As Estrelas e as Luzes da Cidade

Cátia Cernov

Luzes artificiais ofuscam a perspectiva da imensidão

As galáxias, inconcebíveis, lá em cima

Mas invisíveis aos homens aqui embaixo

Presos aos néons que eternizam a beleza das mercadorias

Alienação de luz…

Toda poeira cósmica arrasta um bocado de nós,

Toda forma de poder contém nosso medo,

Toda célula reproduz a nossa vontade,

Todo quantun conhece seu destino.

As luzes da cidade são nosso medo da escuridão

E as estrelas, nosso medo de revelação.

Somos carne e feixes de luz,

Queremos céu, queremos chão

Temos asas, temos tesão.

Aos anjos oferecemos nossa alegria,

Aos demônios, nossa orgia

E para a terra, deixamos nossas sementes:

Luzes, neons, sombras, ilusões, projeções…

e outros rascunhos pixados nos muros.

Que importa as galáxias lá em cima?

Aqui, no centro da cidade, amamos sem pudor.

4 pensou em “As Estrelas e as Luzes da Cidade

  1. Susana Garcia

    Essa menina é minha prima…crescemos juntas. Houve um tempo em que nossa história era contada como HQ…cada frase dita, cada experiência vivida era dividida entre nós..mas o mundo gira, novos caminhos, o imensurável tempo que conseguiu fazer quase tudo…menos diminuir o amor…”a boca fala do que o coração está cheio”…parabéns!

    Responder

Daí, o que você acha disso ?

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.