voz humana por meio de dois veículos; o primeiro, um transmissor de ondas que utilizava um microfone eletromecânico de sua invenção que recolhia as ondas sonoras através de uma câmara deressonância onde um diafragma metálico abria e fechava o circuito do primário de uma bobina de Ruhmkorff, e induzia no secundário dessa bobina uma alta tensão que era irradiada ou através de uma antena ou de duas esferas centelhadoras. A detecção era feita por dispositivos que foram sendo melhorados ao longo do tempo.

O segundo meio utilizado pelo cientista era através do aparelho de telefone sem fio, que utilizava a luz como uma onda portadora da informação de áudio. Neste aparelho, as variações das pressões acústicas da voz do locutor eram transformadas em variações de intensidade de luz, de acordo com a onda de voz, que eram captadas em seu destino por uma superfície parabólica espelhada em cujo foco havia um dispositivo cuja resistência ohmica variava segundo as variações da intensidade de luz. No circuito de detecção havia apenas o dispositivo fotossensível, uma chave, um par de fones de ouvido e uma bateria. Por utilizar a luz como meio de transporte de informação, Landell é considerado um dos precursores das fibras ópticas.

O Padre Landell realizou experiências a partir de 1892 e 1893, em Campinas e em São Paulo. O jornal O Estado de S.Paulo noticiou que, em 1899, ele transmitiu a voz humana a partir do Colégio das Irmãs de São José, hoje Colégio Santana, no alto do bairro de Santana, zona norte da capital paulista. Também efetuou demonstrações públicas de seu invento no dia 3 de junho de 1900 sendo noticiada pelo Jornal do Commercio de 10 de junho de 1900:

No domingo passado, no alto de Santana, na cidade de São Paulo, o padre Landell de Moura fez uma experiência particular com vários aparelhos de sua invenção. No intuito de demonstrar algumas leis por ele descobertas no estudo da propagação do som, da luz e da eletricidade através do espaço, as quais foram coroadas de brilhante êxito. Assistiram a esta prova, entre outras pessoas, Percy Charles Parmenter Lupton, representante do governo britânico, e sua família“.

Em 1903, Arthur Dias, em seu livro “Brasil Actual”, faz referência a Landell de Moura, descrevendo, entre outras coisas, o seguinte:

logo que chegou a S. Paulo, em 1893, começou a fazer experiências preliminares, no intuito de conseguir o seu intento de transmitir a voz humana a uma distância de 8, 10 ou 12 km, sem necessidade de fios metálicos.

Após alguns meses de penosos trabalhos, obteve excelentes resultados com um dos aparelhos construídos. O telefone sem fios é reputado a mais importante das descobertas do Padre Landell, e as diversas experiências por ele realizadas na presença do vice-cônsul inglês de S. Paulo, Sr. Percy Charles Parmenter Lupton, e de outras pessoas de elevada posição social, foram tão brilhantes que o Dr. Rodrigues Botet, ao dar notícias desses ensaios, disse não estar longe o momento da sagração do Padre Landell como autor de descobertas maravilhosas“.

Incompreensão e descaso do Brasil

O êxito das experiências do Padre Landell não teve a devida acolhida das autoridades brasileiras da época, conforme se verifica em reportagem publicada no jornal La Voz de España, (editado em S. Paulo), no dia 16 de dezembro de 1900, que diz:

quantas e que amargas decepções experimentou Padre Landell ao ver que o governo e a imprensa de seu país, em lugar de o alentarem com aplauso, incentivando-o a prosseguir na carreira triunfal, fez pouco ou nenhum caso de seus notáveis inventos.

Estava em Campinas quando, numa tarde, ao retornar da visita a um doente, encontrou a porta da casa paroquial arrebentada e seu laboratório e instrumentos completamente destruídos.

Visto por uma população ignorante como “herege”, “impostor”, “feiticeiro perigoso”, “louco”, “bruxo” e “padre renegado” por seus experimentos envolvendo transmissões de rádio dois dias antes em São Paulo, pagou com sofrimento, isolamento e indiferença sua posição de absoluto vanguardismo científico.

Em junho de 1900, por carta, Landell de Moura pretendeu doar seus inventos ao governo britânico, como registrou em pesquisa para doutorado na USP, em 1999, o historiador da ciência Francisco Assis de Queiroz.

Em 1905, ao retornar ao Brasil após uma estada de três anos nos Estados Unidos, ainda teve energia para enviar uma carta ao presidente da República, Rodrigues Alves. Solicitava dois navios da esquadra de guerra para demonstrar os seus inventos que revolucionariam a comunicação (chegou a dizer que, no futuro, haveria comunicação interplanetária).

O assistente do presidente, no entanto, preferiu interpretá-lo como um “maluco” e o pedido foi negado. Na Itália, quando fez um pedido semelhante, Marconi teve toda a esquadra à disposição.

Landell não conseguiu financiamento privado ou governamental para continuar as suas pesquisas nem para construir equipamentos de rádio em escala industrial.

Em Rondônia, o Pe. Vitor Ugo, então Secretario de Cultura Esportes e Turismo, SECET , juntamente com seu adjunto Prof. Isaías Vieira da Costa, implantou na década de 80 o CEPAV – Centro Audiovisual Pe. Landell de Moura, que seria o embrião da TVE Madeira-Mamoré, Canal 2, emissora educativa do Sinred – Sistema Nacional de Rádio e TV Educativa que funcionou por aproximadamente 5 anos. Tive a satisfação de ser convidado por Vitor Ugo e Isaías para participar deste projeto pioneiro. Como muitas outras coisas , em Porto Velho JÁ TEVE um canal de tv educativa. E o Pe. Landell de Moura foi justamente homenageado, àquela época.

Indian biker

Letícia Bertagna, uma das principais colaboradoras deste blog está em andanças culturais com seu projeto audio-plástico-visual-etílico pela India. Em breve, certamente, muitas novidades .

Viva Intensamente – Natal (via Will Tirando)

Veja MUITO MAIS em Will Tirando

Pakidermes Albinas : Debaixo do viaduto mora um poema inacabado

Este slideshow necessita de JavaScript.

O elefante branco no viaduto é um totem

Objeto mágico camuflado no fluxo do trânsito.

Os passantes podem apenas “vê-lo”

Só os iniciados podem “percebê-lo”

 

Ele não pesa mais que o viaduto

É um fantasma que apareceu

numa madrugada na cidade

“colou” sua passagem por ali

deixou só imagem de papel e cola

Daqui três chuvas ele derrete,

desaparece

Não veio pra ficar, esta de passagem…

Assim como o próprio viaduto, é transitório!

A Floresta das Chuvas mofa o seu progresso.

 

O elefante branco no viaduto é chave

Abre as portas do Multiuniverso

Só entra quem não carrega peso:

(historia, linguagem, nação, raça, doutrina)

 

Como saber o que há por detrás daqueles olhos que nos observa pacientemente?

Que espera pelo próprio fim nas ruínas de um viaduto inacabado?

Tem que mergulhar pra saber

Tem que ir lá, encarar os olhos do elefante branco

sentir o peso das obras que já nascem obsoletas

sobre os próprios ombros.

 

Os telégrafos, as locomotivas, o Estado, o coronel, as rodovias, os containers, as usinas, os viadutos…

Tudo por aqui mal começa e nunca termina,

Tudo pesa

mas vem o elefante branco de papel e cola… então tudo se evapora.

E se fica alguma carcaça sobre a laje, ela será pisoteada por um bando de pakidermes albinas* desgovernados.

 

* pakidermes albinas:  espécie de estranha fauna em mutação. Se alimentam de obras obsoletas e inacabadas. Bebem água de mercúrio dos garimpos extintos. Cagam cargos e contratos. Não se reproduzem em cativeiro. Não possuem memória. Espirram sprays. Habitam as ilhas piratas. Não sabem ler os outdoor´s ou os memorandos, nem escrever algum endereço que nos leve até eles

Para-choque de blog

“Há três caminhos para o fracasso: não ensinar o que se sabe, não praticar o que se ensina, e não perguntar o que se ignora”.
(São Beda)

A insolência da periferia: Brasil ultrapassa Reino Unido (via Prof. Hariovaldo Almeida Prado)

A insolência tupiniquim não tem mesmo limites sob o desgoverno da Búlgara Usurpadora e desde que o Exilado de Garanhuns em lamentável golpe de Estado, tomou o poder em 2002. Agora chegamos ao limite: segundo informações divulgadas pela imprensa neocomunista para estragar o Natal dos bons homens de Benz deste Paíz, esta gente amorenada acaba de passar o Reino Unido e se tornar a 6ª maior economia do mundo atual.

De acordo com dados do Centro de Economia e Pesquisa de Negócios (CEBR, em inglês), consultoria responsável pelos resultados, “a crise bancária de 2008 e a consequente recessão foram os pivôs da queda britânica, que pela primeira vez é ultrapassada por um país sul-americano no ranking das maiores economias do planeta” conforme informam no amanhecer desta segunda feira após o Natal, os jornais The Guardian e Daily Mail.

Continue Lendo via Prof. Hariovaldo Almeida Prado

2011 para quem vive em 2183

Sem fim na Mangueira, Valéria del Cueto na feijoada verde e rosa

Gente bonita, a melhor feijoada do mundo do samba, shows com os grupos Regente e Artpop, Nelson Sargento dando canja, Renata Santos pra “enfeitar” a festa…
Tá bom pra você? Que tal o show do lançamento do DVD de Alcione.  Estes foram alguns dos destaques da feijoada verde e rosa de dezembro, no Palácio do Samba.Veja mais fotos de Valéria del Cueto, direto do seu blog Sem fim… em > Feijoada na Mangueira

CRÔNICA – VOANDO COM TOLSTÓI

Vem aí… Dakar 2012 !

Baixe o mapa em arquivo PDF Rally-Dakar 2012 Argentina-Chile-Peru

Cineamazônia Itinerante 2011

Este slideshow necessita de JavaScript.

Nova Califórnia foi a última localidade da região de Ponta do Abunã a receber esta etapa do Festcineamazônia Itinerante. Após oito dias de estrada e sete apresentações, a população da última sessão recebeu com alegria as apresentações do festival. Além de filmes e vídeos, o festival levou artes circenses para agraciar o público.

Na quadra da escola municipal Maria Jacira Feitosa de Carvalho, em Nova Califórnia, havia pessoas de todas as idades, mas principalmente crianças e adolescentes. Bebês, como Breno, 1 ano, Lavaene, 2 meses, a Antonio Saturnino Silva, 64 anos, antigo soldado da borracha, ou Odacir Barros, 62, migrante sulista, e muitos jovens, como Eliane, 13, e João Marcos, 15. Para a vice-diretora da escola, Ana Cristina Azevedo da Silva, 34 anos, “os alunos amam mesmo o festival, e pensavam: será que vão vir esse ano?”. Segundo Ana Cristina, “quando estão em aula, os alunos fazem trabalhos sobre os filmes que viram, e o festival mobiliza a comunidade.”

A sessão ocorreu no dia 22 de dezembro, 23 anos depois do assassinato de Chico Mendes. Fernanda Kopanakis, organizadora do festival, afirmou: “Chico Mendes deixa uma mensagem: a gente só vai viver se manter a floresta e as árvores em pé, precisamos sobreviver com a floresta, com menos violência no campo e menos devastação.”

Nova Califórnia é a sede do projeto RECA (Reflorestamento Econômico Consorciado e Adensado), que auxilia os extrativistas a coletar frutos da floresta e industrializá-los. Vários integrantes estavam presentes, e se emocionaram com a projeção do filme Soldados da Borracha. Alguns extrativistas alegam que, com a violência no campo em razão do conflito fundiário muitos não estão podendo coletar castanhas durante a época da chuva. E outros, como Antonio Saturnino Silva, comentou emocionado: “era assim mesmo a nossa vida no seringal, era muito triste”, diz.

2ª Rota de Cinema acontece em Guajará-Mirim, mesmo sem apoio financeiro

Este slideshow necessita de JavaScript.

Foi gratificante realizar na quarta feira dia 20 de dezembro, a 2ª Rota do Cinema exibindo filmes em praça pública na cidade de Guajará Mirim, distante da capital 320 Km, na sua primeira e única exibição na fronteira, pois a chuva e tempestade assolaram  quinta e sexta a fronteira, não sendo possíveis as exibições previstas.

Mesmo assim, o público que compareceu na praça Mário Correa, na quarta dia 20 de dezembro pode assistir aos filmes propostos e ao trailer do filme “Madeira Mamoré 100 anos depois… o sonho não acabou”, do diretor Carlos Levy, que mostra trecho do depoimento do empresário Isaac Bennesby (falecido dia 25/12), que tem participação nessa obra audiovisual relatando como era o comércio na época que o trem funcionava e como chegou nessa região, vindo de Manaus com 6 anos de idade, como foi sua infância, morando no Abunã e depois se firmando em Guajará Mirim, onde residiu até hoje. Segundo o diretor do filme Carlos Levy, esse registro e outros servem como manter viva a nossa memória histórica de nossos pioneiros para futuras gerações e o filme será lançado oficialmente no Centenário da Estrada de Ferro Madeira Mamoré no ano de 2012 em Porto Velho e Guajará Mirim.

Nossos agradecimentos ao secretário Dayan Saldanha da secretaria de Cultura e Turismo de Guajará Mirim, ao Dinho e Adão pela contribuição voluntária na fronteira, ao apoio da Pousada Sítio do Chicão, a Distribuidora Top Nacional – Guaraná Antarctica, a rádio Educadora do programa do Roni, a rádio Guajará do programa Guajará em cima da notícia, do João Teixeira, a Rádio Rondônia e  a TV Guajará, no seu telejornal com apresentação da Leslie e Rilmo Dantas na cinegrafia. A 2ª Rota do Cinema tem como produtora executiva Golda Barros, com realização da Associação Curta Amazônia.

Da Assessoria

Morre Isaac Bennesby, ex-prefeito de Guajará-Mirim

foto: O Mamoré

foto: O Mamoré

Faleceu na tarde deste domingo, o ex-prefeito de Guajará Mirim, Isaac Bennesby, provavelmente de infarto agudo do miocárdio.  Segundo o jornal O Mamoré, de Guajará-Mirim, Isaac sentiu-se mal na véspera de natal, sábado (24) e foi encaminhado para o Hospital Bom Pastor onde permaneceu até a manhã de domingo (25). Ainda neste domingo ele voltou a passar mal e foi internado novamente às pressas vindo a falecer. Primeiro prefeito eleito de Guajará-Mirim( 05/11/1983 à 31/12/1988 ) Bennesby voltaria ao cargo se reelegendo em 1.992 (01/01/1993 a 31/12/1996). Isaac também foi Deputado Estadual . Em 1978 , galga o mandato de deputado federal, pela ARENA, ainda no tempo do Território de Rondônia. É um dois deputados federais junto com Jerônimo Santana, do MDB. Como homem público, tinha uma imagem de “tocador de obras”, que o levou a ser convidado para outros cargos dentro da estrutura administrativa do Estado, como o DER. Atualmente, o engenheiro Bennesby  exercia o cargo de Diretor de Obras do governo Confucio Moura. O corpo de Isaac Bennesby está sendo velado na Câmara Municipal de Vereadores daquela cidade fronteiriça.

Casa Civil, Governador de Rondônia e ALE emitem notas de pesar

“Rondônia perdeu um grande homem publico, que não ajudava somente Guajará, tenho na memória o Dr. Isac Benesby fazendo asfalto de qualidade em Ariquemes, eu procurador do município e ele voluntario ajudando o Dr. Confúcio Moura (prefeito de Ariquemes) mudar a cara da cidade.

E eu Ricardo de Sá perdi um amigo, que deixou seu exemplo e sua marca de realizações por onde passou, fomos secretários juntos ele no DER e eu na SEIJUS, rendo minhas homenagens a família e desejo que o Espírito Santo os console.

Ricardo de Sá Vieira / Secretario Chefe da Casa Civil”

“O governador Confúcio Moura lamenta a morte do ex-prefeito de Guajará-Mirim, Isaac Bennesby.

Seus dois mandatos de prefeito, em 85 e em 92, fizeram de Isaac Bennesby o maior tocador de obras de Guajará-Mirim, onde tem sua marca em todos os setores. Foi o único prefeito na história de Rondônia a ousar e investir na pavimentação asfáltica de uma rodovia, a BR-425.

Foi com imensa consternação, portanto, que o governador Confúcio Moura recebeu a notícia da morte, ocorrida na tarde de domingo. Neste momento de dor e sofrimento, o governador que se deslocou na manhã desta segunda-feira até Guajará Mirim para participar do velório – solidariza-se com amigos e familiares para desejar que Deus o tenha em sua infinita Glória.

Confúcio Aires Moura / Governador de Rondônia”

“A Assembleia Legislativa lamenta o falecimento do ex-deputado estadual Isaac Bennesby, ocorrido neste domingo (25), em Guajará-Mirim. Isaac foi o primeiro prefeito eleito de Guajará, assumindo em 1º de janeiro de 1985. Foi eleito novamente em 1.992, ficando no cargo até 1.996. Isaac Bennesby foi deputado estadual no período de 1991 a 1994.”

Vários partidos políticos também expressaram mensagens de pesar como o PT, o PSDB e o PHS.

A Prefeitura Municipal de Guajará Mirim decretou luto oficial por 3 dias. Veja a nota na íntegra.

“Gabinete do Prefeito, 26 de dezembro de 2011

DECIO KEHER MARQUES

Chefe de Gabinete

DECRETA LUTO OFICIAL NO MUNICÍPIO DE GUAJARÁ-MIRIM, PELO FALECIMENTO DO EX-PREFEITO DR. ISAAC BENNESBY

                                                                                                

        ATALIBIO JOSÉ PEGORINI Prefeito Municipal De Guajará-Mirim, Estado de Rondônia, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 62,  da  Lei Orgânica do Município  e,

        Considerando o falecimento ex-prefeito senhor ISAAC BENNESBY, ocorrido no  dia 25 de dezembro de 2011,  pessoa muito conhecida e querida causa  um profundo sentimento de pesar e comoção na população de Guajará-Mirim:

        Considerando que Dr. Isaac Bennesky exerceu o cargo de Prefeito  por dois mandatos neste Município, seu nome ficará para sempre inscrito na historia política como o primeiro prefeito eleito pelo voto direto, também representou a região do Vale do Guaporé na Assembleia Legislativa do Estado de Rondônia, como Deputado Estadual sempre defendeu o progresso de Guajará-Mirim dentro e fora do Estado, sua figura e personalidade forte se destacava entre a população: nos meios políticos conquistou respeito pela lealdade, ultimamente mesmo não exercendo nenhum cargo político nunca se furtou em colaborar  com as Administrações que passaram pela Prefeitura Municipal, promulga o seguinte:

D E C R E T O

             Art. 1º – Fica decretado luto Oficial no Município de  Guajará-Mirim nos dias  26, 27 e 28 de dezembro de 2011, pelo falecimento do Ex-prefeito , DR. Isaac Bennesby.

        Art. 2.º -As repartições publicas  municipais e outras estacionadas no âmbito do município de Guajará-Mirim, nesses dias estarão com suas Bandeiras hasteadas a meio mastro em respeito ao luto oficial.

        Art. 3.º – Este Decreto entra em vigor na data de sua assinatura, revogadas as disposições contrárias.- Publique-se

      Palácio Perola do Mamoré, 26 de dezembro de 2011.

ATALIBIO JOSÉ PEGORINI

Prefeito Municipal

Feliz Natal (via Biblioteca da FAU USP)

Clique na imagem para ampliar >via Biblioteca da FAU USP

Hamlet disse : Há algo de podre no reino da Dinamarca

Agora é esperar prá ver a reação do PIG (Partido da Imprensa Golpista) sobre o caso. Vamos aguardar ! Enquanto isto,a Advocacia Geral da União (AGU) fracassou na tentativa de derrubar uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que restringiu o poder de investigação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O STF rejeitou no sábado um pedido de liminar feito pelo titular da AGU, Luis Inácio Adams, para que o CNJ fosse liberado para fazer as apurações.Ao mesmo tempo, Associações de juízes pedem investigação sobre Eliana Calmon, numa clara tentativa de intimidação corporativista. Em defesa da Ministra, os juízes argumentam : ‘Quem não deve não teme’

Para-choque de blog

“Tudo que se aperta demais, escorre entre os dedos.”

2012,vamos fazer amor ?

Por Marli Gonçalves

Sabe como é? Depois de tanto tempo escrevendo a gente vai pegando umas manhas de como atrair leitores. Uma das formas é botar sexo no título. Viu só? Você já deve estar aqui comigo, só pela proposta que faço de cara, para a gente fazer junto, mesmo que de forma figurada. Outra, falar mal de alguém que, se for famoso, então…Como quero você aqui até o fim, prometo falar de todas. Ou quase todas.

No nosso meio, de jornalistas, é batata. Você pode se matar no meio de uma guerra, com correspondências diretas da linha de front, pingando sangue. Pode passar dois anos enterrado em uma pesquisa sobre os efeitos das margaridas do campo. Mas nada, nada mesmo, terá tanta leitura quanto uma boa fofoca; se tiver sexo no meio (ops!) estoura. Remédios milagrosos e novas doenças também rendem capas que se esgotam, para desespero dos médicos em geral, principalmente na segunda-feira posterior, quando todos querem tomar aquilo, ou até já apresentam os sintomas descritos. É mais delicado se for falar de política, porque sempre divide opiniões, e você pode até acabar perdendo amigos, ou fazendo inimigos que nem sabe, porque mexe com paixão. Igual futebol. É dura essa vida de dar pitacos nas coisas.

Fez três anos agora que escrevo, religiosamente – não sei bem definir se é artigo, crônica, desabafo, ou manifesto – todas as semanas, com leitores em todo o país, além de muitos desgarradinhos pelo mundo. Chamo a todos de meus leitores queridos que, como ondas, dependendo do assunto, se comunicam diretamente comigo, quando recebem por e-mail. Se falo de política, uma turma; se comento comportamento, surgem outros. Não conheço pessoalmente a maioria, mas de alguns sei mais do que certamente alguns de seus mais próximos, estabelecendo com eles um elo de confiança notável. Agradeço imensamente todos os dias. Publicada em jornais, sites e etceteras de todo o país, de Norte a Sul, há um outro detalhe: perdi o controle de quem me conhece, me lê, me repassa. Quem espia no Facebook e Twitter.Ou mesmo quem é que aproveita e me visita no meu blog que comecei sem expectativas há pouco mais de um ano e que já atingiu mais de um Maracanã em dia de final. Lá, me divirto, comentando o dia-a-dia, inventando, pescando e caçando nesse mundo no qual ando mergulhada 24/24 horas, sem esquema de plantão, sem folga. Porque a cabeça é a antena que capta e vai junto do corpinho para onde ele vai.

Disse tudo isso porque quero mesmo é rodear este ano que vem, 2012, e que chega pronto a ser um pouco mais do mesmo e também a nos surpreender, pelo bem e pelo mal. Mais uma vez, não precisa ser vidente, o governo fará bobagens que cairemos de pau em cima (ops!), a oposição fará bobagens maiores ainda, o que nos deixará de saco cheio (ops!); escândalos, crimes escabrosos, catástrofes naturais ou vindas de burradas humanas nos mostrarão quão escroques podem ser os homens. Daqui, semana a semana, em meio a dificuldades, vou escrever sobre o que toca, aborrece, acontece, comigo e com você. Representar e apresentar muito do que você queria dizer. Mais do que queria dizer.

Todo ano tenho um mote a seguir, coisa que aprendi com um grande e bem sucedido empresário com quem trabalhei, que mantinha sempre um pé no mundo invisível. O mote que usarei desta vez veio de uma amiga muito querida, que você até conhece e gosta, mas não direi quem é porque não “carece”. O que ela me disse será a nossa mágica, a do balacobaco, de um ano par, de transformações e resistências.

Prepare-se. Mais uma vez teremos de nos reinventar diária e continuamente para criar, viver, sobreviver e suportar, no nosso mundo e fortaleza particular, irradiando para os círculos externos que chegam até ao assombroso Universo, que por sua vez já anda desdobrado, com seus planetas e sóis. Ao infinito.

Nessa passagem encontramos a crise mundial. Ou a terrível ameaça maia da qual ouviremos falar – pode es-cre-ver – todo santo dia, e que diz que o mundo vai acabar ou no dia 21, ou no dia 23 de dezembro. Ou nunca. O que só saberemos depois de instalar os enfeites de novo nas árvores de Natal. Vai ser um porre da porra(ops!).

Touradas serão proibidas na Espanha, o verão de Londres será finalmente mais quente com os Jogos de Verão (lá), e nossos soldados devem sair do Haiti que não é aqui. Todas as atividades que o menino Neymar fizer serão notícia no ano de centenário do Santos Futebol Clube.

Queremos saber se eles, o povo de lá, verão a primavera árabe finalmente, enquanto o inverno cala uma Europa dividida, uma América desengonçada, e uma Ásia tomando xarope de crescimento. Os presupuestos latinoamericanos continuarão comme çapresupuestos. Dois passos para a frente, um para trás, milongueiros, tangueiros, sambados. Batidos e mexidos, 007!

Ih, cheguei até aqui sem fofocar e falar mal de ninguém. Fico devendo.No momento ando mais é querendo saber qual será a moda do próximo verão que nem isso tem tido graça depois do verão da lata, do apito. Quero saber como vão fazer para as mosquitas Aedes pararem de trepar tanto, ter tantos filhos ( e nem ganham bolsa-família). Quero cortar o barato da barata, e agora descobriram lá na África uma barata safa que pula 48 vezes o tamanho de seu corpo. Não quero sonhar com ela, nem com o comentário de meu irmão quando contei sobre a talzinha, qe ele me disse que ela logo poderia chegar aqui de navio. Se tem até carrapato de sofá se mudando para o Brasil, embarcado em cruzeiros …É, é real.

Vou dizer que quero mais é que, se o mundo for acabar mesmo, que acabe em melado. Ou em chantilly, que é muito mais sexy.

São Paulo, na portinha de 2012, ano bissexto, portanto pode agendar coisas para 29 de fevereiro.

Marli Gonçalves é jornalista.  Ainda escreverá um livro com sexo no título, e quem sabe até, talvez, nos capítulos. Mas só depois de publicar esses nossos picadinhos semanais. E se você aceitar minha proposta inicial.

Diz a lenda – É Natal

Por  Beto Ramos

Vejo pessoas apressadas comprando sonhos.
As pessoas de bem ficam em silêncio vendo o movimento nas ruas, com seus automóveis e motos disputando cada palmo de chão.
É Natal e as casas estão todas enfeitadas com bolinhas vermelhas, pisca-pisca nos jardins e nas fachadas dos prédios.
Hoje, temos shopping com suas escadas rolantes, praça de alimentação e muita gente em busca de sonhos.
Já não existe o meu trator com rodinhas de sandália e a pá mecânica de lata de conserva.
Lembrei-me do meu bodinho verde que era puxado por barbante, tendo o som do motor feito na boca.
Saio de casa e esbarro nas pessoas que não me conhecem, e muitas não fazem questão de conhecer.
Elas estão apressadas em busca de algum sonho.
E vem aos meus ouvidos aquela música da Simone “Então é Natal, e o que você fez, o ano termina…”
Desligo o som.
Não quero ouvir a Simone.
Gostaria de ouvir as pessoas conversando, saudando uns aos outros com abraços fraternos como o que o Carlinhos Maracanã me deu em frente aos Correios.
É Natal.
Presentes.
Presentes.
Festa.
Muita festa.
E os nossos corações?
E o seu coração?
Ouvi um mendigo desejar feliz Natal para alguém.
Alguém desprezou o mendigo.
Não acreditou no seu coração.
Como está você mamãe?
E você meu caro amigo poeta das andorinhas?
É Natal!
Todos correm apressados em busca de sonhos.
Vou dormir às onze horas e esperar o Papai Noel.
Ele vai colocar o presente embaixo da minha rede.
Pela manhã, vou para o quintal, vou para rua com os meus sonhos nas mãos.
Eu também planto sonhos.
E nunca deixei de ser criança.
Mas, tenho medo de escada rolante.
Subi e desci a Avenida Sete de Setembro.
Andei na Barão do Rio Branco.
Fui pela José de Alencar.
Sentei na Praça Getúlio Vargas.
É Natal.
Todos respiram o Natal.
Todos buscam seus sonhos.
E o seu sonho, qual seria?
Vamos fechar os olhos e nos abraçar fraternalmente em pensamento.
Escrever a mais bela poesia como presente.
Cantar a mais linda canção composta com as batidas do coração.
Vamos fechar os olhos e dizer eu te perdôo, eu te amo e você é meu amigo querido!
É Natal.
As pessoas de bem se preocupam com os outros.
P… Papai Noel eu desejo de presente uma Porto Velho melhor.
Uma capital com uma melhor distribuição de capital.
Ah! Um segredo, o Papai Noel me visitou poucas vezes na minha infância!
Mas, nem por isso eu deixei de acreditar no meu Papai Noel.
E o meu Papai Noel anda com bota de seringa, poronga na cabeça, roupa surrada de beradeiro.
O saco é de estopa.
Dentro do saco sempre vai existir pedidos de felicidade, carinho, paz, amor, desejo de amizades verdadeiras.
Este Papai Noel vai caminhar todos os dias nas ruas de Porto Velho.
Sempre irá visitar a todos vocês que acreditam na vida.
É o Papai Noel dos mendigos.
Que anda na Estrada de Ferro Madeira Mamoré.
No Mercado Cultural.
Que desce a ladeira da prefeitura.
Que fica nas sombras das Três Maria.
Que navega no rio Madeira.
Este Papai Noel sempre vai estar em você, em todos nós.
Diz a lenda

Onde Deus está?

Darwin não disse isso

12 Motivos para casar com um Historiador

12 Motivos para casar com uma Historiadora !!!

Eu Amo Você, Não As Frutinhas Do Panetone

Para-choque de blog

” Estudo revela que depois de fazer amor, 10% dos homens voltam-se para o lado direito, 10% para o lado esquerdo e os outros 80% voltam para casa! “

O cão, o garoto gay, o político corrupto (via Devir)

Dentre as incontáveis falácias argumentativas que se infiltram em nossos discursos, uma em especial merece toda nossa atenção e carinho: o falso dilema. Ou, como prefiro chamar, a falácia da falsa escolha. Ela sempre surge quando, no discurso falado ou escrito, alguém insiste ou insinua que duas opções são mutuamente excludentes. Trata-se de um recurso muito utilizado no jogo político, quando se tenta cooptar a população a fazer uma escolha entre A ou B, ainda que A e B não sejam as únicas opções reais.

Vale destacar, contudo, que as falácias argumentativas, sejam elas quais forem, não constituem necessariamente um procedimento intencional. A pseudológica se infiltra em nossa comunicação cotidiana, e mesmo o mais treinado dos filósofos pode incorrer em erro. Independentemente da intencionalidade, é sempre importante avaliar se um discurso é lógico. Trata-se da diferença entre ser ou não ser manipulado.

A estrutura do falso dilema é simples:

Ou A ou B. Se não A, logo B.

O senso comum aceita esta estrutura com bastante facilidade. Ela é totalmente falsa, entretanto.

Vamos a um exemplo real muito simples:

“Os paulistas são palmeirenses ou corintianos. João não é palmeirense. Logo, João é corintiano”

Notem que a estrutura seria válida, se de fato todos os paulistas fossem apenas palmeirenses ou corintianos. Mas não é verdadeira, pois existem paulistas santistas, flamenguistas, paulistas que não gostam de futebol e não torcem para time algum etc.

“Ou mantemos armar nucleares, ou seremos atacados”

Falsa escolha evidente: não ter armas nucleares não implica necessariamente em ser atacado.

Recentemente, por ocasião do vídeo que mostra uma enfermeira torturando e matando um cão yorkshire, viu-se uma comoção pública geral, em que muitas pessoas clamavam a importância de punir aqueles que maltratam animais.

É quase uma lei da natureza: sempre que alguém fala da importância de cuidar dos animais ou milita em prol dos direitos animais, surge alguém questionando por que as crianças de rua não são importantes, ou por que os militantes de direitos animais não se importam com racismo, homofobia, misoginia, ou [insira aqui a causa de sua preferência].

Trata-se de clara falácia do falso dilema:

Ou direitos animais ou direitos humanos. Alessandra escolheu direitos animais, logo não escolheu os direitos humanos.

Este argumento é totalmente falso. O fato de uma pessoa sentir mobilização para lutar pela causa dos animais não significa que ela não se importe com os direitos humanos (e vice-versa). Qualquer tentativa de insistir nisso é maldosa e não tem lógica nenhuma.

Ainda na ocasião do assassinato do yorkshire, vi algumas pessoas lembrando que ano passado um adolescente (Alexandre Ivo) foi assassinado por motivação homofóbica. Estas pessoas reclamavam que, na ocasião, não houve a mesma comoção. Aqui, é preciso ter alguns cuidados: 1. Será que não houve a mesma comoção? Como quantificar isto? 2. Ainda que não tenha ocorrido a mesma comoção, isso não invalida (ou não deveria invalidar) a indignação contra o assassinato cruel do yorkshire.

Em essência, a afirmação poderia ser resumida da seguinte forma:

“Ao invés de se indignar com o assassinato do cão, vocês deveriam se indignar com o assassinato do garoto gay.”

ou

“Ao invés de se indignar com o assassinato do cão, vocês deveriam se indignar com o fato de que crianças estão nas ruas, morrendo de fome ou fazendo trabalho escravo.”

A charge abaixo foi uma das que mais vi ser publicada dias atrás, tanto no Facebook quanto no Twitter:

Se A, então não-B = FALSO

Ora, não é verdade que quem se importa com animais abandonados não liga para injustiças sociais. Insinuações em contrário, ainda que engraçadas, são maldosas. O que acontece é bastante simples de entender: as pessoas, por motivações diversas, são mobilizadas com mais intensidade por algumas coisas.

Há quem sinta especial mobilização pelos direitos dos animais. Há quem sinta especial mobilização pela causa gay. Há quem sinta especial mobilização para lutar contra o machismo, o racismo etc. Uma coisa não exclui a outra, e não são os outros que devem determinar (sobretudo a partir de argumentos coercitivos e falsos) as causas pelas quais nos importamos.

Vamos voltar no tempo. Quando Alexandre Ivo (um garoto de apenas 14 anos) foi assassinado em decorrência de homofobia, vi um sem-fim de pessoas denunciando o caso, falando sobre a importância da criminalização da homofobia etc. Eu fui uma dessas pessoas. Foi sem surpresa alguma que vi algumas pessoas postarem argumentos de falsa escolha. Diziam elas: “a homofobia é um problema, mas é um problema menor. As pessoas deveriam se preocupar mais com a corrupção, com políticos corruptos”. Diante de um anúncio que conclamava as pessoas a marchar contra a homofobia, várias outras postavam: “por que não fazem uma marcha contra a corrupção?”.

Notem que este tipo de discurso não é – estruturalmente falando – nada diferente do que está implícito na charge que postei aqui. Se fossemos desenhar uma charge baseada no discurso “ou homofobia oucorrupção”, ela seria mais ou menos assim: de um lado, pessoas fazendo passeata contra a homofobia. Do outro, um político roubando a todos e ninguém ligando.

Mas por que lutar contra a homofobia implica em não ligar para a corrupção? E quem disse que militantes anti-homofobia não se importam com a corrupção? O que mede o “se importar”? Xingar muito no Twitter?

O fato é que, além da falsa escolha, somos acometidos por um tipo muito sinuoso de narcisismo. Achamos – perdão, fui delicado, na verdade nós temos certeza – que nossas escolhas, militâncias, atitudes são as melhores e mais importantes do mundo. E que o outro, seja lá quem for, não procede do “jeito certo” [evidentemente, o "jeito certo" é sempre o nosso].

Não me espanta, contudo, que o oprimido possa se converter em opressor, mas não deveria ser assim. Quem se lembra [eu lembro] das cobranças injustas que ocorrem sempre que se milita contra a homofobia, o machismo ou o racismo, não deveria fazer as mesmas cobranças injustas quando outras pessoas [por motivações pessoais e vontade real] militam pelos direitos animais.

Outro tipo de falso dilema é continuamente criado também por alguns militantes dos direitos animais. Vi alguns vegetarianos postarem que aqueles que se indignaram com o assassinato do yorkshire são hipócritas, já que comem carne de vaca, porco, galinha, peixe etc.

Notem o falso dilema:

Ou você é vegetariano, ou não se importa com animais. Alex não é vegetariano, logo ele não se importa com os direitos animais.

Há alguma verdade quando se diz que quem se importa com os direitos animais deveria, sim, se importar com vacas, porcos, peixes, galinhas. O fato é que não necessariamente as pessoas se importam com os direitos de todos os animais, mas tão somente com os animais domésticos, com os quais estabelecemos vínculos afetivos. Neste caso, ainda assim não é verdadeiro se valer do argumento do ou/ou. Trata-se de uma diferença de grau de importância, e este grau de importância é passível de ser expandido com o tempo.

O que fica saliente, em todas estas celeumas, é o poder de afastar possíveis parceiros de luta a partir de discursos maldosos. Falácias lógicas costumam ter poder intimidatório, mas dificilmente se revelam funcionais quando queremos convencer alguém de algo. Qualquer pessoa minimamente inteligente percebe que está sendo sacaneada, e ergue defesas naturais, ainda que não consiga localizar exatamente onde está o erro no argumento do outro.

via Devir

Os desbravadores

Por Osmar Silva

Ele chegou recentemente. Visitou cidades e reviu amigos. E constatou a evolução de sua obra. Ele pertence a, um grupo de pessoas que chega, dá o melhor de si, deixa sua marca na sociedade e vai embora, silenciosamente. Assim também se dá quando resolve reaparecer. O rádio bôca-a-bôca funciona com agilidade e eficiência, criando oportunidades de abraços e alegrias mil. Pois embora tenha sido rigoroso na cobrança de tarefas ou do que quer que lhe tenha sido prometido por qualquer pessoa ou ente, deixou também a marca de amigo solidário e fiel. Além de realizador.

Foram os eflúvios do Natal que trouxeram a Rondônia o Padre Eloy. O seu nome evoca temas do seu tempo que continuam tão presentes. Exemplo disso é o Programa Terra Legal que, sob a batuta da presidente Dilma Roussef no país e do governador Confúcio Moura no estado, que busca imprimir o rítmo que o Incra perdeu na luta pela regularização fundiária e pela paz no campo. Ele ao seu tempo esteve presente nos anseios das famílias que vinham de todos os cantos em busca do ‘El dorado’.

Foi numa madrugada que nos encontramos no pátio do Incra de Ariquemes . Lá estavam vários colonos com seus cacaios repletos de mantimentos, ferramentas, remédios e sementes. Almas cheias de fé e peitos estufados de coragem. Estávamos prontos para embarcar nos ônibus minissaia já estacionados. Eles não tinham consciência, nem nós, mas estávamos protagonizar um episódio da história de Rondônia.

Os ônibus, com aquele grupo de pessoas, percorria, ainda com noite escura, as estradas de chão rumo ao Projeto de Assentamento Machadinho. Tratava-se dos primeiros colonos a por os pés naquele pedaço de sertão no extremo Norte do País. Entre eles, o executor Lopes, o padre Eloy e este repórter, à época, dono do O Parceleiro. Foi ele, o padre Eloy, que fez a primeira oração nas terras do Machadinho. E foi o colono Severino que recebeu o primeiro lote do que viria ser o pujante Município de Machadinho d’Oeste, extraído do Município de Ariquemes. Quem imaginaria que aquelas pessoas deixadas naquelas matas a 150 quilômetros de Ariquemes estavam protagonizando o nascimento de uma cidade? Será que, após enfrentarem as onças e os mosquitos da malária elas ainda estão por lá? Foram desbravadores como estes que deram seu suor e o seu sangue na construção desse estado hoje tão vilipendiado.

12 dicas para ajudar seu animal que tem medo dos fogos

Preços de verdura em Porto Alegre


Recorte de anúncio publicado num jornal de grande circulação de Porto Alegre. Compare com os hortifrutigrangeiros de sua cidade. Você que mora em Porto Velho, Rondônia e paga quase 3 paus num maço de alface com meia duzia de folhas, vai adorar. Boa sorte !

Enfim, a Miss Bumbum

É Rosana Ferreira, a Miss Bumbum. Capa da revista Sexy em janeiro. Voilá !

Farinha pouca, meu pirão primeiro:à mesa com os ribeirinhos

Nesta quinta-feira, 22, às 19h30, em Porto Velho,capital de Rondônia será realizado o lançamento do livro “Farinha Pouca, meu pirão primeiro: à mesa com os Ribeirinhos”, organizado pelas professoras Nair Ferreira Gurgel do Amaral, Neusa dos Santos Tezzari, Iracema Gabler e pela bibliotecária Glória Valladares Granjeiro.

O livro é resultado de pesquisa realizada por alunos e professores pesquisadores do grupo GEAL e ALFAM/UNIR nas comunidades de São Sebastião (margem esquerda do Rio Madeira), do Teotônio e do Bairro Triângulo e consiste em uma coletânea de receitas culinárias regionais escritas por crianças e adultos das comunidades.

Além das receitas, o livro contém fotos dos ingredientes e pratos preparados e notas explicativas de termos característicos da nossa gastronomia. “Este livro é resultado do nosso trabalho nas comunidades ribeirinhas e uma forma de resgatar e valorizar a memória e identidade cultural dessas comunidades”, afirma Nair Gurgel.

O Grupo de Estudos Integrados de Aquisição da Linguagem – GEAL/UNIR e Projeto Alfabetização de Ribeirinhos na Amazônia-ALFAM/UNIR são formados por alunos, ex-alunos e professores da Universidade Federal de Rondônia-UNIR e desenvolvem pesquisas e atividades sobre linguagem, educação, formação de leitores e multiculturalismo, dentre outros, em comunidades ribeirinhas da cidade de Porto Velho.

Ditadura comunista insiste em desenterrar cadáveres que nunca existiram (via Prof. Hariovaldo Almeida Prado)

A mais insubmissa das fêmeas deste matagal chamado Terra de Santa Cruz sancionou lei marxista que pretende apurar supostos crimes ocorridos no saudoso governo militar. Estas tais torturas a comunistas nunca existiram. Tudo não passa de um engodo arquitetado por Fidel para acabar com a democracia militar e instituir a ditadura civil vermelhusca que ora vivemos. Nossos valorosos generais de plantão, Castelo, Costa e Silva, Garrastazu, Geisel e João Bapthista, todos sabem que foram eleitos pelo povo. Não houve eleições por que eram desnecessárias. Foram eleitos por aclamação, por telepatia da multidão agradecida por ter sido salva do marxismo atroz. Continue Lendo via Prof. Hariovaldo

Diálogos entre Terroristas Iluminados (via Coletivo CCP)

- A sombra é o amorproprio da luz;
A descrença, o mauhumor da esperança;
A nostalgia um blues antigo que não diz nada,
Como a solidão desta oblíqua filosofia.

- Silencio é o aliado dos clandestinos;
A flor, uma armadilha para o orvalho;
Cogumelo é chave das portas da mente.
Filosofia é Vinho e Blues!

- O dialogo, é a sinapse da comunidade;
O terrorismo, a ousadia de macacos políticos;
A iluminação, antes de ser divina, é uma espiral de experiências próprias.

- Reposta é uma ponte móvel;
Acaso, um deus exigente;
Homem, espiral de existências;
Nós – Ilhas de Caos!

via Coletivo CCP

Rapidinha

O presidente da Federação Nacional das Empresas de Navegação – Fenavega, Meton Soares, recebeu preocupante mensagem do presidente do presidente do Sindicato das Empresas de Travessia e Navegação, Transporte de Passageiros, Veículos e Cargas Lacustre e Fluvial do Estado de Rondônia (Sindfluvial), Raimundo Holanda. Além da queda do nível d’água do Rio Madeira – essencial para navegação na região – apareceram no rio conjuntos de toras de árvores, que, presumivelmente, poderiam ter sido liberados pelas construtoras das barragens no rio, ameaçando os barcos da região.

MPA e IBAMA assinam documento que permitirá ao Brasil exportar o Pirarucu

O ministro Luiz Sérgio (Pesca e Aquicultura) e o presidente do Ibama, Curt Trennepohl, assinam, nesta quarta-feira (21/12) ao meio-dia, na sede do Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA), documento que legaliza a criação do Pirarucu (Arapaima gigas) em cativeiro e possibilita, pela primeira vez, a sua exportação. O peixe desperta o interesse do mercado japonês e de países europeus como França e Alemanha.
A autorização atingirá apenas os peixes comprovadamente criados em tanques escavados por produtores autorizados pelo Ministério da Pesca e Aquicultura e pelo Ibama. A comercialização do peixe capturado nos rios segue proibida. A medida valerá, a princípio, para o estado de Rondônia, que já possui uma grande produção aquícola, mas será ampliada aos demais estados produtores no primeiro semestre de 2012.
O pirarucu é um dos maiores peixes encontrados em rios e lagos do Brasil podendo atingir três metros de comprimento e pesar mais de 200 quilos. Com sabor característico e carne de textura firme o pirarucu é considerado o “bacalhau da Amazônia”.

EICTV,de San Antonio de los Baños, anuncia especialização em Tv e Novas Mídias em Cuba

A EICTV de San Antonio de los Baños, Cuba, está lançando uma nova especialização, TV E NOVAS MÍDIAS, a partir de seu curso regular 2012 – 2015.   Serão selecionados 5 alunos, que vão cursar o primeiro ano de polivalência e o segundo e terceiro anos de especialização, como os demais estudantes das outras sete cátedras já existentes (Direção de Ficção, Direção de Documentário, Edição, Produção, Som, Roteiro e Fotografia). A escola entende que a TV é o meio mais próximo dos cidadãos e sua transformação digital a converte em um dispositivo em expansão, que integra diversas novidades tecnológicas. A EICTV busca, com a criação desta especialização, complementar sua alta experiência e qualidade no ensino dos ofícios de cinematografia, com a incursão na televisão e novos meios digitais. O processo de seleção para estudantes brasileiros vai acontecer em cinco cidades: Belo Horizonte, Florianópolis, Recife, Goiânia e Belém, nos dias 16 e 17 de março de 2012.  As inscrições começam no final de janeiro.  O Coordenador dos exames da EICTV no Brasil é o Guigo Pádua. O fone para contato é(31) 9635-1026

Flávio Dutka : não precisa dizer mais nada…

Beleza indígena em destaque em concurso na aldeia Karitiana

A beleza e a graça de 15 meninas indígenas vão desfilar pela passarela montada na aldeia central do povo Karitiana, a 95 km de Porto Velho (50 km pela BR 364 sentido Guajará Mirim e 45 km pelo ramal Maria Conga), nos dias 21, 22 e 23 de dezembro. É o primeiro concurso do gênero organizado pela Akot Pypin Abnipa, Associação Indígena Karitiana, presidida pela liderança Renato Karitiana.
A disputa para consagrar a mais bela garota indígena será dividida em etapas eliminatórias. Ao longo dos três dias também estão programadas outras atividades como campeonato de futebol e um grande churrasco na final do concurso.
A abertura será no dia 21, às 8h, com desfile das candidatas caracterizadas com roupas tradicionais. As meninas entre 12 e 16 anos, das três aldeias karitianas, serão julgadas por um juri de cinco pessoas formado por representantes da cultura não indígena (2) e indígena (3).
Como se trata da primeira iniciativa, a associação busca apoio dos vários segmentos da sociedade para dar ao evento o merecido destaque. De acordo com Valdenilda Karitiana, que faz parte da comissão organizadora, a ideia é presentear as meninas com kits de maquiagem ou produtos de beleza, por isso solicita aos comerciantes ou instituições que queiram apoiar, para procurar a associação. (telefone *69) 9229-1774).
A comissão organizadora, em nome do presidente eleito, Antenor Karitiana (assumirá em breve), convida toda a população para prestigiar o evento, que representa a valorização da autoestima das meninas indígenas, bem com a difusão da cultura karitiana. “É uma maneira da sociedade conhecer melhor nossa aldeia, nossa cultura, nossa gente”, explicou Renato Karitiana.

O dia do juízo sobre nossa cultura?

BANDA PODRE: A CORAGEM COMO FATOR DECISIVO PARA GANHAR MAIS DINHEIRO.

A ilusão de consertar o mundo com imagens chocantes

Para-choque de blog

Nem tudo o que enfrentamos pode ser mudado. Mas nada pode ser mudado enquanto não for enfrentado. (James Baldwin)

O Poder do Pesadelo I – Querida, faz frio lá fora !

O Poder dos Pesadelos – a ascensão da política do medo, mini-série da BBC onde se retrata o percurso de dois movimentos que têm muitas similaridades: os neo-conservadores nos Estados Unidos e os fundamentalistas islâmicos. Imprescindível , no momento em que os EUA retiram as tropas do Iraque.