Meio-ambiente : TAM fará vôo experimental com biodiesel

O presidente da TAM, Líbano Barroso, disse hoje que a empresa fará um voo experimental em setembro utilizando “biodiesel derivado do pinhão manso, o “Jatropha curcas L.”   Ele fez essa afirmação durante sua palestra no painel “Desenvolvimento e Tendências para as Companhias Aéreas”, na Cúpula União Europeia – América Latina da Aviação Civil, que se realiza nesta semana no Rio de Janeiro. O pinhão manso já vem sendo pesquisado há bastante tempo pela Brasil Ecodiesel, uma das gigantes do setor de combustíveis verdes.

Segundo Barroso, o voo será sem passageiros e vai durar apenas 45 minutos. “Vamos utilizar 50% desse biodiesel, e o teste será feito a partir do aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro”, explicou o presidente da aérea.  Os aviões comerciais são uma das grandes fontes poluidoras do nosso planeta contribuindo em grande escala para o aquecimento global e o efeito estufa.  Não se tem notícia de que outras aéreas como GOL, AZUL, WEBJET e AVIANCA, para citar as líderes em “market-share” tenham algum tipo de preocupação ambiental neste sentido.

O biodiesel já é adicionado por lei, à proporção de 5 % no diesel consumido no país e já há uma campanha para a adoção do B10, ou seja, adição de 10 % de biodiesel no diesel vendido nas bombas. Ele é considerado um combustível ecológico, por ser biodegradável, não-tóxico e praticamente livre de enxofre e aromáticos. Resulta na redução de até 78% de monóxido de carbono e de hidrocarbonetos, quando comparado com a queima do diesel mineral. É produzido por tecnologia de produção nacional, simples e conhecida e além disso, pode ser enquadrado no mercado de créditos de carbono. Rondônia e o Norte são vistos como possíveis produtores de biodiesel, que pode regenerar áreas já degradadas com o plantio do pinhão manso, que não tem utilidade comestível e representa um grande avanço na busca dos combustíveis renováveis.  Outras fontes , em menor escala, para produção de biodiesel são o sebo bovino, que até então tinha pouquissima utilização e por isto, preço de venda muito baixo.

Pouca gente sabe, mas Rondônia já produz biodiesel.

Já pensou ?

Chique no “úrtimo” ir prá Europa com combustível produzido em Rolim de Moura, Vilhena e Chupinguaia !

Daí, o que você acha disso ?